.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 26 de junho de 2012

... pois bondade também se aprende.


Hoje eu conversava com duas amigas do curso de francês e uma delas, octogenária, disse-me que tinha receio em entrar para a classe e ser rejeitada ou esquecida por causa de sua idade. Claro que eu disse-lhe que isto seria impossível, principalmente porque ela é uma mulher especial, envolvente, participativa, espírito alegre e acima de tudo, uma pessoa inteligente, que participa das aulas ativamente como todos os demais. 
Sabe, eu acho que envelhecer só é muito ruim mesmo quando não adquirimos cultura, quando não temos visão de que ao nosso alcance estão ainda muitas coisas e que podemos fazê-las usando nossa inteligência.  Já dizia Aristóteles que "a cultura é o melhor conforto para a velhice".  

Tenho uma outra amiga que diz que horrível mesmo é ficar velho e sem boa condição financeira, porque aí o bicho pega, ninguém liga pra gente e se não tivermos dinheiro nem pro táxi, vamos ficar sentados diante de uma televisão pro resto da vida. Coisa mais triste, só de pensar!  Mas, eu conheço algumas pessoas assim e nem é por falta de dinheiro, mas não têm ânimo para viver e nem mesmo para ir à cozinha pegar seu almoço o fazem, preferem chamar pela empregada, sentados na sala, em frente à Tv.  Observo também que são pessoas que não foram verdadeiramente boas de coração, por isso na velhice, tais defeitos aparecem acentuadamente, não pedem por favor, não agradecem nada e acham que tudo e todos têm que fazer por eles. Tiranizam filhos, familiares e afastam a todos.

O fato é que eu quero envelhecer sem ficar velha, garantir a minha saúde física e mental na velhice. 
Por esta razão, além de sacudir o esqueleto para não enferrujar, conversar, ler e ouvir pessoas idosas e sensatas, ajuda-nos a abrir uma terceira visão e desperta nossa esperança para um futuro melhor, pois quem não gostaria de ser como a linda, inteligente e bondosa Cora Coralina, por exemplo? Que olhar doce!
-Cora Coralina- 1889/1985-

Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo pra você, não pense. Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo que estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco. É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso. 

Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia.

Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada.

Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica.  Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!

Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha, não. Você acha que eu sou?

Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser. Filha dessa abençoada terra de Goiás.

Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos. Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.

Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.

O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade. Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança. 

Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.

Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir."

Imagem enviada pela amiga Lúcia Soares no Facebook. Demonstra claramente a sombra do espírito jovem que tem esta velhinha e que a acompanha pelo resto da vida.
É justamente isso que Cora nos diz e que eu quis expressar em meu texto acima.








19 comentários:

Georgia disse...

Beth, aqui onde vivemos as pessoas vivem muito tempo e vemos mais idoso pelas ruas do que criancas.

Mas eu te digo amiga, envelhecer sem uma assistência médica respeitavel é muito triste, envelhecer pobre, é muito triste, envelhecer sozinha é muito triste.
Nao vamos nos iludir.

É bonito falar e escrever, mas a realidade é outra coisa.
Ninguém liga pra a pessoa idosa dentro da própria família. Ninguém visita o idoso, ninguém escuta o idoso.

Todo mundo tem um mundo de coisas para viver e uma pressa tremenda e na vagareza em que o idoso vive ninguém tem tempo pra ele. E quando o idoso diz alguma coisa dizemos que ele nao diz mais coisa com coisa. Foi o tempo onde o idoso era a matriarca e o patriarca da familia, hoje em dia é muito diferente. Até mesmo porque nao educamos os nossos filhos para este momento e corremos o risco de quando envelhecermos eles nao se darem conta de que envelhecemos

É um assunto difícil que precisamos preparar as nossas famílias.

Bjos

Wilqui Dias disse...

Acho que o grande segredo de se sentir feliz na velhice é aceitacao, as pessoas tem muito medo de envelhecer, principalmente nós mulheres rsrsrs
Eu me sinto velha ao 30, muiiiito velha kkk ai vem alguem de 40 ou 50 e diz rapaz cê ta na flor da idade rsrsrs. sabe que é mesmo, por que a vida é curta entao vamos viver feliz em que epoca for, ao 15 ou ao 80 rsrs bjs

✿ chica disse...

Adoro a Cora Coralina...
Linda!! Quanto à velhice, o que tenho visto não me agrada nada... Perder a consciência de onde está, de repente retomar, ficar normal e novamente sair da "casinha"... Tantas coisas, que eu peço ao Alto que fique qui apenas enquanto for dona da minha capacidade de ir e vir sem depender de NINGUÉM...E tiver minha dignidade mantida. Não pretendo ficar aqui acumulando anos sem viver... Credo!! XÔ!! RÁ!! Cutufun,sr


beijos,chica

Bia Jubiart disse...

Bom dia Beth!

Que textos sensíveis (seu e o da Cora), me vejo no futuro uma velha muito da serelepe, posso fazer tudo, menos ficar na frente da TV... Sabe Beth, aqui me preocupo muito com a alimentação, temos planos (eu e maridão) de envelhecermos com saúde, para aproveitarmos melhor essa vida maravilhosa!

Concordo com vc quanto a cultura, ela fica na vida da gente como um lastro precioso, de uma certa forma, temos que nos amar e respeitar, consequentemente esse amor e respeito virá também de fora p/ dentro...

Tenha um lindo dia!

Beijooooooooooo

William Oliveira disse...

Bom dia Beth!
Sim bondade se aprende, se troca, se evolui... acrescenta... !

Que bela lembrança a Cora Coralina...
e que colega de classe mais fofa.

Um beijo grande de Luz!

Ótima semana!

Heloísa disse...

Beth,
Saber envelhecer é um desafio, que precisa ser enfrentado dia a dia.
Exige empenho e "sabedoria".
Beijo.

Mery disse...

"Saber envelhecer", bonito de dizer...POde ser bom, mas se falta a saúde, se o "velho sofre abandonO, tem q ser forte, viu¨".
Sou mais o que a Georgia falou no comentário dela, vejo pessoas idosas nas ruas se amparando aos trancos, precisam de ajuda para atravessar no trânsito e vejo q falta a solidariedade da familia. Tenho medo da velhice se for abandonada, se me faltar os sentidos, se a doença me impedir de realizar as minhas "coisinhas" as q gosto: as coisas de casa, ir ao cinema...enfim é um desafio, mas nem sempre depende de escolhas nossas.
Bem, mas se DeuS estiver comigo, eu quero dizer "se eu não perder a Fé ¨* pq com Fé a gente se segura mais"...aí vou conseguir envelhecer em Paz! O futuro pertence a Deus* e nós vamos caminhando enquanto for possível.
Existem casos e casos.
Beijinhos, Mery*

Pitanga Doce disse...

Noooossa! Que o difícil é decidir!

Gracinha, fazer curso de frances! Também já fiz na Aliança em tempos idos. hehe

Gostei da nova fotinha no nick.

Beijos em Sol de Inverno.

Palavras Vagabundas disse...

Berh,
não tenho medo de envelhecer e sei com certeza que serei daquelas velhas bem sapecas.
Não acho que dinheiro seja fundamental para uma velhice participativa, conheci alguns octagenários que ganham um salário mínimo de aposentaria mas ainda fazem a diferença em suas famílias e comunidade somente porque não perderam a capacidade de se interessar pelo outro e pela vida.
bjs
Jussara

Nina disse...

Meu Deus do céu!!! Só posso te dizer, querida, mt obrigada por compatilhar esse belo texto da Cora, gente, o que foi isso??? o que foi essa beleza de texto? nao conhecia, apesar de ja ter lido varios pedacinhos dele em varios lugares, mas ainda nao havia lido completo. Perfeicao, pureza, beleza pura.

E a senhora hein dona chicosinha, fazendo frances, que lindo isso Beth. Tbm vou voltar pro meu em breve, é um dos meus planos. E a sua amiga, puxa vida, exemplo de pssoa, fez o que mts nao tem coragem, comecar algo novo na vida, numa idade qd mts já desistiram. Mt legal, mt mesmo.

Bjs pra vcs duas.

Maria Célia disse...

Ei Bety
Os dois textos o seu e o da Cora são sensacionais.
Mas infelizmente, pezinhos no chão, a realidade do idoso, pelo menos no nosso país não é das melhores.
Ficando em âmbito mais restrito, nas próprias famílias o desrespeito, a falta de caridade, de paciência com a velhice é gritante.
Particularmente, não fico sofrendo por antecipação, prevendo como será minha velhice, se chegar, vivo um dia de cada vez, já é o bastante.
Beijo.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Em primeiro lugar, preciso enviar-lhe um e-mail e fico perdida em qual... me ajuda???
O post fala de algo bem interessante pois todos vamos para esse caminho se Deus quiser!!!
Gosto de estudar e me mover sempre... ficar inativa é um morrer em vida...
Cora foi um exemplo disso pra nós todos...
Seja abençoada e feliz!!!
Bjs de paz

Lúcia Soares disse...

Gostei da fala da Georgia, não adianta enfeitar muito, o idoso não é visto com bons olhos, quase nunca. Nem pela família.
Para mim, o que peço a Deus é saúde, mental e física. O resto a gente vai levando, conforme nossa disposição.
Não sou velha, mas na linha do tempo já estou na 3ª idade, o que é detestável de ouvir (essa classificação).
Acho, Beth, que envelhecer bem depende substancialmente do que a pessoa foi enquanto jovem. Só mudamos para "pior" na velhice, pois por mais que queiramos não dá para acompanhar muita coisa, não no sentido de não querer ou poder, mas no sentido de que há um cansaço normal, que nos convida a ficar menos ativos com situações que realmente não vai nos acrescentar nada. Por ex., fazer viagens onde a tônica é caminhar muito, por mais disposição que se tenha, chegará um dia em que isso não mais entusiasma, entende? O que não quer dizer que não possamos fazer outras coisas, que nos solicitem menos.
Enfim, temos que viver bem, para envelhecer bem.
Beijo!

Valéria disse...

Oi Beth!
Excelentes depoimentos, o seu e o da Cora. Aceitar passivamente como o fim a velhice nos torna impotentes diante da vida. Vejo isso na minha sogra que lá pelos 60 anos começou a se entregar, não fazia um trabalho manual, fora os afazeres diários, não lia, nada só sabia se lamentar e hoje aos 80 está quase incomunicável definhando pelo Alzeheimer.
Semear o otimismo é uma lição a ser seguida, não é ser Pollyana, mas ver com esperança o novo dia.
Beijinhos e tudo de bom!

Lu Souza Brito disse...

Oi Beth,

Que riqueza este texto da Cora. E quanto a envelhecer, acho qur todos temem, é normal, pois isso ao menso atualmente, gera uma depedencia muito grande de outros que, muitas vezes nao querem esta responsabilidade.
Eu tinha bem mais medo de envelhecer quando era mais nova que hoje, que já beiro os 30 anos.
Mas peço a Deus que me dê ao menos dignidade, que os problemas que hoje me acometem nao sejam meus parceiros nos anos que enfrentarei pela frente.
Que eu busque a inclusão em vez da exclusão, pois nao são so os outros que nao ligam para os velhos, há muitos velhos que se excluem, que deixam mesmo de viver, de participar da vida, buscando o recolhimento.
E como disse a Lucia, além do cansaço normal, tem a coisa de refletir muito do que fomos quando jovens, porque os defeitos se acentuam.
Estou tentando ser menos reclamona, para nao chegar lá como uma velhinha encrenca, ahahaha.

Um beijo

Márcia Cobar disse...

Belo texto Betinha! Também me inspiro na Cora... e almejo uma velhice doce, farta de bolos e café, lembranças das minhas traquinagens mundo afora, um bom e risonho velhinho ao meu lado e netinhos me enchendo a paciência...
Sabe aquela máxima: o que a gente leva da vida é a vida que a gente leva?
Até o final é assim...
Ps: que legal você estudar francês, Beth! É uma lingua lindíssima!!! Oui Oui!
Bisous
Márcia

pensandoemfamilia disse...

Cora é um belo exemplo de vida. Realmente, o que pode ser muito dificil é envelhecer com doenças que impossibilitem a independência pessoal.

Luma Rosa disse...

Adoro esse texto da Cora. Ela envelheceu lúcida, o que é muito bom!
Beth, eu peço para Deus poder envelhecer com saúde, nada mais!! Acho muito triste a dependência de outra pessoa para tudo. Outra coisa é a frustração de não conseguir realizar muitas tarefas e a idade chega, mesmo para aqueles que se exercitaram a vida toda. Note que os exercícios físicos só evitam que as limitações apareçam por um tempo, mesmo assim, as limitações chegam, mesmo que atrase um ou dois anos, elas chegam.
Minha mãe sempre foi muito ativa, tanto física como intelectualmente, mas depois dos 85 anos, começou a faltar-lhe energia. A voz muda acompanhando a atividade do corpo e, nessa altura da vida, qualquer doença, até mesmo um resfriado se torna perigoso. A minha mãe pegou uma pneumonia e partiu como um passarinho. A vida sugou-lhe todas as energias. Boa semana!! Beijus,

ML disse...

Se o espírito da D.Cora conseguir me contagiar, sinto-me mais do que agraciada. Sabedoria não é pra qualquer um, não.

bjnhs

PS: amei o post e a imagem!