.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 25 de maio de 2010

Nosso Espaço






"No Japão, onde muita gente convive há anos com pouco lugar, o espaço é sagrado.  Surpreende a extensão dos jardins do palácio imperial no centro de Tóquio, uma cidade onde nem milionário costuma ter mais de dois quartos, o que dirá um quintal.  É que o espaço é a suprema deferência japonesa.  O imperador sacralizado é ele e sua imensa circunstância.

Já nos Estados Unidos, reverencia-se o espaço com o desperdício.  Para entender os americanos você precisa entender a sua classificação de camas de acordo com o tamanho:  Queen Size, tamanho rainha, King Size, para reis, e, era inevitável, Emperor Size, do tamanho de jardins imperiais.  É o espaço como suprema ostentação, pois - a não ser para orgias e piqueniques - nada é mais supérfluo do que espaço sobrando numa cama, exatamente o lugar onde não se vai a lugar algum.

Os americanos ainda não se deram conta de que, quando chegar o dia em que haverá chineses embaixo de todas as camas do mundo, quanto maior a cama, mais chineses."


Quem escreveu esta pérola foi o maravilhoso escritor gaúcho Luis Fernando Veríssimo em O Mundo é Bárbaro e o que nós temos a ver com isso -


Achei ótima a crítica social e ao mesmo tempo a bem humorada forma dele colocar a questão do espaço que ocupamos hoje em nosso planetinha, afinal num momento em que o próprio "ser humano trata de perder volume, não por razões estéticas ou de saúde, mas para poder caber no mundo", como ele também diz, vemos o exagero que o mesmo ser humano comete ao adquirir carros gigantescos e pouco econômicos, excesso de produtos à venda e adquiridos sem pensar ou pesar se vale à pena, as cidades crescendo de forma desordenada e alastrante , como também o pouco interesse dos governos em pensarem uma nova forma de controle da natalidade e o planejamento familiar.


Este mundo ainda é mesmo bárbaro!  E Veríssimo começa sua cronica como termino por aqui:

"Já somos 6 bilhões, não contando o milhão e pouco que nasceu desde o começo desta frase.  Se fosse um planeta bem administrado isto não asustaria tanto.  Mas é, além de tudo, um lugar mal frequentado."











14 comentários:

Lucia Cintra disse...

Eu nao gosto muito que as pessoas critiquem os americanos, pois se essas mesmas tivessem oportunidade, fariam igual. Pelo menos, muitas que conheco...

Eu ja tenho outra mentalidade, se eu posso, porque nao? Usando esse exemplo do texto, aqui em casa, nos temos uma cama Queen size, mas vamos comprar uma King quando comprarmos nossa casa. Temos dois carros, mas temos intencao de comprar mais um, queremos uma casa grande, com um terreno enorme so pra nos dois e nossos cachorros e por ai vai.

Nao acho desperdicio de maneira alguma, acho que eh a mentalidade de cada um. E eh assim que eu vejo as coisas.

Se o espaco no planeta esta ficando pequeno, talvez entao devemos focar sim na natalidade, mas esse assunto eh polemico demais e nem vou entrar em detalhes.

So posso dizer que no nosso mundo atual, muita gente ainda continua tendo penca de filhos dos quais nao tem condicoes de cuidar direito e as consequencias ficam ai pra gente ver e lidar. Mas vou parar por aqui.

bjos

Eduardo disse...

O mundo tem gente demais e precisa haver uma reducao, alem disso esta mal distribuido...
Ja viu quanta gente disputa as terras desertas do Oriente Medio...
Coisa de louco
Shrek escondido no pantano

Glorinha L de Lion disse...

Ele é muito bom mesmo...e se pegarmos nosso país como exemplo, aí é que poderemos dizer: vai ser mal frequentado assim na tonga da mironga da casa do ca...rsrsrs..beijos de depois da meia noite, já virei gata borralheira....

Barbie Girl disse...

Olá Beth

E como é verdade!! O veríssimo sempre nos faz pensar com suas crônicas realistas!!

beijos no coração!

Lúcia Soares disse...

Beth, Veríssimo é imbatível.
Com humor ele consegue falar de assuntos sérios. Uma leitura divertida e rica, sempre.
Beijos!

Misturação - Ana Karla disse...

Bom dia Beth, vi seu recadinho lá no blog da Glorinha,,, não sei o que está acontecendo com o meu blog, mas vou dar uma olhada sim.
Vale mais a intenção.
Obrigada.
Xeros

Georgia disse...

Beth, concordo com o comentário da Lucia. Eu acho que há uma superpopulacao. O planeta tá cheio de gente que nao sabe nem porque veio ao mundo. Pessoas que nasceram para sofrer, para passar fome, porque os pais tiveram muitos filhos. Mocinha de 14 anos sendo mae a cada ano e por ai vai...mas fazer o quê num mundo em que a maioria nao pensa. Te garanto se cada um tivesse tido 2 filhos nao teríamos esse caos que estamos tendo. Infelizmente o planeta tá cheio de porcalhoes.

Sua foto no perfil está lindíssima!

Sonia Notaro disse...

Bom texto, muito complexo, pois a humanidade necessita valorizar seu "espaço" que é o universo com todo o seu potencial e divindade.Se permitir enxergar com o coração o que ele lhe fala, libertando-se do egocêntrismo.Aprender a partilhar...dividir sem medição ou comparações.Não somos os donos da terra, mas somos responsáveis pelo que nela produzimos, seus efeitos e causas intependentemente do espaço que ocupamos.É importante encontrar o bom senso dentro de cada um para que todos possam usufruir desse planeta maravilhoso, num Universo grandioso.
Sempre positiva, Sonia Notaro.
bjs,bjs,bjs.

Tati Pastorello disse...

Beth, não sei se começo o comentário com uma risada hahaha ou um suspiro snif. O texto faz rir, mas a questão é mesmo alarmante. Soma-se a isso nossa necessidade de consumir e descartar tecnologias, estas que agora tornam-se obsoletas quando terminamos de passar o cartão. E o que se faz com a tecnologia ultrapassada? Jogamos fora.
Tão american way of life (tão brasilian way of copy...). Hora de mudar.
Ótimo post.
Beijos.

Lu Souza Brito disse...

Tem que começar pela educação (planejamento familiar) né Beth. Caso contrário,daqui a pouco tem gente morando um em cima do outro, como no oriente, Deus me livre.
Por isso quero só um filho - dois no máximo.
Sobre as camas, ahhhhh, tenho que discordar: eu adoro cama queen size e tenho uma. Marido é espaçoso, eu idem. A gente tem que dormir confortável né?

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Falando em espaço, por aqui é tudo pequeno também, as ruas do centro da cidade de Zwolle então, passa um carro só e o outro precisa subir na calçada ( fico imaginando eu dirigindo lá nessa situação, ai jesuis)e na visão dos holandeses o status por aqui é filhos, estranho né, foi o que pensei quando ouvi, mas depois parei e comecei a observar, pais pra cima e pra baixo com 3 filhos... acho que o planejamento familiar não chegou por aqui .. bjuss

Dani Etoile disse...

É verdade, às vezes dá vontade de se mandar para marte hehehehe
Bj
Dani

manuel marques disse...

Os nossos desejos ocupam maior espaço do que as nossas necessidades ...

Beijo.

Anne Lieri disse...

Beth,muito reflexivo seu texto!Deveria haver uma redistribuição de espaço pelo mundo,pois enquanto uns poucos tem tanto,outros mal podem se mexer!Adorei seu post!Bjs,