.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

A Deus só peço mais um dia para a Felicidade



Felicidade é um conceito subjetivo, fico então com o famoso dito popular:

"Felicidade não existe. O que existe na vida são momentos felizes."


Eu poderia fazer um post falando do que me faz feliz na vida ou dos momentos felizes que vivi, muitos assim o farão, então prefiro falar daquilo que toda criatura busca para ser feliz num contexto pleno e real de existência e vida social, afinal para que cada um possa trilhar o caminho da felicidade é preciso ter condições essenciais, tais como:

- Educação, Saúde, Alimentação, Trabalho, Moradia, Lazer, Segurança e Paz, Previdência Social,  basicamente esses itens.

E quem poderia prover tal felicidade para tantos?  Talvez alguns digam que só mesmo Deus.

Não.  A resposta para mim não é Deus, mas aquelas pessoas que têm o poder político nas mãos e voz por todos nós, demonstrando preocupação com a busca pela felicidade de um povo e de um país.






(Entrevista retirada do site Congresso em Foco:)

"Todos os candidatos colocam uma ênfase absolutamente grande na idéia de felicidade. A candidata Dilma, por exemplo, encerrou suas colocações no debate do UOL dizendo que o Brasil está mais feliz. E, se está mais feliz, eu acredito que a candidata, caso eleita, vá colocar a felicidade como um norteador de políticas públicas. Assim como eu vi o candidato Serra, numa mensagem em letreiro, afirmar que o Brasil pode ser mais feliz. Se eleito for, ele poderá estabelecer a felicidade como parametrização e ponto importante para o estabelecimento de políticas públicas. E a candidata Marina tem dito que a felicidade é o que norteia todas as relações de sustentabilidade. Então, eu acredito que todos os candidatos assumiram a felicidade de forma mais ou menos enfática, e entendendo que ela está associada à função do Estado. Ou seja, o Estado existe para servir o cidadão."

Sabemos que o Brasil tem um povo alegre,  mesmo diante de tantas dificuldades para se viver. Basta uma pequena saída de carro  pelos subúrbios cariocas em dias de jogos de futebol  para visualizarmos a euforia das pessoas em bares e lanchonetes, onde tem sempre uma tela grande de televisão e cerveja nas mesas e o famoso 'churrasquinho de gato'.  A última Copa do Mundo foi assim, uma grande alegria nacional.  Acontece que parecer não quer dizer ser.

Pode isto ser chamado de Felicidade?  Será mesmo essa a tal felicidade?

Para mim isso não passa de "sensação", ou seja, as pessoas têm a sensação de que são felizes porque estão ali, gritando, rindo, bebendo, falando, torcendo, enlevados pelo momento, ignoram a realidade,  mas quando voltam para suas casas e seus quotidianos não não assim, pelo contrário, são tristes e revoltados até pelas condições difíceis de existência.
O que realmente impede a felicidade das pessoas é a corrupção e os políticos corruptos que roubam o dinheiro público e nesse contexto é que devemos focar num momento tão delicado como este que estamos vivenciando agora, há poucos dias de eleições gerais em nosso país.  Afinal, felicidade está ligada à condição que mexe econômica e politicamente na vida de um cidadão. Precisamos de gente que estimule as políticas públicas para que melhore a qualidade de vida das pessoas, fazendo-as assim felizes verdadeiramente.

Vamos então exigir nas urnas, com nosso voto precioso, a estes que aí estão, candidatando-se a conduzir este imenso e rico país, que lutem com vontade  pela felicidade de nosso povo e não pelas suas próprias como vêem fazendo sistematicamente ano após ano, governo após governo.

De resto, saberemos o que fazer, basta que tenhamos mais um dia para viver.













Este post faz parte da Blogagem Coletiva "Sentimentos e Emoções" promovida pela Glorinha do Café com Bolo.














37 comentários:

Mari disse...

Eu gostei mt do seu ponto de vista. Às vezes engolimos a felicidade herdada culturalmente, sem ao menos questionar pq aquilo existe.

E concordo que há momentos felizes e não a felicidade plena.

É tanta palhaçada no cenario politico do Brasil, tanta gente cega e fanatica por um homem(Lula)...Tão endeusando ele e isso tá passando dos limites.

É difícil lutar contra os poderosos... isso que vivemos nos paises considerados em desenvolvimento não é democracia nem a pau.

Parabens pelo post!

Beijos Beth!

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Venham então os momentos felizes :)

António Rosa disse...

Dos melhores posts que li até hoje, e dos que mias gostei.

Abraço.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Nossa, Beth, que texto!

Eu gostei dessa associação da felicidade ilusória que é a euforia do pretenso progresso econômico feito com a real felicidade, que é algo estável, conquistado, duradouro em bases sólidas.

Ou seja, a real necessidade de criar um novo Brasil firme no progresso. Sem ser o Brasil da esmola e da bolsa, mas o pais que cresce e que seu cidadão cresce na mesma medida.

Eu sinto que, com a atual situação mais "tranquila" no país, muita gente relaxou com a importância no ato de votar. É como se fosse brincar em um videogame a escolha do candidato na máquina de votação.

Excelente texto.

Camille disse...

Nossa que excelente analise dessa coisa toda da politica inclusive. Voce tem toda razão, para se almejar a felicidade é preciso quezitos basicos minimamente preenchidos, de dignidade humana. Senao fica aquela coisa da India- tem ser muito religioso para viver naquela miseris e nao se revoltar e sair por ai praticando o que for nao é?Eo Brasil conhece essa miseria.
Portanto para se chegar a uma felicidade, a que seja possivel, momentos , dias, estado de felcidade, é preciso que alguem cuide dessa parte que os politicos tem o poder para.
Claro que todos vao falar da felicidade, se a felicidade é o que se quer. Mas será que vao prover mesmo? O governo do Lula, falou , falou, ele ficou 20 anos para se preparar para ser presidente, teve dois mandatos e nao contentou a ninguem. O que fez pelos pobres foi minimo e o povo ja esta muito grato. Destruiu a possibilidade da existencia da pequena empresa que gera tantos empregos. E esta ai beijandoa mao de Sarney, de Collor. Para mim o presidente tem que ter carater e dignidade pessoal e curricular, para ter omeu voto. Assim espero que alguem tenha isso. Acredito que a Marina seja boa, mas nao conheço tudo dela. Me parece firme apesar de ter pouca sustentaçao politica. Vou votar nela.
Bjos e obrigada pelo otimo post!
Cam

LILIANE disse...

Bom dia.
Concordo com tudo o que você diz.
Temos um país com riquezas enormes, um povo que em sua maioria é bom e que poderia ser muito mais feliz.
Se tivermos governantes que exercem seus cargos com responsabilidade, cresceríamos como nação.
Diminuiria a violência, o desemprego, o analfabetismo e tantos outros problemas sociais.
Cada pessoa que vota de forma consciente na verdade, está contribuindo para uma sociedade mais justa e feliz.
Esse ano quero fazer diferente, quero, através da internet, pesquisar um pouquinho os candidatos antes de votar.
Parabéns pelo blog e pela excelente postagem que fez hoje.
Grande abraço

Leci Irene disse...

Bom dia! Um enfoque diferente sobre a felicidade! Esperamos que qualquer um dos nossos candidatos não esqueçam do que precisamos para sermos felizes!

Lis. disse...

Bom dia...

Já pude notar que o bom da blogagem coletiva são os temas universais que entram em foco. E os comentários que faço, quase todos também centrados.

E portanto, transcrevo abaixo um comentário que fiz num outro blog e que acho bem apropriado apresentar-te:

Espero que goste...

Há dez anos atrás comecei a fazer um trabalho de doutorado sobre o tema: Felicidade. Hoje, posso começar este comentário afirmando-lhe que a felicidade simplesmente não existe.

Pense bem e pense comigo: Se pudessemos separar todas as alegrias possíveis de serem vividas, teriamos encontrado a felicidade.

Mas como seria possível encontrá-la neste mundo onde precisamos da presença da tristeza como contraste? Só reconhecemos a alegria graças a existência da tristeza.

Então... conclusão:
Felicidade é uma utopia,
ou apenas senso direcional.

Se trilhamos o destino onde pelo caminho só aparece tristezas, alguma coisa está errada, e pode ser que estejamos indo para o lado errado, para o lado contrário da Felicidade rumando para o sofrimento.

O sofrimento também não existe, o sofrimento puro também é utopia. E em verdade vivemos entre altos e baixos mediante oscilações.

Imagine que coisa interessante: Sabemos o que é calor por termos o contraste do frio. Se não houvesse frio e tivessemos uma temperatura constante e sem variantes de digamos 36Cº aconteceria de nem existir a palavra: TEMPERATURA.

Consequentemente: Se vivessemos só as alegrias, nem mesmo a palavra FELICIDADE existiria.

Entretanto, quando passamos a ter muitas alegrias, a linha mediana sobe e certamente estaremos mais perto da paz. Imagine uma pessoa atada a um eletrocardiograma, onde o coração dá picos de altos e baixos, e de repente o coração pára. Morreu... encontrou a paz finalmente.

Isto é impossível por estamos vivos, mas não ter paz, é não estar dirigindo-se rumo a... Posto que a paz é a real gratificação de estarmos trilhando o caminho que presupostamente conduziria a Felicidade.

Então...

Felicidade
é só senso
direcional
e de paz.

Isadora disse...

Beth, felicidade são momentos felizes e que juntos formam a felicidade e concordo que é difícil ser feliz quando o básico nos falta e pensar que ainda assim, algumas pessoas são felizes.
Fica aqui um alerta para outubro.
Um beijo

disse...

Olá Beth. A paz que você citou, vejo integrado com a felicidade e lendo o que você escreveu, assim como outros textos que já tive a oportunidade de ler na Blogagem, vejo o valor da felicidade para todos. É uma busca, um caminho a seguir e nao estamos sós. Bjosss

Liza Souza disse...

Beth, gostei do post principalmente por voce ter tocado num ponto diferente que nos faz refletir. Realmente tem muita gente pelo mundo a fora que vive em condicoes terriveis e que tem a sensacao erronea de felicidade e que por ter essa sensacao nao exige os seus direitos de uma vida mais justa e mais digna. Um ótimo texto para ajudar na hora da escolha que os brasileiros terao que fazer no mês que vem.
Beijos

Ana disse...

Bacana este conceito político de felicidade.
Faz sentido.
Como ser individualmente feliz convivendo com a miséria, a violência, a doença?
Mais um bom motivo para votar com carinho, com atenção!
Um beijo!

Bleeding_Angel disse...

Beth, sua blogagem eh de consciencia, parabens!
Realmente, isso q vc flw da euforia das pessoas bebendo e "comendo churrasquinho de gato" eh uma felicidade falsa, assim como a falsa felicidade de um dependente quimico q, qndo termina o efeito de suas quimicas, morre de depressaum ao se sentir insatisfeito com sua existencia ou qlquer outra coisa q o incomoda e o levou a esse circulo vicioso.
Eu tbm naum acredito nesta "felicidade" do povo brasileiro naum, isso me soa mais como alienacaum. E vc tem razaum, precisamos estar conscientes pra q haja melhora em nosso pais.
E a felicidade naum eh algo inatingivel, eh apenas saber dar valor as pequenas coisas, ao basico msm, e como ser feliz sem ter o basico, naum eh msm?
Fik meio dificil de acreditar...
Um bom fim de semana pra vc.

Glorinha L de Lion disse...

Betita, muito bom seu texto e teu enfoque diferenciado da felicidade. Se os governantes de nosso país realmente deixassem de se preocupar com a felicidade deles próprios e mais com a felicidade do povo e do país, seríamos a nação perfeita, o paraíso na terra. Pq feliz, mesmo com todas as dificuldades, nosso povo já é. Basta que os governantes façam jus ao poder que possuem de dar essa tal felicidade aos brasileiros. E que as pessoas se conscientizem de que podemos mudar o Brasil, juntos, rumo à felicidade, na hora de votar. bjs.

Lúcia Soares disse...

Beth, pra maioria dos estudiosos, a felicidade independe de causas externas.
Concordo com você que a gente precisa de uma certa paz, uma tranquilidade, para até podermos apreciar o belo e nos sentirmos felizes.Nesse ponto, concordo, sim, que nossos governantes são responsáveis por nos dar condições para sermos felizes.
Mas não é só.
A felicidade tem que vir de dentro.
Você sabe, que em vários estudos com pessoas que vivem nas ruas, o conceito de felicidade deles é a liberdade que têm? Que muitos têm parentes, casas boas, mas querem ficar na rua, livres de impostos, contas a pagar, responsabilidades?
Pois é...Uma triste realidade e lhe digo, também de ler, que não é apenas no Brasil, é no mundo todo que existe gnte que não quer sair das ruas e e está feliz.
Coisa louca, né?
Felicidade é mesmo subjetiva.
Beijo!

Bordados e Retalhos disse...

Nossa ficou tão bacana sua postagem associando a felicidade com a política. Gostei, porque realmente para tantas coisas, que fazem nosso povo feliz, como saúde, educação, comida, Deus capacitou homens e mulheres. Basta ter vontade política e entender que essas ações são de responsabilidade de todos nós. Bjs querida

Nilce disse...

Oi, Beth

Gostei do enfoque do teu texto voltado para a política.
Não podemos pensar em felicidade com esse povo sofrido que vive de momentos de euforia. Se achamos que felicidade é apenas isso, deixamos de lutar pela melhoria num todo.
Que tenhamos sempre mais um dia para sermos felizes e que nossos futuros governantes não iludam mais seu povo com "presentinhos de felicidade".

Bjs no coração!

Nilce

Kelly disse...

Muito bom!! Você uniu o momento eleitoral que vivemos, com o tem ada blogagem. Nossos superiores tem sim seu papel a exercer, acredito que seja muito mais fácil ser feliz quando se tem seus direitos respeitados.
Adorei. Grande beijo

Cantinho She disse...

Oie... gostei demais do seu post, mas confesso que votar pra mim não me deixa nada feliz, pois já que vivo num país que é dito democrático, adoraria ter a liberdade de escolher se voto, ou não... mas enfim... c'est la vie!
Beijo, beijo e excelente fds! ;)
She

Tati Pastorello disse...

OI Beth, você falou de uma felicidade coletiva. A felicidade de um povo. Quando nos referimos ao povo brasileiro é a um povo sofrido, não um povo feliz. POr mais que faça troça, curta samba, carnaval, futebol... É sofrido!
Concordo que nossos políticos (cada dia mais envolvidos com o show de calouros) deveriam ser mais comprometidos com a realidade do cargo e menos com favorecimentos pessoais. Aí entramos nós, só nós podemos exigir isso deles. É nosso dever!
Adorei!!! Beijos.

Françoise disse...

Também concordo com você. Viver numa euforia não é ser feliz. Muitos ainda se embriagam e perdem o sentido da vida. Isto é felicidade???? Sabem buscá-la? Senti-la? Sei lá.

Quantos a política , o que o poder busca é ver o povo emburrecido pra eles fazerem "c..." na cabeça deles.

...finge que governo e vc finge que está feliz, tá bom assim???????

Abraços ,
Bom final de semana!

ML disse...

Agora a moda entre os candidatos é prometer felicidade?

Deviam prometer trabalho - começando por eles mesmos.

Ai, com essa eleição aí vai ser difícil ser feliz...

bjnhs e ótimo feriadão.

Dani dutch disse...

Web-mãe, tudo bem?
Sumi por causa de uma gripe que até agora não foi embora.
Mas falando um pouco de politica, recebi por e-mail a relação dos candidatos... e eleição-a-eleição, não sei porque fico mais desanimada, pois cada candidato que aparece.
Eu nao transferi meu titulo e vou justificar meu voto em janeiro.
bjuss

Gina disse...

Beth, não esperava encontrar esse enfoque de felicidade, mas você lembrou bem. Existe uma frase famosa, que diz que o Brasil é o país de futuro. Futuro, futuro, futuro... e vamos postergando cada vez mais, porque os que assumem, só desejam a própria felicidade...
Fico feliz que tenha gostado do blog.
Bjs.

Cris França disse...

alegre não é palhaço amiga?

adoreia essa imagem e esse trechinho que vc colocou, é de uma musica do Odair josé, meu pai tinha o disco e vivia tocando.

bjs Beth querida

Macá disse...

Beth
Era só o que faltava não? Os políticos prometendo felicidade! kkkkk
Em época de eleições a gente ouve cada baboseira. Eles prometem tanta coisa para depois cumprir só uns 10%.
Acho que se eles tivessem mesmo um programa de governo que cumprisse as metas, que não houvesse tanta bandalheira, sujeiras, o povo já seria mais feliz.
Mas o duro é que esse povo que mais sofre, é o que acaba elegendo tanta gente ruim, só por causa de umas migalhas.
Adorei o texto Felicidade X Política.
beijos

Cadinho RoCo disse...

Não só acredito como digo ser obrigação de cada um de nós procurar a felicidade antes em seu próprio ser. Já quando a coisa ganha dimensão social, aí a conversa é diferente porque estamos num país totalmente corrompido e com educação escassa, o que dificulta em muito termos eleições sérias, confiáveis e compatíveis com o que de fato precisa e merece o nosso Brasil.
Cadinho RoCo

manuel marques disse...

A felicidade é como um rio que corre dentro de nós,

Beijinho.

Georgia disse...

Bethinha tudo bem?

menina parece incrível que consegui chegar na blogesfera e logo numa semana falando em felicidade. Que delícia de tema para a quem a conhece para a quem a vive, para quem a viveu.

Que tortura de tema para quem nunca a teve e vive numa busca constante.

Meu desejo é que todos de alguma forma encontrem a sua felicidade.

Um beijao

Astrid Annabelle disse...

Olá Beth! Bom dia!
Você explorou um tema interessante...felicidade versus política.
Nos meus mais de sessenta anos nunca vi isto acontecer! Aonde está a política não existe a possibilidade da felicidade existir! Essas energias não combinam.
Osho disse uma vez que para ser político é preciso gostar da porta dos fundos da casa...sabe por quê? Por que um dia terá que sair na surdina!!!! Precisa dizer alguma coisa mais?
Agora o povo merece porque não leva a sério o voto...é tudo uma grande brincadeira...
Gostei da sua participação.
Bom feriado no seu paraíso querida!
Beijo doce.
Astrid Annabelle

Eduardo disse...

Beth, vamos colocar os problemas em um lugar separado e decidir estar feliz em qualquer circunstancia. Eh uma decisao diaria que nos fara sentir melhor, afinal a vida eh uma so, aqui e agora.
Um abraco
Shrek

Luma Rosa disse...

Gostei tanto, tanto, tanto! Que acrescentei seu link lá no luz!! Bom fim de semana! Beijus,

Luma Rosa disse...

Gostei tanto, tanto, tanto! Que acrescentei seu link lá no luz!! Bom fim de semana! Beijus,

James Pizarro disse...

Viram na TV a reportagem sobre os políticos na Suécia ? Os deputados não tem assessores, têm de fazer seu próprio serviço e ganham apenas 200 reais por mês e com obrigação legal de prestar conta onde foram gastos. Fazem o serviço em casa de digitação, projetos,andam no seu próprio carro, pagam sua própria gasolina, etc...algo inimaginável no Brasil. Uma deputada sueca perdeu o mandato pq usou parte dos 200 reais para comprar uma caixa de chocolates pra dar para alguém. Quer dizer...o problema é cultural, é etico, é comportamental, é de vergonha na cara !

Beijo

James Pizarro

Socorro Melo disse...

Oi, Beth!

Excelente abordagem sobre a felicidade coletiva, de um povo.
Os nossos representantes têm essa atribuição, de proporcionar os meios para que o povo viva feliz, tendo boa qualidade de vida, e sendo atendidos nos seus direitos básicos.
Infelizmente, às vésperas das eleições, quando deveremos escolher nossos representantes, não conhecemos nenhum programa de trabalho, parece que estão preocupados apenas em jogar lama no ventilador. É dessa forma que trarão felicidades ao povo, à nação? Mais uma vez nos sentimos lesados.

Mas, desejo-lhe muuuuuitas felicidades, amiga!

Ah, o poeminha, é da minha autoria sim, tão singelo, né? Obrigada pelo carinho.

Socorro Melo

orvalho do ceu disse...

Olá, querida
Vc fez um post tão atualizado... bem dentro do contexto que estamos vivenciando...
Tomara cheguemos a tão "pregada" FELICIDADE...
Creio, que todos desejamos a FELICIDADE SOCIAL.
Abraços e bjs felizes pra vc.

ELA disse...

Oi, Beth!

"Cheguei" pra coletiva atrasada porque minha pequena esteve doentinha no fim de semana. Mas não podia deixar de passar aqui ;)

Importante a sua abordagem, das mais enriquecedoras reflexões. De alguma maneira vc nos propôs que há uma espécie de banalização da definição do sentimento. E é verdade. Quando se tem uma vida difícil, e isso refere-se a maior parcela da população brasileira, os raros momentos de lazer são de fuga e alienação. Nada tem a ver com a felicidade, na versão mais profunda de plenitude. Na verdade, acredito que essa "maioria" nem se quer tenta buscar isso ou pensa a respeito. Porque as carências mais urgentes são tão vicerais que não resta tempo para mais nada... Isso é que é realmente triste.

Obrigada por compartilhar do sonho de que um dia possamos ver nosso povo desfrutando de verdade, dando adeus a essa vida miserável e curta.

Um abraço,
Michelle