.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 5 de junho de 2012

Sonho transformado em realidade.


- Cartaz do Filme La Dolce Vita de Federico Fellini - 1960 -

Tinha lá meus 19 ou 20 anos quando comecei a assistir filmes considerados 'de arte', uma nova face do cinema que apresentava cineastas polêmicos e altamente intelectualizados como Kubrick, Hitchcock, Buñuel, Bergman, e o grande Fellini que fez o bonito e metafórico La Dolce Vita, mas que eu adorei mesmo porque era com o lindão do Marcello Mastroianni  numa cena de amor marcante num lugar que nunca mais eu esqueceria na vida.
 
Era uma época em que estudantes de artes, de história, de letras ou quem amava cinema de uma maneira geral, encontrava uma enorme variedade, todas as semanas, nas grandes telas dos cinemas pela cidade.  E eu tinha uma amigona que fazia Belas Artes e era mais velha que eu, viciada em cinema e ela me arrastava  para assistir aos grandes lançamentos de filmes notoriamente complicados para a minha cabecinha avoada da época.  

No início eu ia e achava tudo um xarope, como por exemplo, quando ela me implorou para acompanhá-la a ver Gritos e Sussurros de Ingmar Bergman.  Película muito densa, cheia de emoções, ambientação austera, avermelhada e, para alguém como eu, que começava a tentar entender  os meandros e belezas da sétima arte, aquilo era demais para deter a minha jovem atenção.  Entretanto, com tantas idas aos cinemas em tardes depois das aulas, pipocas e drops de anis aos montes, descobri também filmes de rara beleza e envolvimento, tais como Um Estranho no Ninho, Midnight Cowboy, Ensina-me a Viver, O Último Tango em Paris e uma infinidade de filmes maravilhosos, inesquecíveis e que vez ou outra, revejo pelo vídeo ou em algum canal de filmes antigos.

Quando se é jovem e ficamos embevecidos com um filme que contenha um lugar, uma determinada cena ou até mesmo uma linda atriz, saímos do cinema com aquela imagem captada tão fortemente que corremos o risco de acharmos que estamos com a cara da Sophia Loren ou Charlize Teron, por exemplo.  Isso, inclusive, aconteceu-me quando fui assistir há pouco tempo Uma noite em Paris de Woody Allen, saí me achando nas ruas daquela beleza de cidade e quando dei por mim, estava num ponto de táxi na realidade nada romântica da cidade em que moro.  Cinema é isso, ilusão, mágica, beleza, encantamento.

Ah, sim!  Voltando ao lugar que nunca mais eu esqueceria na vida, contido no filme de Fellini - La Dolce Vita - vocês ficaram curiosos para saber onde era, né mesmo?  Eis aqui, abaixo!

- Fontana di Trevi - Roma -

Aquela cena em que Mastroianni beija a belíssima loura sueca, Anita Ekberg, dentro da piscina formada pelas águas da Fontana di Trevi, ficou na minha memória romântica e tantas vezes visualizei eu mesma, ali naquele lindo lugar, beijando também o meu amado. Mas, é claro, ninguém pode entrar na fonte, só mesmo o cinema para estas ilusões maravilhosas. Podemos apenas admirá-la, fotografá-la ou fazer pedidos, para quem crê, e jogar uma moedinha para os deuses como manda a tradição romana.
- Cena na Fontana di Trevi com Mastroianni e Anita Eckberg -

Quando vi pela primeira vez, de perto, esta incrível, bela e maior das fontes barrocas da velha Itália, cheia de turistas igualmente apaixonados por este símbolo romano, aquela imagem voltou nítida em mim e, confesso, emocionei-me, lembrei-me de tudo e apaixonei-me de novo por aquele lugar. Bateu tão forte em mim as recordações que até eu mesma me espantei com aquilo tudo. Ainda bem que o hotel onde ficamos era bem pertinho dali.  Assim, todos os dias em que fiquei em Roma eu ia lá e ficava um pouco, olhando, admirando as esculturas gigantes, o comportamento das pessoas, ajudava alguns outros turistas a fazer fotos com seus acompanhantes e ficava com meu marido, enamorada, de mãos dadas, bebendo a mágica daquele lugar. Fui pelo dia e pela noite, porque adorava ver os contrastes nas diferentes horas do dia.  E que contrastes!  A Fontana di Trevi é realmente um clássico.

Joguei algumas moedinhas em suas águas azul-claras.  Uma para realizar um desejo particular, outra para uma amiga que estava doente, mais outra para minha cunhada e sua filha e para quem me pediu antes de viajar. Dizem que estas moedas são recolhidas todas as manhãs pelas pessoas que fazem a manutenção do monumento e estas são doadas à Caritas, uma organização da Igreja Católica, e a média é de 50 quilos por dia em moedas e que perfazem um valor de 1500 euros aproximadamente.

As imagens que captei nestes momentos e variados dias, poderão dizer melhor sobre este lugar encantador que tive o prazer de conhecer e realizar meu sonho romântico, lembrando que Roma escrita ao contrário é Amor.
Apreciem, com moderação.








Fiz este texto, pois lembrei-me de minha juventude e do quanto algumas imagens ficaram fortemente marcadas para sempre em mim, e quando agora, depois de décadas, tive a oportunidade de experimentá-la de forma real e emocionante, quis dividir com vocês minhas lembranças e impressões, não sendo apenas  uma demonstração de viagem pessoal.





19 comentários:

jose claudio disse...

Oi, Beth. O cinema tem mesmo essa poderosa magia da sedução. Há uma cena do filme Cinema Paradiso que não saiu mais de minha cabeça e eu já o assisti umas cinco vezes, sem me cansar. O prédio do cinema do filme me traz deliciosas recordações do cinema de minha cidade na infância. O filme é uma meta linguagem cinematográfica e quem gosta da chamada sétima arte nunca passa indiferente a esse belo filme (que também é italiano). Abraços. Paz e bem.

Yasmine Lemos disse...

Ilusão e realidade né? maravilha Beth vc conheceu o cenário do sonho
meu beijo

✿ chica disse...

Que maravilha ver a minha fontana adorada aqui!! Passei muitas e muitas horas ali sentada, observando, tomando um café ou sorvete, jogando as moedinhas... Morava por lá e enquanto Kiko trabalhava eu passeava .Era maravilhoso...Adorei rever!!beijos,tudo de bom, obrigado pelos momentos e viagem que fiz...chica

Maria Luiza disse...

Ah, menina!!! Que viagem fantástica, ao mundo da sétima arte você me proporcionou, e se bobear até da roupa que eu vestia na ocasião, me lembro! Fontana de Trevi, quantos filmes famosos, o meu último(impactante) deve ter sido O candelabro Italiano, lembra? As fotos suas estão maravilhosas! Que delicia ler o que você fazia lá! Beijão!

Regina Rozenbaum disse...

Apreciar com moderação??? Apreciei sem nenhuma rsrs Também joguei moedinha, fiz pedido e fiquei assim embevecida pela fonte, por Roma e pelos romanos. Claro que descrito assim, com esse primor, ficou ainda mais mágico. Betita, hoje está lá no divã o mimo que ganhei de você. Achei perfeito para agradecer meus amaaaados e a você. OBRIAGADA!
Beijuuss,cinéfilos, n.a.

Somnia Carvalho disse...

Ai se eu tivesse assistido a estes filmes quando tinha 20 anos lilasona! mulher de sorte voce! imagino quanta coisa linda não traz ai dentro!

e eu tambem me emocionei diante desta fonte!

conectar as lembranças da gente é algo muito gostoso! é uma sensação de estar vivo naquele segundo nao e?

beijocas!

Valéria disse...

Oi Beth!
Lindas suas imagens!
Este sentimento é único, poder ver de perto o que sonhamos conhecer e que na época parecia tão distante de nossa realidade. Também senti isso com Paris, meu sonho de criança que se fez realidade.
Esta fonte é majestosa e inspira amor, assim como Roma uma cidade onde respiramos história.
Lindo post!
Beijinhos!

Maria Célia disse...

Ei Beth
Não pude apreciar com moderação, desculpe-me, muitas e muitas vezes pra curtir cada detalhe.
Verdadeiro encanto, belíssimas fotos, e palavras maravilhosas.
Beijo e parabéns pela excelente postagem.

silvioafonso disse...

.



Enquanto eu escrevia o texto
do Blog tudo ia bem. Em dado
momento uma lágrima fujona me
escapou dos olhos e eu acabei
chorando.
Prove com o seu comentário
que o pranto foi desnecessário.

Um beijão,

Ah, estou seguindo o seu blog.
Siga o meu também, vai.

Palhaço Poeta






.

Calu disse...

Betinha,
vc viveu intensamente a sua "Dolce Vita."Simplesmente inesquecíveis, o filme, a Fontana,a linda Roma.
Nossos sonhos embalados pelos filmes clássicos são nosso tapete mágico mesmo quando pisamos na terra firme deste locais maravilhosos, berço da nossa civilização, palco da história do mundo.
As emoções se misturam no ontem e no hoje, fazendo-nos ir e voltar no tempo.
As fotos estão maravilhosas.Tbém vi a Fontana à noite e de dia.Inúmeras belezas se destacam nas diferentes luzes.
Bjkas, amiga,
Calu

Márcia Cobar disse...

Betinha, adorei seu texto!!!
Concordo com o comentário que você teceu no meu blog, temos uma sensibilidade muito parecida, afinada, e assim como você eu viajo viajando nos monumentos que visito quando eles já foram vistos na grande tela.
Belas as fotos da Fontana! Ainda não conheço Roma, não me falta vontade. Mas quero poupar pelo menos essa cidade para conhecer ao lado de um grande companheiro. Porque os demais lugares do mundo eu estou conhecendo por conta própria... kkk
Ai Betinha que luxo você e seu amor na frente da Fontana... Adorei o romantismo!
Bjim
P.S: a foto que você perguntou foi tirada em Bamberg - Alemanha.
P.S.2: assisti a um filme muito bonito que imagino ter elementos que vão te agradar. Se chama Flores do Oriente. Circuito alternativo, mas olha, bela produção! bjs

Pitanga Doce disse...

Ai Beth, acho que primeiro eu chorava. É linda demais, a fonte! E ainda mais linda à noite! Posso imaginar um casal em lua de mel, ou alguém vivendo um grande amor...é um sonho!

ML disse...

Lindo dividir com a gente suas lembranças, ops, heranças culturais, Beth! É como eu classifico as viagens. Mais do que desejos e "pechinchas", a gente traz conhecimento. Viajar é caro, mas - dado o custo benefício - tudo bem ; > )

bjnhs

PS: fotos ótimas.

*~* Coisas da Bruxinha *~* disse...

Beth que lidas essas imagens heim, nossa fiquei aqui pensando será que um dia vou conhecer Roma, tão lida!! Eu nunca fui muito de ir em cinema não, nem na adolescência ,já minhas filhas não perdem um hehhehe.
Amiga e eu poderia esquecer de vc???? Nunca rssss. Não tenho é tempo de ficar visitando os blogs viu, a minha paixão pela costura foi maior e agora todo tempo livre é só para costurar.
Sua ideia para minha mesa é a nossa aqui de casa tb, pintar a mesa e forrar as cadeiras ,acredita que até o tecido para isso eu já tenho rsss, mas antes precisávamos arrumar essa parte da cozinha, quem sabe agora o povo se anima a pintamos tdo !!!O balcão tb vai ser pintado e ai sim , as cortinas e hehheheh terminamos, mas como tdo tem que ser feito devagarinho leva tempo.
Apareça sempre, bjs

Leila

Heloísa disse...

Beth,
Essa fonte é maravilhosa, e suas fotos estão muito boas.
Eu não assisti La dolce vita, nem sei por que. Mas, há pouco tempo vi um ótimo filme argentino, Elza e Fred, que gira em torno do sonho que a protagonista tinha em relação à cena de beijo do Mastroiani e da Anita Ekberg na Fontana de Trevi.
Caso você não tenha visto, vale a pena.
Beijo.

Palavras Vagabundas disse...

Beth,
acho uma das imagens mais poderosas do cinema essa de La Dolce Vita, lindas suas fotos romanas.
bjs
Jussara

pensandoemfamilia disse...

Sou apaixonada por cinema e alguns filmes deixam lugares registrads em nossa mente com muita magia.
Lindas as suas fotos.
bjs Grata pela partilha.
bjs

Lúcia Soares disse...

A vida é doce.
Beijo.
(lindas fotos, imagens do meu imaginário, que um dia tornarei reais. Sem medos.)

Nina disse...

ah como eu amo roma!! linda demais, em cada canto uma cena pra fotografar, delicia! tbm gostava mt dos filmes antigos qd mais moca, ia sozinha ao cinema, porque ninguem aguentava os meus gostos estranhos :-)

lindo Beth! as fotos tbm