.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A cara do dono

imagem Google


Tudo bem, você ama de paixão seu cão, seu gato, seu animal de estimação e por isso ele tem que dormir entre você e seu marido ou pelo menos nos seus pés na cama ou ele tem que ficar na cadeira ao lado na mesa de jantar em que você foi convidado para saborear um gostoso salmão, mas o seu gato também adora e fica lambendo a toalha o tempo todo do seu lado ou a sua conversa com a amiga fica meio estressante porque a toda hora ela dá um grito com o cachorro para ele calar a boca, parar de latir porque quer também a sua atenção ou tenta falar a língua dos humanos e não consegue e aí ele fica chato 'pra cachorro'.

A disciplina não está somente ligada à vida do ser humano,
mas também a do animal que a gente tem em casa e vou falar mais precisamente dos nossos cães porque é deles que eu tenho mais conhecimento e envolvimento. Não dá para se viver sem certas regras de convívio e se bem aplicadas, nos ajudam a sobreviver de forma bem mais tranquila e alcançarmos nossos objetivos na vida. E porque não aplicá-las no convívio com nossos cães?

Tem um cara na tv a cabo que é simplesmente 'encantador', ou melhor, O Encantador de Cães, toda semana no Animal Planet e eu e marido gostamos de vê-lo, suas dicas e soluções para muitos casais desesperados com a bagunça ou o domínio que sua linda 'bolinha de neve' começou a exercer sobre eles quando virou um cão furioso e sem limites, puxando o dono pelas ruas ou mordendo a todos que passam. O nome deste treinador é Cesar Millan, mexicano mundialmente conhecido por seu dom de resolver problemas dos cães e seus dono
s. E ele diz mesmo que pra começar o cão é a cara do dono, coisa que concordo plenamente.




Muita gente dá amor, carinho, consegue a confiança do bichinho, mas não tem o domínio e isso no mundo animal é imprescindível, pois que todo cão precisa de um dominante, alguém a seguir, lembremo-nos dos lobos e sua alcatéia. Nossos cães convivem fora de bandos da mesma espécie, então teem que achar em um de nós o seu líder e respeitá-lo antes de amá-lo e é por isso que vejo cães que por terem perdido esta noção básica, já que o dono e a família não tem domínio sobre ele, investem em seus próprios donos num determinado momento. O cão tem que saber quem manda e ponto final.


Vejam o que ele diz em uma entrevista a este site:

"Os cães tinham tarefas, como farejar, capturar a presa, pastorear e correr. Hoje, a maioria dos cachorros são animais de companhia. São mimados com camas confortáveis, brinquedos, guloseimas e carinho. Esses cães têm os mesmos instintos inatos de explorar novos territórios, vagar pelas redondezas e procurar alimento, mas, para muitos, essas necessidades não estão sendo satisfeitas. É por isso que, na sociedade moderna, muitos cães desenvolvem problemas comportamentais, como agressividade, ansiedade, medo, obsessões e fobias."


Vejam só, minha linda cadela Emmy, Akita e velhinha já, nunca foi medrosa na sua juventude e na idade adulta, mas agora, no final de sua vida e praticamente morando sozinha lá em Petrópolis, desenvolveu alguns medos, como por exemplo: medo de fogos de artifício, bombinhas de festas juninas ou de final de ano e corre logo para se abrigar na casinha dela quando ouve um barulho daqueles. É natural, viveu toda a sua vida dentro de um terreno onde a segurança que demos a ela, acabou por reverter-se em medo de estar sozinha e pode sentir-se desprotegida com a nossa falta diária. Quando lá estamos ela dorme tranquilamente na garagem durante o dia e nem liga se alguma bombinha estourar perto dela. São os tais anseios psicológicos que o próprio animalzinho tem como a gente. Em contrapartida vejo um cão que tem dono, passar todos os dias na frente de meu portão, revirar lixo aqui e acolá e voltar mais tarde para a casa de seu dono, sem lenço e sem documento e principalmente sem medo. Livre e solto como todo animal quer e gostaria de ser.

O fato é que todo cão precisa de uma função, veja por exemplo o caso que vi noutro dia quando ele mostrou um cão de uma determinada raça, não lembro o nome agora, mas é cão que precisa trabalhar, estava registrado no código genético e ele ficava ansioso pra lá e pra cá dentro de casa, não dava paz ao dono e acabava importunando demais as pessoas dentro de casa. O treinador fez uma coisa curiosa, pegou uma espécie de mochila e colocou-a nas costas do cão para que ele sentisse um pouco de peso, como se ele estivesse carregando algo para trabalho e mandou que o deixassem assim algumas horas do dia. O bicho ficava mais calmo, parou de ficar rodando em volta do próprio rabo como tinha fixação e no final do dia estava bem mais tranquilo, como se tivesse feito o que nasceu para fazer, isto é, trabalhar ou ajudar o seu dono em algo desse tipo.

Já vi também casos em que as pessoas precisavam sair todos os dias com seu cão de raça beagle, aquele conhecido como Snoopie, grande caçador e inteligente, mas precisa de espaço, gosta de correr e sentir-se praticando atividades de elevado consumo de energia. Aí, imaginem um pobrezinho desses dentro de uma pequena casa o dia todo ou em apartamentos como vemos aqui na cidade! Ficam estressados, latem pra caramba e perturbam demais o dono e a vizinhança.

Eu só sei que muitas vezes o carinho excessivo e sem retrições ao nosso animalzinho podem ser mal entendidos, como até mesmo acontece com os membros de nossa família, desde que não tomemos cuidados em mostrar-lhes quem manda naquele território que é o nosso lar e aí as situações ficam estreitas como foi o caso noutro dia de uma manicure que comentava com uma amiga de profissão no salão em que trabalhava, pois fazia unhas em sua casa também, mas ao receber a cliente, deixou-a constrangida e dei toda a razão à cliente, claro, pois ela disse que não via por que a mulher ficou chateada dela fazer-lhe as unhas dos pés com o poodlezinho cri cri e que ela acha lindo e maravilhoso, no seu colo. Eu tive que discordar dela e dizer-lhe que também não gostaria de fazer minhas unhas com um cachorro entre nós, atrapalhando, oras!

Por isso atenção, veja lá quem é o guia, o dominante nesta relação maravilhosa!


imagem Google

Aqui você poderá saber mais sobre esta relação com Cesar Millan.



15 comentários:

ML disse...

Concordo em gênero número e grau, Beth.
Os cães têm o "DNA" dos "pais" (adotivos). Pais exigentes, filhos educados, pais relapsos, filhos bagunceiros, anti-sociais, problemáticos.
Eu estrago tudo o que é bicho.
Se não tem medo, fica medroso.
Se não é naturalmente agressivo, vira uma "arma".
Eu não sei educar.
E, sinceramente, nem quero.
Melhor, não consigo.
Me divirto com as bagunças dos caras (que sempre aumentam quando estou ao lado).
Sou um anti parâmetro de educadora.
Jamais consegui ser diferente.

bjnhs pra Você e pra Emily

Ivana disse...

Beth, eu assisto este programa e adoro! Realmente é impressionante o que o "encantador" é capaz de fazer, a desenvoltura, o domínio que ele tem da situação. E olha que são cães que nunca o viram antes, mas ele chega e o cão simplesmente obedece!
Sabes que tenho 2 gatos, então aqui em casa não vivemos muitos conflitos como esse. Ah, e nem te conto... Sempre dormem conosco na cama!
Beijos paraenses!

Blog do Óbvio disse...

Beth, muito providencial essa sua postagem. Fico triste quando vejo cães vestindo roupas, usando fitinhas presas com elástico e outros penduricalhos mais. Todos acham bonitinho, mas imagina o que deve incomodar o animal. Deus fez tudo perfeito. Podem reparar que os animais tem suas defesas para frio, calor, fogo, e outros. Se os agasalhamos estamos colaborando para perderem essas defesas e até conseguirem uma irritação na pele. Tem muito mais a respeito, contudo o espaço tem que ser democrático, né? Beth, um carinhoso beijo paulista. Manoel.

Fernanda disse...

Eu assisto esse programa com meu marido tbm, eh muito legal.Beijinhos!

Georgia disse...

Eca, nem pensar em tê-los sequer dentro de casa; gosto muito de bichinhos mas cada um no seu lugar;

Um post muito informativo, Beth.

Bjus

Lúcia Soares disse...

Oi, Beth. Este assunto é sempre polêmico. Quem tem animaizinhos de estimação quase nunca concorda em lhes dar regras. A ML foi clara e já avisou que não consegue mesmo! Há os que tentam, mas cedem logo. Há os que são rígidos e até constrangem os bichinhos, por ser tão "chatos" com as regras. Sempre tive cadelas que ficavam no quintal. Nunca gostei de machos (cães...). Meu filho tentou ter um cooker spaniel dentro de casa mas não demos conta, ele é indisciplinado demais, mas nada que com jeitinho não se consiga, só que não soubemos e depois de um ano e pouco o doamos pra conhecidos.É sabido que cães são o "espelho" do dono e é lógico que, como uma criança, ele aprende o que lhe ensinam e o que vê. Ótimo seu post. Bj

Nina disse...

rsrsrs, aqui bethe o povo fala isso mesmo, ai eu fico olhando o povo com os cachorros, eles se parecem, ate fisicamente...

Pensei que vc estivesse na blogagem da Elaine.

Lu Olhosde Mar disse...

o meu gato é o Brad Pitt dos siameses. LINDOOOOO! amo mto!! beijo, querida,adorei isso!

Barbie Girl disse...

Quando entrar a primavera
E a boa nova entrar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou
Juntos outra vez
Já sonhamos juntos
Semeando as canções no vento

Quero ver crescer nossa voz
No que falta sonhar
Já choramos muito
Muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar
Uma nova canção

Que venha nos trazer
Sol de primavera
Abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor
Só nos resta aprender...

Feliz Primavera!!

Ana disse...

Muito bom!

Tenho amigos que exageram nos mimos com seus bichinhos de estimação... Bom senso é tudo!

Luma disse...

Amo meu dog!! Só dorme no meu quarto, no tapete se tiver doente, do contrário, ele prefere ficar na sala, de prontidão, olhando para a porta! É o meu sentinela!!

Beth, eu tive muitos cães, gatos, passarinhos, etc até uma certa idade e fui escolhendo o animal e a raça que melhor se adequava ao espírito da minha casa, à minha rotina e das demais pessoas. A personalidade do cão não depende somente do trato que damos à ele, arraigadas estão as suas características naturais.

Não sou à favor de levar o cão à locais fechados que não seja a casa onde convive com seus donos. Digo seus donos, porque o meu deve estar com algum desvio, ou então, aturdido, abilolado, porque não escolheu uma pessoa. Ele é oportunista e vai conforme o interesse. O lance dele é brincar e dar carinho!!

Vou assistir ao programa, não conheço ainda! Beijus

Aninha Pontes disse...

Certíssimo.
Cada um no seu lugar.
Hoje não tenho animais, mas já os tive, mas mesa e cama é lugar de gente.
Nem por isso deixamos de lhes dar carinho e atenção.
Comer ou dormir misturao a pelos, não é comigo.
Um beijo meu bem.

Lucia Cintra disse...

Ihhh, meu assunto predileto! Eu assisto esse show e VARIOS outros de diciplina pra animais, principalmente cachorros. Ja aprendi muito so vendo esses programas e estou doida pra "praticar" nos meus filhinhos a vir assim que comprarmos nossa casa.

Peanut (o nosso Pug - das meninas), tb ja aprendeu bastante conosco, ele eh um amor. Mas uma coisa que fizemos errado foi deixa-lo dormir conosco na nossa cama quando era filhotinho. Hoje em dia nao tem mais como destreinar, pois alem de velhinho, ele eh cego e fica chorando se o colocamos no chao e nao o deixamos dormir na cama. Fazer o que, ne?

Al mesmo falou que nao se importa dos nossos futuros caezinhos dormirem no mesmo quarto, mas eles terao suas proprias caminhas ali no chao. E eu concordo. Por mais que eu goste de dormir agarradinha no Peanut, eu nao consigo ter uma boa noite de sono, pois ele sobe e desce da cama, entra e sai de debaixo das cobertas... assim nao da, ne? rsrs

bjos

Camila Hareide disse...

Beth, gosto bastante do Cesar Milan, mas tem uma outra criatura chamada Victoria Stilwell (náo sei se é assim mesmo que escreve). O programa dela se chama "It's me or the Dog", que o GNT bem traduziu pra "Sou eu ou o cachorro". Os princípios sáo os mesmos aplicados pelo Cesar, mas no caso desse programa,a situação está difícil a ponto de um dos conjuges ameaçar sair de casa - em geral o marido mesmo. Aí ela vai ensinar como não tratar o cão como gente...

Eu e Lars estamos loucos por um cãozinho, mas sabemos muito bem o tamanho da responsa... Então esperamos!

Muito legal seu post!

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Adoro animais, mas não tenho nenhum, porque qunado era pequena um cachorro me mordeu, mas foi bem feio a mordida dele, então fiquei assim meio traumatizada..
BJusss