.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Vou de táxi VII

-Facebook-

Caros amigos, pegar um táxi no Rio é como dar um passo no escuro.
Mas, eu, tenho sido corajosa, peguei 4 hoje para ir de um ponto ao outro da cidade, todos trajetos pequenos, nada caros, porque por incrível que pareça, táxi carioca não é dos mais caros do Brasil. Ponto pra isso, pelo menos!  No entanto, pode ser grande a possibilidade de um trajeto que seria tranquilo e corriqueiro, se transformar em aborrecimento, já que precisamos desses serviços, porque simplesmente, para se chegar de um lugar a outro nesta cidade linda de morrer e caótica de morrer igualmente, não tem muita saída, a não ser de carro algumas vezes.

Para todo o lado que se olha na cidade tem táxi, pontos de táxis, os famosos amarelinhos. Aliás, dizem as estatísticas, que há 1 carro para cada 170 pessoas aqui no Rio, situação bem melhor do que a maioria das cidades brasileiras, mas o serviço ainda é sofrível e continua longe de atender ao padrão de qualidade com a importância turística de uma cidade como esta, que recebe tanta gente e receberá muito mais para a Copa do Mundo no ano que vem. Alguns já deveriam estar fora das ruas, tal estado em que se apresentam, mas a prefeitura continua a fingir que não vê este e outros problemas.

Eu até tenho tido sorte com alguns choferes de praça, mas muitos são grosseiros e os carros não muito bem cuidados, mas isto eu já fico de olho antes de fazer sinal para o mesmo, só gosto de entrar em veículo em bom estado, afinal estou pagando e não vou me arriscar por aí.

Uma coisa muito importante é você saber como chegar ao seu destino.  Procure informar-se antes pelo Google Maps sobre o trajeto que vai fazer ou fale com firmeza ao dizer o endereço que deseja ir, justamente como eu fiz hoje, com a maior determinação como se eu conhecesse todo o percurso, mas nem sabia direito, no entanto eu não poderia deixá-lo perceber isto, senão, provavelmente, iria dar muitas voltinhas comigo até chegar onde eu queria.

Não entabulei conversas longas nos trajetos de hoje, pois acordei cedo, e, pela manhã não sou muito boa de conversa fiada, mas um deles me disse algo interessante quando um outro colega dele o cortou e freou bruscamente à sua frente, correndo inusitadamente aquela hora da manhã - "Poxa, se agora cedo ele já está assim, nem quero cruzar com ele mais tarde!" -  e eu concordei com o taxista, pois parece que o estresse urbano vai crescendo conforme as horas, por isso tratei de voltar logo pra casa depois do que eu tinha que fazer na rua.

E você, encara ou não, táxi por aqui ou em sua cidade?








24 comentários:

Ritinha disse...

Bom, acho que esse é um problemão geral em qualquer grande cidade. São Paulo não fica fora disso. Tal qual os problemas que enfrenta, acho que há uma máfia por trás disso tudo.
Mas, há muita gente boa tambem.
Infelizmente há muito descaso dos nossos governantes.
bjs
Ritinha

✿ chica disse...

Se eu pudesse faria tudo apenas com táxis. Kiko fica danado quando eu digo que prefiro os táxis . è verdade, pois mesmo por vezes pegando uns asquerosos, metidos e nervosinhos, a maioria é tranquila e até me surpreende, pois eu fico no banco de trás me segurando a boa pra não dar umas belas palavrinhas aos motoristyas que po nós passam e fazem barbaridades.


Os papos, geralmente bons. Alguns mais velhos, eu prefiro ficar calada, pois só falarão de doenças, ites e ites, e isso tô de saco cheio!


Mas adoro os táxis e a maior tranquilidade que me passam.

Se pegamos tranqueiras, se fura um pneu, posso descer e abandonar e se é nosso, temos que aturar! beijos,chica

Yasmine Lemos disse...

Eu pra cima e pra baixo de taxi, uns muito educados outros péssimos como vc bem disse no texto.Aqui tem de tudo jeito, carro velho, carro novo, e as tarifas acho caras porque ando para lugares aqui por perto,como odeio dirigir e tenho que levar meu filho,não tem outra opção ,só um motorista ui! kkkkkkk beijão

Pitanga Doce disse...

Agora nem tanto, mas quando ainda estava "combalida", pegava táxi direto. Chamava o rádio-táxi ou procurava pegar os que ficam nas baias nos shoppings. Ouve-se de tudo, desde opiniões políticas até definições religiosas. O pior de tudo (pra mim) é o gosto musical. Quando eu entrava num carro que tinha o som alto e naquelas emissoras onde todos (desde os locutores aos ouvintes) parecem surdos e começam todas as frases com "alô galera"! a minha vontade era abrir a outra porta e dizer: fui! hehe

beijos Beth-Angélica.

Toninho disse...

Pois bem Beth,penso que ainda temos muito que melhorar nesta questão da mobilidade e o uso de veiculos de locação que disponibilizam para os usuários destes. Ainda temos muito desta malandragem de explorar o usuário, que não conhece o trajeto a percorrer em qualquer cidade, principalmente nas capitais.
Ir de taxi deveria ser uma viagem tranquila, mas o que vemos por ai, são uns estressados ao volante provocando horrores aos usuarios.
Não os tenho usado, mas nas ultimas vezes que usei, confesso, que freava muito com o motorista e rezava para São freio.
Um abração amiga e que Deus nos proteja nesta selva.
Bjo de paz e luz nos seus dias.

Márcia Cobar disse...

Encaro sim, Betinha.
Antes de me mudar para o Rio em 2008, vendi meu carro porque achei mais prático (e seguro) utilizar o transporte coletivo e os táxis. Foi uma escolha acertada, nunca passei apuros dentro do amarelinho.
Uma precaução era sempre ligar para cooperativas, que além de pontuais, ofereciam um desconto legal até o aeroporto.
Em Goiânia há poucos táxis e o serviço é bem caro. O ponto positivo é que os taxis são muito novos, é de impressionar!
Como a cidade é relativamente segura, dirijo meu carro pra cima e pra baixo. Só quando volto da balada depois de uns drinks que pego um taxi.
Beijo querida!
Márcia

R.D.S. disse...

Até que aqui em Curitiba é meio tranquilo pegar um taxi. Tenha uma boa noite
Abraços Rafaéle

Maria Célia disse...

Ei Beth
Olha, pra ser sincera, aqui na minha cidade já deve ter uns dois anos que não ando de táxi.
Pedro Leopoldo é pequena, 70 mil hab., muito plana, ando muito de bicicleta, a pé e carro, não dirijo, mas ando com meu marido e minha filha.
Já tive uma experiência ruim com taxista no Rio, meu marido também teve, não conhecia o trajeto e foi explorado até, pagou o dobro do valor correto da corrida.
Beijo.

ONG ALERTA disse...

Taxis são comodidades...beijo Lisette.

ML disse...

Durante o dia, muito raramente, Beth: vou de ônibus, de metrô ou a pé (bem mais barato).
À noite, certamente, porque não compensa sair de carro (por causa da Lei Seca).
re. "pretender saber o trajeto", tento, mas acho que não "cola" (eu gaguejo ; > )))
Em SP, um detalhe: os motoristas perguntam como chegar lá: o melhor é a gente perguntar se conhecem o trajeto antes de embarcar no taxi ou acionar um mapa e ensinar o sujeito: não é malandragem, não (dizem meus amigos paulistas), os taxistas de lá não sabem todos os trajetos mesmo. bjnhsssssssss

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia
Beth
...é um caso sério, isso, né?
...em São Paulo o serviço de táxi é um problema sério, não há frota suficiente para suprir demanda, o serviço é péssimo,e como dito, alguns bem educados, outros sem educação nenhuma.Mas, comigo, não tem dessa, ação e reação, sempre! E no Aeroporto de Guarulhos, a mesma coisa. Filas imensas para pegar um dos táxis mais caros do planeta. Os setores da iniciativa privada tem tomado algumas iniciativas para mitigar o problema, uma vez que o poder público tem se mostrado ineficiente e sem interesse em mudar essa situação. Se está ruim para nós, usuário local, pior ainda será para o "estrangeiro" que comparecer à Copa .Sem entrar no mérito daqueles que serão “garfados” nas tarifas, em voltinhas e/ou taxímetro adulterado. Penso que, por vezes, o no “tiro”, como vocês chamam aí no RJ, é até melhor, ou seja o valor pré-acordado para determinados trechos...
Obrigado pelo carinho da visita e pelas palavras em meu blog.
Bom final de semana
Beijos

✿ chica disse...

Voltei pra agradecer teu carinho,Beth! Adoro os pacotinhos também... Coisas que ficam marcadas...

beijos,lindo dia e fds!chica

Dama de Cinzas disse...

Sou carioca nascida e criada aqui, mas não me acostumo com o jeito dos taxistas daqui. A primeira coisa que eles perguntam é por qual caminho queremos ir. Eu tenho vontade de voar no pescoço deles. Respondo logo de forma bem grosseira. Que é para ir pelo caminho mais perto, porque sou carioca e conheço tudo. Aí eles se calam e fazem mesmo o caminho mais curto... rs

Beijocas

Calu B. disse...

Não sou assídua, mas de quando em vez tomo um táxi aqui na cidade.O último foi no mês passado e te digo que a experiência foi boa.O veículo em ótimo estado, novinho,o motorista gentil e simpático fez o trajeto da minha casa ao centro conversando sobre a marca de seu carro,a potência do motor os cuidados com as engrenagens...tive uma aula de mecânica muito didática,rsrsrs Descobri tudo sobre a rebimboca da parafuseta!Quando estávamos perto de nosso destino ele comentou que era Professor de Geografia do ensino médio e completava sua renda mensal como taxista três vezes na semana.
É, minha amiga,esta é a realidade nua e crua dos descalabros que acontecem em nossa maltratada pátria-gentil, onde professores precisam fazer bico pra sobreviver.

Bjkas e ótimo fim de semana.
Calu

Cris Henriques disse...

Olá amiga Beth.

Há muito tempo que não ando de táxi, derivada às minhas condições físicas que não o permitem. Mas sei que aqui em Portugal, meu país, fica caro chamar um táxi. As pessoas, preferem andar de autocarro.
Grata pela tua visita.
Volta sempre. :)

Beijinhos,

Cris Henriques

http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

Nina disse...

Engracado é que aqui onde moro há 7 anos, se peguei 6 vezes um táxi, foi muito (isso sem exagero algum) e tu pegaste 4 só num dia :-)

Beth andei tbm bastante de taxi nessa viagem ao Brasil, e tive boas e pessimas experiências, as melhores eram qd Pedro entrava num ja fora de manaus e dizia SEMPRE: "moco, pra casa da vovó" ou qd ele no Rio, ficava procurando o Cristo Redentor aparecer em cada esquina. Uma vez em Sao Paulo peguei um motorista maravilhoso, um homem lindo e inteligentissimo, conversamos sobre a situacao do Brasil todo o trajeto, foi bem legal :-)
Mas mts me deixaram bem chateada, p ex, qd nao tinham o cinto de seguranca disponivel pra o passageiro atras, menina, isso me dava uma raiva!

Bjs amore

Silenciosamente ouvindo... disse...

Em Lisboa sucede o mesmo. E andam
sempre a uma velocidade exagerada.
Só em último caso utilizo táxi.
Bj. e bom fim de semana.
Irene Alves

Michelle Siqueira disse...

Então você está realizando um estudo empírico neste tema, hein?! Interessante.
No primeiro ano em Lisboa eu usava bem o serviço de táxi, era ótimo. Mas tive que lidar com alguns motoristas que simplesmente não aceitavam fazer trajetos curtos, era frustrante. Aqui no Brasil, usei pouco porque tinha tendência em acreditar que era um serviço caro. Mas hoje em dia já não acho. Concordo muito quanto ao mau estado dos carros e acho que existe uma certa malícia por parte dos motoristas quando percebem que a pessoa não conhece bem a cidade. Não deve acontecer no país inteiro, claro. Mas em Salvador, por exemplo, acontece de verdade.

Bjs,

Michelle

Samsara SP disse...

Boa noite querida, gostaria de te convidar para participar do sorteio do meu blog com a parceria da Dinha Ponto Cruz, conto com sua presença, fica com Deus, beijinhos!
http://pontocruzdasamsara.blogspot.com.br/

Luma Rosa disse...

Oi, Beth!
Eu já morei em outras capitais do Brasil, assim como grandes centros em outros países, mas o Rio foi o primeiro lugar que senti medo ao pegar um taxi. Não vou ao Rio sem ter condução própria e quando eu morava no Rio, eu tinha um motorista que também fazia o papel de segurança. O Rio foi a cidade que mais me senti insegura e por isso resolvi mudar para uma cidade menor. Aqui onde moro, posso andar se não tiver uma condução. Tudo é praticamente perto. Mas eu compreendo que para você a melhor alternativa seja pegar um taxi, ainda mais com a cidade cheia de obras.
Como vai ser no ano que vem? Só Deus sabe! Enquanto tivermos pessoas que impetram na justiça pedidos errados, estaremos à mercê do poder! Estou dizendo isso por conta da vizinha do Sérgio Cabral que entrou na justiça contra o povo que está se manifestando na frente do apartamento do dito cujo. Pois ela deveria entrar com um processo contra o governador pedindo que ele saia da vizinhança. Até estou achando que essa mulher é cobra mandada!!
Beijus,

Beatriz disse...

Oi Beth!

Andar de taxi ultimamente tem sido uma loteria, que de vez em quando a gente até acerta!

Beijinhos e um domingo feliz!

Bia

www.biaviagemambiental.blogspot.com

Léia Silva disse...

Querida amiga
Excelente a tua dica de conferir o percurso a fazer primeiro no google maps!
Eu até que encaro táxi, mas aqui na minha cidade é artigo de luxo! Nunca vi um ponto e nenhum pelas ruas, é estranho, mas é verdade! Na cidade ao lado, que vc conheceu, vi táxi apenas no aeroporto!
Bjo grande e tenha uma linda semana.
Léia

Silvana Haddad disse...

Beth:
Aqui em Curitiba, em dias de concurso ou qualquer prova que tenha muitos candidatos, e também nos dias de chuva, é praticamente impossível conseguir um táxi rapidamente.
Mas no geral, o serviço é bastante satisfatório.
Bjs.:
Sil
http://www.meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

Toninho disse...

E eu com saudade de pegar um táxi com você com aquelas boas historias e ensinamentos.
Quando decidir fazer uma turnê pela cidade maravilhosa favor me avisar,rsrs.
Carinhoso abraço amiga.
Beijo