.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 27 de maio de 2012

Um lindo passeio para este domingo


Que tal uma visita a um antigo hotel que guarda a alma dos tempos hollyoodianos do Brasil em Petrópolis e que funciona agora como o condomínio do Palácio Quitandinha? 
Lindamente descrito pela minha amiga e escritora Leila Faour e que apresento através de minhas imagens.
Bom passeio e um ótimo domingo a todos!


Hotel Quitandinha

     A construção impressiona a quem sobe a serra e chega à Petrópolis pela sua beleza arquitetônica e suntuosidade - um Palácio em estilo normando-francês, típico de cidades de colonização alemã. Grandioso e simétrico, tendo à frente um lindo lago natural com pedalinhos e adornado por um jardim muito verde, com pinheiros e hortênsias.

     É o Hotel Quitandinha, construído para ser o maior Hotel- Cassino da América Latina, mas que teve o seu destino modificado pouco tempo depois da sua inauguração quando, por um decreto-lei em 1946, foi proibido jogo no Brasil.

      A roleta parou de girar. As apostas foram encerradas, definitivamente.
      E o sonho dos Cassinos acabou no nosso país, levando consigo todo o glamour dos grandiosos shows musicais de uma época da nossa história.

      Mas, como já diz o ditado: “quem foi rei, nunca perde a majestade” - o Hotel Quitandinha continua imponente, adaptando-se a novos destinos e, principalmente, apaixonando a todos que por ele passam.

     E todos têm uma história para contar desse cartão postal da cidade.

     Os mais antigos contam lembranças do tempo do Cassino e da coroação de Marta Rocha como Miss Brasil. Outros, dos bailes de Carnaval e de Aleluia e dos astros brasileiros e internacionais que nele se apresentaram, com grandes orquestras, no seu Teatro e na sua Boate. Além daqueles que não se esquecem dos banhos, de outrora, na famosa piscina térmica, inaugurada com o mergulho de Esther Williams.

      Muitos guardam uma foto da excursão do colégio, sabe-se de um adolescente que queria afogar- se no lago por um desamor, uns se vangloriam das evoluções feitas na pista de patinação no gelo e outros das proezas nas partidas de Boliche.

      Há relatos de bailes de formaturas, festas de Réveillon, do início de um namoro, de festas de casamentos, comemorações de aniversários e tem, também, aquela que se diz “made in Quitandinha”, pois seus pais passaram a lua- de- mel no Hotel e ela nasceu exatos nove meses depois.

     Enfim, todos têm uma história para contar do Hotel Quitandinha. Umas verídicas, outras, nem tanto, como certas histórias macabras de jogadores que tudo perderam na roleta e queriam jogar-se da torre ou a de uma mulher envolta em véus brancos esvoaçantes que, dizem, perambulava à noite pelos corredores.

     Carmen Miranda hospedou-se no hotel durante três meses, quando veio dos Estados Unidos, para descansar. Chefes de estado e personalidades do mundo inteiro e mais uma constelação de astros e estrelas internacionais, também, nele se hospedaram, como Lana Turner, Henry Fonda, Ava Gardner, Rock Hudson, John Wayne, Orson Welles, Rita Hayworth e Walt Disney, só para citar alguns.

     Autores de novela da Rede Globo e escritores, ainda hoje, o procuram em busca de tranqüilidade e inspiração para os seus trabalhos. Seus amplos e luxuosos salões cobertos por mármore de Carrara e suas varandas de uma beleza incontestável, sempre serviram de cenário para os filmes brasileiros desde os tempos de Oscarito e Grande Otelo - tendo por eles passado todo o cast da antiga Atlântida.

      Os salões, em estilo holywoodiano, foram decorados pela cenógrafa americana Dorothy Drappe que, na década de 40, era a responsável pelos projetos dos estúdios da Metro Goldwyn Mayer.

     Seus ambientes são locações escolhidas por cineastas do porte de Jayme Monjardim, Arnaldo Jabor, Denis Carvalho e Domingos de Oliveira. Este, desde os anos 60, quando filmou “Todas as mulheres do mundo”. A emblemática cena em que a saudosa atriz Leila Diniz aparece nua na cama e recebe a declaração de amor do personagem de Paulo José, dizendo que, para ele, ela representava todas as mulheres do mundo, foi filmada numa das suítes do Hotel, com o mobiliário original, inclusive.

    Prédio tombado pelo Patrimônio Histórico de Petrópolis, seus apartamentos - hoje em dia - pertencem a particulares e, a parte social: as varandas, os salões, o teatro e demais ambientes no andar térreo, foi adquirida, recentemente, pelo SESC - que lhe reservou um destino nobre: a Cultura.

     O tempo passa, a vida continua e o Palácio Quitandinha segue, sem perder a majestade, colecionando novas histórias e conquistando novos admiradores.

     Além da qualidade do clima de Petrópolis, a localização do Palácio Quitandinha conta um charme a mais: o fenômeno do fog - a névoa densa, vinda da Serra do Mar quando a temperatura cai, invade o Palácio dando ao lugar um toque londrino. Tem, também, um encanto especial que acontece durante apenas duas semanas ao ano, no inverno: é quando as cerejeiras florescem ao redor do lago com suas delicadas flores cor- de - rosa.  Foi um presente do governo do Japão, onde a flor simboliza a felicidade.


                                                                      Texto - Leila Faour
                                                                      Fotos - Beth Q.Lilás
                                                             








16 comentários:

Wilqui Dias disse...

Pai amado do céu!!!! Nossa que maximo de lindo.
Se tem vontade de passar pelas fotos e está nesse lugar, lindo mesmo!!! Essa ultima foto entao com essas arvores de flores rosas, linda linda!!
Vc fotografa divinamente Beth, com cores e natureza contribuindo ao seu favor sempre.
Hoje quando li seu blog esse sino que vc tem tocou meu marido correu aqui e disse, que sino é esse??
Eu disse: haaa é um blog de uma amiga do Br que eu leio, ela tem esse sino e enquanto se ler se escuta o barulhinho suave.
Ele veio olhar onde tava o sino kkkkk mas nao tem, so o barulhinho mesmo, ele pensou que essa neve é que toca sino...rss
Um bom Domingo pra vc meu amor

✿ chica disse...

Que saudades boas me deu!!Quantas e quantas vezes estive por lá!!Lindo...Adorei rever, tenho lindas recordações! beijos,lindo domingo,chica(m e como fo i o Spa?)

Márcia Cobar disse...

Betinha, que deleite aos sentidos essas fotos do Palácio Quitandinha!!!
Eu também tenho uma história lá... Fui a uma formatura lindíssima! Você mencionou o fog, sabe que eu nunca tinha reparado isso? O palácio deve ficar ainda mais espetacular...
Deu vontade de pegar um carro e passar uns dias aí em Petrópolis... Quando fizer isso quero marcar um café com bolo contigo, querida!
Lindas fotos, obrigada por compartilhar tamanha beleza!
Márcia

Judy Kennedy disse...

lindo post Beth, obrigada pelas belíssimas fotos e detalhes.
Wilqui, tem sininho sim, lá do lado direito, na HORA ZEN.
bjs.........judy

Maria Luiza disse...

Beth, amo, amo, amo Petrópolis e quantas fotos Tony, eu e as crianças tiramos aí! Baita saudades! Enormes saudades! Dele e daí. Petrópolis esta atrelada em mim, como ele. Lindas fotos e adorei saber sobre a cenógrafa americana. isso eu não sabia! Vou dormir com essa tremenda saudade. Obrigada! Valeu! grande abraço!

Calu disse...

Betinha,
mais que encantador , este passeio por ontem ainda hoje, presente duma época, lugar de sonhos, de elegância, retrato de tempos áureos, nos transporta magicamente por cada espaço revelado nestas maravilhosas fotos que vc nos brinda.
Obrigada amiga querida.Tenho fé de um dia poder percorrer estes lindos espaços em tua companhia.

Espero que já estejas bem.
Bjkas,
Calu

pensandoemfamilia disse...

Oi Beth

Acho lindo, maravilhoso este espaço que nos remete a outros épocas.
Suas fotos estão fidedignas da beleza deste local que realmente vale conhecer.
bjs

Luma Rosa disse...

Que saudade!! Olha o fog :). Ainda quero subir a serra para jogar boliche no Quitandinha!!
Suas fotos ficaram lindas!!
Boa semana!!
Beijus,

Regina Rozenbaum disse...

Vendo essas fotos e lendo a descrição descubro que tenho muiiitos lugares, lindos de viverrr, pra conhecer nesse Brasil!
Beijuuss, amada, n.a.

Valéria disse...

Oi Beth!
Lindo post, ótima partilha!
Não conheço esta sua cidade tão amada. Morro de vontade de conhecer, por hoje fiz uma bela viagem, obrigada.
Beijinhos e uma linda semana!

Faltaram as notícias do spa.rsss

Heloísa disse...

Beth,
Que lugar maravilhoso.
Requinte total!
E o prédio está bem conservado?
Já estive na linda Petrópolis, mas não conheci o Quitandinha.
Beijos.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Recordei-me que minha filhota fez uma apresentação de balé no Teatro do Quitandinha quando morei aí e pude saborear um pouco dessa beleza...
Sempre passando na porta aprecio a tamanha beleza do tal Hotel onde meus pais passearam na lua de mel...
Bjm de paz

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

é tão lindo né. Como Petrópolis é uma cidade linda, eu acho que é uma das mais bonitas cidades do Brasil (pelo menos as que conheci rs).

o Brasil não pode perder esse refinamento que se tinha no passado. antes era tudo bem mais pobre, mas as pessoas eram tão mais delicadas, tinha-se um apreço tão maior pelo Belo, a elegância. e agora tudo tá ficando tão nivelado por baixo que dá desgosto.

as fotos estão nota mil! que nem o post!
bjs e bom dia querida mãe Gaia

Teresinha Ferreira disse...

Que saudades desse lugar! Fiquei ai tão perto e não fui visitar, né?
Quando morava no Rio ia muito ai. Passei momentos inesquecíveis nessa cidade. Ah!!!!!! Delícia.
Enquanto digitava, lembrei da nossas danças no spa.kkkkkk.
Já tô com saudades docê.
Bjs

ML disse...

e euzinha, da terra, nunca tinha reparado em tanta beleza. muito proud agora : > )

bjnhs e parabens pelas fotos

PS: em teclado alheio(meu caso, longe de casa ha quase 1 semana... ) , ate as maiusculas sao dificeis... ; > )

Elisa T. Campos disse...

Maravilha de postagem, falando do glamour da época.
Não conheço o Rio.
Obrigada por mostrar Petrópolis daqueles tempos.
Lindas imagens

bjs