.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 22 de março de 2011

Mil e uma Utilidades

(Seu "Coisa" é a fantasia do Daniel, lá em cima de bigode e óculos escuros,  com sua turma no Carnaval do Rio este ano)


O texto abaixo é de Francicarlos Diniz, Revista Língua Portuguesa 12/2006 e pode servir de esclarecimento para amigos portugueses ou de outros países de mesma língua que a nossa, pois o substantivo "COISA" assumiu tantos valores que cabe em quase todas as situações do cotidiano brasileiro.




A palavra "coisa" é um bombril do idioma.  Tem mil e uma utilidades.  É aquele tipo de termo-muleta ao qual a gente recorre sempre que nos faltam palavras para exprimir uma ideia.  Coisas do português.

A natureza das coisas gramaticalmente, 'coisa' pode ser substantivo, adjetivo, advérbio.  Também pode ser verbo: o Houaiss registra a forma 'coisiificar'.  E no Nordeste há 'coisar':  "Ô, seu coisinha, você já coisou aquela coisa que eu mandei você coisar?"

Coisar, em Portugal, equivale ao ato sexual, lembra Josué Machado.  Já as 'coisas' nordestinas são sinônimas dos órgãos genitais, registra o Aurélio.  "E deixava-se possuir pelo amante, que lhe beijava os pés, as coisas, os seios" (Riacho Doce, José Lins do Rego).  Na Paraíba e em Pernambuco, 'coisa' também é cigarro de maconha.  Em Olinda, o bloco carnavalesco "Segura a coisa", tem um baseado como símbolo em seu estandarte.  Alceu Valença canta: "Segura a coisa com muito cuidado/Que eu chego já".(...)

Na literatura, a 'coisa' é coisa antiga.  Antiga, mas modernista. Oswald de Andrade escreveu a crônica O Coisa em 1943.  A Coisa é título de romance de Stephen King.  Simone de Beauvoir escreveu A Força das Coisas, e Michel Foucault, As Palavras e as Coisas.

Em Minas Gerais, todas as coisas são chamadas de trem.  Menos o trem, que lá é chamado de 'a coisa'.  A mãe está com a filha na estação, o trem se aproxima e ela diz: "Minha filha, pega os trem que lá vem a coisa!".

Mas que coisa!?!
Polivalente, 'coisa' é uma palavra-objeto que encontra as mais diversas serventias no cotidiano, da política à música popular, das drogas ao sexo.

Devido Lugar
"Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça (...)", a garota de Ipanema era coisa de fechar o Rio de Janeiro.  "Mas se ela voltar/Que coisa linda/Que coisa louca."  Coisas de Jobim e de Vinícius, que sabiam das coisas.
Sampa também tem dessas coisas (coisa de louco!), seja quando canta "Alguma coisa acontece no meu coração", de Caetano Veloso, ou quando vê o Show de Calouros do Silvio Santos (que é coisa nossa).

Coisa não tem sexo:  pode ser masculino ou feminino.  Coisa ruim é o capeta.  Coisa boa é a Juliana Paes.
Nunca vi coisa assim!  Coisa de cinema!  A Coisa virou nome de filme de Hollywood, que tinha o seu Coisa no recente Quarteto Fantástico.  Extraído dos quadrinhos, na Tv o personagem ganhou também desenho animado, nos anos 70.  E no programa Casseta e Planeta, Urgente!, Marcelo Madureira faz o personagem "Coisinha de Jesus".

Coisa também não tem tamanho. Na boca dos exagerados, 'coisa nenhuma' vira coisíssima".  Mas a "coisa" tem história na MPB.

No II Festival da Música Popular Brasileira, em 1966, estava na letra das duas vencedoras:  Disparada, de Geraldo Vandré ("Prepare seu coração/pras coisas que eu vou contar"), e A Banda, de Chico Buarque ("Pra ver a banda passar/cantando coisas de amor")(...)

Cheio das Coisas
As mesmas coisas, Coisa bonita, Coisas do coração, Coisas que não se esquece, Diga-me coisas bonitas.
Tem coisa que a gente não tira do coração.  Todas essas coisas são títulos de canções intrepretadas por Roberto Carlos, o "rei" das coisas.  Como ele, uma geração da MPB era preocupada com as coias.  Para Maria Bethânia, o diminutivo de coisa é uma questão de quantidade (afinal, "são tantas coisinhas miúdas").  Já para Beth Carvalho, é de carinho e intensidade ("Ô Coisinha tão bonitinha do pai").  Todas as Coisas e Eu é título de CD de Gal.  "Esse papo já tá qualquer coisa . . . Já qualquer coisa doida dentro mexe."  Essa coisa doida é uma citação da música Qualquer Coisa, de Caetano, que canta também: "Alguma coisa está fora de ordem."
(. . .)
Coisa à Toa
Se você aceita qualquer coisa, logo se torna uma coisa qualquer, um coisa-à-toa.  Numa crítica feroz a esse estado de coisas, no poema Eu, Etiqueta, Drummond radicaliza: "Meu nome novo é coisa.  Eu sou a coisa, coisamente."  E, no verso do poeta, 'coisa' vira 'cousa'.

Se as pessoas foram feitas para ser amadas e as coisas, para ser usadas, por que então nós amamos tanto as coisas e usamos tanto as pessoas?  Bote uma coisa na cabeça: as melhores coisas da vida não são coisas.  Há coisas que o dinheiro não compra: paz, saúde, alegria e outras cositas más.

Mas, "deixemos de coisa, cuidemos da vida, senão chega a morte ou coisa parecida", cantarola Fagner em Canteiros, baseado no poema Marcha, de Cecília Meireles, uma coisa linda.  Por isso, faça a coisa certa e não esqueça o grande mandamento: "amarás a Deus sobre todas as coisas".  Entendeu o espírito da coisa?

Se não entendeu, desculpe qualquer coisa.









32 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Que coisa hein! sabe que eu nunca tinha pensado nisso?
Bjux

Lúcia Soares disse...

Beth, que texto ótimo! Ri muito.
Mineiro tem fama, viu?
Acho que pego as coisas (malas) quando vejo o trem chegando...rsrsr
Aqui se fala muito: "trem bão é coisa boa", a respeito de nada, só uma frase de efeito.
Esse texto é daqueles que dá vontade de ter sido escrito por mim. Adorei!
Beijo!

Manuela Freitas disse...

Olá querida amiga,
Essa coisa está realmente muito bem escrita! Nós por cá também usamos e abusamos da coisa, que pode ter todos os sentidos, mas pelo que li vcs aí expandem muito mais a coisa!.rssssssss
Beijinhos...e sempre por aqui óptimas coisas para ler!
Manu

Glorinha L de Lion disse...

Que texto ótimo esse, Betita! Adorei! E o Seu Coisa, Sr Daniel, tá a cara do pai, só que cabeludo e com bigode....hehehe ri muito...Cara inteligente esse Francicarlos...ou será Franciscoisa? hehe beijinhos,

Fernanda disse...

Minha amiga Beth!

Bem visto isso da coisa!
Como professora de português de Portugal, sei bem que toda a gente deveria dar os respectivos nomes às coisas.
Afinal elas existem, em todas as circunstâncias que conheço.
Coisar - como verbo, pode significar tranzar, aí para vocês brasileiros, aqui usa-se também o termo mas diz-se mais "curtir" ou mesmo "fornic..".

A coisa, é nundial. The thing is that I don't know why! What is this?


La chose... enfim, em todos os países cujos idiomas domino, ela existe.

Sabe que mais amiga? O facto é irrelevante, considerando que pouca gente, muito pouca mesmo, fala e escreve bem o português. Isso sim me assusta.

Beijinhos

lolipop disse...

Querida Beth,
Este texto está qualquer COISA!
COISA de génio. Coisa de quem pensa realmente sobre as COISAS, e as vê de todos os ângulos, e diz COISA com COISA!
Ri com vontade, apesar de que a COISA, aqui em Portugal "tá preta".
E o que me deslumbrou, foi que não esqueceu COISA nenhuma...música, cinema, literatura e as COISAS da vida.
E agora, com licença..."vou pegar meus trem e apanhar a coisa..."

Coisas de sono...
Ah, e vou ter cuidado para não virar COISA!

ADOREI!
PARABÉNS PELA ESCOLHA!

TERNURASSSSSSSSSSSSSSSSSS

Flávia Furquim disse...

Texto bacana!

Abraços,

Flávia

Sônia Cristina disse...

Oi Beth,
que lindo, esclarecedor engraçado.

Adoro as "coisas" que tem aqui no seu blog, me sinto aqui acolhida pela Mãe Gaia.

Se as pessoas foram feitas para ser amadas e as coisas, para ser usadas, por que então nós amamos tanto as coisas e usamos tanto as pessoas?

Todos deveriam refletir mais sobre isso,

bj

ML disse...

Muito bom, Beth!
Engraçadíssimo e cultural.

bjnhs

Paloma disse...

Me identifiquei demais com este texto, pois uso ¨coisa¨ para me referir a diversas ¨coisas¨.

Abraços

Misturação - Ana Karla disse...

Sabe que nunca pensei em tanta coisa de uma vez?
Beth, ameiiii!
Xeros

Ana Paula Soldi disse...

Bem interessante, e né que usamos mesmo a coisa pra qualquer coisa, aqui também se usa muita no casteliano "la cosa" acho que tanto quanto se usa no Brasil.
beijos

pensandoemfamilia disse...

Adorei ler sobre tantas coisas escritas , cantadas e faladas. Excelente este texto, aliás a escrita é uma das suas grandes habilidades, além de ser boa leitora.
Por falar em coisas, coisa boa é conversar, não é mesmo???
Prazer em conhecer o filhote.
bjs

Dulce disse...

Que coisa mais maravilhosa esta sua postagem!!!
Beijos e um dia cheinho de coisas boas para você.

Silvia Masc disse...

Uma pérola esse texto hein??? belo achado, obrigada por compartilhar.
beijinhos

Taia Assunção disse...

kkkkkkkkkkkkk...adorei. "Minha filha, pega os trem que lá vem a coisa". Eita trem bão...reli Riacho Doce no ano passado. Beijocas!

Pitanga Doce disse...

Amei essa coisarada toda. Mas quem é o Daniel? É o teu coisa? hehehe

Alexandre Mauj Imamura (lostinjapan.tk) disse...

ahahah esse post deu é uma boa crônica sobre "coisa". Coisa boa, claro!

Foi divertido o carnaval ai da galera hein? Seu filho deve ter adorado, ele tá muito figura rs

bjs e bom dia

Bia Jubiart disse...

Entendi quase todas as coisas...

Nossa Beth!!! Desconhecia tanta versatilidade para "coisa".

Excelente post!

Beijoooooooo

Pitanga Doce disse...

Hein? Não me diz que também tens um filho Daniel nascido em 1985 ? É de Maio?

Beth/Lilás disse...

Sim, Pitanguinha, é Daniel Ely e de janeiro/85. Um garotão!
beijusssssss

==========================================================================

manuel marques disse...

Granda coisada...

Beijo.

Pitanga Doce disse...

Ih, então deixa te esclarecer uma "coisa". heheh A Julinha, que tem onze anos não é filha do Daniel e sim do mais velho que tem 37 anos. Abafa o caso.(ou a coisa) hehehehe

Lu Souza Brito disse...

Gente, quanta coisa Beth! Ahahah. Ai os mineiros, estão nos meios de todas as coisas.
Beth, quando vi a foto (antes de ler o texto), fui olhando minuciosamente para ver se te achava - dai lembrei que você como eu ficou no sossego do lar.

Eu falo: "sabe aquela coisa que eu coisei? kkkk. Ou, entao: Não, nao quero esta roupa, está coisada (que pode ser suja, rasgada, kkk).

Beijooos

Beth/Lilás disse...

Luzinha,
O meu filho Daniel é aquele de óculos escuros e bigodinho falso com a peruca preta, lá em cima.
Chamei-o de Seu Coisa, porque não entendi nada da fantasia dele. hehe
beijusssss

==========================================================================

Astrid Annabelle disse...

Uma coisa este seu post Beth!!!
E o seu coisa também está qualquer coisa!!!
Muito bacana...rssss
beijos direto do paraíso!
astrid Annabelle

gabriela disse...

Olá Beth querida o que eu me ri com a coisa ou o coiso, pelo que li vocês têm aí mais coisas que nós, beijo grande

ML disse...

eu ia perguntar exatamente isso: como é a fantasia de Coisa?

: > )))))

bjnhs

PS: meu sobrinho de 2 anos está fissurado no Homem Aranha (fala com ele no telefone, fala pra gente falar tb, a família entra na onda muito doida do cara). Vou mandar esta foto pra ele.

ML disse...

Beth: ia copiar o link deste post pra colar lá no blog - copiar o link, não o texto, vc me conhece, a gente age igual - mas dai surgiu o "bloqueador" - ADOREI, menina!
Ficou um luxo e justíssimo.
Se puder me passar o código, agradeço.

bjnhs e parabéns pela ação.

Socorro Melo disse...

Oi, Beth!

Esse texto é uma coisa! Quanta criatividade, hein? Muito bem construído. Adorei.

Beijos
Socorro Melo

Teresinha Ferreira disse...

Olá Beth,
Seu coisa está de parabéns!!!kkkkkkkkkkk
Que figura..
Bacana o texto.
Bjs mil

Jortas disse...

Esta coisa não anda. Está lento que se farta.Esta coisa tem cada coisa que é mesmo de Coisa.
Muito boa refelxão sobre esta palavra tão polissémica e tão versátil.