.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Luz na escuridão.


Quando falta luz lá na montanha, um passatempo delicioso é sair para fora da casa e ficar a olhar o céu e o que acontece na escuridão, pois nem sempre a escuridão é desagradável, ela pode ser brilhante pela luz que emana das estrelas, de uma possível lua prateada ou até mesmo de pequeninos seres que passeiam pelas noites e já nem chamam nossa atenção, já que há tantas luzes nas noites urbanas. Os vagalumes brilham nestas noites, piscam como luzinhas de árvore de natal e prendem nosso olhar por onde passam.

Há alguns dias, eu e minha mãe fomos pra fora de casa, a fim de observarmos no escuro estes bichinhos luminosos. Levei uma lanterna potente para iluminar o caminho e sentamo-nos num banco do jardim. Quando víamos uma luzinha piscando, eu iluminava-o  com a lanterna, mas ele logo sumia do foco e voltava a brilhar em outro ponto. 
Ficamos tão entretidas descobrindo suas rotas que nem me lembrei de filmar ou fotografar, enlevadas pelo
momento que foi simplesmente mágico, além de poder usufruir da companhia querida de minha mãe.  
Mas, descobri um fotógrafo japonês, Yume Cyan, que acompanhou, com sua câmera em baixa velocidade, cada ponto de luz brilhante, apresentando quadros em que é possível ver o caminho do voo dos vagalumes na floresta perto de sua casa em Nagoya.

Lembrei-me da linda poesia do mestre Machado de Assis - Círculo Vicioso - para acompanhar tão belas imagens.


Bailando no ar, gemia inquieto vagalume:
- Quem me dera que fosse aquela loura estrela,
que arde no eterno azul, como uma eterna vela !
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

- Pudesse eu copiar o transparente lume, 
que, da grega coluna à gótica janela,
contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela !
Mas a lua, fitando o sol, com azedume:

- Misera ! tivesse eu aquela enorme, aquela 
claridade imortal, que toda a luz resume !
Mas o sol, inclinando a rutila capela:

- Pesa-me esta brilhante auréola de nume... 
Enfara-me esta azul e desmedida umbela...
Porque não nasci eu um simples vagalume?"


todas as imagens @ Yume Cyan







...**...**...**...**...





12 comentários:

✿ chica disse...

Que lindo,Beth!! Belas fotos desse fotógrafo! Adoro olhar pro céu e pra tudo na escuridão.Aqui na praia posso fazer isso muito bem.. .Ainda m pirilampos!!!bjs praianos,chica

Bia Jubiart disse...

Bom dia Beth!
As vezes eles aparecem nas minha imagens que registro da luz cheia, vou ficar mais atenta... As imagens também são belas e mágicas... Obrigada por compartilhar! A poesia perfeita p/ o momento.

Tenha um dia luz!

Bjos tocantinenses.

Calu B. disse...

Betinha,
um espetáculo único que derrama brilho e paz sobre nossas emoções embaladas na poética pungente do Machado, nas sensíveis lentes do fotógrafo e nos amorosos detalhes aqui revelados por vc, amiga.
Este lindo conjunto abrilhanta o dia.
Obrigada!
Bela semana.Bjkas acalouradas.
Calu

pensandoemfamilia disse...

Que linda inspiração. O cotidiano nos traz muito para se observar, refletir e escrever.
As imagens e poemas fizeram fecho de ouro na sua criatividade.
bjs

Felisberto Junior disse...

Olá, Beth,
Lindas imagens do Yume e encanto de escrito...
...a racionalidade da rotina, vem espremendo o lugar das emoções, confinando-as em um espaço bem pequenininho, discreto e silencioso, roubando nos a chance de ver reluzir o brilho e a luz ...e nada como a alegria da alma, olhando os vagalumes , que é pura poesia e encanto a nos deixar entregue diante da beleza da vida ...
Mestre Machado de Assis ... sim, é um verdadeiro círculo vicioso. Queremos sempre algo que os outros têm e que não temos, mesmo que conseguimos alcançar, não nos satisfaz e logo vamos querer outro algo que não temos - um vagalume que vê uma estrela, que quer ser como uma estrela, que quer ser como a lua, que quer ser como o sol...e o sol quer ser como o vagalume...
Obrigado, belo dia, beijos!

Anne Lieri disse...

Beth,que coisa linda essa sua história! Nada como ter momentos asim, de pura contemplação da natureza e vagalumes são tão raros nas cidades!Bom demais te-los por perto! Adorei a poesia e as fotos! bjs,

Maria Célia disse...

Oi Beth, boa noite
Que imagens sensacionais, maravilhosas, e você sempre nos brindando com palavras belas e sábias.
Um beijo.

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Beth
Aprecio este ato como uma terapia surpreendente, é estar em relação com a natureza, com os bichinhos é algo mágico que só sente quem respeita e se delicia com o simples. Linda poesia de Machado de Assis, não a conhecia.
Belíssimas imagens, mágicas.
Também gosto de ficar olhando a noite ela tem seus encantos, minha companhia é meus cachorros que tentam pegar os vaga-lumes... rs
Agradeço pelo carinho. Já estou bem melhor da minha gripe logo, caprichando nas visitas.
Beijinhos.

Lúcia Soares disse...

Lindas fotos, captando momentos lindos.
A poesia, uma lembrança do quanto somos insatisfeitos.
Uma pausa para a meditação.
Beijo!

Pitanga Doce disse...

Beth, sei como é isso de ficar contando estrelas e vendo os bichinhos luminosos da noite. Se tivesses ido pegar a máquina, a magia poderia se perder.

"Tu pisavas nos astros distraída..."

beijos Beth.

Palavras Vagabundas disse...

Perfeito Machado e as fotos!
Também adoro essa escuridão, por aqui, quando falta luz deitamos na varanda para olhar o céu sem interferência da luz, é maravilhoso ver o univrso.
bjs
Jussara

Elisa T. Campos disse...

Beth

Lindo o passeio que fez com a sua mãe.
Mágico mesmo. E ficou maravilhoso o post. co as imagens de Yume Cyan e a poética de Machado de Assis.

Você sempre com refinado gosto.
Amei.
Bjs.