.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 16 de agosto de 2009

Dos bisões americanos às ararinhas azuis amazonenses

(Ilustrações First People)


Você também já deve ter feito isso, rever um filme que gostou mais de uma, duas ou três vezes.
E foi assim que assisti pela terceira vez pela tv a cabo nesta noite friazinha de sábado a um dos mais belos filmes americanos e que ganhou 7 Oscars em 1991 - Dança com Lobos - feito em 1990 com Kevin Costner. Conta a história de um oficial de cavalaria que se destaca como herói na Guerra Civil Americana e, por isso lhe é dada a chance de servir no lugar que escolher. Ele escolhe um posto longínquo e solitário na fronteira. Ali, estabelece amizade com um grupo de índios Sioux, sacrificando a sua carreira e os laços com o exército estadunidense em favor deste povo que o adota. (fonte Wikipédia)

Quem já assistiu ao filme sabe a beleza de fotografia que é e que, por sinal, também ganhou Oscar na época, mostrando toda a grandiosidade das planícies americanas e do número de bisões, nome dado aos búfalos americanos, na vastidão do deserto habitado por tribos índigenas que, igualmente aos búfalos, foram praticamente dizimadas.


(Cena do filme Dança com Lobos)


É fantástico o filme dirigido e estrelado por Costner que mostra o sofrimento imposto aos indígenas quando os búfalos estavam sendo exterminados como parte de uma política de estado que objetivava empurrar as tribos indígenas cada vez mais para o oeste, matando os búfalos que, durante milênios, foram sua principal fonte de alimento, assim como usavam sua pele para utensílios diversos, como a roupagem para se cobrir do frio intenso, sacos para carregar água e para confeccionar suas tendas. Viviam em perfeita harmonia com estes animais e o próprio nome da tribo "Sioux" queria dizer "Homens-búfalo" e tinham a crença de que o "Grande Espírito" ordenou aos animais que servissem de alimento para a tribo, assim como advertiu que não deveriam caçar de forma desenfreada, pois no dia em que os animais desaparecessem da face da terra, os sioux também se extinguiriam.
(Fonte: deste site)

Antes da chegada dos brancos à América, o bisão era o mais numeroso de todos os grandes mamíferos terrestres. Vários têm sido os cálculos feitos pelos naturalistas, mas nenhum crê que houvesse menos de milhões de búfalos na América do Norte. Os primitivos vaqueiros não tinham palavras para descrever as manadas destes reis da planície.
Nunca o Criador concedeu a país algum a graça de tal abundância de carne; mas, devido a um desperdício voraz, nem a terça parte dos animais abatidos era aproveitada. Havia «epicuristas» da pradaria capazes de matar um bisão só para saborear-lhe a deliciosa língua, abandonando aos lobos todo o resto do animal. Muitas vezes matavam-se búfalos para se lhes usar a pele, e os primeiros colonizadores o faziam para engordar com eles os porcos. Milhões foram sacrificados só para se livrarem deles os terrenos.
(Fonte aqui deste site)



Fala-se tanto do desmatamento e extermínio na Amazônia, mas nenhum povo olha para seu passado negro, quando florestas também foram dizimadas e a fauna praticamente extinta. Sempre digo e repito que o ser humano é igual em sua natureza em todo lugar desse universo, o que os diferencia é a aplicação bem feita das leis para conter este ou outros abusos.

Nesta semana, pela ação do Greenpeace, motivado em grande parte pelo relatório 'A Farra do Boi na Amazônia' dois grandes frigoríficos brasileiros, anunciaram a suspensão de compras de carne com origem em áreas desmatadas do Pará. E muito ainda tem que ser feito para proteger nossas áreas de floresta e fauna na Amazônia, mas o importante é que hoje o olhar do mundo está bem maior maior sobre estas barbáries que o homem comete desde os primórdios dos tempos.

(Atuação do Greenpeace na Amazônia)


Quem ainda não assistiu ao filme Dança com Lobos não deixe de pegá-lo na locadora e ver esta beleza de película. Muito poderá aprender sobre a história da América do Norte, sobre a extinção desse grandioso mamífero (aproximadamente 50 milhões exterminados), verão também a filosofia indígena para abater um animal e o respeito que teem a ele como ser vivente e integrado na natureza, assistirão ao genocídio indígena cometido pelos colonizadores em detrimento do progresso das grandes ferrovias e do avanço da população sobre estas grandes áreas, hoje, totalmente habitadas pelo homem branco.

Poderão também ler este livro abaixo - Enterrem meu Coração na Curva do Rio de Dee Brown (já li e indico) que mostra o relato da destruição sistemática dos índios da América do Norte. Lançando mão de várias fontes, como registros oficiais, autobiografias, depoimentos e descrições de primeira mão, Dee Brown faz grandes chefes e guerreiros das tribos Dakota, Ute, Soiux, Cheyenne e outras contarem com suas próprias palavras sobre as batalhas contra os brancos, os massacres e rompimentos de acordos. (Fonte aqui)



E para terminar, vejam aqui os animais que estão em extinção no Brasil e no mundo.

Agora, se você já viu este filme muitas vezes, saberá responder com certeza a esta pergunta:
Porque o filme chama-se Dança com Lobos? Não vale ver no São Google!








14 comentários:

Heloísa disse...

Beth,
Muito boa a sua lembrança.
O pior é que essa matança generalizada atravessa os séculos, deixa danos irreversíveis e, nem assim, desperta a consciência de todos. Ainda bem que sempre existem alguns que tentam demonstrar os males do desrespeito à natureza. Gostei de saber da atitude dos frigoríficos.
Beijos.

Georgia disse...

Beth querida, bom dia!

Que post maravilhoso!

Eu tb assisti inúmeras vezes esse filme, mesmo que ele seja longo, masvc tem razao qdo diz que as imagens sao sensacionais e sao mesmo.

Quanto a história da terra e seu desmatamento isso é antigo e sempre houve grupos que lutaram e até deram suas vidas em favor da natureza.

Adorei a nova foto do layout, linda demaaaaaaaaaaais!!!

Faz uma resenha desse livro lá para O que elas estao lendo, nunca mais vc fez uma, estamos tb esta semana sorteando um livro passe por lá para saber dos detalhes...

Minha semana está corrida e curta.
Vivi comecou hoje no Jardim e o Daniel comeca amanha na nova escola; e domingo é o aniversário da princesa; já imaginou como eu estou?

Te desejo uma linda semana

Um grande beijo amiga

Mila Viegas disse...

Esse filme é lindo! Preciso rever.
beijocas

Luciana Håland disse...

Beth, eu vi esse filme, mais de uma vez também, adoro, não fazem mais filmes como antes.
Ontem vi um pouco de Lendas da Paixão, também uma fotografia muito bonita.
O livro não li ainda, vou ver se acho pra baixar, fiquei curiosa.
Não estava sabendo dessa farra do boi por ai, vou me informar.
Obrigada pelas informacões postadas.
Beijo

Fernanda disse...

Esse filme eh lindo, assisti ha anos atras.

Eduardo disse...

Beth, existe um filme em DVD cujo tema eh o livro enterrem meu coracao na curva do rio (Bury my Heart at Wounded Knee)que ja deve ter sua versao em portugues.
Infelizmente em toda a historia da civilizacao encontramos devastacao de povos, natureza e animais. Hoje existe uma consciencia de preservacao nos paises mais adiantados e nas pessoas mais instruidas em todo o mundo que esta ajudando a mudar esse cenario; porem as vezes vemos no noticiario atitudes primitivas como a destruicao das estatuas de Buda pelos talibans...
A humanidade esta progredindo e o segredo para isso eh instrucao, leitura e liberdade de expressao.
Vamos fazer a nossa parte incentivando a leitura e o acesso a razao e ao conhecimento nas pessoas de todos os niveis com quem temos contato. Se existe algum conceito, crenca, pensamento, atitude, cultura local e outros similares que nao aceita ou nao resiste a um questionamento e a razao, entao estamos diante de algo que nao se sustenta e precisa ser revisto.
Um abraco
Eduardo

Eduardo disse...

Beth, dentro do item preservacao vou apresentar um tema polemico: deve-se manter os indios e aborigenes em seu status natural e atrasado ou devemos integra-los?
Minha opiniao: nao existe mais sentido em se mater grupos de pessoas e paises a margem do progresso e da globalizacao. Ao mante-los isolados, os estamos tratando como em um zoologico onde vamos matar a curiosidade de ver algo exotico em detrimento do bem estar e do futuro dessas pessoas. Algo como obrigar a pessoas a viver no Paleolitico com todo o seu primitivismo porque isso satisfaz nossa curiosidade, mesmo que essas pessoas nao se deem conta disso. Sou pela integracao total.
Eduardo

Beth/Lilás disse...

Oi, Helô!
Então, estas ações do Greenpeace tem forçado a estes grandes frigoríficos a tomarem decisões como esta.
Você sabe como é, hoje em dia, isso passa por politicamente incorreto e acho ótimo, pois se não fossem estas pressões eles não tomariam nenhuma atitude.
E Amazônia é floresta e não pasto para criação de gado, oras!
beijos pra ti

--------------------------------------------------------

Georgia, querida!

Vou lá ver o blog sim, ando meio desligada com tantos blogs e emails que recebo.
Boa sorte pra Vivi e pro Daniel em seu novo colegio e primeiro dia de aula.

beijocas
-----------------------------------------------------

Mila,
Então, fiz o post porque sei que muitos já viram este filme há tempos e, de repente, uma única vez.
Mas este é um filme para se ver várias, tem muitas nuances que passam despercebidas.
bjs
-------------------------------------------

Luciana,
Como viu a tal Farra do Boi está sendo criticada e o Greenpeace está atuando fortemente neste caso para que não venhamos amanhã a ter as terras na Amazônia invadidas por grandes criadores de gado que só sabem "enriquecer as burras".
Veja o livro pela Net ou pelo DVD que, acho, já está a venda.

beijão
---------------------------------------------------

Fernanda,
Então não deixe de rever, pois vai descobrir muitas outras coisas.
beijinhos
--------------------------------------------

Eduardo amigão,

Sua presença por aqui sempre adiciona mais ao meu post e eu adoro.

Quanto ao filme também já o assisti na HBO e é muito legal também.
O livro já li há tanto tempo, mas volta e meia gosto de folheá-lo por causa das fotos interessantes dos índios.
Sei lá, atiça alguma coisa na minha memória de criança quando víamos Bufalo Bill e cowboys.

Gostei tanto da sua idéia do "tema polêmico" que estou pensando em transformá-la em post. Aguarde.

abraço
---------------------------------------------------------

ML disse...

Eu vi este filme a muito tempo, Beth e lembro que sai muito triste.
E como vc disse é incrível como os "civilizados" são os maiores predadores. Não têm quase nenhum escrúpulo (muitos têm nenhum mesmo).
É por essas e outras que eu amo o GPeace e o PETA.
Quanto ao nome eu não colei e não sei. No aguardo.

bjnhs

Barbie Girl disse...

Eu e marido também assistimos Dança com Lobos, na tv a cabo, é emocionante...

boa semana!

Luciana Håland disse...

Beth, um horror isso da farra dos bois, desmatar para enriquecerem, e isso porque o governo faz vistas grossas, justica idem, sei não.
Vou procurar o livro sim, já coloquei na minha lista.
Ah, eu me virei no inglês mesmo pra explicar, até porque se tentasse norueguês podia ser que eles não me dessem essa classe do comeco, mas sabe?! a galera é bem legal, não tenho uma vírgula a reclamar, esse diretor é bem compreensivo, e sempre atencioso, lembra da pessoa, o que me cativa a voltar pra escola. Já a pobre da minha professora... é um desastre, toda desengoncada, merece um post.
Beijo

aminhapele disse...

O seu texto é magnífico.
Também já vi o filme,em sala de cinema,duas vezes.
O título,esse fica bem vincado nas cenas finais que traduzem,como todo o filme,o respeito entre seres vivos.
Um abraço.
P.S. Em Portugal,aos bizões,chamamos bizontes.

aminhapele disse...

Claro que não com "z" e sim com "s".

Dani dutch disse...

Oi Beth, preciso assistir esse filme..agora estou curiosa pra responder a pergunta e prometo não procurar no google..
Bjusss