.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sábado, 14 de junho de 2014

Do caos à arte.


Muitas pessoas não se consideram muito criativas porque a criatividade é um “dom” ou um certo “talento” especial, reservado a poucos. No meu caso, por exemplo, considero-me uma negação para desenhar, não consigo fazer nada criativo ou razoavelmente perto do natural.
Por outro lado, ironicamente, alguns dizem que a criatividade e a loucura são muito próximas. E vendo de perto obras como as de Salvador Dali que pude observar há alguns dias numa exposição aqui no Rio, quase acredito nesta última teoria, pois a impressão é que o artista teve visões alucinantes, beirando a loucura, mas ao mesmo tempo produziu belas e intrigantes telas.

A resposta para coisas assim, talvez esteja na 'teoria do caos', que faz revelações que sustentam a natureza de cada um de nós como seres criativos.

A desenhista Mary Doodles, submeteu-se a um desafio para provar justamente como criar arte a partir do caos. Então, pediu a um amigo que rabiscasse qualquer forma num papel com olhos fechados para que ela transformasse em um desenho em seguida.

O resultado está neste pequeno vídeo abaixo, lindo e impressionante.


" Observar a maneira como os criadores profissionais trabalham com o caos permite-nos vislumbrar
fundamentadamente um processo que, na verdade, encontra-se disponível dentro de cada um de nós
– porque a mais pura verdade é que todos somos criativos."








14 comentários:

✿ chica disse...

Beth, que incrível e lindo vídeo! Co as linhas feitas pelo rapaz, a única coisa que previ foi a árvore, que tinha o tronco delineado. Mas o resto? Nooooooooooooooooossa! Adorei! E tudo dela, todo o s desenhos, perfeitamente compreensíveis, ao contrário de tantos outros.

Eu não consigo fazer nem uma bola direito,rs beijos,tudo de bom,chica e um lindo fds!

Célia Rangel disse...

Sempre há um processo criativo no caos.
Abraço

Marli Soares Borges disse...

Que bacana Beth!
Olha menina, como já dizia minha avó: quem é bom já nasce feito! Que talento divino!
(Aqui no sul, há muiiiiito tempo, tivemos um rapaz que desenhava assim, a partir de traços aleatórios, a Globo até andou promovendo ele, mas eu nunca mais soube de nada)
Obrigada por esse post, com esse video tão lindo!
Bjs
Marli
Blog da Marli

Maria Célia disse...

Olá Beth
Sensacional, isto é que podemos chamar de uma pessoa talentosíssima, uma habilidade incrível, mãos de fada.
Eu sou uma negação neste quesito, tenho até vergonha.
Um beijo

Beatriz disse...

Gente, e eu que pensava ter, ao menos, a pontinha do dedo mindinho de criatividade....
Definitivamente, desenho não é o meu forte, rs. Deixo para os sábios!

Beijinhos e um bom fim de semana!

Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

ML disse...

Ai, Beth, a Internet aqui está uma ... delícia, delícia, assim vc me mata..." :)
Só rindo pra nao chorar, cai a toda hora, ops, minuto...
Estava vendo o vídeo - impressionada!
A artista é muito FERA!!!!
Caos pra gente, pra ela linhas são caminhos! AMEI!

bjnhsssss e divirta-se nessa Copa!

Antonio Reis disse...

Adorei o clip.
A loucura e a criação devem mesmo estarem ligadas diante as obras que vemos por ai em todas suas variações.
Eu tenho mania de dizer diante uma linda composição musical ou propaganda, que a pessoa deve ter cheirado alguma coisa ou fumado algo diferente,kkkkkk
Uma bela partilha Beth como sempre com reflexões perfeitas.
Um lindo domingão para voces.
Meu terno abraço de paz.
Beijo

Silvana Haddad disse...

Beth:
Definitivamente não tenho o dom pra desenhar, rsrsrsrs.
Mas, logo no início, pensei justamente numa árvore.
Acho que isso é coisa de criança, né.
Afinal uma casa, um boneco desengonçado e uma árvore qualquer um de nós é capaz de criar...
Bjs.:
Sil

Calu B. disse...

Que sensacional criação, Betinha!A autora nos deixa de boca aberta diante da estupenda obra que surge a partir do caos.
Numa proposta bem mais simplista, uma atividade desenvolvida em sala de aula propõe aos alunos transformarem o que consideram feio/erro em seus desenhos, para uma nova releitura__ mudando o foco__ transformando o rejeito em aceito e, surgem imagens formidáveis a partir daí.
Adoro desenhos e todo o universo gráfico, mas como vc me restrinjo a aplaudir; desconfio que este meu dom ainda não deu as caras, rsrsrsrs
Bom domingo.
Bjkas festivas,
Calu

Vieira Calado disse...

Deixo-lhe as minhas saudações poéticas, nesta minha 1ª visita!

Bia Jubiart disse...

Oi amiga Beth!
Fico me coçando quando vejo notícias de exposições de artistas no eixo Rio S. Paulo, que tenho tanta vontade de ver a obra de perto e estou tão longe... Quase tive um troço na de Caravaggio rsrsrsrs.
Acredito piamente que a criatividade é uma característica natural do ser humano, umas afloram outras não, ficam escondidinhas,
Amei o vídeo!
Tenha uma semana luz!
Grata pelas palavras no bloguito!
Bjossssssssss

Teresinha Ferreira disse...

Olá Beth,
Fiquei aqui pensando nas transformações de algumas tatuagens. Aquelas que ficam feias e que ganham novos traços.
Esse processo criativo é algo bacanérrimo. A partir de linhas cria-se figuras como o desenho do vídeo. Amei!
Acho que todos somos criativos com segmentos diferentes. Cada um possui essa fascinante magia de criar, apenas não exercita... Fica adormecido.
Beijos mil

Teresinha Ferreira disse...

Voltei só pra dizer que gostei do pensamento do dia.
Beijos mil

Lúcia Soares disse...

Também sou uma nulidade em desenhar, ou qualquer tipo de arte. Espetacular o vídeo, a moça é uma artista e acho que isso é dom, sim, já se nasce com essa facilidade.
Acredito que todo artista tem um pouco de loucura em si, porque a criatividade exige muito deles. Meu irmão que se foi era um artista e a cabecinha voava longe! rs
Mãos abençoadas, de alguma forma.
Daqueles traços eu não tirava nem o tronco da árvore, imagina a maravilha que ela desenhou!
Beijo, Beth.