.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Conheça antes que fique velho



computador

Um jovem da idade do meu filho me disse hoje que ele já se considerava velho, afinal era do tempo do Joystick, do Atari,  que tanto ele quanto outros jovens da década de 80 jogavam até cansar, ou quando a mãe ameaçava jogar aquele treco pela janela, como eu quase fiz uma vez quando meu filho não parava de jogar e me deixava irritada ao ouvi-lo sozinho gritando com o  computador - "morriiiiii!"
Que coisa horrível ouvir o filho dizendo uma coisa dessas!  Qual mãe quer ouvir que o filho morreu?
E ele jogava e volta e meia gritava decepcionado diante da telinha - "morri de novo!"  Eu pedia para ele
desligar aquilo e ele só sabia dizer "peraí, tô quase passando pra 29a. fase!" Fases que não acabavam mais!

O fato é que qualquer paizinho ou mãezinha hoje em dia, jogam muito bem todos estes jogos de competição virtual.  O rapaz acima me confessou que se tiver um joguinho nas mãos pela frente e a namorada ao lado, ele até a esquece por completo.  E eu já vi jovens pais que jogam com filhos de 7 a 10 anos e competem seriamente, não deixam os pequenos ganharem não.

Eu sou um desastre!  Como nunca joguei antes, nem gosto mesmo, não sou capaz de acertar nada nesses
joguinhos virtuais, principalmente aqueles em que um bonequinho cai de uma ponte ou tem que dar um salto para não ser pego pelos monstros.  Todos os monstros me comem logo ou me jogam precipício abaixo.
A minha geração demorou muito a ter intimidade com o mundo virtual, embora hoje, atuamos de forma intensa em sites de relacionamentos, vencendo a nossa inércia, desenvolvendo nossa destreza, abrindo horizontes num mundo totalmente novo, sem nenhuma similaridade em nossa infância ou juventude, diferentemente das crianças que hoje já nascem mergulhadas neste contexto. 
É uma glória e uma grande conquista para todos nós, os acima de 40 anos!
Fico toda empolgada de carregar meu Ipad Apple para todo lugar, abri-lo numa cafeteria ou mesmo um Posto de Gasolina enquanto espero lavarem meu carro, e de lá, contatar e interagir com meus amigos.

Mas o tempo tá correndo depressa e com ele as tecnologias e a urgência, também, de nossos pensamentos e conhecimentos se atualizarem cada vez mais. 
Isto poderá cansar, desgastar ou desiludir muitos de nós.
Eu gosto, não nego, mas questiono tudo isso!  Espero respeitar os limites que o tempo me concede, não exagerando e aproveitando mais o mundo real que está à minha volta. Por isso não perco nunca um convite para um café com uma amiga, um cineminha, ver as modas, namorar que é muito bom e outras coisinhas mais que a vida nos oferece. Porque cada minuto que se vai, não volta.



Ao ver estas imagens no Pinterest, descobri que são de uma Campanha da Agência Moma-SP (bronze no Clio Awards NY) e que tem justamente a frase perfeita para este post de hoje: ". Conheça antes que fique velho demais."




Advertisement











20 comentários:

ML disse...

ha, ha, ha, ha...
Um museu de "grandes novidades", Beth?

Acredita que eu, tem MUITO tempo, levei um soco (sério) do meu irmão caçulinha (que é, e sempre foi um lord) porque desliguei a TV (comunitária dos kids) exatamente quando ele (eu nem imaginava) estava prestes a alcançar a próxima fase de um jogo desses?

Hilário (hoje, porque na época o "santinho" chorava e minha mãe brigava comigo: o que vc fez a ele? E eu não explicava, porque o queixo doia... muito ; > )

bjnhs

Luciana disse...

Beth, pra minha surpresa abri seu blog aqui do trabalho e deu tudo muito certo. Do meu computador não consigo, ate abro mas o blog não corre, deve ser falta de potência mesmo, esse aqui eh bem mais potente do que o meu tartaruguinha.
Menina, que bom, agora vou usar outro computador de casa pra ler os blogs que nao consigo acessar, acho que dos outros eu consigo, nunca tentei.

Beijo

✿ chica disse...

Que lindas verdades aqui,Beth!! E temos mesmo que curtir tuuuuuuuuuuudo ,antes que fique velho,srsr...


Adorei as imagens também!! beijos,tudo de bom,chica

Bia Jubiart disse...

Essa urgência tecnológica as vezes me preocupa... As vezes deixamos de olhar um cena gratificante (como a que o Ale do Lost postou hoje), por estarmos com os olhos na telinha... Interessante é usar essa tecnologia para mostrar sensibilidade a flor da pele como a sua e a do Ale!

Beth, tenha um dia maravilhosos!

Bjooooooooooo

Dulce disse...

Tem razão, minha amiga, tudo envelhece muito mais rapidamente do que poderíamos sequer imaginar há décadas atrás...

Fico maravilhada com a criatividade desse pessoal que toca as agências de propaganda, Beth!!! Adorei, simplesmente, este seu post. Um passeio entre o passado e o futuro, com escala no presente. LINDO!

Beijos e lindo dia para você.

Regina Rozenbaum disse...

Engraçado Beth, nunca joguei essas coisas. Não tenho controle motor para tal rsrs e nem paciência. Hoje vejo meus sobrinhos netos (05, 10 anos)manuseando os Ipad, Iphone, etc numa facilidade que fico só admirando. Já nascem com chip implantado. Como você não troco um livro (de papel que fique claro!), conversa com amigas, cinema etc por essa telinha não! "Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo...há tanta vida lá fora!"
Beijuuss n.a.
P.S: tô mandando imeio procê

Maria Célia disse...

Oi Bety
Bacana seu texto, é assim que penso e me vejo como você, diante desta tecnologia avançada; eu que só fui ver televisão na minha casa aos 10 anos de idade, uma imagem feia, preta e branca, cheia de chuviscos, antes disto era televizinho.
Agora estou aqui plugada, ligada, adorando este mundo virtual, mas tentando não ficar tão encantada diante desta tela e deixando a vida passar lá fora.
As imagens que você colocou são geniais e fatalmente se tornarão realidade.
Beijo.

Márcia Cobar disse...

Ótimo post, Betinha!
Li um questionamento muito interessante do autor do livro "The Tyranny of e-mail":
- Quantos momentos felizes, daqueles que você nunca vai se esquecer, aconteceram diante da tela de um computador?
No meu caso, nenhum. Acredito que a maioria das pessoas responderiam o mesmo. A vida real se vai, minuto a minuto como você bem ressaltou, e a gente se enrola toda nesse mundo virtual.
Admiro muito a sua geração, que presenciou a transição de um mundo sem internet e de outro pós-internet. Tive uma infância totalmente desprovida de meios virtuais. O tecnologia mais legal que entrou na minha infância foi um Atari, como o seu filho. E isso me permitiu ter uma infância linda, cheia de brincadeiras, bete, pique-pega, barra manteiga...
Bjim querida!
Márcia

Lu Souza Brito disse...

Beth,

Adorei a campanha. Mas sabe, eu nao tenho muita destreza com estes jogos não. Meus irmãos tem todos estes jogos e controles modernos e o maximo que me atrevia é jogar um tal de guitar hero, acho que é isso, em que se precisa acompanhar as notas musicais.
Nestes termos eu sou bem atrasada, apesar de adorar as redes sociais (ok, twitter nao tenho paciencia nem tempo).
Não acompanho muito as tecnologias, só o basico.
Meu celular é de 2009, e serve mesmo só para ligar / receber e despertar, ahahaha.

Você é muito antenada e cheia das tecnologias, faz muito bem!
Um beijo

Lúcia Soares disse...

Beth, sou meio "das antigas", não me adapto bem a tanta novidade. De verdade, não me interesso mesmo, acho que quanto mais novidade tecnológicas, mais nos afastamos da realidade. É preciso saber dosar, coisa qu, quando a gente gosta, não consegue, prinicpalmente os mais jovens. Espero que meus netos fiquem longe por um bom tempo ainda de todas essas novidades que nem esquentam e já ficam demodé! rsrs
Amei as fotos.
Beijo!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

eu tive Atari tb! e minha mãe ficava igualmente doida com os "morri" rs. mas... depois do Atari, nunca mais joguei nada, não tive mais vontade. ainda bem, acho que aproveitei mais a infância do que meu amigos, que não saiam de casa para "terminar o game".

tudo na vida é equilíbrio e vc tá mais que certa, mãe Gaia. tem o tempo para o virtual e o tempo para o real. mta gente tá trocando o real pelo virtual por causa da ilusão que ele proporciona. o virtual "aceita" tudo, a sapa vira princesa, a burra fica inteligente e já viu né?

bjs querida mãe Gaia! ótimo dia pra vc! e felicidades virtuais e reais rs

pensandoemfamilia disse...

Engraçado o novo no velho...
Eu gosto da tecnologia, mas me assusta as pessoas estarem no cinema, nos restaurantes, nos diversos lugares de convívio social, envolvidas com seus telefones de multi funções.
Pessoas não podem ser substituidas pelo virtual. Acho interessante as interações virtuais, porém nada como o olho no olho.
bjs

Valéria disse...

Oi Beth!
Eu nunca consegui acompanhar estes avanços tecnológicos muito bem, jogar nem pensar.rss
Até mesmo o computador eu faço o básico, não ouso ir além, sou insegura. Meus fillhos cresceram com todas estas ferramentas e os filhos já estão começando bem cedo também como consequência.rss
Acho que os jovens de hoje não se imaginam sem tudo isso. Gosto, uso, mas tenho receio, nãos ei onde vai para tudo isso. Muito boas as suas considerações.
beijinhos!

Calu disse...

Essa aí de vestido vermelho sou eu, Betinha,toda enrolada com o laptop,rsrsrs...
Pulei etapas na educação infantil e me falta o controle motor fino, por isso vivia sendo engolida pelos monstros dos joguinhos,que meus filhos jogavam.
Mas seguindo teu conselho, tô conhecendo antes que fique velho(rsrs).
Adorei a sequencia de propagandas.
Bjkas nativas,
Calu

Toninhobira disse...

E voce escreveu uma linda cronica com otimas ilustrações.Quando lembro do meu tijolão da Motorola,vejo como as coisas são rapidas.
Eu que sou do tempo do radio e tv a valvula,rsrs.
Por isso não dispenso um jogo de buraco quase todas as noites com amigos,rsrs
Um abração carinhoso Beth.
Bom fim de semana com paz e alegria da familia.
Bjo.

Bete Strøm disse...

Hei, te encontrei no blog da Luciana.Eu sempre amei os jogos virtuais, queria sempre esta nas melhores classificações, então o Bruno(meu filho) nasceu e tudo mudou, parei de jogar ateh os mais simplesinhos do facebook.
Eh.. realmente a nossa tecnologia avanca a cada dia e fica dificil acompanhar... bjs

Sandra disse...

Oi Beth! Cheguei aqui através do Blog da Marcia, a Paisagem dos dias....
Interessante a sua colocação, pois eu tive uma infância sem games e se eu joguei uma vez na casa de algum amiguinho foi muito!! É verdade que eu gosto muito do mundo virtual, mas eu não me privo de viver a minha vida real: sair com amigos, caminhar por ai e etc... e quando eu vejo as pessoas (as vezes crianças) com esses "I-tudo", por vezes eu me sinto "jurássica", hahahah, pois o meu celular só liga, desliga e envia sms...rs.. Abs!!

Macá disse...

Beth
Que legal essas imagens, adorei.
Sabe que meu filho quando pequeno, não tinha muita coordenação motora, e eu perguntei ao pediatra se vídeo-game ajudaria (tinha lido isso) e ele disse que sim. Bom, ele ganhou e eu nunca nem tentei jogar, mas meu marido que já gostava, jogava com ele, e as disputas eram sérias, não tinha nada de deixar ganhar não, rsrsrsrsrs. Bom, meu filho adora tecnologia, já me ensinou várias coisas. Outro dia, me olhando no computador disse: mãe, sabe que às vezes eu ainda estranho ver você com um laptop, no facebook, nos blogs. Geralmente as mães dos meus amigos não sabem nem ligar um computador.
Bom isso né?
Mas os encontros com amigos, frente a frente, olhos nos olhos ainda é bem melhor.
beijos e bom final de semana

Luciana disse...

Beth, voltei pra ler os posts, ainda com problema, mas acessando de casa, ta lento mas ta abrindo. Vou seguir seu conselho e baixar o Google C, se eh que ja nao tenho no computador e nao sei.
Bom, quanto a jogos eu sou um fiasco. E quanto a tecnologia que avanca a passos larguissimos e eh dificil de acompanharmos, tambem curto mas tambem me assuta um pouco, nao da nem tempo da gente curtir uma coisa ou ter grana pra comprar, e ja aparecem outras tantas no mercado.

Beijo

Pitanga Doce disse...

Mas está perfeito este teu post, Beth, para nós mães "acima do 40s". hehe

Eu vi o meu mais velho com o SONIC e aquela musiquinha ficava na minha cabeça o dia inteiro. Depois veio o outro e rolava Atari e os primórdios dos PlayStation. Vou te dizer que não gosto de jogo nenhum. Nem buraco, que é do tempo do guaraná de rolha. Trocar a vida à cores, pelas cores do Google, nem pensar!

Somos "mudernas", porém reais!
Beijos.

PS: Ô Beth! Não deu no Jornal Nacional que era Inverno???