.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Do desencanto ao encanto

"...E quem vem de outro sonho feliz de cidade
aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso..."

Na semana passada assisti, da varanda de minha casa, a derrubada de algumas árvores, incluindo uma enorme palmeira imperial, num terreno que está sendo preparado para receber um mega empreendimento imobiliário, aliás mais um, nestes poucos metros quadrados que ainda restam do bairro em que eu moro aqui em Niterói. No lugar de uma antiga casa, serão feitos 150 apartamentos.

Em pouco mais de uma hora, estas árvores foram lançadas ao chão e vários empregados da obra, munidos de serras elétricas, fizeram o trabalho sujo rapidamente, enquanto um pequeno caminhão ao lado, era enchido com os galhos e troncos das pobres árvores.
Fiquei tão estarrecida com o que via que simplesmente esqueci de fotografar o ocorrido, só fiquei olhando e lamentando junto com meu filho diante da devastação que estes lobos maus da construção civil têm feito por aqui.
No dia seguinte, saiu na coluna do Ancelmo Gois, conceituado colunista de O Globo, este fato com imagens feitas  por celular que alguém de um dos apartamentos ao redor, indignado e antenado, fez e enviou para o jornal.
Vejam abaixo as fotos da linda palmeira imperial antes e o depois com os 'abutres' retalhando-a em pedaços pequenos para enfiar rapidamente no tal caminhão que fez desaparecer totalmente os vestígios do lindo verde que abrigava sabiás, curiós e maritacas.
"...Da força da grana que ergue e destrói coisas belas ..."
(Caetano)

Então, triste com tudo isso que está ocorrendo à minha volta, resolvi passear com o marido no Jardim Botânico do Rio neste final de semana. Seguir em frente em busca da esperança é sempre o meu objetivo. Admirar as plantas e monumentos, até mesmo abraçar algumas árvores, foi um bálsamo para nós que estamos cansados do desvario que acontece ultimamente, levando os homens a destruir de um minuto para o outro, árvores centenárias e que um dia, certamente, seus netos, não saberão identificar o que vem a ser uma Palmeira Imperial, por exemplo, sendo necessário pagar para ver apenas dentro de lugares como este lindo Jardim Botânico.

O Rio tem este lugar mágico, pouco visitado em vista das praias cheias, por isso trouxe para dividir com vocês, através do meu olhar pelas lentes, um pouco deste pulmão verde maravilhoso, dentro do caos de uma cidade que ainda se mostra bela pela própria natureza que a envolve e insiste em nos salvar.

 Quando foi plantada por dom João VI, a primeira Roystonea oleracea (Palmae) brasileira passou a ser conhecida como Palmeira-Imperial. (Wikipédia)
Esculturas - "Alice Pittaluga" (La danse) Hommage à Matisse













Sapatinhos de Judia



A Palmeira Imperial foi um presente que D.João VI ganhou em 1809, vinda das Ilhas Mauricio, plantada neste local e floresceu pela primeira vez em 1829.




"Digo que minha música vem da natureza, agora mais do que nunca. Amo as árvores, as pedras, os passarinhos. Acho medonho que a gente esteja contribuindo para destruir essas coisas."
Tom Jobim


Eu também.







23 comentários:

Flávia Furquim disse...

Lindíssimo, Beth! Obrigada por compartilhar!
Abraços, Flávia

pensandoemfamilia disse...

Oi amiga
Ando com tanta "revolta" pelos fatos ocorridos em Niterói, desde a derrubada das árvores ao descaso público com a infra estrutura necessária para Niterói absorver esta população residente nos inúmeros prédios contruídos e em vias de construção.
Suas imagens são bálsamos para nossa alma. Gosto muito de fazer este passeio e absorver a maravilha da natureza por lá.
bjs

Lúcia Soares disse...

Bem poderiam ter tirado essa palmeira do lugar e replantado em outro. Sabemos que isso é logísticamente possível, embora custoso. Um dó, realmente, como o "progresso" destroi a natureza. Dependendo do lugar que ocupava no terreno, poderia até ter ficado por lá...Questão de boa vontade e amor à natureza.
Ir ao Jardim Botânico é estar num "oásis", no meio desse caos de cidade grande.
Suas fotos estão lindas.
(Meu tio, que mora na Itália e veio ao Brasil e sabe que voltando pra lá de lá não sai mais - está com 70 e tantos anos e meio debilitado, quando o levamos a ver a Igreja de N.S. Lourdes, do centro de BH, abraçou-se a uma palmeira que tem no adro e pediu para ser fotografado. Os olhos cheios de água).
O amor que ele (e os filhos, nascidos aqui, mas vivem lá desde adolescentes)tem pelo Brasil dói em nós.
Beijo!

Teresinha Ferreira disse...

Olá Beth,
Que lindas imagens! Lembrei muito do Jardim Botânico. A mamãe adorava passear por lá e ver as vitórias régias. Era o que ela mais gostava de ver.
É triste ver árvores sendo derrubadas para dar passagem ao concreto. Lá em Vila Velha, lamentei muito em ver uma belíssima árvore sendo derrubada para a construção de um prédio. Isso bem próximo do meu.
Seria tão interessante se os "fazedores de obras" fizessem um projeto inserindo-as, não é?
Beijos mil

Lu Souza Brito disse...

Puxa Beth,

Que tristeza isso que estão fazendo...por aqui vejo isso com frequencia. A Serra onde moro mesmo. Aos poucos grandes empresas estão comprando terrenos gigantes de familias humildes e tudo está virando condominio. Um horror!
Não há arvores centenarias, mas todas são importantes e doi vê-las sendo derrubadas.

Em contrapartida, que beleza suas fotos! Que lindas! Que encanto.
Eu adoro ver tudo isso também, sentir, estar proxima a natureza, como nos meus tempos de caiçara.
Agora, tirando a mata que ainda resta nos arredores de minha casa, é só cimento, pedra, predio, carro e poluição.

Beijos

✿ chica disse...

Fico indignada e com vontade de me atracar com esses homens que derrubam árvores. Agorinha mesmo, um idiota camioneiro, passa pela rua derrubando galhos, levando tudo em frente e ainda ri... Uma pena.Até quando essa mentalidade de ganância imobiliária???

INCRÍVEL!!!

Ainda bem que pelo menos, no JB elas estão salvas e lindas. Adoro lá!!! beijos,tudo de bom,chica

Rose disse...

Lindas imagens....O Rio tem mesmo muitos lugares lindos...e que pena a derrubada desta palmeira......

Dulce disse...

Pois é, minha amiga, o homem se utiliza da desculpa chamada "progresso" e vai destruindo toda a beleza de se viver com simplicidade. Que pena!

E que lindo passeio através de sua câmera pelas alamedas do Jardim Botânico. Obrigada por isso, Beth.

Beijos e uma boa tarde.

Socorro Melo disse...

Oi, Beth!

Eu também. Devastar a natureza é crime, e nos entristece saber que muitos estão preocupados apenas com seus empreendimentos, sem se importarem com as consequencias que esses atos podem nos trazer.

O Jardim Botânico é um verdadeiro santuário (ecológico) de beleza, e de riquezas naturais. Adorei as palmeiras imperiais, o verde, as fontes, as esculturas... Obrigada, Beth, por nos presentear com estas belas imagens.

Beijos
Socorro Melo

Nina disse...

Pena mesmo sabe?! acho palmeira imperial uma das coisas mais lindas que o brasil tem. Basta ver uma pra saber, aaahh to no Brasil...

Beth, fiquei babando nas tuas fotos e AMEI essa tua embaixo, parecia uma india loura :-)

Heloísa disse...

Beth,
Que crime a derrubada das árvores.
Será que não daria para preservá-las?

O Jardim Botânico do Rio é mesmo maravilhoso. Ainda bem que existem essas reservas, não?

Beijo.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Mesmo que estejamos sendo atravessados no caminhar... (visto pelo avesso) vamos ter esperança de tudo um dia se modificar...
Bjm de paz

Malu Machado disse...

Beth, que tristeza. Sou do Rio e sei exatamente o que vc está sentido. Toda a região do Rio é muito arborizada. Triste de mais. Aqui na cidade onde habito tb andaram cortando árvores históricas. Pertenciam ao terreno de um escola tradicional. Bom, não preciso falar mais nada né? Ainda bem que temos o jardim Botânico. Obrigada pelas fotos. Deu saudades gostosas.

Bjs,

Toninhobira disse...

Quando vejo a exuberancia do verde,mais me preocupo com a burrice humana e da grana que faz de tudo para derrubar.Belissima postagem minha amiga.Meu abraço mineiro de flor.

Maria Célia disse...

Oi Beth
Como podem fazer isto com uma árvore maravilhosa, que é a palmeira imperial.
Será que não dava pra retirar sem danificar as raízes e plantar em outro local. Absurdo.
O Jardim Botânico é um paraíso, estive lá somente uma vez, anos atrás, gostaria muito de voltar.
Sua foto ficou bárbara.
Que efeito legal.
Bjo

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

o ruim é o pensamento da galera né Beth... acho que mta gente viu a queda da casinha antiga (e talvez tivesse valor histórico, não sei), depois a derrubada desta belíssima árvore e pensou: olha, q legal, vão fazer um predião gigante, mudéeeeerno. ainda pensam que concreto é progresso.

é triste, pena que são poucas pessoas que tem essa sensibilidade sua, pra notar o valor de tudo isso, da vida que há nas árvores, na natureza.

acho um desperdício quem vai ao Rio (cidade ou estado) só pensando nas praias. as praias em si são lindas, mas como é bonita a natureza no Rio, as montanhas, serras...o interior. E esse jardim então, é um sonho. um dos lugares que mais gostei de conhecer no Rio. e os japas aqui, qdo pergunto pra eles qual lugar mais gostaram do Brasil, mtos falam do jardim botânico, pq é bonito e tem história.

e imagina o que tá acontecendo lá aonde tão fazendo Belo Monte...

as fotos estão lindas, querida mãe gaia.
pelo menos na memória, materializada em uma fotografia, aquela árvore nunca vai morrer!
bjs e bom dia

Sérgio Santos disse...

Isso me revolta. Tb li o que aconteceu na coluna do Ancelmo. Aliás, o que estão fazendo é um absurdo e o que sempre fizeram deveria ser considerado CRIME. Me refiro a essas famigeradas podas que a prefeitura faz nas árvores das ruas. O que eles fazem não é poda e sim assassinato. Cortam as plantas de qualquer maneira e muitas vezes deixam só umas folhinhas e uns galhos, achando que fizeram um bom trabalho. Demora um tempão para que a árvore comece a 'encher' novamente e o que acontece? Eles chegam de novo e acabam com tudo. Lindas fotos que vc colocou, com exceção da primeira que é triste demais. Parabéns pelo blog! Bjs

Somnia Carvalho disse...

Lilas querida!

que fotos lindissimas! dá vontade de ir passar ferias no rio hoje!

amei a escultura em homenagem a matisse, alias eu tenho este quadro no meu banheiro... é tão leve, tão poetico!

sobre a derrubada das arvores fico tristissima em saber e fico pensando como a gente pode mudar coisas assim? como? só denunciando? não sei tenho ficado até confusa com tantos desmandos da nossa modernidade!
beijos

Macá disse...

Beth
Sabe que eu não conheço o Jardim Botânico? Que falha histórica na minha vida não? Preciso consertar isso urgentemente.
Mas Beth, eu, assim como você, tenho ficado estarrecida com a derrubada de casas e árvores para construção dessas mega empreendimentos.
Já estão chegando aqui perto, um lugar que era só de residências, e o trânsito já ficou caótico por aqui.
Acho que eles podiam conservar o verde pelo menos, não acha?
beijos

ML disse...

Fotos maravilhosas, Beth, adorei o efeito daquela em que vc está abraçando a árvore.

bjnhs e ótimo final de semana!

Georgia disse...

Bethinha imagino a tua tristeza. Incrível como em nome de mais uma construcao se arranca a mae natureza do seu próprio habitat. Aqui, eles tb constróem bastante, mas procuram preservar as árvores que estao nos terrenos.

Lindo o teu passeio. Belíssima esta tua última foto. Uma perfeita Mae Gaia!


Bom fim de s

Calu disse...

Betinha,
apesar do absurdo destempero da ordem pública, do crime ambiental sem freios,ainda assim, vc consegue manter acesa a chama da esperança quando nos oferta estas fotos maravilhosas ressaltando a natureza e suas criações.Espero que muitos aqui vejam os contrastes e reflitam a respeito do bem maior, a vida em toda sua manifestação.
Somos Todos Um!
Vc é uma artista das lentes, amigona.
Bjos,
Calu

Márcia Cobar disse...

Sabe que eu acho lindo isso em você, Beth? Sua capacidade de não se entregar a tristeza, buscando formas de contentamento na natureza, no amor, na compreensão! É uma pena que as construções destroem coisas belas da natureza. Neste sentido temo que cidadãos comuns tenham pouco a fazer, exceto lamentar e buscar alívio em recantos naturais divinos como o Jardim Botânico.
Eu visitei o Rio há um mês e fui lá. Quanta paz me trouxe caminhar pelas alamedas de palmeiras, contemplar as orquídeas, sentir o cheiro do mato. Acho o JB uma visita tão importante quanto a praia... Mas obviamente poucas pessoas pensam assim.
Lindas as imagens, Betinha! Vc mora em Niterói? Por algum motivo eu achava que era em Petrópolis!
Beijos querida
Márcia