.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

A discórdia que traz o desenvolvimento.



"O Rio Tapajós corre em tom esverdeado cortando a floresta amazônica. Depois de cerca de uma hora de viagem, avista-se, no alto de sua margem direita, um conjunto de casas que forma a aldeia Sawré Muybu. O barco encosta na beira do rio, onde a trilha por um morro alto leva ao centro da aldeia. A subida é tão árdua que é difícil acreditar que essa aldeia pode ser alagada, caso a Usina Hidrelétrica de São Luiz do Tapajós venha a ser construída."

Através desta descrição lá no site do GreenPeace, fui visitar a tal aldeia, pelo Google que é mais rápido. E a impressão é de que uma Macondo de Gabriel Garcia Márquez reside naquele longínquo local do Amazonas, onde milhares de índios, lutam a cada dia pela sua terra querida que em breve será alagada para a construção de uma das hidrelétricas que o governo pretende implantar por lá.


Vejam o comentário de um homem que mora lá e que colhi no site do GreenPeace pelo Facebook. Ele fala o que vê e sente por estar inserido no contexto:

"Prenderam alguns donos das empresas que constroem hidrelétricas na Amazônia. Aqui no rio Tapajós querem construir umas cinco. A Dilma não quer nem saber se os ribeirinhos,extrativistas e indígenas irão sofrer com danos sociais,ambientais e econômicos.Nós da Amazônia nem somos beneficiados porque a energia vai toda para as outras regiões do país.O linhão de Tucuruí passa aqui no municipio onde moro, está sendo levada para outros estados.Enquanto isso aqui pagamos uma energia cara e de péssima qualidade... "

Talvez, se imaginarmos 75 mil campos de futebol alagados, tenhamos a ideia, rasa,  do que consistem estes mega projetos de Usinas Hidrelétricas (7 ao todo), entre o Xingu e Tocantins, terras paraenses onde vivem os verdadeiros donos da terra - os índios brasileiros.

Num país tão rico em energia natural, temos sol e vento à vontade, insisto na pergunta: Porque a matriz energética do Brasil tem que ser baseada em hidrelétricas?  Vemos a cada dia que uma das graves consequências do desmatamento na Amazônia é a falta e água nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Cientistas indicam que o desmatamento da Amazônia causa a desertificação dos estados e vários outros países da América do Sul também sofrem essas consequências. Grande parte da água das chuvas dessas regiões vêm da floresta, através de um fenômeno chamado de rios voadores, onde as árvores lançam a água do solo para a atmosfera. Então, sem florestas, sem chuva. Sem árvores, sem água.

Está mais do que na hora da gente ajudar estes povos irmãos, pois também estamos sendo atingidos com toda esta modificação que veem fazendo no clima do mundo.

Assinem, por amor, esta petição:









"Depois de exterminada a última nação indígena
E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida
Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas das tecnologias ..."

(Um índio-Caetano Veloso)











12 comentários:

Maria Grinheiro disse...

Olá Beth, se me permite, vou lhe sugerir uma coisa que ajuda a gente, que está viajando aqui no seu blog: na hora de colocar o link, marca para abrir em outra página, porque dá maneira como está, a gente clica e sai do seu blog. Na alternativa de clicar com o botão direito, está bloqueado, aí a gente não tem alternativa e tem que abandonar o blog, para depois andar voltando pra trás de novo, né?
Espero não levar a mal minha intromissão, mas é uma boa alternativa, que costumo usar.
Em relação à petição, já fui lá, mas parece-me que esta, em particular, só vai dar para gente do Brasil, mas vou voltar lá mais tarde para ver com mais calma, porque já tenho participado em várias, não é de hoje. Mas, infelizmente, muitas vezes não são suficientes para combater tantos erros (à custa de muitos interesses, verdade se diga). A Greenpeace é uma grande "arma" que a humanidade tem e poucos se dão conta.
bjos

Beth/Lilás disse...

Tens razão, amiga Maria Grinheiro, reparei isto agora, mas não sei como fazer para direcionar as pessoas a irem ao site do GreenPeace a não ser desta forma.
É uma grande pena que pessoas do exterior não possam também assinar esta petição que, aliás, deveria ser mundial, pois o problema aqui na nossa Floresta irá refletir em todo o globo terrestre.
Vou enviar uma reclamação ao site agora mesmo.
Muito obrigada pela sua presença sempre aqui, vou visitá-la também em seu blog mais tarde. abraço grande.
Beth Lilás

Toninho disse...

Estamos juntos Beth, faço parte da Avazz.
Uma linda semana amiga com paz e alegria.
Bom seria se as mentes de decisões pudessem repensar cada ato.
Um abração com carinho amiga.
Linda semana.
Beijo

✿ chica disse...

Beth, belo alerta nesse post. Também sou da Avazz. O Brasil precisa achar e utilizar mais outras formas de energia.Como dizes, temos tantas opções por aqui! beijos, lindo dia! chica

Léia Silva disse...

Querida Beth
Que tristeza e indignação!
Petição assinada!
Te desejo um lindo dia.
Bjim
Léia

Sileni Machado disse...

Oi Beth, eu tenho orgulho de ser brasileira, mas situações assim me entristecem profundamente! Eu acho sim que o Brasil tem que crescer, se desenvolver, mas não dessa forma, é uma luta desigual! Nem vou entrar na questão do interesse próprio, onde o dinheiro fala mais alto, ainda estou me recompondo da última eleição, se é que me entende e me perdoe se vou ao contrário, caso o resultado das urnas lhe tenha sido favorável.
Já assinei a petição!
Bjs e uma ótima tarde! =)

Vivendo e Aprendendo
Fotos e Prosas

Calu B. disse...

Betinha,
esta pergunta que vc nos traz ressoa por quilômetros de reflexão daqueles que como eu e vc não entendem o desprezo do governo pelas energias limpas e menos impactantes para as populações indígenas e outras do meio-ambiente.
Continuamos numa política perversa a mercê do lucro fácil e catalisador.
Ninguém merece o que aí está.

Bjos, festivos nos ecos de ontem.
Calu

Camille disse...

OI Beth, tao importante continuar as discussões depois das eleiçoes. O mundo anda nao acabou, ainda da tempo de salva-lo. Essas obras so fazem sentido por que são um grande despendio de dinheiro, uma grana que precisa rolar de uma mão para outra. Realmente temos fontes de energia o suficiente. Fiquei bastante espantada depois daquele levante todo dos Guarani-Caiowas a presidente ter se vangloriado na disputa eleitoral pelo final da obra, quer dizer, computou como um grande feito que desalojou ribeirinhos, indios, mexeu com a natureza, para implantar a MonteBelo(é monte belo mesmo Agora me deu um branco). Falta de respeito, indiferença com esses povos. Indio não vota.Isso me revolta sim. Bjoss

Nina Sena disse...

Ah Beth. Macondo! como eu amava o livro do Marquez, li varias vezes,e era encantada por Macondo. Era minha pequena Amazônia :-)

Tenho amigos eng. florestais trabalhando p ex., na Belo Monte... me entristece. Gracas a Deus nao trabalho mais nessa área. Por um lado, sei que certemente, estao fazendo um bom trabalho,pois sao engenheiros e de fato trabalham com práticas sustentáveis, aprendidas na Universidade e melhoradas nos longos anos de prática na floresta,mas nunca é possível fazer um trabalho perfeito, qd se mexe com a natureza.
Eu preferiria que tudo fosse como antes, sinceramente. Até preferiria ficar separada do resto do Brasil...

Eu temo por tudo! Por tudo mesmo, no país. Nao somente na minha terra. E falei sobre isso no blog hj.

Um beijo Beth querida

Maria Célia disse...

Ei Beth
Mais uma vez a estupidez e ganância dos seres humanos falando mais alto.
Penso, será que estas assinaturas adiantam alguma coisa, elas são levadas em consideração;
já assinei tantas, em sites e blogues e nem sei o resultado.
Pura decepção.
Beijo, querida.

Cristina Pavani disse...

Olá, Alfazema!
E as placas de energia solar que podemos colocar no telhado não são fabricadas aqui, e custam muito...
Isso deve ser revisto com urgência - cada casa, uma miniusina.

Parabéns pelo tema,
até breve

Lúcia Soares disse...

Beth, que triste pensar que os indígenas, donos da terra, possam ficar no desabrigo. Não sei como funcionam essas desapropiações, espero que pelo menos eles sejam levados para outro lugar na natureza, mesmo que não seja onde sempre viveram. Não creio que esses humanos abomináveis pensem em seu semelhante, quando querem algo...Aqui no Brasil está mais do que provado que não.
Não consegui assinar a petição, não entra, mesmo dando todas as informações pedidas. Vou tentar, de novo.
Beijo e boa semana.