.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 28 de abril de 2013

A crise afronta, mas não derrubará a Democracia.

-Pinterest-

As palavras abaixo me tocaram profundamente quando as li hoje, debaixo do sol acariciante de outono, na calma de minha varanda. (O personagem se refere a passividade que o mundo ficou diante da destruição de Sarajevo e a guerra sangrenta na Bósnia):
". . . Todos vocês, do mundo seguro, com seus air bags, suas embalagens hermeticamente fechadas e suas dietas livres de gordura.  Vocês é que são os supersticiosos.  Vocês se convencem de que podem tapear a morte, e se sentem absolutamente ofendidos quando descobrem que não podem.  Vocês ficam sentados em seus apartamentos confortáveis durante toda a nossa guerra, e nos veem sangrando pela televisão pensando: "Que horror!"  Em seguida, levantam-se e tomam outra xícara de café expresso." (*)
Bem, para começar não temos 'mundo seguro' em lugar nenhum, ainda mais aqui neste nosso país varonil, abençoado pela natureza e abandonado pelo poder público, mas, com certeza, estamos ainda melhor do que muitos mundos por aí deste incrível planetinha, porém este comportamento passivo a que o personagem se refere é o que acontece no cotidiano, quando vemos as notícias pela televisão, jornais ou pela Internet.
Sentimos tristeza com certos fatos e ao mesmo tempo impotência diante dos mesmos.  Algumas pessoas têm ficado apáticas, completamente distanciadas de qualquer manifestação, fingem que o mundo é cor de rosa e que é somente dentro do perímetro de suas casas. Mas não podemos deixar de nos indignar, de falar, de tentar mobilizar as pessoas para atos que possam trazer consciência e impulsionar o mundo a lutar por dias melhores e não apenas aceitar pacificamente o que querem nos empurrar goela abaixo.

Nesta última semana os fatos ocorridos no mundo político é de deixar qualquer um desiludido, sem esperanças no futuro de nosso país.  Não é possível que homens desonrados, que carregam nas costas denúncias de invasão no terreno da ética e dos bons costumes morais, que já foram  julgados e deveriam estar atrás das grades, maquinem ideias para derrubar nosso Judiciário e tocar o terror na nação!  É uma crise que nos afronta, tentam nos intimidar pelo medo e pela força, mas não podemos deixar que a conquista tão suada, a Democracia, seja atingida desta forma. Por isto não devemos nos calar, se não temos condições de ir às ruas para protestos, manifestemo-nos através de palavras, pois ela ainda é uma força grandiosa e que podemos usar aqui e em muitos outros meios de comunicação, afinal ainda estamos debaixo  da democracia! 

Deixo como incentivo a bela poesia de Cleide Canton e o mestre Rui Barbosa:

Sinto vergonha de mim 

por ter sido educadora de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligência com a família,
célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o “eu” feliz a qualquer custo,
buscando a tal “felicidade”
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos “floreios” para justificar
atos criminosos,
a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre “contestar”,
voltar atrás
e mudar o futuro.

Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer…

Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro !

"De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto". (Rui Barbosa)



(*) As Memórias do Livro de Geraldine Brooks - página 41.

Leia ao lado a crônica de hoje de Zuenir Ventura sobre este assunto:  Clique aqui.

E veja aqui como aqueles que se manifestam são tratados pela nossa polícia.

-Facebook-








17 comentários:

Toninho disse...

Uma postagem com os ingredientes politicamente corretos amiga.Há que se enganjar na luta por um mundo melhor,cada um tem como participar desta onda usando de cada potencialidade.O texto me faz lembrar do poeta maluco Raul Seixas,quando questionavam os que ficavam nos apartamentos com a boca cheia de dentes esperando a morte chegar.
Bela semana Beth, com a paz em seus caminhos e vá de Taxi, que gostamos.
Um abraço com carinho amiga.
Bjo

Bia Jubiart disse...

Boa noite Beth!

Lendo suas palavras, lembro-me de sempre quando vou a Belém, acabo me estressando com a passividade, a espera, povo bom de engolir sapo (Em tempo: Falo de conhecimento, sou paraense). A falta de conhecimento infelizmente faz um povo cometer sandices ou ficarem surdos e mudos. Infelizmente....

Bella, que venha mais boas leituras, excelente reflexão!

Tenha uma ótima semana!

Bjooooo

✿ chica disse...

Muito legal teu post do início ao fim!

Temos vários e vários motivos de nos indignar e aqui ao lado, o radinho fala no caso do nosso político que mesmo condenado a pena de 29 anos, em liberdade provisória, ainda assim se dá ao luxo de desobedecer e se negar a fazer teste do bafômetro. Ora, isso só aqui mesmo.


Isso pra começar, pois temos pratos cheios pra nos indignar e temos que falar, escrever, colocar para fora.

Iniciaste a semana maravilhosamente! beijos,tudo de bom,chica

Dani dutch disse...

Ola querida web mãe,
Ultima vez que estive no Brasil em dezembro tive um problema com minha carta de motorista, fui conversar com uns dos diretores do Ciretran da minha cidade, e fiquei perplexa com o que ouvi dele, que mesmo que entrasse com um processo sobre o meu caso, não adiantaria nada... Indignada perguntei, mas como assim , se no fim das contas quem está certa era eu... ele ficou sem reaçao...
Desanimador não?!
bjuss

Calu disse...

Brilhante manifesto, minha amiga,
que ele e outros iguais ressoem nas mentes conscientes do povo e façam valer o direito em sua essência primeva: a de resguardar a Democracia em sua real grandeza e prática.

Teu post é digno de estampar a 1ªpágina dos maiores veículos de comunicação do país, para que esta ignomínia não ganhe vulto e a Justiça permaneça defendendo os valores de uma sociedade civil respeitada em seus direitos e cumpridora de seus deveres, embora saibamos que ainda estamos longe de realizarmos a totalidade deste objetivo,mas também sabemos que são as instituições idôneas que permitirão o alcançarmos um dia.

Parabéns, Betinha e obrigada por esta página necessária.
Uma linda semana.
Bjkas,
Calu

Pitanga Doce disse...

Será este o tiro de misericórdia na Constituição brasileira? Tantos já foram dados por este pseudo governo. É Beth. Esta é a "transparência" do PT. Dá para ver muito bem quem são.

Bom dia do lado de cá. Manhã luminosa em terras de São Sebastião e Ariboia.

Sissym disse...

Beth, saudades, estou em falta com todos porque nao consigo mais receber atualizações!

Sobre mundo seguro, realmente, não existe mais, nem no lugar mais remoto. Ontem, num almoço, conversávamos sobre a violencia que está ao nosso lado, de uma maneira ou outra. Assusta. Lamento muito pelos países que vivem crises e pelos que vivem guerras.

Beijos

JAN disse...

Oi Beth!
Bela postagem... me fez refletir...

Abração
Jan

Ana Paula disse...

Beth, não podemos perder a capacidade de nos indignar, que seria o mesmo que nos acostumar com tudo o que vemos repetindo o sempre foi assim, não muda.
Seu post realmente nos instiga a refletir e a continuar a nos indignar.
Beijo

ML disse...

Vergonha: esse é o meu sentimento com relação ao Brasil. Temo que o sentimento - a vergonha - vai crescer... Ai, que nojo!

bjnhs, Beth!

Ives disse...

A democracia é uma utopia no Brasil, as oligarquias não largam o congresso! Amei seu blog! Estou seguindo! abraços

Regina Rozenbaum disse...

Ai ai Bethita... "tenho (muita)vergonha de mim"!!! Mais uma postagem-bofetada na cara da gente...dessas que gritam pra nos despertar, sacudir a acomodação, e fazer valer cada direito nosso de cada dia! O pensamento vigente e ouvido é sempre o mesmo: "pra quê? Não vai adiantar! Tudo acaba sempre igual...impunidade." Ai ai...
Beijuuss amaaaada

celia disse...

Estou longe dai mas...leio sempre coisas que me deixam triste e com raiva. Um Brasil tao lindo e grande mas...dirigido por pessoas muito pequenas.

Sileni Machado disse...

Oi Beth, qtas verdades ditas neste texto! Como disse a amiga no comentário acima, pareceu-me msm uma bofetada na cara! É mais cômodo ver o circo pegar fogo do que pegar um balde de água que seja para tentar apagá-lo! Que Deus nos ilumine para que tenhamos forças em cada batalha!
Obrigada pela visita ao Vivendo e Aprendendo! :))
Bjssss
viveraprendendo.com

Anne Lieri disse...

Beth,que super texto,amiga!Tb me identifiquei demais com a poesia de Rui Barbosa.Temos que mais que nos indignar,reagir.Diante das atrocidades do mundo e de tudo que vemos acontecer no dia a dia. Seu texto é uma injeção de ânimo a todos nós!bjs,

Lúcia Soares disse...

Beth, que pelo menos não percamos a capacidade de nos indignar!
E falar, muito, protestar de todas as maneiras que pudermos, para que mais vozes se levantem e aconteça alguma coisa que comece a mudar o Brasil. Isso é de longa data, apenas agora sabemos mais das coisas, o roubo é à vista, somos como que assaltados à mão armada,todos os dias, por esses abjetos políticos.
Não concordo com a poesia, embora entenda o lamento da autora. Mas jamais terei vergonha de ter feito coisas boas pelas pessoas, assim sementes são lançadas e ainda algumas vingarão.
Concordo muito: "Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro !"
Esta parte é incontestável.
E pela fala de Rui Barbosa, vê-se que a coisa vem de longa data.
Mesmo assim, haveremos de vencer!
Beijo!


MARILENE disse...

São tantas as "aberrações" que muitos já se acostumaram com elas e nem mais as questionam. Aí está o grande perigo, a inércia. Condenados ocupando cargos públicos e, certamente, rindo de todos, confiantes de que o tempo, mais uma vez, apagará da memória os atos por eles praticados. Bjs.