.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Petrópolis vive e espera visitantes em solidariedade


Fui para Petrópolis na quinta-feira passada e fiquei até ontem.  Meu propósito era levar ajuda, água e material de limpeza que entregamos na Cruz Vermelha que possui uma casa na entrada do bairro onde moro.
Também estava disposta a trabalhar, botar a mão na massa, ajudar a empacotar e distribuir os donativos como fiz no ano passado aqui em Niterói, quando em abril tivemos o desabamento do tal Morro do Bumba. 
Mas, qual não foi meu espanto, aliado à alegria ao ver de perto tantos donativos que chegavam a todo momento, por carros particulares aos enormes caminhões vindos de lugares distantes, como este abaixo que chegou do Paraná com toneladas de alimentos e água para as vítimas de toda a região serrana do Estado do Rio de Janeiro.   Rapazes e moças universitários de Petrópolis e até de Viçosa ,cidade de Minas Gerais, usando o jaleco branco da Cruz Vermelha, trabalhavam colocando colchões, engradados de água mineral e alimentos, assim como roupas ensacadas.  Tinha tantos voluntários engajados que acabei não ficando na casa, pois senti que não havia necessidade de minha ajuda, já que os jovens em férias escolares, estavam colaborando de  maneira exemplar e entusiástica.


crédito: Sandra Gioia do acordapetropolis
Diante da tragédia, o frescor e alegria desses jovens, contou com a presença do ator Rodrigo Santoro que lá esteve e acompanhou incansavelmente o trabalho dos voluntários, já que é filho de Petrópolis e sua família ainda mora na cidade.  Tudo isso encheu o ar de esperança e vigor para o trabalho. E que trabalho!  Incessante, pois até no domingo, quando passei em frente à casa, já de volta à Niterói, vi muitas pessoas trabalhando como formiguinhas, enchendo caminhões que paravam ali em frente. Espetacular a solidariedade humana, principalmente de pessoas não envolvidas com política, apenas com o sentimento de solidariedade  maior que tudo.
Caminhão com toneladas de donativos da Cruz Vermelha do Paraná chega em Petrópolis para ajudar as vítimas da Região Serrana do Rio de Janeiro (foto: Cristiane Rios/VC no G1)


A Cruz Vermelha de Petrópolis contou com voluntários vindos de outros estados do Brasil, além de estrangeiros como uma americana e austríaca,  francês e em breve contará com uma equipe de Profissionais de Saúde que estão vindo da Cruz Vermelha de Lisboa - Portugal.  Dali de Petrópolis parte ajuda para as outras duas cidades serranas que foram seriamente atingidas como Nova Friburgo e Teresópolis e ainda outros pequenos municípios que tiveram prejuízos e vítimas nesta ocorrência .

Quero deixar aqui registrado também que Petrópolis não foi atingida pela força das águas que se abateram fortemente sobre Nova Friburgo e Teresópolis naqueles 11 e 12 de janeiro fatídicos.  Não.  A localidade do município que teve vítimas fatais foi o Vale do Cuiabá que é uma região quase próxima à Teresópolis, distante 10 a 15 km do centro comercial de Itaipava e longe dos pontos turísticos e prédios tombados do Centro Histórico de Petrópolis.

Infelizmente, nestes dias em que a mídia vem noticiando o horror das mortes na região serrana, a cidade de Petrópolis ressentida logicamente por tantas perdas humanas, viu-se agora enormemente prejudicada na sua atividade econômica, com pouquíssimos ou quase nenhum turismo e as vendas na tão famosa rua Teresa, cheia de boutiques e malharias, já sente o prejuízo real.  Isso preocupa demais a todos os petropolitanos e coloca em risco o emprego de muitas pessoas.

Portanto, se o carioca quiser prestar mais solidariedade à Petrópolis, não deixe de ir prestigiar a região com a visitação aos pontos turísticos e ao polo de moda que continuam lá, intactos e aguardando turistas, compradores e revendedores.

Aproveito também para colocar aqui, meu repúdio ao silêncio das pessoas que veem e nada falam ou fazem, não denunciam, protegem, ignoram, e depois são prejudicadas ou até morrem por conta de deslizamentos, desabamentos de construções ilegais no meio das matas e florestas, beira de rios e encostas.  O mesmo repúdio as duas empresas que empurram e afundam cada vez mais estas cidades, digo, as Companhias de Águas e de Energia que na sede de ganhar mais clientes, levam de imediato estes benefícios aos moradores que invadem áreas que deveriam ser protegidas pelo Estado. Estado este que  permite construir moradias em locais de alto risco para os mais necessitados , assim como de forma conivente aprovam projetos que destroem mananciais ou diminuem os cursos dos rios, tirando-os da sinuosidade natural e necessária para diminuir sua força, tudo isso para construirem mansões ou pousadas para os super privilegiados, aqueles que tudo podem e compram, mas que foram também vítimas desse desastre a que estamos assistindo.
  

Diante deste silêncio, a natureza devastada resolveu protestar e o que vimos nestes últimos dias são estas mais de 700 mortes que ficarão na história de corrupção e impunidade na vida pública de tantos políticos e de quem detém o poder neste imenso país.


Igualmente desmando e desvario político vem ocorrendo aqui em Niterói e na complementação desse post, direciono para a amiga Glorinha que nos conta sobre a degradação de áreas importantes e que deveriam ser mantidas como santuários ecológicos.










Para refletir:  A Copa do Mundo que acontecerá no Brasil em 2014 exigirá investimentos de dezenas de bilhões de dólares para construção de estádios, vilas olímpicas, infra estrutura de trânsito e aeroportos e muitas coisas mais.
Será que está correto, deslocar tanto dinheiro, quando milhões de pessoas vivem de forma sub-humana neste país?




















17 comentários:

orvalho do ceu disse...

É, minha flor, quanta desumanidade vinda de humanos... é iverossímel!!!
Bjs de paz

Georgia disse...

Beth querida, que boas notícias. È assim que percebemos e vemos o quanto as pessoas sao solidárias.

Muito legal.

Hoje tem bolo lá no O que elas estao lendo te espero por lá.

Bjao

Lúcia Soares disse...

Beth, solidariedade é o que não nos falta, já se vê.
Acho que ainda vai levar um tempo para as pessoas não terem medo de circular pela área atingida. Uma penas que Petrópolis esteja, equivocadamente, sendo considerada área de risco. Mas logo tudo se ajeita.
Cabe aos lojistas contactarem as empresas de ônibus que elvam compradores e explicar que por lá tudo está bem.
De resto, é torcer para que as autoridades fiquem de olhos bem abertos e não mais permitam construções onde a natureza devia imperar.
Beijo!

Lucia Cintra disse...

Que bom que as pessoas estao ajudando. E o governo? Esta fazendo algo?

Bom, eu nunca concordei que o Brasil fosse um bom lugar pra termos a copa ou as olimpiadas e ainda tenho minhas duvidas. Vamos ver como vai ser daqui ha alguns anos, ne? bjos

Socorro Melo disse...

Olá, Beth!

Tenho acompanhado com tristeza esse acontecimento da região serrana do Rio, e me impressionado, também, com as ações de solidariedade do povo, o que nos faz acreditar na humanidade. E, como você, penso que muito do que aconteceu por aí, e que acontece em outras regiões semelhantes, é meramente falta de atenção dos poderes públicos,pois, a natureza, está apenas seguindo seu curso normal.

Beijos
Socorro Melo

Cacá - José Cláudio disse...

Beth, é somente nisso aí que acredito atualmente para mudar algo nesse país. O arcabouço jurídico que nos protege é necessário mas não é suficiente. A democracia política só tem servido para a manutenção dos mesmos para os mesmos( apesar de não ser a favor de outro sistema que não seja democrático). A solidariedade e aunião das pessoas, faz as coisas acontecerem rapidamente, sem burocracias, e de forma que todos ou ficam mais felizes ou sofrem menos. É assim que eu aposto numa humanidade decente. Parabéns, meu abraço. paz e bem.

Nilce disse...

Oi Beth

A solidariedade do brasileiro é nosso maior orgulho.
Eu gostaria muito de conhecer Petrópolis. Tenho opiniões maravilhosas de amigos sobre a cidade.
Quanto aos políticos, digo o de sempre: sem comentários.

Bjs no coração!

Nilce

Glorinha L de Lion disse...

Só mesmo o povo pra se solidarizar com quem precisa. Se formos esperar pelos governantes, estamos todos fritos. Ótimo post, Betita! beijos, obrigada por me linkar,

Celia disse...

Realmente é bom saber que as pessoas estao tendo ajuda e que existem pessoas ajudando mesmo. Fiquei muito triste com td isso que aconteceu. Bj

lolipop disse...

Querida Beth,
Essa enorme corrente solidária faz-nos acreditar que quando as pessoas se unem de verdade em redor duma causa, podem fazer mais do que esperar pela acção do governo.
Comovente e grandioso.
Ternurasss solidárias

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Beth, vou "começar pelo fim", falar o que penso: não acho certo copa nem olimpíadas, muito menos trem bala no Brasil. Nada contra, porque são festas bonitas, alegres, o trem bala é facilidade, etc. Mas como festejar se tanta gente ainda vive de maneira tão miserável?

com o dinheiro dessas obras, tanta coisa poderia ser arrumada no Brasil, coisas bem mais urgentes que grandes eventos.

E com essa solidariedade vc nota que é um povo que merece viver melhor, que tem muito mais gente boa do que ruim, infelizmente mtos são é ignorantes e acham "que a vida é assim mesmo".

Vc é uma pessoa que realmente faz. Foi lá, ajudou de verdade, contribuiu pra valer, com seu trabalho. Eu te admiro ainda mais!

espero que essa realidade mude, porque o povo não merece sofrer tanto.
bjs

Nina disse...

Beth, fiquei tao emocionada ao ler teu comment la comigo, no qual vc explica essa soliridariedade, gracas a Deus, sabe'?!

esse negocio de o povo construir em lugares impróprios, eh tao dificil de entender e ainda ver governo entrando e saindo e a baderna continuar... ontem falei com minha mae, fiquei tao contente de saber por ela q o governo do amazonas ta tirando as pessoas q vivem em areas d risco, evitando catastrofes... nao temos areas como vcs no rio, nada de montanhas, mas tem aqueles barrancos nas encostas dos rios, q bom saber q tem havido melhoras por la...

ps. desculpa o texto mal escrito, pedro ta no colo :-)

pires disse...

Beth, querida! Me chama mais atenção, saber que todo mundo sabe o que é certo ou errado.O que se deve ou não fazer .De imediato só visam a grana preta que vai sobrar pra eles. O resto que se exploda!
Fique com Deus menina!

Gina disse...

Fiquei feliz com esse post. Você agiu sempre que presenciou catástrofes tão perto de você. Isso é muito bom!
Outra coisa que me alegrou foi ver um pouco do trabalho feito aqui na Cruz Vermelha, onde presenciei o mutirão e colaborei no final de semana, chegar ao seu destino. Precisamos de seriedade no bem comum. O povo sabe muito bem fazer a sua parte, já os governantes...
Bjs.

Kelly disse...

Um trabalho de formiguinha que vai conseguir superar tudo. PArabéns pela iniciativa, bj

ManDrag disse...

Excelente e completo post!

Quando soube da tragédia lembrei logo do centro histórico de Petrópolis e do seu rico património e senti alívio ao saber que permanecia intocado e livre do drama que se abateu sobre as regiões vizinhas. Logo em acto contínuo reflecti sobre as razões que estariam por trás dessa preservação.
Parece que os antigos sabiam construir nas zonas adequadas e escolher os sítios mais convenientes para se instalarem e aos seus bens.
Como pudemos regredir tanto, quando afinal nos orgulhamos de ser detentores dum conhecimento científico e tecnológico sem precedentes na história da humanidade?

Qualquer povo é solidário e o povo português não foge à regra, tanto mais tratando-se neste caso do país-irmão, que é assim como nós em Portugal nos referimos à Nação Brasileira.

Abraço solidário

Élys disse...

Uma tristeza ver animais sendo desprezados pelas autoridades, que esquecem que são vidas que possuem sentimento. Muita gente está ajudando, mas a reflexão sobre os gastos com a Copa do Mundo e as Olimpíadas deveria ser feita pelas autoridades. Há muita necessidade no País, é preciso pensar nisso.
Beijos.