.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 20 de setembro de 2009

Eu já fui adolescente fã



Eu tenho uma coisa pra lhes contar. Já fui uma daquelas fãs ardorosas
, que recortava fotos e olhava-as com as amigas que curtiam o mesmo ídolo, cantava suas músicas, mesmo naquele inglês inventado de adolescência e até chorava quando o via na televisão, pois no meu tempo de adolescente youtube não era nem imaginável e o máximo que tínhamos era vitrola com disquinhos de vinil, ou documentários que passavam nos cinemas antes de começar o filme do dia.

Eu era, ou melhor, ainda sou, fã dos Beatles, mais precisamente de John Lennon.

Como eu gostava daquele gringo! Mas ele nunca soube que aqui, abaixo do Equador, tinha uma brasileirinha que suspirava quando ouvia sua voz e suas lindas composições. No início então, quando a banda estourou e eles tinham aquele cabelão, o John era o mais lindo, mais cabeludo e o melhor dos Beatles. Sempre alegre, bem humorado, gostava de fazer palhaçadas, caras e bocas e as meninas enlouqueciam com aquele inglesinho boa pinta.

Os Beatles em 1964, chegando a Nova York.(Wikipédia)

Mas aí, apareceu a dona Yoko Ono e foi terrível, pois a japinha roubou o Lennon das fãs apaixonadas e conseguiu até fazer com que a banda se desfizesse. Sim, alguns atribuem a dissolução do grupo à ela e sua total abdução do coração e mente de John Lennon.
,
Ficamos todas chupando o dedo e falando mal dela e por muito tempo foi assim. Não perdoávamos ver aquela japonesa baixinha, cabel
uda, sem graça com nosso astro. Naquele tempo, em que não havia tanta miscigenação de raças, ela parecia bem mais feia do que acho hoje, aliás pelo contrário, vendo-a em diversos clipes agora, percebi que era até uma mulher elegante e discreta. Ou será que depois de ver lá nos Estados Unidos tanta mulher japonesa ou orientais com americanos passei a achar muito normal?! O fato é que Paul McCartney e George Harrison não a viam com bons olhos. A imprensa e os fãs dos Beatles chamavam Yoko de feia, o que fez que John declarasse que ele e ela eram uma pessoa só e daquele dia em diante só tinham olhos um para o outro. Mas, juntos fizeram muitas manifestações pela paz e ela manteve-se ao seu lado até a sua morte.

Well, isso marcou demais a vida e separação de John Lennon do grupo The Beatles, e eu desmistifiquei aquele 'amor platônico', esquecendo-o e passando a bola para a Yoko.

Mas, a verdade é que sempre quando vejo um clipe com músicas de Lennon, ainda mexe lá dentro, fico emocionada, lembro daqueles temp
os e mais do que isso, percebo hoje, como eles se amavam, como se entregaram totalmente aquele amor que para todos foi criticado.
E vejam que esta mulher, mesmo depois da morte de
seu querido marido, continua levando em frente seu trabalho, mora ou mantém ainda aquele endereço no prédio onde na frente dele John caiu morto pela bala e insanidade de um louco fanático e ela, Yoko Ono, teve um filho com John e que é bem parecido com o pai fisicamente, a diferença dos olhinhos da mãe e o insubstituível talento do pai.

Descobri dias atrás,através de um site sobre cinema, uma pequena passagem da vida de John Lennon que eu desconhecia. Vejam só: "O marinheiro Alf e a cantora diletante Julia fizeram amor no chão da cozinha de casa. Foi em algum dia de janeiro de 1940, em plena guerra. A gravidez, inesperada, foi desalentadora para o casal. “Noventa por cento das pessoas da minha geração nasceram da garrafa de uísque numa noite de sábado, e não havia nenhuma intenção de se ter um filho”, diria muitos anos depois o fruto dessa relação – um homem chamado John Winston Lennon. Na primeira noite após seu nascimento, um mina terrestre explodiu perto da maternidade, e a mãe o colocou debaixo da cama por medida de segurança."

Neste site também fiquei sabendo que esta e muitas outras histórias sobre o grande compositor John Lennon estão no livro - “John Lennon – a vida”, de Philip Norman pela Companhia das Letras. Uma boa pedida para leitura!

E vejam no vídeo aqui (incorporação desativada mediante solicitação), como era lindo o amor desses dois que foram tão criticados injustamente, inclusive por mim, ciumenta e invejosa, confesso.
No finalzinho da música, ela aparece olhando para o prédio que eles moravam em New York e depois os dois caminham juntos pela alameda Strawberry Fields que tem no Central Park, onde estive este ano e fotografei, chorei e lembrei de Lennon tão querido e sensível com suas letras suaves que embalaram minha juventude e foi inspiração para toda uma nova geração de músicos e compositores, aliás tinha muito mais gente neste dia em volta deste mosaico abaixo, chorando comigo. Viva John Lennon!





Woman (letra)


Woman I can hardly express
My mixed emotions at my thoughtlessnes
After all I'm forever in your debt
And woman I will try to express
My inner feelings and thankfulness
For showing me the meaning of success

Ooh, well, well
Doo, doo, doo, doo, doo
Ooh, well, well
Doo, doo, doo, doo, doo


Woman I know you understand
The little child inside of the man
Please remember my life is in your hands
And woman hold me close to your heart
However distant don't keep us apart
After all it is written in the stars

Ooh, well, well
Doo, doo, doo, doo, doo
Ooh, well, well
Doo, doo, doo, doo, doo
Wellll

Woman please let me explain
I never meant to cause you sorrow or pain
So let me tell you again and again and again

I love you, yeah, yeah
Now and forever
I love you, yeah, yeah
Now and forever
I love you, yeah, yeah
Now and forever
I love you, yeah, yeah



John Lennon/1940-1980

18 comentários:

gabriela disse...

Ai amiga Beth que lindo esse amor até fiquei arrepiada ao ler as suas palavras.Este grupo também marcou muito a minha adolescência, no fundo marcou toda uma geração.
Foi pena ter morrido tão novo, mas deixou-nos uma vasta obra e viva John Lennon um grande beijo amiga

Rosamaria disse...

Eu não era mais adolescente mas era fã do Lennon e também pensava a mesma coisa sobre a Yoko.
E esta música, junto com Imagine, são minhas preferidas.

Bjim

Amanhã estou lá no Pensieri e Parole (http://meiroca.com/). Vai lá.

rocosta disse...

Já viu a biografia que saiu recentemente... enorme!!! Estou louca pra comprar heheh
Beijos!

Ivana disse...

Beyh, não vivenciei esta época áurea dos Beatles, mas adoro suas músicas. Eu tb tenho admiração especial por John e sua história, com triste final.
Pensando agora na Yoko, acredito que eles tenham sido um desses exemplos de almas que se encontraram por aqui... Like soul mates. Imagino também, como essa mulher deve ter sofrido esta perda tão brutal. Penso que Yoko deve ser uma mulher extraordinária. Não foi a toa que John a amou com tanta loucura.
Beijos!

Lúcia Soares disse...

Oi, Beth. Eu sou meio "ET" porque não curti assim os Beatles. Adorava o Ringo, isso é certo. Achava-o desprezadinho e me tomei de amores por ele. Nunca curti John nem Paul...George sempre foi "morno" mesmo, mas tinha mais simpatia - pra mim - que os outros dois. E o feiozinho Ringo é que me chamou a atenção. Nem sei lhe dizer porque não curti a banda, mas assisti a um filmes, via na TV, não tive nenhum disco deles (os tempos eram duros, pai e mãe não se davam ao luxo de ter sequer "vitrola" em casa). Ah, mas tá bom. Agora, detestava "aquela" Yoko, sim. Acho que foi unanimidade. E não acho que o que os uniu foi só um louco amor. Havia muito de ideologia ali, muita vontade de "aparecer", muita droga, que os tirou do mundo real. (Ai, que chata, eu!!!!).
Bj

Lu Olhosde Mar disse...

adorei conhecer mais sobre a hitoria dele. esta letra é linda!
amo!

Barbie Girl disse...

Essa música é tudo!!

Bom saber que foi e é fã!!

bjks

Isabel disse...

A minha irmã é uma super fã do John Lennon e eu aprendi com ela a gostar dele e ainda hoje aprecio a sua mensagem pacifista. Adoro a canção "Give Peace a Chance". Adorei também as suas flores primaveris lá atrás.
Bjs

Sonhar é Preciso disse...

Engraçado...nunca fui fan dos Beatles nao. Talvez eles apareceram quando eu já era grandinha. Eu era doidinha pelo Elvis Presley e até sonhava com ele rebolando e cantando so pra mim. Achava e ainda acho ele o máximo.
bjs

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Eu com 12 anos, tinha uma paixão louca pelos Beatles, comprei camiseta, de tanto falar neles, num amigo secreto ganhei um cd deles ( de um menino da minha sala), contagiei minha prima com essa minha paixão louca por eles, montei até uma pasta, todas as noticias que eu achava sobre eles, curiosidades..
Bjusss

Rosamaria disse...

Obrigada pelo comentário lá na Meire, Beth. Cpm certeza temos muito em comum. Que bom, pq te acho muito bacana.
Bjim.

ML disse...

Beth: eu amo o amor desse casal.
Quem me dera... desde que o final fosse muito mais distante e feliz.


bjnhs

Georgia disse...

Eu gosto mais do Paul, até porque a maioria das músicas que eles cantaram foram compostas por ele. Houve até uma vez que o Paul queria somente assinar uma música que ele compôs, por ser a dele preferida; mas pelo contrato que ele tinha feito com Lennon, pois foi Lennon quem fundou o grupo, a Yoko disse que nao; que contrato era contrato; e no entanto Lennon jamais faria o sucesso que fez se Paul nao tivesse compostos as músicas. Nunca gostei do Lennon, o Paul sempre foi uma pessoa romântica, um menino até hoje. Os problemas foram tantos do grupo com Lennon, pois ele queria muito que somente o nome dele aparecesse que todos os outros seguiram sua carreira solo, dando uma banana prá ele. A catástrofe que lhe aconteceu serviu para deixá-lo mais famoso, um imortal quase, mas se cogita até hoje se Yoko e ele nao tramaram tal acao, porque ele queria ficar imortal na história, mesmo que o preco tivesse sido a sua vida. Há muitas desconfiancas com a Yoko, pois muitos dizem que ela era capaz de muitas coisas...

Um beijo

Beth/Lilás disse...

Geórgia,
Oh, no! I don't believe nisso!
A mulherzinha era danada, mas acho que essa história é mais uma das que inventaram em torno do mito Lennon.
Eu gostava mais do jeitão dele e das músicas que ele mesmo compôs, mas Paul é também um queridinho do coração e estou de olho na vinda dele ao Brasil para poder ir ao show dele.
bjs cariocas

--------------------------------------------------------

Ana disse...

Nessa "idolatria" tem tanto de ingenuidade, de admiração, de sonho...

Dá saudades!

Aninha Pontes disse...

Também fui fã, e senti a mesma sensação de ter sido roubada, quando ela apareceu.
Mas, enfim, amadurecemos e percebemos que ela era o verdadeiro amor dele.
Ficou a saudade prá nós e muito mais prá ela.
Um beijo

Wilma disse...

Difícil não gostar dos Beatles, mas quando adolescente cada amiga gosta de um dos componentes, e eu gostava mais do Paul, o achava mais lindinho com carinha de "Romeu"!!!

Osinete disse...

Olá.Também curti muito os Beatles e até hoje ouço bastante.O meu preferido era o Paul e até cortei o cabelo igual ao dele,para desespero da minha familia que acharam o corte horrivel(hoje também acho).Também completei o álbum de figurinhas e que meu pai rasgou um dia porque tirei nota baixa no colégio e a culpa era dos Beatles.Meu irmão mais velho tinha tudo dos Beatles,mas só deixava alguem pegar nos "bolachões de vinil" com luvas.
Nossa, comentário longo,né?Viajei rsrs
Parabéns pelo blog,passo sempre por aqui,mesmo sem comentar,mas também quando comento rsrsrs