.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Povos Resilientes, Planeta Resiliente - Um futuro digno de escolha.



(Imagem-G1)

Começa hoje a Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, e o Brasil como representante geral deste mega evento que pretende discutir metas sustentáveis de produção e consumo em todo o planeta, infelizmente, com baixa expectativa de que o documento final estipule metas ambiciosas para este, tão sonhado, desenvolvimento sustentável. 

"A crise econômica há 20 anos afetava sobretudo os países em desenvolvimento. Hoje, o que antes era considerado periferia está trazendo respostas. A periferia de certa maneira virou o centro", disse Patriota.

Imagino que será uma reunião difícil para se chegar a bons resultados, já que as coisas foram mudando no mundo e existe um medo dos países que estão em desenvolvimento, serem forçados a tomar atitudes imediatas que possam prejudicar o seu crescimento.

Resiliência - palavra não muito usual em nossa língua portuguesa, mas utilizada como título do texto de um relatório lançado pela ONU com 56 recomendações para o mundo chegar ao desenvolvimento sustentável.
Este relatório foi conduzido por 22 pessoas, a maioria delas chefes de estado ou ex-chefes que representaram seus países, como Brasil, China, EUA e contribuiram com textos bem objetivos para a Rio+20.

O título é:  Povos Resilientes, Planeta Resiliente - Um futuro digno de escolha.

Como muitos de nós desconhece esta palavra, fui pesquisar e inserir com o título e fica assim:

Resiliência é a capacidade dos povos e o planeta de absorver um impacto e responder a ele, seguir em frente.

Nossa casa planetária, este conjunto de eco-sistemas, vai registrando fatos, entretanto estes impactos não superam a capacidade de suporte que está por vir.
Comprovadamente, nas próximas duas décadas, vamos alcançar a capacidade de uma população no mundo de classe média de aproximadamente 3 bilhões de pessoas e quando se fala em 3 bilhões é óbvio que haverá um enriquecimento brutal de poder de consumo.  Por um lado é bom ver a melhoria das pessoas neste sentido, mas o problema é a demanda de alimentos, energia, água doce e muitos outros itens que o planeta terá que produzir.

Será que o planeta suportará, terá resiliência para tudo isso?

As 56 recomendações que estas 22 pessoas fizeram e vão ratificar no Rio de Janeiro, serão entregues aos chefes de estado de quase 2 centenas de países que confirmaram presença e, esperamos que leiam com atenção e carinho, para empreenderem ações em seus países e parar, pensar e começar a fazer diferente em prol de atingirmos um desenvolvimento sustentável para nossa querida Mãe Gaia.


Perdemos o direito de errar, e o maior dos erros agora é se omitir. O custo de ajustarmos a economia global na direção de um modelo mais inclusivo e sustentável é infinitamente menor do que o custo da inação, de não agir, de replicar o “business as usual”. O risco de um colapso em escala global — a partir da falência múltipla dos ecossistemas já exauridos pela demanda crescente de água, matéria-prima e energia em proporções insustentáveis - é iminente.

O momento é agora. O Rio de Janeiro é o lugar. Estamos de olho.
(Jornalista André Trigueiro - CBN)











15 comentários:

✿ chica disse...

E os olhos devem estar bem abertos mesmo!! Resilientes nós somos, temos essa capacidade de "levar na tampa " e ainda acreditar...
Tomara não esgotem nossas paciências pois temos visto cada uma decisão, só pra "inglês ver" e depois de 5 minutos, esquecidas... beijos,tudo de bom,chica

Yasmine Lemos disse...

E o planeta agoniza e nele todos nós.
beijo Beth!

Valéria disse...

Oi Beth!
O momento não é esse, já passou do ponto, mas infelizmente para conversa sempre se está aberto, menos para a tomada de atitudes. E a natureza grita!
Beijinhos!

Lúcia Soares disse...

Sabemos todos que a recursos no mundo que possa dar vida boa a todos e a cada um. É preciso boa vontade de todas as partes.
Somos dotados da capacidade de sermos resilientes, mas poucas pessoas praticam ou conhecem essa capacidade.
O resiliente é, antes de tudo, um vencedor.
"Perdemos o direito de errar, e o maior dos erros agora é se omitir."
Para mim, esta frase diz tudo o que precisamos, Beth.
É preciso entender que cada um tem um papel, do mais poderoso ao mais simples, mas temos que entrar na luta e fazer acontecer.
Beijo!

Paloma disse...

BETH, tantas esperanças depositadas nesta Conferencia.Que haja algum resultado positivo.

Abraços

Teresinha Ferreira disse...

Olá Beth,
Um evento como esse requer mentes brilhantes para dar boas ideias e atingir o verdadeiro ponto da questão. SUSTENTABILIDADE. Espero que essas ideias saiam dos papéis em prol de melhorias para o nosso PLANETA. Já passou da hora de parar, pensar e começar algo que faça a diferença. Aqui fica a esperança!! Hoje estava vendo, no jornal, o navio do greenpeace e as propostas que eles usam para benefício do planeta. Amei!!!
Beijos mil

Maria Célia disse...

Oi Beth
Excelente postagem, muitas informações importantes.
Vamos ver se as decisões apresentadas e tomadas nesta Conferência saia do papel e da conversa.
Beijo.

Calu disse...

Betinha,
vc levanta as questões de centro: será que o planeta terá resiliência paratudo que há e o que ainda está poravir?
A Rio+quanto terá respostas e ações efetivas para mudanças profundas nas atitudes de ser e estar no mundo__Planeta Terra-Gaia/ nossa casa?

"Perdemos o direito de errar e o maior dos erros agora é se omitir..."
Estamos na expectativa.
Bjkas, minha amiga,
Calu

Toninhobira disse...

Boa sua generosa pesquisa compartilhada, mas ainda sou pessimista com o comportamento dos poderosos no que se refere ao puxar o freio em pró da Mãe Gaia. Muito discurso e pouca pratica.Mas se tem um forum, que vamos a ele e soltamos nossa voz,nossa vontade.
Várias entidades se farão presente como pressão.
Um carinhoso abraço Beth.

Regina Rozenbaum disse...

Ué? Ontem deixei um comentário looongo por aqui...não entrou! Haja paciência com esse blogger que tem vida própria. Não saberei mais reescrever rsrs. De qualquer maneira era na mesma linha do Toninho: muito falatório e pouca efetividade nas ações! Ou seria ausência mesmo? Você, amada, sempre abordando temas fundamentais...com propriedade que não me canso de admirar...só crecente! O conceito de resiliência dá postagens e mais postagens (pela via da psicologia e consequentemente do viver nosso de cada dia). Brinco que nós, brasileiros, já nascemos com a resiliência implantada na fita genética rsrs.
Beijuuss e um fds "de olho" (na vida)

Pitanga Doce disse...

Beth, quem sabe o lugar escolhido para o início das conversações, que é dos mais lindos (Forte Copacabana) inspire este pessoal. Quanto à "resiliência", somos capazes de seguir em frente sim. O que nos atrapalha por aqui é a "brasiliência" que há lá no Planalto. É com isso que fica dificíl seguir em frente.

Beijos e precisamos marcar encontro de um dos lados da poça.

Mery disse...

Ah, Beth, espero mesmo que haja consciência e "seriedade... A situação tá de "DAR MEDO"
...Sei não, tenho minhas dúvidas com relação a essas conferências(?) Sei lá, parece que no Brasil é tudo distorcido, levado na chacota...
Beth, Oxalá nos proteja!

Quero te pedir, já que és carioca* ...dá uma espiadinha no meu post de hoje, é 'vida real", e dá uma força pra mim "tô na luta...rs
Aguardo você* quando der, aparece.
Beijo / Mery*

Camille Giverny disse...

Que post esclarecedor, preciso me informar mais e mais. Meu cunhado grego esta la falando sobre a mudança de alimentaçao na França nos ultimos tempos. É interessaante, uma cadeia de atitudes erradas leva a uma grande perda e uma necessidade de mudança.
Adoro a palavra resiliencia e a uso bastante. Alem de sonora signifca aquilo que voce disse: capacidade de suportar, de se adaptar, de mudar , de curar.
Penso que somos um povo resiliene sim, Precisamos de orientçao e menos corrupçao. Sera que é pedir muto? No Brasil, talvez. Bjao

ML disse...

A contribuição maior dessa "festa" pro mundo ver é a conscientização popular. Se, pelo menos, a maioria achar "natural" jogar lixo no lixo, já é um passo. Melhor do que nada. Quanto às "nações", acho que daqui a +20 estarão se reunindo de novo, os custos quem paga é o povo,para chegar, espero, a algum lugar...

bjnhs

Elisa T. Campos disse...

Beth
Que esclarecedora postagem.
Esperemos que ainda o planeta suporte esta resiliência , não é?
Embora não tenha esperança que consigamos resolver totalmente o problema, pelo menos podemos melhorar a qualidade de vida para as gerações futuras.

Uma linda semana para você.
bjs.