.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Errando e aprendendo

Errar nem sempre é ruim, pois podemos aprender muito com o erro e nos tornamos mais humanos e experientes.
Mas, que é chato isso é.  Principalmente quando você tenta fazer algo, pensando que vai agradar e dá tudo errado.  E foi o que aconteceu ontem, quando na tentativa de deixar uma carne ficar mais saborosa, coloquei um pouquinho de uma substância chamada Fondor que muita gente conhece, gosta e cozinha sempre, mas aqui em casa, eu e maridex somos hipertensos e não podemos comer com muito sal.


Posso lhes assegurar que a carne ficou uma delícia, e na segunda vez que repetimos é que ele observou que ficou um pouquinho salgada e perguntou-me o que eu tinha colocado nela para dar todo aquele sabor.  E como não sei mentir, ainda mais pra ele, contei-lhe o segredinho e aí ... bem, aí a coisa degringolou e lá foi ele para a despensa pegar o maledito tubinho para ler, aquelas letrinhas miudinhas,  a quantidade de sódio que continha em cada colher de chá daquele produto, ou seja, 1,282mg, 53% e botei isso e mais ainda o tempero do alho com vinho.


Mas, sou também daquelas pessoas que aceita ouvir que está errada e prometo mudar, aliás já joguei fora todos os tabletinhos de knorr, mesmo os lights que tinha comprado noutro dia e o Fondor de frango e carne também, pois são alimentos perigosos para quem tem problemas de pressão arterial, pois a alta concentração de sódio nesses condimentos é  inimigo mortal da pressão normal, pois vai jogá-la para o alto.
Outra característica do sódio é a capacidade dele em fazer com que seu corpo absorva e retenha líquidos, que além de contribuir para a alta da pressão faz com que as pessoas fiquem inchadas.  Portanto, o sódio acima de 1.200 mg por dia, torna-se uma verdadeira bomba atômica.

Mas, daí ele me explicou tudo isso e ainda disse que se fizermos uma pesquisa na internet podemos constatar que o sódio está presente em diversos alimentos do nosso dia a dia, portanto é mesmo difícil hoje em dia evitá-lo totalmente, pois ele tem uma função muito importante na indústria que é ser um importante item na conservação dos alimentos.

Ok, aprendi de vez que tenho que maneirar  no sal e ficar de olho na composição do teor de sódio nos alimentos.  O marido me explicou que aqui no Brasil, já se tornou lei ter exatamente a quantidade de sódio em cada alimento, além do indicador VD que expressa a quantidade em percentual, por exemplo:  se em um alimento comprado o VD for de 40%, isto quer dizer que aquele alimento contém 40% do sódio que você pode comer durante o dia e aí já viu né, você terá que controlar esta ingestão.

Então, voltando ao tema errar e aceitar o erro e consertar as coisas, parece que pra mim não é tão difícil assim, ainda mais se eu tenho um professor tão explicadinho nos miiiiiiiiiinimos detalhes.



Aprender com os Erros


1-  Quem tem medo de errar se arrisca menos e, por isso, perde oportunidades de viver situações enriquecedoras.


2-  Já reparou o quanto é difícil conversar com alguém com apenas méritos e conquistas para exaltar?


3-  O erro faz parte do crescimento.  Ser perfeito faz estagnar.


4-  Aceitar as imperfeições torna as pessoas mais tolerantes.


5-  Os indivíduos perfeitos vivem em um mundo idealizado.  Se busca a perfeição, prepare-se para o choque com a vida real.


6-  Quem não tem medo de errar é mais aberto às novidades, aceita melhor o diferente.


7-  Quem não se arrisca pode passar a vida inteira sem ao menos, aproveitá-la de verdade.


8-  A perfeição inibe a chance de novas opiniões e a mudança para melhor.


9-  Você pode ser imperfeito sem ser irresponsável.  Aproveite todas as possibilidades que a vida oferece, encontre caminhos e respostas por meio dos erros e acertos sem ferir o direito dos outros.


10-  Permita-se ao erro, caso contrário, poderá não ter histórias para contar aos netos.






(Susy Camacho, psicóloga e terapeuta familiar)









16 comentários:

Ana disse...

Que post mais bonito e mais cheio de carinho e de cuidado...

Parabéns pela relação que vc tem com seu marido!

Feliz Dia dos Namorados, com menos sal e muita doçura - daquelas que não provocam diabetes! heheheh!

Beijooo!

Ivana disse...

Bethinha, realmente o sódio está em tantas coisas que comemos e nem sabemos! Espero que apesar disso, vocês tenham ficado bem!
Quanto aos erros... Como evoluiríamos, sem ele?
Beijos!

Cris França disse...

Oi Beth,

eu acho que desde que a crítica seja construtiva, tenho uma abordagem sadia, todo mundo ganha.
Duro mesmo é quando as pessoas o fazem só por maldade, e humilham, esculacham, ai não pode.
Somos todos cheios de erros e acertos, no fim acho mesmo, que é disso que é feita a massa que compõe o ser humano.
Beijos

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Já gostei desse texto de cara, pela citação do texto da Susy Camacho. Gostava dela como atriz e mais ainda como psicóloga.

Tb tenho tendência a ter pressão alta. E gosto de um sal. Eh complicado controlar, a gente adora o tempero bem salgadinho, etc... mas tudo faz parte da reeducação alimentar.
A gente tende a exagerar no açucar, no sal... e a saúde cobra o exagero. Vc tá muito certa. Gostei da sua coragem de jogar fora, eliminar o mal pela raíz.

Bom fim de semana pra vcs.

manuel marques disse...

O maior erro na vida é o de ter sempre medo de errar .

Beijo.

Obs.Diga ás sua amiguérrima Glorinha que me faça o favor de ser feliz.

Lúcia Soares disse...

Salé um perigo, Beth. Temos que ficar mesmo de olho nas informações em embalagens de alimentos. Gosto de comer pipoca com o fondor, mas coloco bem pouquinho. Independentemente de fazer mal ou não, aqui em casa sempre usamos pouco sal. Meu marido comia com prazer a "papa" de arroz que a mãe fazia, sem sal nem tempero algum. Pra agradar a ele, a comida tem que estar no ponto, não pode passar nadinha no sal.
Não é errando que se aprende, claro, ninguém quer errar primeiro pra depois aprender. Mas do erro, se tivermos interesse, podemos tirar acertos pro futuro.
O que não podemos é ter medo de ousar, como muitas vezes tenho. Mas o que realmente me interessa, enfrento.
Beijos!

Lu Souza Brito disse...

Ai Beth, aqui na casa da sogra também tentamos controlar o sal pelos mesmos motivos.
Mas por outro lado eles abusam do ácuçar, como são formiguinhas...
Errando que se aprende né? Mas quando tem alguém para melhor nos informar, fica mais fácil mesmo.
Bjinhos e lindo dia dos namorados pra vcs. Eu tô em casa de molho, com uma enxaqueca enlouquecedora desde o fim da tarde de ontem. Agora deu um alivio, mas não passou. Quem merece né???

Mari disse...

Deve ter ficado boa mesmo. Esses temperinhos são bons...Mas tudo que é bom engorda, ou faz mal, em excesso. Então é bom maneira mesmo.

É assim, vivendo e aprendendo! Bjs

Françoise disse...

Nossa Beth, eu tenho pressao alta e tenho cozinhado com muitos condimentos. Tenho me sentido um pouco inchada , fora do normal. Dias desses falei pro Marcio que nao me sentia bem. Preciso ficar mais atenta com minha alimentação, tenho duas meninas pra criar......ai!
Tá vendo, aprendi com seu erro.

Beijos

Luciana Håland disse...

Beth, eu adoro um sal, mas nem tanto na comida que cozinho, mas em frutas. Depois que vim morar aqui, por um engano do meu marido, passei a não usar sal na comida que cozinho, só coloco na carne, e mesmo assim um pouquinho e de uma mistura de sal e pimenta, e esse é todo o tempero que uso, mas adoro uma comida temperada. O engano do meu marido foi que quando cheguei ele que fazia a comida, e näo colocava sal em nada, pois esquecia sempre, e eu achei que fosse costume daqui, e fui acostumando a ficar sem o sal e achando bom pois retenho líquidos, daí depois disso eu também passei a cozinhar sem sal, salvo as poucas excecões.

Muito legal essas dicas de Susy Camacho.

Beijo

silvia masc disse...

Beth, eu diria que você fez muito bem em descartar esses temperos, Arthur, tem comentado que na Espanha, os pratos industrializados tem um teor mínimo de sal, isso porque eu o lembrei de observar já que o jantar é ele quem prepara (tira a embalagem e coloca no micro ondas, já que ele não tem muitos dotes culinários, e descobriu uns pratos bem saborosos por lá. Para quem come pães integrais, sugiro tb. observar o teor de sódio, observo que cada marca usa uma quantidade, algumas, altíssimas.Não devemos esquecer , que o sal tem efeito cumulativo na quantidade que ingerimos diáriamente.E cá entre nós, os temperos naturais deixam a comidinha bem mais gostosa não?
Muito legal o seu post.

Minha vida está quase normal,quando então voltarei a navegar por aqui, com mais frequência.

beijinho

silvia masc disse...

Oi Beth, eu havia caprichado no comentário, mas ... falhou... lembro agora de você observãr os pães integrais, caso vc os consuma, a variação de sódio entre uma marca e outra é assustadora, lembrando que o consumo diário, é alcançado e muitas vezes ultrapassado, pelo efeito cumulativo de ingesta diária.

beijinho.

Rosamaria disse...

Aqui em casa começamos a diminuir o sal quando meu marido descobriu que estava com pressão alta, mas usamos muito o caldo knorr, ele diz que com knorr é melhor e não adianta.

Com certeza, Beth, só aprendemos com os nossos erros.
Bjim, cosquirídia.

Sonia H disse...

Beth,
Aqui em casa é a mesma coisa. Não somos hipertensos mas temos tendência a termos pressão alta...Descobri também que aquelas massas de tomate possuem muito sódio também.
Beijos,

ML disse...

Obrigada por mais esta dica de saúde, Beth!
Eu não uso esses "caldos" (fico com dor no estômago), mas tenho de aprender a maneirar no sal.

bjnhs

Dani dutch disse...

OI Beth, eu aqui faço sempre kibe e os holandeses que vem em casa todos gostam, um dia inventei de mostrar a farinha com que eu faço o kibe, depois desse dia nunca mais comeram.. mas vivendo e aprendendo.. bjuss