.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 4 de junho de 2013

Quack, quack!

(G1)

Quack!!!  Você já deve ter lido pelo menos uma revistinha Disney na vida, aquelas das aventuras do Pato Donald e seus três sobrinhos, Margarida, Pateta, Pluto, Professor Pardal, Irmãos Metralha, Tio Patinhas e outros personagens incríveis que permearam nossa infância.

Quack!!!  E por falar nele, o Tio Patinhas, quantos milhões de moedinhas ele terá até hoje naquele imenso cofre que me fez mergulhar de cabeça por várias vezes na minha fértil imaginação infantil.  Como deve ser gostoso um banho numa imensa fortuna como aquela ou de um árabe menos famoso, mas trilhardário,  como os dos dias atuais!

 
Quack!!!  Mas, pensando bem, não queria tanto assim; poderia ser o suficiente para realizar muitos sonhos, viver uma vida boa, ajudar a todos que precisassem e presentear a cada dia um ou outro amigo, mesmo sem ser aniversário do mesmo, mas só pelo prazer de dar e fazer uma pessoa feliz.

Quack!!!  O horror mesmo é quando vemos gente com muito dinheiro assim e com os pensamentos pequenos, pobres, sem horizontes e ainda por cima vivendo mal, talvez para não "dar na pinta" do que tem.  Mas numa cidade pequena como a que eu morei, todo mundo acaba sabendo e comentando. O sujeito é dono de inúmeros imóveis pela cidade, mora numa mansão de época, mas não cuida dos jardins e a impressão que dá para quem passa em frente a ela é que está abandonada, mas ele mora ali e tem um belo Jaguar de época e outros carros bem guardados em garagens fechadas. Sua aparência é de decadência, tanto na casa quanto a dele próprio.  Um avarento completo.  Nem o Tio Patinhas é pior, penso eu.

Quack, quack, quack!!!  Não sou Maga Patalógica mas estou morrendo de inveja da moeda número 1 do Tio Patinhas.  Dizem que ela dá sorte, afinal, deu a ele toda aquela fortuna, lembram?!

Quack!!!  O velho e ranzinza pato milionário é uma síntese dos diversos milionários vorazes deste mundo capitalista selvagem. Mas, seu criador, Carl Barks, mesmo depois de morto, ajuda a crescer a fortuna do proprietário de  seus 10 quadros pintados à óleo, e  que deverão ser vendidos num leilão em Austin no Texas, num total de US$ 700 mil.




E se quiserem conhecer mais sobre este homem que criou personagens tão marcantes do último século até os dias de hoje, vejam sua história aqui e, acreditem se quiserem, nunca saiu dos Estados Unidos antes de seus 93 anos, quando foi à Europa pela primeira vez, tudo que fez e visualizou foi através de boas leituras, vivência e sua própria imaginação.  QUAaaack!!!












(Post publicado em 27/07/2010-comentários da época aqui)





18 comentários:

Priscila Ferreira disse...

Por isso que é bom ler!
não aguentava ver o desenho com aquela voz do Donald kkk e lendo ficava imaginando o mesmo!
Ganhei de dia dos namorados a havaiana dele com a margarida, já viu? Muito linda!
beijos ;)

Cristina disse...

Olá, Lilás! Você está bem?

Olha, eu convivi com uma família "Tio Patinhas" na infância.
A bela fazenda deles era caminho para o sítio do Vovô.
Tinha também um casarão de época e um pomar onde nós, criançada, furtávamos carambola e urvalhas (aquelas azeduras).
Um casal, e dois filhos solteirões: Rodolfo, Maria, Arnaldo e Dorival. Quando só sobraram os filhos, a "miséria" ainda foi maior: nem uma funcionária para os afazeres domésticos. Nunca tiveram carro.
A tempos morreu o último, com quase 100 anos, e a bela vivenda também de época, que possuíam no centro da cidade foi demolida.

Adorei recordar com você,
abraço grande.

CamomilaRosaeAlecrim disse...

Eu jamais ia conseguir guardar tantas moedinhas como o Tio! Sou mão aberta demais! Mas a história dele é super interessante, Quack! No lugar da moeda numero 1 tenho a plantinha numero 1 aqui de casa que me acompanha, hehe!
Beijos Beth!
CamomilaRosa

✿ chica disse...

Quack, como é legal te ler com a diversidade de temas que nos trazes.

Detesto avarentos e nunca poderia conviver com eles.
Não aproveitam a vida, não gozam do que tem, apenas querem,querem e querem...E olha, tá cheio deles. Adorei te ler ! beijos,chica

Calu disse...

Menina,
como estes personagens povoaram a minha infância; doce lembrança vc me traz.Já naquela época, tinha a consciência sobre a avareza do tio Patinhas e o nome do personagem era usado como apelido pra alguém que fosse pão-duro.
O criador do personagem escancarou as atitudes avaras tão presentes no mundo capitalista.Após sua morte, com a chegada à TV dos desenhos animados para a turma, outros colaboradores, inseriram algumas modificações na postura do pato biliardário, potencializando atitudes mais generosas.
Até hoje, vemos tantos Patinhas por ai, Quack!!

Bjos, Betinha e uma boa e calma noite aí.
Calu

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Beth
Voltei no tempo agora, como eu gostava dessas revistinhas, mas, falando em dinheiro, bem que eu gostaria de ter um pouquinho mais, já ia ajudar bastante rsrsrs.
Bjux

Toninho disse...

Que beleza Beth, sua ideia neste post é sensacional e faz olhar para dentro,para fora e para os lados e identifica-los.
Ótima postagem que faz voltar no tempo,com o diferencial da reflexão de hoje.
Linda semana amiga.
Abraço mineiro de flor.
Bjo

JAN disse...

A avareza é uma característica odiosa,assim como o bem viver egoísta.

QUAAAAAKK!

Abração
Jan

JAN disse...

A avareza é uma característica odiosa,assim como o bem viver egoísta.

QUAAAAAKK!

Abração
Jan

Maria Célia disse...

Ei Beth
Não tem como não se lembrar do tio Patinhas, li tantas revistinhas, imaginava um tantão de coisas legais.
Ricos avarentos existem muitos, até com eles próprios, medo do dinheiro acabar.
Adorei seu texto, super bacana.
Beijo.

Anne Lieri disse...

Mas que interessante esse texto!Não me toquei que o ilustrador não era o Disney...rsss...bem lembrado e merecida homenagem!Como voltei no tempo relembrando essas histórias!Adorava esse patos e achava divertido demais o tia Patinhas mergulhando no meio das moedas...rss...parabéns pela postagem!bjs,

Dani dutch disse...

Amava assistir esses patinhos, não perdia por nada.
Incrível ver a história do Carl, e bendita seja nossa leitura diária, uma verdadeira viagem de forma simples e barata. bjuss

Silvana Haddad disse...

Beth:
Eu fiz coleção de gibis, quando era criança.
E entre eles, estavam os do Tio Patinhas, entre outros tantos que acumulei pela minha infância.
Foi muito bom passar por aqui e fazer uma viagem no túnel do tempo, rsrsrsrs.
Bjs.:
Sil
http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

Georgia Aegerter disse...

Outro dia a Viviane me perguntou se era possível alguém com muito dinheiro realmente mergulhar nele. Ela me disse: Nao dói qdo ele bate com a cabeca nas moedas?

É isso, o povo anda batendo com a cabeca no dinheiro e nao se importando com mais nada, apenas com sua dor talvez de medo e inseguranca. Uma pena que alguém que tenha tanto ofereca tao pouco para melhorar o mundo a sua volta.

Bjos e um lindo final de semana

Teresinha disse...

Quantos patinhas avarentos existem por esse mundo afora! !!!
Um criador e tanto esse Carl.
Amei a postagem!!!
Quack!!!!

Camille disse...

Quack, quack. NUnca fui chegada no Tio Patinhas não. E acho bem triste essas pessoas quem tem as coisas mas nao as aproveitam com medo dos outros verem, ou das coisas gastarem. Conheci um sujeito assim no RJ. Foi namorado da minha tia. Ainda bem que nao durou e hoje ela esta mais feliz. Minhas tias são garotonas.Em materia de quack, prefiro a musica: la vem o pato , pato aqui pato acola... Anna cantava isso quando era pequena. E ate dançou na escola vestida de pato... Beijos querida!!! Otimo findi, desde ja!!!

Lúcia Soares disse...

Quack! Bem que me lembrei, ao começar a ler, e veja bem como somos: vc escreveu em 2010, há quase exatos 3 anos, e eu me lembrei de já ter lido, pareceu-me mais novo. Isso prova que o tempo não corre tanto como a gente anda pensando, né? pelo menos tive essa sensação.
Bom, o que sabemos é que dinheiro chama dinheiro e que há pessoas que realmente têm mãos de ouro. O rio, como sempre, corre para o mar. rs
Beijo!

Regina Rozenbaum disse...

Como adorava esses gibis! Avareza tem muito. Pensam que caixão tem gaveta! Por outro lado, terminei de ler o livro Sonho Grande onde mostra que gente bilionária como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira faz pelo mundo. QUACK!!!
Beijuuss