.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

"A casa já não é a mesma de antes"


-Tumblr-

“Uma coisa é um homem, por engano, dirigir seu carro para a casa antiga, mas é algo bem diferente, eu creio, ele não reparar que as coisas mudaram dentro da casa. Mesmo a mente mais cansada ou distraída preserva um reduto de reações puras, animais, e consegue transmitir ao corpo a sensação do local onde está. Seria preciso estar quase inconsciente para não enxergar, ou pelo menos não sentir, que a casa já não era a mesma de antes. "O hábito", como diz um dos personagens de Beckett, é um grande entorpecente. E se a mente é incapaz de reagir diante de uma evidência física, o que fará ao se confrontar com uma evidência emocional?”.
Paul Auster


Este é o tipo de texto que lemos e paramos pra pensar um pouco, ele não é linear, ele precisa ser lido com as pausas das virgulas e com interpretação apurada. E foi o que eu fiz quando o li pela segunda vez, prestando atenção na mensagem inserida.
O texto é perfeito neste momento atual em que presenciamos uma revolução em nossa sociedade dividida. Tantas coisas mudaram e nem foram para melhor, ao contrário, retroagimos, estagnamos em valores éticos, morais e sociais. 
Assim sendo, ele reforçou meu pensamento na mudança que tanto sonhei assistir, pois sou uma pessoa que gosta de novidades, de ares frescos e não viciados, gosto de renovação em minha vida.
Nossa "casa" já não é mais a mesma 'e só quem não é tolo pode ver'.  
A frase final é forte, pode ser chocante para quem cair agora na realidade - "E se a mente é incapaz de reagir diante de uma evidência física, o que fará ao se confrontar com uma evidência emocional!?
Neste caso eu não temo, pois meus olhos estão abertos e minha consciência atenta aos sinais da necessidade de mudança.











13 comentários:

✿ chica disse...

Beth todos nós ( ou quase a maioria) consegue ver que nossa casa não é mais igual.Está precisando de mudanças, recauchutagens, reparos , caso não forem feitos, teremos até a demolição! bjs, lindo dia! chica

Ivone disse...

Bom dia linda amiga Beth, texto reflexivo, muito bom estarmos preparados para mudanças, mas as mudanças levam tempo, o que nos faz estagnar é o fato de não querermos olhar para a realidade da vida, pois isso faz sofrer, ninguém quer sofrer, tampouco fazer algo para mudar, mudanças em tudo, principalmente dentro de nós mesmos, mudando a nós podemos mudar o que se passa ao nosso redor.
Abraços linda amiga!

pensandoemfamilia disse...

Ah! Beth Se mudanças não vierem por bem, certamente virão pelo mal. O caos rompe o que está estagnado.
Bela reflexão e imagem. bjs

Calu B. disse...

Mais que clara, é palpável a constatação sobre o acontecido: a casa não é mais a mesma, encontra-se em franca deterioração.A lástima nos acomete e desprende a acomodação sugerindo que mudanças são mais que necessárias.

Um texto primoroso em destacada reflexão, Betinha.
Bjkas mil e boa semana.
Calu

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Beth
Muitos não percebem as mudanças por temê-las.
Abraço

Léia Silva disse...

Querida Beth
Como nunca estou 100% satisfeita comigo, em todos os sentidos, estou sempre mudando e espero que para melhor!
Mudanças são sempre necessárias, pois deixando o "homem velho", ou a casa velha, país, etc, damos espaços para as novas e belas oportunidades que a Vida nos dá!
Vamos confiar que no final tudo dará certo!
Mil bjos
Léia

Dra. Cristiane Marino disse...

OLá Beth, Paul Auster é um autor maravilhoso, e essa frase é demais! Para ler várias vezes e ver as fichas caindo…
Adorei a referência a Beckett: “o hábito é um grande entorpecente”, é preciso muita atenção e limpar o olhar de vez em quando para poder realmente enxergar o que se vê.
Bjs e ótima semana

Maria Célia disse...

Oi Beth
Um belo texto do Paulo Auster, pra ser sincera, desconheço de quem se trata, mas é muito interessante e já li uma três vezes para conseguir captar a mensagem.
Suas palavras também são apropriadas, e gostei muito, pois sempre fui avessa às mudanças, não lidava bem com elas, desde as mais simples e corriqueiras até as mais complexas, contudo de alguns anos pra cá, mudei minha concepção com relação a isto,
ainda tenho uma certa resistência, mas estou conseguindo vencer esta batalha, pelo menos pra mim é importante.
Urge que ocorram mudanças na vida do nosso país e também na nossa vida.
Beijo pra você.

Toninho disse...

Uma beleza este texto nas ocultas verdades aos olhos menos atentos.
As mudanças que se fazem necessárias e as vezes nem são percebidas. Eu creio que a casa muda, há um clamor que não será ignorado.Eu acredito, que há emoção nos corações dos homens e ainda creio na sensibilidade acima da vaidade.
Mas haja fé amiga.
Um carinhoso abraço de toda paz e luz.
Beijo.

LUCONI MARCIA MARIA disse...

Beth uma beleza de texto, a reforma é necessária sem dúvida, para todos, mas cada um a seu tempo, ela deve vir de dentro para fora senão não se solidifica, bjo Luconi

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Beth
Ainda mantenho viva a esperança de minha casa cheia de viço e perfumada com suave odor...
Bjm fraternal

Lúcia Soares disse...

Totalmente de acordo com o nosso momento, Beth.
Entendi perfeitamente a analogia.
Estamos com a casa, além de tudo, bagunçada e não enxergar isso é uma cegueira emocional.
Esperemos com fé que possa haver a conscientização de todos para que nossa casa seja a que realmente queremos para viver bem nela.
Beijo.

Maria Grinheiro disse...

Beth, é um sonho lilás, viajar por seu blog. Ainda aqui estou, é daqueles que nos fala algo aqui e paramos, mais abaixo apetece parar novamente, e mais adiante tornamos a nos deter, diante dos textos que escolhe para trazer, da sua própria interpretação e argumentação...
Às vezes, eu, pelo menos, cada vez mais, preciso sacudir a cabeça, esfregar os olhos, para que "acordem" e "vejam" aquilo que está e não estava, ou, pelo contrário, esteve um dia e já não está lá...
bjos