.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Tarde de chuva de primavera na serra


Lá longe o relâmpago cortou o céu,
seguiu-se o trovão acompanhado de vento forte.
De repente a tarde ficou em brumas.
Os pássaros recolheram-se aos ninhos
e fez-se silêncio.

Somente o barulho da chuva açoitando os galhos
era ouvida e sentida.
O tempo, como parado num fio,
tecia lentamente as contas formadas pelos pingos.

Deitei-me no sofá da sala e acompanhei pela janela
a dança frenética da chuva primaveril sobre os pinheiros.
Tantas vidas ali se esconderam,
quietinhos, todos, penas e pelos.

Nestes minutos mágicos,
a natureza mostrou-se imperiosa,
num harmonioso torvelinho,
provando a todos o quanto é poderosa.

Algum tempo depois
a chuva despediu-se
deixando a terra úmida
fresca, verdinha, sadia e grata.
Pelos e penas se mexiam
e tudo recomeçou,
o farfalhar de folhas,
e a cantoria de pássaros, alegres, de novo.

E com toda gratidão
o cheiro bom desta tarde
guardarei na recordação.

O sopro divino que refrescou
meu jardim e mais ainda,
amorosamente,
meu coração.


“Os quintais estão cheios de vozes. Para as escutar exige-se disponibilidade de espírito, ou seja, tempo e inteligência, soma de qualidades que nos dias que correm poucas pessoas possuem.”
José Eduardo Agualusa, em milagrário pessoal





24 comentários:

Zizi Santos disse...

Oi Beth
chuvas são dádivas
e sua chuva eu recebo nesse momento
com toda sua inspiração e sentimento, com toda a doçura daquele momento vivido!
obrigada!
uma linda quinta feira para você
bj zizi

✿ chica disse...

Viajei contigo nas palavras e acompanhei todo o lindo movimento da natureza se mostrando! ebijos,tudo de bom,chica

☆Lu Cavichioli disse...

Oi Beth, bom dia!

Que blogada gostosa, alegre, colorida e benfazeja.
Muito gostosa de se ler, tanto que re(li).

Você me fez sentir lá na serra, junto contigo. Obrigada por este momento.

bacios da Lu C.

tenha um lindo dia*

Elisa T. Campos disse...

Beth

Que lindo sopro divino que vivenciastes.
Até espremi nestes tanka ficando um respingo só:

farfalho de folhas
um vai e vem de pássaros
o temporal se foi

a tarde agradece com as
últimas gotas de chuva feito pérolas.

Um bom dia
Bjos.

Célia Rangel disse...

Encanta-nos "os segredos" da Mãe Natureza! Lindo poema-gratidão!
Abraço.

JAN disse...

UAU, Beth!
Cheguei a sentir o cheiro da terra molhada, depois da chuva!
Poema inspirado e inspirador.

Abração
Jan

Anne Lieri disse...

Puxa Beth,que lindo poema! Uma tarde de reflexão e paz ao coração! bjs,

Cristina Pavani disse...

Olá, Alfazema!

Me veio a brisinha gelada, leve... e nosso quase verão é assim mesmo: acalora e refresca o tempo todo, nos dando a chance de alternar sorvetes e sopinhas!

Beijos brejeiros procê.

Maria Célia disse...

Ei Beth
Que beleza de poema, amei cada verso, você tem um talento com as palavras, sem falar nas fotos lindas.
Adorei.
Beijo pra você.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Beth
Sabe, parecia que tava lendo a Glorinha... creio que vcs duas foram (ou são)almas gêmeas...
Lindo demais!!!
Um poema de puro requinte...
Se dedique ao dom, querida...
Bjm de paz e bem

Lúcia Soares disse...

Lindas e perfeitas imagens. A natureza é tão maravilhosa que inspirou uma linda poesia. Versos sem rima, mas de uma riqueza se par.
Encantador, Beth.
Beijo.

Beatriz disse...

Ah Beth, a sua "serrinha" é sempre bela e doce! Ah, que saudades de Petrópolis......Sabe do que mais tenho saudade? Das quitandas do Katz e de passear pelo Museu Imperial...

Beijinhos e bons ventos por aí!!!

Bia

Ailime disse...

Olá Beth adorei o seu texto e as fotos! A chuva é uma dádiva de Deus para purificar e renovar a Terra!
Agradeço muito a sua visita e comentário! Sobre Portugal os nossos governos nunca investiriam de maneira séria no turismo e, neste momento, corre-se o risco, devido à grave crise económico-financeira e principalmente de valores, de este pequeno mas tão belo País, se afundar:((! Um beijinho e tudo de bom para si. Ailime

Bia Jubiart disse...

Pronto! Me derreti... Com a sua encantadora poesia e as bela imagens de um momento ímpar da natureza.
Bela postagem!

Beth, tenha sonhos luzes!

Bjãoooo

Silvana Haddad disse...

Beth:
Desconhecia esse seu lado poetisa.
Você descreveu um momento chuvoso, em algo encantador e prazeroso.
Quanto ao seu comentário no meu blog, eu não funciono de manhã, rsrsrsrs.
O jeito é ligar o piloto automático até a hora do almoço.
Depois as coisas vão se ajeitando e quando anoitece eu tô a pleno vapor.
Bjs.:
Sil

Calu B. disse...

Dadivosos instantes poéticos, mesclados de singeleza e inspiração trazidos nesta página encantadora que ditou teu sensível coração.

Que lindeeeeza de poema, Betinha. Bravo!
Calidez e contemplação aqui reunidas.
Um belo final de semana, amiga.
Bjkas,
Calu

ML disse...

Clap, clap, clap! Além de excelente fotógrafa é excelente poetisa!
Parabéns, Ms. Gaia, belíssima poesia leve, fiquei sorrindo!

bjnhs e ótimo final de semana aí ou aqui.

Misturação - Ana Karla disse...

Beth, acho maravilhoso ouvir a pós chuva.
A natureza vai falando e mandando sua mensagem.

Você arrasa, amiga.
Xerosssss

Misturação - Ana Karla disse...

Excelente o destaque para a mensagem abaixo de José Eduardo Agualusa.

Regina Rozenbaum disse...

Ah que lindeza...poesia, fotos e esse seu cantinho mágico. A-do-ro o cheiro da chuva, da terra agradecida e agraciada... Sem desvario, só essa benção de renovação!
Beijuuss amaaada

Maria Izabel Viégas disse...

Minha amiga linda,
que texto - poesia maravilhoso.
Precisando lê-lo agora neste momento.
Eu também sinto a natureza assim. Amei o sentir a vida escondida lá no meio da mata e que volta assim que tudo passa.
Fez-me bem te ler, embora lá na minha serra de Nova Friburgo já não há mais tanto esse encanto.
Eu ando necessitando subir e estou esperando a chuva passar lá; cansa-me ver o carpinteiro,com tudo preparado para consertar um deck e uma escada externa, e a desculpa sempre é a chuva. E ele está certo. Como irá fazê-lo? Como molar a maquinaria dele? Tudo está certo...
E eu fico a colocar sempre uma razão para o que não se v~e nem se entende. ficar sem ação é brabo para quem quer resolver tudo logo. Haja paciência.
mas lá na minha serra, depois daquela calamidade, as pessoas ficaram presas ao medo. E com razão!
Pois nada foi feito. Tudo está do mesmo jeito. Todo mundo olhando para o tempo e pronto para correr.
É preciso muito amor à natureza para não sair de lá.
O jeito é olhar a vida e a chuva com este teu olhar, né Mãe Gaia amada? Você está sendo a porta - voz da Mãe Natureza.
Eu fico com a minha fé de que tudo está certo. Que tudo tem seu tempo certo!.
Beijos, minha linda poeta.

Toninho disse...

Isto é poesia de mais linda inspiração. Lendo pode-se criar as imagens.
Que lindo Beth.
Que bênção.
Adorei.
Lindo fim de semana.
Abraços amiga.
Beijo de paz e luz.

pensandoemfamilia disse...

Lindas as imagens fotográficas e da sua poesia. Viu como foi só começat, a poesia é da alma.
Pena que não pode participar do poetando com amigos, faltou vc.
bjs

Márcia Cobar disse...

Belíssimo poema, belíssimas imagens! A sensibilidade que você tem é inspiradora, Beth!
Afinal de contas, "é no orvalho das pequenas coisas que a fé se renova".
É na simplicidade que a vida acontece.
Bjim
Márcia