.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Brincando de Adulto

-Google Imagens-


 “É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o 
adulto fruem sua liberdade de criação.” 

 D.W. Winnicott 


Nas roças deste imenso país, muitas crianças ainda se divertem com o produto dos campos, como espigas de milho, bambus, gravetos e galhos, brincam muito com os animais; gatos, cães, cavalos, galinhas. Têm também brinquedos construídos ou alguns poucos industrializados, mas sempre com muitas brincadeiras físicas, como: correr, pular, subir, descer. E por terem que percorrer muito até suas escolas, adquirem uma interação maior com a natureza que os cercam. 

As crianças das periferias pobres também brincam, embora com a falta de área para o lazer, muitas acabam brincando nas ruas, o que é perigoso demais.  Perigosa também é a exposição da televisão diariamente e sem limites, pois muitas mães precisam trabalhar fora para ajudar nas despesas do lar e seus filhos pequenos ficam grande parte do dia com outros irmãos maiores , assim tomam conhecimento de fatos que interferem ou reproduzem em suas brincadeiras, muitas tornam-se violentas como o que a mídia despeja pela telinha.
Infelizmente, uma relação perversa e que vem crescendo ao longo destes últimos anos de crescimento tecnológico e transformação social e cultural.

A experiência da vida urbana é, claramente, retratada por crianças de diferentes classes sociais, e não é de hoje que isto se reflete sobre as brincadeiras infantis.
A história nos conta, através de documentos e algumas imagens, o "brincar de adulto", com suas bonecas de louça e seus escravos-brinquedo, como as crianças da época, reproduziam as desigualdades daquela sociedade imperial.

Brincadeiras como na gravura de Debret, divertiam as crianças no Brasil Imperial.
Brincadeiras como na gravura de Debret, divertiam as crianças no Brasil Imperial.
* * * * * * * * * *

"Para conhecer os costumes e os problemas de uma sociedade, pode ser útil observar como brincam suas crianças.  No transcorrer do século XIX, tal como hoje, as crianças brasileiras brincavam de ser adultos.  E assim reproduziam a realidade de um país marcado pela escravidão e pela desigualdade entre homens e mulheres. 

A diversão infantil se dava em mundo à parte dos adultos.  Há poucos registros de homens brincando com crianças - uma exceção era os momentos em comum ao redor de gaiolas, criando passarinhos e inventando nomes para cada um. Quando os pequenos mobilizavam a atenção de algum adulto, costumava ser a da mãe. Atender crianças, para brincar ou não, não era “coisa de homem”.
Mas mesmo apartadas dos adultos, as brincadeiras da época demonstram um olhar sensível para a realidade à sua volta. Brincar de ser adulto possibilitava para os meninos de elite imaginar-se como senhores de engenho, representar o papel de proprietário de escravos e maltratar animais diante das crianças escravas, para demonstrar com exemplos o que poderiam fazer com “seus escravos”. Algumas crianças tinham seus próprios chicotes e os meninos das grandes propriedades faziam das crianças escravas o brinquedo em si, exigindo que fossem seus cavalinhos ou “animaizinhos de fazenda”.
A babá adolescente carregando uma menina branca - Imagem Google -
O convívio entre crianças livres e filhos de escravos no âmbito privado é objeto de diversos relatos, mas nos livros de viajantes costuma ser tratado de forma superficial. Em Viagens ao interior do Brasil, de 1809, John Mawe escreve sobre a amizade e a “familiaridade” entre os filhos dos escravos e os dos senhores. O ambiente doméstico e o fato de brincarem sob o mesmo teto reforça a impressão de “camaradagem” entre crianças livres e não-livres, como se comprovasse que as brincadeiras infantis eram inofensivas, capazes de diluir a violência escravocrata. Mas não era assim. Embora fosse possível encontrar no cotidiano situações nas quais crianças brincavam juntas apesar da distinção que se estabelecia entre o mundo dos senhores e o mundo dos escravos, com muita frequência irrompiam ações que demonstravam o lugar de mando ocupado pela criança branca, filha do proprietário de escravos.
“Através da submissão do moleque, seu companheiro de brinquedos e expressivamente chamado 'leva-pancadas', iniciou-se muitas vezes o menino branco no amor físico. Quase que do moleque 'leva-pancadas' se pode dizer que desempenhou entre as grandes famílias escravocratas do Brasil as mesmas funções de paciente do senhor moço que na organização patrícia do Império Romano o escravo púbere escolhido para companheiro do menino aristocrata: espécie de vítima, ao mesmo tempo que camarada de brinquedos”, escreveu Gilberto Freyre, em Casa Grande & Senzala (1933).
Entre as meninas, havia a brincadeira de “tornarem-se comadres” quando tinham um objeto raro em comum: a boneca de louça. Batizavam as filhas bonecas e tomavam chá repetindo alguns ritos que podiam observar nas vezes em que senhoras consideradas distintas se visitavam. Esse hábito é um típico costume da região Nordeste, no âmbito das grandes propriedades e relacionado àquilo que se considerava como etiqueta de elite.
Bonecas de louça tinham um padrão: cabelos louros cacheados e olhos azuis. Eram vestidas de modo senhoril e expressavam uma ideia de elegância a ser assimilada por suas “mães”. Mas, assim como suas “mães”, elas raramente saíam às ruas. Produzidas na Europa, uma vez retiradas das embalagens algumas nunca mais passavam de volta pela porta em que entraram.
As bonecas que conheciam a luz do sol eram as de pano, produzidas nas mais variadas situações por costureiras, tias ou madrinhas dedicadas às habilidades manuais relacionadas à linha, ao tecido e à tesoura. As bonecas de pano eram vistas como o brinquedo possível para crianças de famílias não tão abastadas, não tão impregnadas pelo teatro de ostentação que se percebia nos sobrados mais ricos. Bonecas de pano eram doadas quando suas donas cresciam, e refeitas, costuradas, restauradas sempre que necessário. Doar bonecas de louça era menos comum. Crescendo a menina mãe da boneca de louça, era mais provável que o brinquedo permanecesse entre as relíquias da casa.
Quadro Fascinação de Pedro Peres
Enquanto as meninas da elite brincavam mais dentro de casa, os meninos brincavam fora – não necessariamente na rua, mas nos quintais das casas de maior porte, como os sobrados.
Frutos da imaginação infantil, as “comadres” unidas no batismo das bonecas de louça e os “senhores” que transformavam pequenos escravos em animais foram personagens do Brasil Império. Demonstrações de como uma geração enxerga a outra."

Marcos Cezar de Freitasé professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e organizador da trilogia História social da infância no Brasil (2000),Os intelectuais na história da infância  (2002) eDesigualdade social e diversidade cultural na infância e na adolescência (2004), todos publicados pela Cortez Editora.


* * * * * * * * * *





11 comentários:

Márcia Cobar disse...

Oi Betinha,
Super interessante a perspectiva que você nos trouxe hoje...
E o texto do Marcos Cezar é brilhante!
Da minha observação particular, vejo crianças brincando bastante com tablets e eletrônicos, deixando de lado interações ricas com outras crianças...
Imagino como serão como adultos... Ligados em suas telas, desligados de suas relações interpessoais...
Beijo
Márcia

Célia Rangel disse...

Uma perspectiva de vida que nunca quis para minha infância! Fui e sou rebelde desde então... Em que não me sinto bem, descarto mesmo... Exclusões, diferenças sociais para mim, não agregam nada.
Abraços,
Célia.

✿ chica disse...

Beth, sempre se aprende te lendo e saímos daqui pensando...

Brincadeiras diferentes, temos diversos...
Estamos na praia e aqui, resgatamos brincadeiras(que precisam de espaço e liberdade), como pega pega e ferido,mal e morto, lembras? Neno adora e não ganha de mim que me esfoooooooooooorço, suo mesmo nas areias da praia pra que ele aprenda que na vida, até nas brincadeiras temos que saber perder...beijos praianos,chica

Lúcia Soares disse...

Beth, que triste a vida dos escravos, sempre servindo de capacho para os senhores, até os pequeninos!
Mas, sabe, acho que muitos até gostavam da vida na casa grande, não importando o papel que cumpriam, pelo menos fugiam da miséria de suas senzalas. Nada que justifique as humilhações por que passavam.
Tenho falado muito isso, vendo os netos, em suas brincadeiras, algumas que viram verdadeira bagunça, mas temos que deixar que se expressem: só uma vez terão 4 anos, 5 anos, 6 anos..., etc. Cada ano é único e precisam brincar muito. Por aqui, notei que os meninos ficam bem, livres no meu quintal (embora pavimentado e sem árvores(), sobem e descem escada o dia todo, usam a energia de forma saudável, moleques mesmo. Até esqueceram os brinquedos de Natal, ficam soltos pela casa e quintal, numa diversão sem fim.
Deliciosa infância, para os que sabem realmente vivê-la. Pobres crianças que vivem em apartamentos e já lidam com celulares e esses tantos "I" que hoje existem...
Beijo!

Ana Paula disse...

Beth, sabe que nunca tinha pensado no brincar de bem antigamente. Sabia das espigas de milho que viravam bonecos, mas estas de Tornar-se comadres, nem imaginava. Muito interessante.
Triste mesmo é o brincar de hoje. Será que existe?
e a questão da televisão influenciando em comportamentos, alimentação, percepção do mundo.
Para se refletir...
Beijo!

Calu B. disse...

Betinha,
toda esta explanação reforça importantes observações sobre o universo infantil.Este tema é tópico semestral dos estudos pedagógicos em EI devidamente intercalado em Sociologia Educacional e História da Educação.O fazer/conhecer das crianças está diretamente ligado aos exemplos vistos e reproduzidos em seus ambiente de convívio.Cada época traz seu retrato fidedigno exposto através das brincadeiras infantis.Há inúmeros estudos bem interessantes sobre o assunto.
Temo que num futuro próximo estes estudos tendam a minguar, já que grande parte das crianças está enfurnada em seu mundinho tecnológico; eremitas internáuticos desprovidos de conhecimento e práticas sociais salutares.

A palavra para os tempos atuais, é:Bom Senso!
Bjos,, querida.
Calu

Maria Célia disse...

Ei Beth, tudo bem?
Como sempre você nos encantando com suas palavras sábias e verdadeiras, a cada vez que leio seus textos aprendo um pouquinho mais.
Qual será o futuro destas crianças tão ligadas e plugadas?
O tempo mostrará.
Beijo e muito obrigada pelo seu carinho sempre deixado no bloguinho.

Cristina Pavani disse...

Oi, Alfazema!
Adorei o tema "brincar"!
A função semiótica, onde a criança gera imagens mentais através da imitação e processa um mundo idílico, lapida seus pensamentos, interferindo positivamente na linguagem e consequente inteligência.
Sem o jogo simbólico, crescer seria árduo demais, para adaptar-se ao mundo em que se encontra, a criança se expressa brincando.
No "faz-de-conta", recorre-se ao lúdico para transformar um lápis enfadonho num leve avião.
Brinquei muito de "coisas da roça", e tive minhas "cumadis". O terreiro de café era nossa quadra poliesportiva; a palha de feijão se convertia em túneis imensos.

Abreijos!

pensandoemfamilia disse...

Oi Beth
Belo texto. Temos, realmente diversas formas de saber sobre a história de cada época e as brincadeiras é uma delas, e nos faz pensar sobre as nossas crianças e quais os seus tempos para brincar e como brincar?
bjs

Anne Lieri disse...

Oi Beth! Que assunto interessante,adorei! Até anotei os nomes dos livros,vou procurar. Gosto desses assuntos e nos fazem entender melhor a história de nosso país. bjs,

ML disse...

Como a humanidade tem uma tendência pra ser ruim, né, Beth?
Sempre escravizando seja gente, seja bicho...

Dá vergonha ser um animal "racional".

bjnhs e ótimo final de semana, Querida!