.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Um pouquinho de medo faz bem



A frase da música Epitáfio dos Titãs: "O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído" ficou martelando em minha cabeça quando percebi que poderia ser usada para ilustrar um caso como o de ontem. Honestamente, eu não concordo com isto, pois não sou de confiar no acaso, pelo contrário, sou bem precavida, até mesmo para andar pelas ruas de meu bairro que tem muitos prédios em construção, fico atenta.
Estou sempre olhando para cima, pois lá também reside o perigo, por conta de guindastes que levantam enormes barras de cimento, vergalhões, ou todo tipo de material usado pelas obras.  Se eu levar ao pé da letra a música dos Titãs, qualquer dia desses um enorme tijolo poderá cair em minha cabeça e darei tchau ao mundo rapidinho, o que não é minha intenção tão cedo.

O que quero dizer exatamente é que muitas vezes temos condições de prever certas situações que poderão resultar em violência contra nós mesmos ou até mesmo evitá-las atravessando apenas uma rua.  
Eu sei que poderão dizer que tantos cuidados assim, acaba nos deixando paranóicos ou até mesmo medrosos, mas eu prefiro ser medrosa do que me expor tão displicentemente, pois muitas vezes quando sentimos medo e paramos para pensar e agir é o tempo que precisamos para nos livrar de alguma grande roubada.

Voltando da rua ontem, visualizei um operário numa ação completamente absurda, sem cuidado e de uma forma desafiadora com a vida, pois tinha cada pé sobre os canos do andaime em que estava dependurado há mais de 9 andares de altura. Ele puxava, com a ajuda de uma enorme vara, aquele véu que cobre os edifícios em obras. 
Isso é um perigo real, portanto as pessoas parecem brincar com suas vidas, não a valorizam e é assim que acontecem os acidentes e mortes fatais. Para nós que assistimos, é um espetáculo sem graça, beirando o horror.  

Definitivamente, o acaso não vai te proteger em momentos assim. De certo aquele homem precisa trabalhar, mas existem formas de se precaver contra acidentes, de antever o perigo e se resguardar, e ele deveria estar amarrado ou apoiando os pés em algo mais sólido que não os dois canos do próprio andaime.
Quase tenho um troço vendo uma cena dessas, mas por aqui isto é muito comum e, mesmo que eles ganhem das construtoras o material necessário para proteção, preferem não usá-lo e se expõem assim, tão deliberada e gratuitamente.

Ouvir, perceber, estar atento a um pequeno sinal de advertência, poderá nos salvar em meio ao cotidiano acelerado que a vida moderna nos impõe. Portanto, um pouco de medo, cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, não acham?




21 comentários:

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Medo, o tal sentimento que ninguém gosta de sentir e que chega quando menos o queremos por perto ;)

Heloísa disse...

Concordo, Beth.
Realmente precisamos esta atentos aos perigos que nos rodeiam.
Acho que a maioria dos pequenos acidentes ocorrem por alguma imprudência ou distração.
Beijo.

Wilqui Dias disse...

alguns Confiam demais no acaso, um dia asim por acaso algusn tb partem dessa pra outra, tô com vc um cadim de medo é bom, mesmo!!

Bia Jubiart disse...

Bom dia Beth!

Vc me fez lembrar o maridão: Trabalhou muito tempo com explosivos, nunca houve acidente, mas é detalhista e tem essa visão preventiva, até por questão de segurança.

Lamentável o ocorrido... Ficamos sem fala quando assistimos pela TV...

Prevenir é melhor que remediar!

Uma ótima sexta p/ vc!

Beijosssssss

Zélia Guardiano disse...

Texto excelente, minha querida Beth!
Você tem razão! O acaso não protege ninguém, a despeito da beleza da música...
Evitar acidentes é dever de todos, diz o slogan mais ou menos antigo, mas não ultrapassado. Precisamos ter responsabilidade com realação à nossa vida e à vida do próximo.

Abraço bem forte da
Zélia

Wilma disse...

Olá Beth, eu também sou como você. Sempre poupo meu anjo da guarda, sou daquelas que não ponho mão em postes, principalmente depois da chuva, ando pelo centro do Rio observando aqueles andaimes, janelas com apas de ar condicionado pendurado, marquises cheia de mofo, cruzamentos sinistros, etc Tem gente q abusa do acaso, e as domésticas? q ficam lá no 20º andar correndo risco pra limpar os vidros, não estamos livres, mas sempre tomo cuidado, e quando o acaso venceu o meu anjo da guarda estava descansadinho e me socorreu,rsrsrs

Regina Rozenbaum disse...

Concordo contigo! Mas, penso eu, cuidado é diferente de medo.O grande truque do “Medo” é se disfarçar de “Cuidado”. A História e o dia-a-dia estão cheios de exemplos de pessoas comandadas pelo medo que se passaram por, ou foram confundidas com pessoas cuidadosas, responsáveis e ajuizadas. No entanto, a principal diferença entre medo e cuidado chega a ser antagônica: o medo cega, o cuidado abre os olhos. Na verdade, o cuidado é um estado de alerta que até pode vir a ser gerado pelo medo, mas não cede a ele e não retira da pessoa a capacidade de pensar e agir. Já o medo em si, quando domina a pessoa, leva geralmente à paralisia!
Beijuuss, amada, n.a.

Lu Souza Brito disse...

Oi Beth,

Também sou das precavidas. Medo, na dosagem certa, é nosso alerta interno de perigo né?
Agora a expressão com caldo de galinha nao conhecia não, ahahaha.

Bjos

Mari Hart disse...

Isso nem seria o acaso, mas burrice! Moro de frente pra a avenida nº1 em acidentes do RJ, ultrapassando até a Av. Brasil no quesito perigo. Mas sempre digo que não tenho pena de quem sofre acidente aqui. É um tal de atravessar com o sinal aberto, fora da faixa e ao lado de passagem subterrânea pra economizar míseros segundos que poderiam salvar a vida, de andar em alta velocidade, não respeitar sinalizacão e etc... Depois vira não sbaem o pq de números tão altos nas estatísticas! Muitas vezes são eles mesmo que procuram!

✿ chica disse...

Ainda hoje pela manhã falava sobre isso com Neno na praia enquanto ele insistia em quase correr nas pedras...Atenção e cuidado nunca fazem mal...beijos praianos,chica

Anne Lieri disse...

Beth,eu sou uma pessoa bem distraida,mas o que esse operário fez foi imprevidente!Não gosto de arriscar a vida assim!Um belo e interessante texto!Bjs,

Luma Rosa disse...

As normas de segurança no trabalho são bastante severas e essa questão é bastante observada pelos encarregados e fiscais de obra, justo por causa das punições severas. Um funcionário nunca estará dependurado em um andaime sem que esteja corretamente amarrado e quando ver isso Beth, seria interessante alertar o encarregado. Não sei se sabe mas a cada seis meses existe um certificado que deve ser renovado pelas empresas e ela não consegue trabalhar com obra registrada no CREA, se tiver pontos de infração. Nesse caso não existe distração! (rs*) Mas podemos sim morre ao acaso, por causa de um simples soluço.
Ah, respondi sua dúvida na entrevista do blogue do William.
Beijus,

Luma Rosa disse...

Ah, Beth! Fiquei sabendo do ocorrido apenas agorinha. Estou viajando e completamente alheia aos últimos acontecimentos. Beijus,

Lúcia Soares disse...

Sempre que ouço essa música, que gosto muito, me lembro de um deles, que morreu enquanto fazia caminhada, e foi atropelado por uma moto. O quanto ele podia estar distraído, embora a moto tenha surgido "do nada" e o pegado rente à calçada.
Marcelo Framer, se não me engano.
Sim, Beth, não é nada bom confiarmos no acaso. Deus é mais, mas temos que fazer nossa parte.
beijo!

Elisa T. Campos disse...

Oi Bete

Amo de paixão essa música. Evidentemente nem sempre o acaso nos protege. Até agora estou chocada com esses acontecimentos . Será que os moradores não podiam prever essa tragédia?.Qualquer sinal,uma rachadura na parede por exemplo.
Oportuna postagem.

Beijussss

Calu disse...

Cenas como essa são mais frequentes do que gostaríamos, Betinha e, nos dão um pavor só de ver.È mesmo possível que o trabalhador estivesse com cinto de segurança como vc averiguou com o encarregado, porém creio que mais cautela não faria mal nenhum.
Faço como vc, não preocupo demais meu anjo protetor, sou adepta de cautela e canja de galinha(rs).Ainda mais quando a cada dia somos surpreendidos com tragédias absurdas como a acontecida no Rio e que poderiam ter sido evitadas bastando que houvesse seriedade e respeito pela vida humana.
Bjos e ótimo domingo.
Calu

ML disse...

Quem sabe colocaram "acaso" como "sinônimo" de sorte, destino ou de providência divina?
Mas que andar distraido não é muito esperto, não é mesmo. É até sinal de preguiça ou irresponsabilidade
Imagina "dirigir distraído" e dando muito trabalho pro Seu "acaso"?

bjnhs

Camille disse...

Nossa Beth, como concordo com voce. Nao da para ficar confiando no acaso nao. E tem que olhar para cima, para os lados, para todo canto. Tudo tao perigoso, temos que nos precaver mesmo.
Esse caso do operario, penso que muitas vezes as pessoas brincam,desafiam, mas as vezes tb trabalham sem condições minimas de segurança. O que é outro absurdo.
Enfim, adorei o post, ainda mais como voce começou - com a referencia a musica. Acho que isso é ser escritora. E gosto de ler oque voce escreve. Super beijo e boa semana!

pensandoemfamilia disse...

Oi Amiga
Concordo que precisamos ser caitelosos, mas há momentos que "damos uma bela derrapada" na cautela e depois do fato temos que correr atrás do prejuizo.
bjs Bom domingo.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

oi Mãe Gaia. é verdade, pq não evitar o que a gente pode evitar? pq arriscar, não custa nada obedecer normas, fazer direito. o pessoal se arrisca tanto a toa, depois q o mal acontece não dá pra reparar.

e pior q mtas vezes pode prejudicar ainda outras pessoas, pq caem equipamentos, materiais, etc em cima de quem tá passando na rua né. uma vez em lembro que em SP, se minha mãe tivesse dado um passo a mais pra frente tinha caído na cabeça dela um martelo! um martelo que despencou do alto de um prédio em obras. martelo q devia estar solto no bolso de algum operário.

bjs e boa semana querida mãe gaia

Nina disse...

Sem dúvida alguma Beth, tenho horror a pessoas que se arriscam tanto, como alguns malucos que dizem precisar de adrenalina, p ex. Mas pior ainda é o caso que vc menciona, de trabalhadores que por ignorancia ou por falta de equipamentos de seguranca que deveriam ser fornecidos pela empresa que trabalham, nao atentarem pra sua propria vida. Trabalhei no meio da floresta vendo arvores sendo derrubadas e com todos em volta tendo a vida por um triz, aprendi la a importancia de se tomar todos os cuidados necessarios. Ta certo que qd é sua hora, nao tem jeito, mas as vezes, acontecem coisas que nem era pra acontecer. Mas ai Deus deve pensar: pois é meu filho, vc nao valorizou a vida que te dei...

Acho certas atitudes mt irresponsaveis e sem amor à vida

Bjs Beth!