.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 10 de abril de 2011

As Sombras desta última semana


(Imagem Extra)

Escolhi esta linda imagem para lembrar que os animais não podem ser culpados pela ignorância humana e as palavras insensatas de alguns, como um tal governador que disse e foi severamente criticado, ao afirmar que "Quem faz uma maldade dessas não é gente, é um bicho." - Nunca! - 

Na minha humilde percepção e opinião sobre o triste ocorrido nesta última semana e do que vejo crescer a cada dia neste nosso complexo país, é que as estruturas sociais malditas que só enfatizam cada vez mais a desigualdade e injustiça nesta terra de ignorantes, fazendo com que se alimente cada vez mais o rancor desses que continuam oprimidos, excluídos desde que nascem, sofrendo a perversão do  bullying nas escolas onde deveriam ensinar o respeito, a educação moral e cívica. Pelo menos era assim no meu tempo, quando o país ainda estava longe de ser esta 'sétima potência' tão aclamada.
Mas agora, os governantes só pensam na economia e no patamar que estão galgando no mundo, sem atuar contra essas deformidades em nossa sociedade, deixando o caminho livre e desprotegido para o suicídio de toda uma civilização. Torna-se URGENTE um olhar maior e sério sobre a EDUCAÇÃO em nosso país e é isso que diz Cristovam Buarque em seu maravilhoso e realista texto que reproduzo abaixo.
 




AS VERGONHAS QUE TEMOS


No século XIX, Victor Hugo se negou a apertar a mão de D.Pedro II, porque era o Imperador de um país que convivia naturalmente com a escravidão.  Hoje, Victor Hugo não apertaria a mão de um brasileiro para parabenizá-lo pela conquista da 7a. posição entre as potências econômicas mundiais, convivendo com total naturalidade com a tragédia social ao redor. Estamos à frente de todos os países do mundo, menos seis deles, no valor da nossa produção, mas não nos preocupamos por estarmos, segundo a Unesco, em 88o. lugar em educação.
Somos o sétimo no valor do PIB, mas ignoramos que, segundo o FMI, somos o 55o. país no valor de renda per capita, fazendo com que sejamos uma potência habitada por pobres.  Mais grave: não vemos que, segundo o Banco Mundial, somos o 8o. pior país do mundo em termos de concentração de renda, melhor apenas do que Guatemala, Suazilândia, República Centro-Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia.

Somos a sétima economia do mundo, mas de acordo com a Transparência Internacional estamos em 69o. lugar na ordem dos países com ética na política por causa da corrupção.  A nota ideal é 10, o Brasil tem nota 3,7.

Somos a sétima potência em produção, mas, quando olhamos o perfil da produção, constatamos que há décadas exportamos quase o mesmo tipo de bens e continuamos importando os produtos modernos da ciência e da tecnologia.  Somos um dos maiores produtores de automóveis e temos uma das maiores populações de flanelinhas fora da escola.

Um relatório da Unesco divulgado em março mostra que a maioria dos adultos analfabetos vive em apenas dez países.  O Brasil é um deles, com 14 milhões com o agravante de que, no Brasil, eles nem ao menos reconhecem a própria bandeira.  De 1889 até hoje, chegamos à sétima posição mundial na economia, mas temos quase três vezes mais brasileiros adultos iletrados do que tínhamos naquele ano; além de 30 a 40 milhões de analfabetos funcionais.  Somos a sétima economia e não temos um único Prêmio Nobel.

Segundo um estudo da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que pesquisou 46 países, o Brasil fica em último lugar em percentagem de jovens terminando o ensino médio.  Estamos ainda piores quando levamos em conta a qualificação necessária para enfrentar os desafios do século XXI.  Segundo a OIT, a remuneração de nossos professores está atrás de países como México, Portugal, Itália, Polônia, Lituânia, Letônia, Filipinas; a formação e a dedicação deles provavelmente em posição ainda mais desfavorável, por causa da péssima qualidade das escolas onde são obrigados a lecionar.  Somos a 7a. potência econômica, mas a permanência de nossas crianças nas escolas, em horas por dia, dias por ano e anos por vida está entre as piores de todo o mundo.  Além de que temos , certamente, a maior desigualdade na formação de cada pessoa, conforme a renda de seus pais.  Os brasileiros dos 10% mais ricos recebem investimento educacional cerca de 20 vezes maior do que os 10% mais pobres.

Somos a sétima potência, mas temos doenças como a dengue, a malária, o mal de Chagas e a leishmaniose.  Temos 22% de nossa população sem água encanada e mais da metade sem serviço de saneamento.  Segundo o IBGE,  43% dos domicílios brasileiros, 25 milhões, não são considerados adequados para moradia; não têm simultaneamente abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo.

Esta dicotomia entre uma das economias mais ricas do mundo e um mundo social entre os mais pobres só se explica porque nosso projeto de nação é sem lógica, sem previsão e sem ética.
Sem lógica, porque não percebemos que 'país rico é país sem pobreza', como diz a presidenta Dilma.
Sem previsão, por não percebermos a grande, mas atrasada, economia que temos, incapaz de seguir em frente na concorrência com a economia do conhecimento que está implantada em países com menor riqueza e mais futuro.  E sem ética, porque comemoramos a posição na economia esquecendo as vergonhas que temos no social.


Cristovam Buarque, Engenheiro, Economista, Educador, Professor Universitário e Senador da República - Jornal O Globo de 09 de abril de 2011.



Agora amigos, me digam, de que adianta estarmos nesta posição mundial frente à economia, se tanto ainda tem que ser feito para que nosso povo viva condignamente e seja respeitado como cidadão no mundo?
Que destino é esse sem rumo, desenfreado, dolorido, sofrido dessas pessoas que adquirem bens materiais pensando que estão ascendendo socialmente se continuam pobres, sem educação e sem cultura em seu íntimo?
Será que a presidente Dilma lê o que um homem tão bem informado e inteligente como Cristovam Buarque escreve ou fica atenta apenas aos números dos relatórios econômicos e viagens de interesses pelo mundo afora?
Triste país sem lógica, sem previsão e sem ética!




















20 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Brilhante Betita! Eu tb admiro o Cristovam Buarque e sua cruzada pela educação no Brasil. Pena que seja uma voz solitária na multidão.
Impressionante esses números, impressionante como ainda tem gente que pensa que o Brasil está bem, quando nada vai bem, quando se tem uma educação precária como a nossa, com tantos analfabetos funcionais, com escolas com professores mal remunerados e com péssima formação. Porque hj ninguém mais quer ser professor de educação básica nesse país. Se for ver só nas classes menos favorecidas e tb com formação que deixa a desejar...Há tanto o que se falar sobre esse assunto...Ainda bem que mesmo sendo um só, ainda assim, haja uma voz lúcida nesse país! beijos,

J@de disse...

Sem contar que desde que eu era criança falava-se que o Brasil era a oitava economia do mundo... 40 anos se passaram, somos a sétima e o resto...
Beijos!!

pensandoemfamilia disse...

Triste realidade e na momento que ocorre tragédias como estas o jornalismo se detenha em mostrar as ocorrências mundiais do fato e não se preocupa com questões como estas tão bem escritas pelo Cristovam B.
Parabéns pela sua explanação. Eu fiquei tão perplexa e sensibilizada que só pode demonstrar minha solidariedade às famílias e dar um pequeno grito de alerta.

bjs

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Beth. O discurso do Buarque é perfeito. Ontem , coincidentemente estava conversando com um sobrinho que é policial. Ele me disse que a polícia de MG deve entrar em greve nos próximos dias. O Estado de Minas apesar de ser o terceiro maior em arrecadação de dinheiro no país, tem a décima quinta polícia em termos de soldos. Eu disse a ele que o Brasil ia, sim para o primeiro mundo, mas apenas em forma de "ilhas de excelência", cercada de mazelas, misérias e violência por todos os lados. Onde primeiro mundo com uma polícia que se corrompoe por causa da miseria que recebe, não possui um plano de saúde nem direito à moradia? Onde um primeiro mundo que paga os saláris que recebem nossos professores? Nas escolas públicas praticamente marginalizadas. Um sistema de saúde que "convida" a não o utilizarmos, um sistema político/jurídico que há um peso e uma medida para os possuidores de riquezas e outro peso e outra medida para os pobres? Ah, que angústia, Beth! Meu abraço. paz e bem.

✿ chica disse...

Lindo e pertinente desabafo por aqui...Falta tsanto, tanto e no entanto gastamos grana desnecessária com Copa e besteiras mil, antes de investir em educação e saúde...beijios,linda semana,chica

lolipop disse...

Querida Beth,
Leio seu texto, a pensar cmo gostaria de poder dizer que Portugal está muito melhor, o que infelizmente, neste momento não posso dizer.
Aqui, estamos perdendo grande parte das conquistas que tínhamos feito, e a educação, suporte essencial dum povo, tem sido relegada a campo de batalha, onde cada vez mais interessam apenas números, resultados, estatisticas.
Estamos cada vez mais necessitados, aí. como aqui, e no mundo de vozes e mentes lúcidas, capazes de defenderem a justiça, a igualdade, a educação...
Acho que Vitor Hugo recusaria hoje apertar a mão de muitos governantes...
Triste tudo isto...

Mil ternuras solidárias

Ana disse...

Precisamos resgatar valores como compaixão, solidariedade, honestidade, ética...

Do jeito que está, coisas assim vão continuar acontecendo...

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Beth, se a gente fosse iguais aos bichos...esse mundo era MUITO melhor.

li o texto do Cristovam Buarque e me arrepiei... dá uma certa aflição, infelizmente é tudo verdade.
O Brasil nunca foi pobre, sempre esteve entre as maiores economias do mundo. Comparo com o Japão e vejo qto o Brasil é rico (tem tudo o que aqui não tem: espaço, matérias primas em abundância, não tem terremoto, etc)...e pelo desprezo à educação o país não deslancha. Imagine se no Brasil tivéssemos uma educação levada a sério, estaríamos colando na China! seríamos uma nação riquíssima. o importante nem é pela questão monetária, mas sim pela qualidade de vida mesmo, pela riqueza de conhecimento, artes, um povo educado e comportado, com classe.
e como consequência tantas coisas seriam melhores, já que um povo culto, estudado, exige mais qualidade em tudo, tem melhores condições de vida.

fico triste mesmo... pq é um país que tem tudo!
tenho fé que um dia melhore... vou sonhar sempre.
bjs

Bombom disse...

Oi, Beth! Estava a ler este teu post e a pensar no que se passa aqui em Portugal no que toca à Educação...O mesmo, sem tirar nem pôr! Eu acho que esta é a verdadeira crise mundial. A dos valores! E a Educação traz tudo o resto: Justiça, Fraternidade, Cidadania, Amor ao Próximo...Com um Povo educado não há lugar para a corrupção e os que se dizem hoje políticos, têm de ir trabalhar! Por isso eles nem querem que se fale em Educação!...
Aqui como aí, é urgente passar à acção! Bjs. Bombom

Astrid Annabelle disse...

Olá Beth!
Lamentável tudo isso minha amiga.
Será que um dia muda?

Estive por aqui por vários dias lendo os seus posts e em todas as vezes acabei por um motivo ou outro não deixando comentários. Mas estou acompanhando o seu blog que sempre nos trás coisas boas de ver e de ler!

Um beijo agradecido aqui do paraíso!
Astrid Annabelle

Calu disse...

Beth,
li cada palavra me identificando nas letras que as compunham.Sou desde muito, apreciadora do Cristovam Buarque e tbém li a crônica feita, concordando a cada linha.
Como peão deste latifúndio renegado que é a Educação Brasileira, lamento profundamente a realidade a que nos vemos entregues desde há mais de 40 anos.Não me iludo, pois sei que só por mais outros 40 de vontade política, seriedade, valorização social e profissional teremos condições de vislumbrar melhores formações para o povo brasileiro.
O abismo é tão profundo que creio haver necessidade de uma tsunami moral para lavar o lixo acumulado e dar lugar à renovação consciente da Educação no Brasil.
Bjo grande,
Calu

Élys disse...

Só existe um meio de um País crescer e se julgar verdadeiramemnte uma potência. Através da educação.
Crisstovam Buarque é o grande nome deste país.
Beijos.

Meu novo blog:
www.nocaminhodaspalavras.blogspot.com

Lu Souza Brito disse...

Oi Beth,

Cristovam Buarque é o cara. Sabe o que diz - se tivesse mais pessoas serias como ele lá na "Capital", parte dos "buracos" do país seriam tapados. Educação, principalmente.
A Dilma, assim como os demais governantes que ja tivemos ficam tapeando o povo (que muitas vezes quer mesmo ser tapeado), mascarando a verdade, colocando números e enfeitando com lacinhos a sujeira para que nao seja percebida assim como "tão suja".
Terrível!
Beijos

Lucia Cintra disse...

Olha Web-mae, o ser humano, na minha opiniao, eh a pior especie que existe nesse mundo.

Ja disse e torno a dizer que prefiro mil vezes a companhia de um animal do que qualquer ser humano... Acho que isso ja diz tudo o que penso sobre esse assunto.

bjos

Lúcia Soares disse...

Beth, tanta coisa pra nos desanimar, uma realidade cruel.
Mas temos que pensar que ainda vai dar certo. Não deu para nossos ancestrais, não está dando pra nós e nossos filhos, mas esperemos que dê para nosso netos, então!
Ou, em vez de esperar, podemos "botar a mão na massa"?
Poder, podemos. Mas queremos?
Todo mundo - INCLUSIVE EU - tem um discurso pronto. Um texto primoroso.
Mas quem faz alguma coisa?
Quem se mobiliza, realmente, por uma sociedade mais justa?
Uns poucos voluntários, milhares, talvez, dentro do universo dos milhões que somos.
Mea culpa, eu mesma não faço nada!
No entanto, se ajudar, indignemo-nos. Pelo menos!
Beijo!

Turquezza disse...

Ai Beth, você está certíssima! Eu já dei muito "murro em ponta de faca" também, mas as pessoas nos deixam de lado, nos olham como se fôssemos do outro mundo! Tem dias que canso de lutar, mas depois descubro que não sou de deixar passar certas coisas.
Fico indignada quando alguém diz "é ruim igual a um bicho".
Eu gostaria de conviver só com os bichos, o mundo seria lindo, com muito amor.
Vejo falta de educação em todos lugares, falta de responsabilidade, deboches .......
Como um país assim pode melhorar?
Sinceramente? Estou ficando cansada.
Beijos.

welze disse...

uma pena esses números, mas precisam de números? não é só olhar pela janela? precisam beber veneno para saber que ele mata? não não mesmo. não preciso ler números para saber que crianças se matam e são mortas, não preciso ler números para saber que o ensino está estagnado há anos, não preciso dos números para saber que a distancia entre o mais pobre e o mais rico cada dia que passa é maior. é só olhar a vida. o dia a dia. boa semana

Georgia disse...

Magnifico este teu post Bethinha.

Infelizmente essa é uma triste realidade. Vc nao imagina as vezes que penso aqui na grandeza que o Brasil poderia ser e nao é por causa de maus políticos. Qtas vezes eu penso que quem sabe se o Brasil fosse dirigidos por políticos como aqui na Alemanha...ah, nao sei se o Brasil tem jeito. A nova presidente acabou de chegar, e espero que ela possa mudar este quadro já que ela é mae e mulher e tem mais sensibilidade.
Sonho meu? Nao. Sonho de muitos e desejo de muitos tb.

Um bjao

ML disse...

Menina, vc sabe que eu amo bicho de paixão desde sempre, mas desde que vi um documentário sobre como algumas fêmeas tratam as crias fico "tensa" a cada vez que vejo um elefante baby. Assim como os humanos, os paquidermes adultos tb podem ser tão cruéis...


bjnhs

Silvia Masc disse...

Excelente texto Beth, mas serei breve no meu comentário,a minha ignorância me leva a pensar - Somos o 7o. no PIB, estamos sendo considerado o país em maior crescimento da América Latina, ok, mas...em educação, só ganhamos do Haiti, um pais destruido... triste não??