.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Uma vida para conquistar seu filho - Gonzaga o filme




Comportamento geral by Gonzaguinha on Grooveshark
Quando Gonzaguinha escreveu esta beleza de música acima, eram os idos de 1970, caiu como uma luva sobre um povo amordaçado e entristecido em sua condição mais simples de cidadãos sem expressão num país governado pela mão forte dos militares. Eu nem entendia bem o que ele queria dizer, pois era uma analfabeta política, mas adorava a letra e a melodia, cantava junto com todo o rebanho brasileiro. Hoje, ela pode até ser inserida na atual situação de campanhas políticas que assistimos, das promessas que políticos fazem ao povo que ainda acredita e levanta bandeiras e que no final de tudo, talvez para amenizar tanta decepção, acaba em carnaval, música e cerveja.

Gonzaguinha era o filho do Gonzagão, o rei do baião, e que já tinha feito muito sucesso lá atrás, em 1930,40,50.  Seu filho não trilhou aquele mesmo caminho do sucesso, mas fez sucesso trilhando novos caminhos, abrindo as mentes das novas gerações com músicas que falavam ao coração e às mentes.
Poucos associaram esta familiaridade, afinal os dois, pai e filho, sempre estiveram separados, não só na música quanto na própria vida, já que Gonzaguinha não foi criado por Luiz Gonzaga depois da morte de sua mãe, e sim por um casal amigo de seus pais, lá no Morro de São Carlos no coração do Rio de Janeiro. 

Enquanto seu pai, Luiz Gonzaga o rei do baião, cantou e eternizou músicas como Asa Branca, falando de uma terra árida e povo sofrido que ele vira na volta ao sertão nordestino depois de famoso, seu filho Luiz Gonzaga Júnior expressava nos anos 70/80 as angústias existenciais de sua geração, assim como usava de suas letras para protestar contra o sistema vigente. Em 1973, Gonzaguinha lançou Comportamento geral, uma incisiva crítica ao regime militar. Sua postura radical a este sistema o afastou mais e mais de seu pai e o filme GONZAGA é a consagração deste amor que sempre andou por trilhos diferentes, mas que se reencontraram um dia e fizeram o que só a música é capaz nesta vida - reunir corações e almas - A vida dos dois foi andar por este país, tocando, cantando e festejando o orgulho de serem brasileiros e acima de tudo de serem pai e filho com muito amor e orgulho.

Eu vi neste final de semana o filme Gonzaga de Pai para Filho e me emocionei do princípio ao fim, por isso digo a vocês para não deixarem de ver esta estória que aborda esta linda relação entre pai e filho.

No vídeo abaixo, Chambinho do Acordeon, que interpreta o Rei do Baião, e o ator Julio Andrade, que faz o papel de seu filho, cantam e falam sobre o filme.



E abaixo a super dica que Georgia deixou pra gente - Asa Branca em coreano.








15 comentários:

Especialmente Gaspas disse...

Pai e filho... tudo de bom!

Misturação - Ana Karla disse...

Beth, coincidência ou não, estava programando mais cedo com meu marido de ir assistir hoje.
A crítica tem falado muito bem e penso que uma história de grandes nomes não poderia ser diferente.
Belo post.
Xeros

✿ chica disse...

Não quero perder!Parece ser ótimo!! beijos,tudo de bom,chica

Lúcia Soares disse...

Beth, já disse várias vezes que não gosto de frequentar salas de cinema, mas essa filme vou ver, com certeza. pela história em si, por ser do diretor que é, pelas músicas que deve conter. E porque, se fizesse lista de 100 músicas que amo (sempre a lista é maior que isso, tenta pra ver!) certamente teria umas 10 do Gonzaguinha. Do Gonzagão nem se diga, seu legado musical é patrimônio nacional.
Beijo!

manuel marques Arroz disse...

Através das cantigas revoluciona-se o mundo.

Beijo.

Georgia Aegerter disse...

Beth, nao vou poder assistir a nao ser que eu receba uma cópia, hhahahhaha.

Eu sempre gostei muito dos dois.

O que mais me chocou na época foi que o filho morreu 2 anos depois que o pai. Eu senti muito que em tao pouco tempo perdemos duas vozes maravilhosas.


Beijos

Teresinha Ferreira disse...

Olá Beth sumida!!!
Esses dias estava vendo um programa falando desse filme e de como os personagens são parecidos com eles.
Boa dica.
Beijos mil

Calu disse...

Betinha
vibro quando o cinema nacional resgata nossa história em seus personagens marcantes.Gonzagão e Gonzaguinha, cada um a seu tempo, foram e serão ícones do cancioneiro nacional, retratando com poesia e emoção a história do povo brasileiro.
Estou louca pra ir assistir, e tua postagem só aticou isto ainda mais.
Bjkas,
Calu

ML disse...

Beth, eu já não tenho o hábito (cultural0 de ir a cinemas.
Fico pelo vídeo mesmo (ou a TV). Em casa, coloco o aúdio mais baixinho, o ar como "me gusta", paro quando quero, acho muito mais confortável...
Por conta disso, verei daqui a... 6 meses? ; > 0

bjnhss

Anne Lieri disse...

Beth,eu era fã do pai e depois que conheci o filho,não perdia um show em Sampa!Como gostava do Gonzaguinha!(E gosto!).Uma ótima dica de filme!bjs,

Pitanga Doce disse...

Beth, Gonzagão deves ter ouvido, como eu, na infância. Mas Gonzaguinha, com suas músicas e letras dedicadas a nós, mulheres, ouvimos pela vida afora e até hoje.

"Não dá mais pra segurar, explode coração..."

Vou procurar ver o filme e depois te digo o que achei. Beijos e... já foste para o recanto?

Georgia Aegerter disse...

Em sua homenagem achei no you tube Asa Branca em coreano.

Muito bom, muito animado, muito legal. Nao sei se vc já conhece.

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=Eq8a6RVhrZ8#!

Beijos e bom feriado.

Nina disse...

Poxa nao sabia dessa distancia entre os dois, qd eu os percebi eles ja ate cantavam juntos, em alguns shows.

Os dois eram mais que talentosos! Eu amo o legado que eles deixaram, especialmente o Gonzaguinha que tem um bocado de musica que eu ouvia mt na adolescencia e do Gonzagao, nossa, o que sao aqueles forrozinho arrasta pé? aaamoooo!!

Fiquei pensando o qt de musicas otimas deve haver no filme, embalando as emocoes das cenas e da historia, heim?

Ah, que plantas lindas Beth, fotos lindas!

Márcia Cobar disse...

Beth, obrigada pela dica do filme! Vou assistir mesmo, adoro estes resgates biográficos de pessoas que influenciaram tanto a música brasileira.
Estou aprendendo a tocar violão e a primeira música que o professor me ensinou foi Asa Branca...
Beijos querida!

Mery disse...

Beth, vou ver o filme com certeza! .Luiz Gonzaga é o rei do baião "paixão nacional ...Amo"!
bjinho