.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Isto é bacana!



Mais uma vez, artistas posam ao lado de crianças e adolescentes com Síndrome de Down para compor o tocante Calendário Happy Down 2012. Este ano foi a vez dos apresentadores da televisão brasileira.
Vejam que bonitinhos:


Conheço um jovem com Síndrome de Down e que trabalha na Academia onde eu fazia ginástica lá em Petrópolis.  Sempre alegre, sorridente, disposto a fazer algo produtivo e solidário.  Todos o adoravam e tinham por ele um carinho imenso.  O dono da Academia, pessoa muito distinta e profissional maravilhoso, sempre reconheceu as necessidades que um jovem com esta alteração cromossômica pode ter, por isso deu a ele esta oportunidade de participação social, servindo de modelo de apoio e respeito aos direitos da pessoa. 
Fato interessante é que alguns anos depois, seu último filho, um menino que ele tanto acalentou com sua mulher, veio com a SD e ele dedicou-se plenamente a criar e curtir seu filho, não se intimidou, nem o rejeitou, pelo contrário, sempre o vemos passeando de mãos dadas com ele ou levando-o a participar de brincadeiras ao ar livre, feliz e realizado com seu filho amado.

"Devemos olhar a pessoa com SD em sua singularidade, para que possa ter um pleno desenvolvimento enquanto sujeito."


A média de vida da pessoa com síndrome de Down, no entanto, cresceu muito. Em 1910, o portador vivia só 9 anos. Já em 1947, a média era de 12 anos, alcançando 18 em 1949 e 25 em 1983. Hoje, já atinge 56 anos.
As dificuldades intelectuais enfrentadas por quem tem a síndrome variam de pessoa para pessoa. Assim, algumas conseguem aprender tarefas rotineiras e desenvolver habilidades mais cedo do que outras. De qualquer maneira, a estimulação precoce, ainda no berço, é fundamental, diz Silvia Bragagnolo Longhitano, mestre em genética clínica pela Universidade Estadual de São Paulo (Unesp). "A criança precisa desenvolver a autonomia desde cedo." Os pais também devem trabalhar para integrar os filhos especiais na sociedade, sem isolá-los. "Se forem colocados em redomas, não aprenderão a se defender e haverá menos sucesso no seu desenvolvimento", defende a especialista. 


(FSD-Fundação Síndrome de Down)
(Ser Down)
(Imagens Caras-Uol)













23 comentários:

Bombom disse...

Oi, Beth Lilás! Que excelente tema para este post! Enquanto professora, conheci na minha Escola e também em famílias amigas, alguns casos de crianças com este síndrome.Na altura ainda só tinham esperança de vida até aos 21 anos, pelo menos aqui em Portugal. Fico feliz por saber que os avanços da Medicina já conseguiram aumentar para mais do dobro, esse limite. Na verdade, nesta e em todas as situações, é de extrema importância a estimulação precoce das crianças. Até uma criança dita normal, se for estimulada desde o berço, pode desenvolver a sua inteligência e afectividade de modo mais profundo. Parabéns! Adorei este post! Bjs. Bombom

*** Cris *** disse...

Olá,td bem?
Belo post! Seria bom se todos enxergassem dessa forma leve e bela.
Bjs!

✿ chica disse...

Que lindo post e maravilha de ver essas crianças tendo todo carinho,atenção e sobretudo, respeito! Um lindo fds,beijos,chica

Élys disse...

Um post importante, para mostrar o carinho e a atenção que se deve dar as esses portadores da SD.
Beijos.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Beth

Me escreve, por favor, me dando notícia da nossa linda, tá???

Não tive ainda na família mas conheci amigos que tiveram e tudo foi muito bem... ninguém fez discriminação... muito pelo contrário...
Trabalhei os primeiros anos da minha carreira com eles e fui muito feliz como orientadora dos pequenos na Pestalozzi no Rj...
Bjm festivo de paz

Katia Bonfadini disse...

Oi, Beth!!!!! Que bom que chegou até meu cantinho virtual! Obrigadíssima pelo comentário, elogio e simpatia! Você é muito gentil e espero que seja sempre muito bem-vinda! Estou te seguindo. FELIZ ANO NOVO!!!!! Beijão!

Toninhobira disse...

Legal e oportuna postagem Beth,tenho um amigo/vizinho que não me larga e vai a todos os lugares comigo e familia.Hoje com 31 anos.Já li bastante sobre estas amaveis pessoas e agora estava lendo sobre este lançamento e inclusive na Cultura será possivel adquirir o calendario, o que farei para ajudar a quem se presta a ajudar e fazer a diferença.
Um abraço mineiro de flor.
Bju.

Agora as aguas de Minas estão chegando pelo Rio causando estragos, mas o homem não se freia mesmo,né?

Maria Célia disse...

Oi Beth
Muito nobre da parte destes apresentadores, uma gracinha as crianças.
Excelente postagem.
Bjo

Calu disse...

Betinha,
aplaudo com entusiasmo iniciativas como estas dos apresentadores.Cada vez mais torna-se importante conscientizarmos a população sobre as pessoas PNE e suas sutilezas,que bem entendidas,os inserem numa rotina de vida normal.
Adorei teu esclarecedor post.Sensacional!
Bjkas e bom fim de semana.
Calu

Inaie disse...

tambem achei o maximo! Tive um vizinho com SD. Ele conseguiu um emprego como jardineiro da prefeitura de campinas, e eu me lembro da alegria que ele sentia em ir trabalhar todos os dias. TAmbem me lembro das outras vizinhas inconformadas com a decisao da mae dele em deixa-lo trabalhar. Acho que elas prefiririam que ele ficasse trancafiado em casa assistindo televisao, escondidinho.

Mas o marquinho era uma alma livre, um menino de ouro e tagarelava pelos quatro cantos do predio, quando nao estava trabalhando, claro.

Meri Pellens disse...

Muito bacanas e lindas essas fotos.
Iniciativas assim fazem a vida ser mais bela.
Beijinho, Beth!

Márcia Cobar disse...

Oi Bethinha, que iniciativa maravilhosa!
Quando as pessoas preconceituosas olham para um portador de SD, devem se lembrar que somos todos filhos de Deus. E estamos todos aqui pra evoluir.
Beijos!
Marcia

Heloísa disse...

Beth,
As crianças que posaram são umas gracinhas.
Cada vez se percebe mais a importância de integrar as crianças especiais na sociedade e, felizmente, muitas escolas estão percebendo isso.
Beijo.

Georgia disse...

Beth que idéia mais humana e respeitosa essa.

Aqui tinha um mercado que o pessoal que trabalhava na caixa tinham Down, pena que o mercado fecho por causa de um grande mercado que abriu aqui perto. Eu fazia questao de ir nesse mercado para valorizar o dono do mercado que dava essa oportunidade para eles.

Um bjaoe parabéns pelo post

Rose disse...

Lindo post!
Bom domingo!
Rose

Wilqui Dias disse...

Fotos bacanas, esses bbs sao fofinhos mesmo, fazem juz ao nome de ESPECIAIS...
POIS SAO MESMO!!!

Misturação - Ana Karla disse...

Atitude é tudo que o amor pode proporcionar nessa situação.
O tema é intenso Beth e merece exemplos e atenção.
Muito bom.
Xeros

Elisa T. Campos disse...

Beth
Te admiro por tanta sensibilidade em nos mostrar essa demonstração de solidariedade.

Amei a postagem

Muita luz neste ano que inicia

Beijos

She disse...

Beth que post mais lindo esse! Tb conheço alguns filhos de Down, e uma vez fiz um trabalho pra facul de jornalismo, na Colibri, e todos me receberam numa alegria contagiante, num carinho sincero, pois são muito carinhosos! Tenho até hj fotos com a Roberta, filha da dona do Colibri, que vivia no programa da Xuxa nos anos 90... ;)
Beijo, beijo e parabéns pelo post!
She

Nina disse...

Que coisa mais gostosa!!!!
acho que a carinha dessas criancas passam uma alegria contagiante, eu sempre que vejo uma na rua sorrio sem querer, parecem anjos, nao acha?

Lulú disse...

Olá Beth
Muito oportuna sua postagem.
Antigamente havia um preconceito sem limite contra a SD. Até alguns pais os desprezavam.
Mas Graças a Deus, as pesquizas e tudo que foi descoberto sobre Sd,mudou esse preconceito. Já temos até casamento e descendentes desses, que nasceram sem a síndrome.
Beijos
Maria Luiza (Lulú)

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que lindo Beth! parte do meu trabalho é com eles, vejo o qto são maravilhosos. e sim, podem seguir uma vida normal, mtos inclusive se casaram, tem filhos e até netos.

o problema tá na cabeça da gente, né, que rejeita e tem preconceito...

lindo texto!

Jô Bibas disse...

Lindo post! Como fono, trabalhei mais de 20 anos com crianças e jovens com síndrome de Down e cheguei a fundar uma associação, a Reviver Down. Por isso, adoro encontrar mensagens positivas sobre a síndrome.