.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Faroeste, índios e caras-pálidas.


 Warner Baxter (1889 - 1951), na garupa de um cavalo rodeado por Índios Pele Vermelha e Mexicanos durante a gravação de um de seus filmes. Estados Unidos, aproximadamente 1930


Houve um tempo de sessões da tarde na televisão, assistidas pelas crianças e alguns pais que não perdiam seriados que ficaram marcados na memória e ao relembrarmos atualmente, trazem aquela sensação boa de dias longos, descanso após o almoço, lanche da tarde após o filme, das trilhas sonoras que cantarolávamos e  que chegam à lembrança de repente, como a que tive hoje ao ver esta antiga foto dos tempos do 'faroeste' americano. 

Os índios pele vermelhas eram os vilões, sempre.  O mocinho, o homem branco, em cima de seu cavalo veloz, um lindo alazão, matava, exterminava, pulverizava, todos os malditos nativos daquelas imensas pradarias cheias de búfalos selvagens que cruzassem seus caminhos.  Caminhos esses que levavam à expansão dos territórios com a marca do cara-pálida.

(O cinema  influenciou sobremaneira  a opinião dos povos.  Começando pelos índios americanos muito mauzinhos, depois vieram os alemães nazistas e cruéis; os russos comunistas que comiam criancinhas; os chineses que eram idiotas, riam à toa e se igualavam aos índios;  depois os japoneses kamikazes e robóticos, após Pearl Harbour e que agora são bonzinhos, ricos e aliados; os italianos mafiosos; os hispânicos traficantes e domésticos e agora, por último, o terror na forma de narigões e lenços árabes.)
                        -American Indian Art-Pinterest-                     
                                       
Mas, voltando ao tema faroeste, quantos bons filmes tivemos naquela época!  Bonanza, Rin tim tim, filmes do John Wayne, James West, Laramie,  e o charmoso Bat Masterson, o qual a trilha sonora me veio nitidamente hoje à tarde.
Lembram disso? 

No velho Oeste ele nasceu,
E entre bravos se criou,
Seu nome lenda se tornou,
Bat Masterson, Bat Masterson.
É o mais famoso dos heróis,
Que o velho oeste conheceu,
Fez do seu nome uma canção,
Bat Masterson, Bat Masterson.





Se quiser relembrar a musiquinha é só acessar este link aqui.






(Post escrito em 2010-aqui)











8 comentários:

✿ chica disse...

Que bom reviver momentos aqui contigo e quem não lembra d Bonanza? lindo,adorei remexer a poeira do tempo....beijos,linda semana,chica

Calu B. disse...

Minha amiga,
toda esta tua oportuna narrativa aponta para o que se chama de" colonização sugestiva", aquela que impõe devagarinho modos, hábitos e culturas estrangeiras como única e desejosa realidade para todo o mundo.
È verdade que nos divertimos muito quando crianças e mocinhas e torcíamos pela cavalaria, mas hoje vemos o quanto isso custou a uma nação.
Uma bela semana pra ti, Betinha.
Calu

Bia Jubiart disse...

E o Daniel Boone? Era fã...
Era fã também da revista em quadrinhos Tex Will, acho que ainda existe. Enfim, a TV de forma geral é sempre manipulada com algum objetivo, nada é de graça! Formar e controlar a opinião popular ainda é uma forma de PODER muito forte e presente em nossa sociedade.
Betty, quando vc escreveu "traficantes e domésticos hispânicos", lembrei-me do filme "As Mulheres do 6º Andar", já o assisti duas vezes, amei! Fica a dica.
Deixei p/ vc uma mensagem in box.
Bjos Tocantinenses!!!

Teresinha Ferreira disse...

Recordar é viver.
Sabe que eu gosto muito desse tipo de filme?
Fiquei aqui lembrando dessa musiquinha e cantando. Tem um canal que só passa esse gênero de filme, não sei qual.
Lembro que o cara-pálida pegou na época e era super divertido.
Beijos mil

ML disse...

Não posso "me furtar" de lembrar os "jesuitas" brasileiros, um até acabou de ser beatificado - ou virou santo, sei lá. Mas, tudo bem, como disse um historiador, "era um homem de sua época". De todo forma, uma transformar mocinhos em bandidos e vice versa, ou...
: > )))

bjnhssss

cristiane de paula goiatá goiatá disse...

Querida,
Passei para desejar-lhe uma semana incrível e aprendi mais um cadinho contigo!!
Obrigada pela vista adorável!!
Muitos beijos
Cris

Regina Rozenbaum disse...

De fato lembro das irmãs cantando a música. E de tanto cantarem decorei rsrs. Bonanza lembro demais!
Beijuuss Bethita

Rose disse...

Adorava esses filmes, Beth! Assistia-os, todos os domingos, num cinema aqui perto der minha casa!
E a música do Bat Masterson? Quando menina, brincávamos de cantá-la em dupla, fazendo ritmo com palmas! Tempos bons!...