.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Em algum lugar do passado

Eu estive estes 3 últimos dias em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro, na casa de minha amiga de infância Lurdes e sua maravilhosa família, Eduardo (marido), Taísa e Thamara suas duas lindas jovens filhas. Somos amigas desde os 7 anos de idade, crescemos juntas, estudamos juntas e nossos elos de amizade são como o de uma grande família. Seu pai, sr. João, português bonachão e octogenário, ainda participa dos nossos encontros, sempre de carinha feliz e com um versinho ao estilo lusitano para contar seus casos passados. Na foto, a família toda, mais o namorado da filha mais nova e os filhos da irmã da Lurdes, a Tereza e sua família, com Raquel e Diogo que sou também madrinha. Então, como podem perceber é um verdadeiro 'nó familiar'.

Foram dias felizes de muito bate-papo em que tagalerei bastante e rimos um bocado, comidas gostosas que a Lurdes preparou para todos e dormindo bem tarde da madrugada.
Adoro todos eles!

(Da direita: Diogo, eu, Tereza, Raquel, Eduardo, Sr.João, Lurdes, Dalton e Thamara)


Ao lado do condomínio que moram meus amigos, está situado o famoso e único lugar para onde vão os velhos e necessitados artistas do Brasil - O RETIRO DOS ARTISTAS - que existe há 91 anos e onde fui para conhecer e trazer esta matéria para vocês.


(Entrada do casarão que abriga hoje um brechó)

A instituição tem 13.672 metros quadrados de área, com piscina, refeitório, lavanderia, salão de beleza, capela e teatro. Ali estão 40 casinhas com varanda que abrigam os residentes. Cada um na sua, decorada ao seu jeito. Parece uma cidadezinha do interior, com cadeiras na varanda, bibelôs por todos os lados, cães e gatos dorminhocos. Nada de luxo. Mas tudo limpinho e caprichado.

O ator Stephan Nercessian é o presidente da instituição desde 1999 e tem trabalhado bastante para a manutenção do lugar, corre atrás de doações, promove festas e peças e sonham com a expansão para abrigar mais idosos e, pelo que percebi, já tem uma nova ala recém-construída na parte de cima do terreno. Festas juninas famosas e badaladas e as vendas no brechó feito no casarão de entrada, com pecinhas vintage muito interessantes teem ajudado no orçamento do famoso retiro. E como o tereno é enorme, passou a abrigar outras atividades, como cursos de teatro, canto e dança e isso também gera receita para ajudar na manutenção deste lugar.


(O Teatro, que ganhou ar-condicionado, é alugado para terceiros e usado para
shows do próprio retiro, ainda oferece cursos de interpretação, canto e dança)




(Placas em bronze dos grandes artistas do passado)


(As principais ruas do retiro com nomes de atrizes inesquecíveis)




(O estilo das casinhas do retiro e suas cores)



(Interior do Brechó com suas peças vintage)


(Algumas atrizes e bailarinhas famosas)

A maioria dos residentes está ali porque não tem ninguém ou não pode contar com o apoio de parentes. Há artistas saudáveis e outros debilitados que são atendidos por uma unidade de apoio, onde ficam alguns artistas que precisam de cuidados especiais e são acompanhados por enfermeiras e, se preciso usam também uma UTI móvel para emergências.

Quando estive por lá 'xeretando', eu e minha amiga Lurdinha, conhecemos uma senhora residente que, segundo ela tinha 84 anos, mas parecia bem menos, pois de braços dados conosco, subiu a ruazinha principal do retiro, falando sem parar sobre sua vida e a dos outros vizinhos seus. Apresentou-nos como sendo de sua família e muito bem humorada, contou-nos algumas verdades que depois disse que eram mentiras, ficamos meio encafifadas com as histórias da velhinha, mas afirmou que tinha morado 37 anos em Paris e fora dançarina, conheceu um monte de gente, foi muito feliz e acabou ali, através de uma indicação de freiras amigas.
Uma simpatia irradiante era a dona Carmélia, mineira e muito engraçada. Rimos muito com ela e suas histórias mentirosas.


(Dona Carmélia na porta de sua casinha)


Todos parecem gostar muito deste lugar, que de triste não tem nada. E esta mistura de gente de todo tipo que lá está, desde antigos palhaços, atrizes e bailarinas, fazem parecer o elenco de uma novela que poderia ter o título "Em algum lugar do passado".

(Gatinhos dormem tranquilos em seus cantos prediletos)



18 comentários:

Lucia Cintra disse...

Que delicia, Web-mae! Sinto tanta falta de morar perto das minhas velhas amigas, deve ser uma delicia poder ir encontra-la quando quer. Isso eh que eh amizade, heim, desde os 7 anos!!

Esse lugar eh lindo! Fiquei um tempao olhando as fotos e adoraria conversar com uma velhinha como essa senhora. Parecem que sempre tem tantas estorias pra contar, de uma epoca tao diferente da minha... acho que ficaria batendo papo ali com ela por horas! bjos

Georgia disse...

Beth, tudo bem querida? Conheco bem essa Casa de Artistas aposentados, morei ai bem pertinho do Lago do Pechincha. É uma instituicao linda e caprichosamente bem cuidada. Um recanto de dar água na boca.

Que passeio delicioso esse seu e encontrar com amigas é mesmo reatar o tempo.

Um grande beijo

Heloísa disse...

Beth,
Como é bom ter essas amizades "antigas" e poder manter os laços com firmeza. Bonita a foto da família, e muito jovial minha amiga com fita no cabelo.
O Retiro dos Artistas parece ser uma instituição fantástica, e que deu certo. Não deve ser fácil manter o lugar assim, com assistência, limpeza e todos os cuidados. Gostei muito da oportunidade que você me deu, de saber mais um pouquinho sobre o lugar.
Beijo.

Liza Souza disse...

Ei Beth!
Ia adorar fazer um programa desses com amigos antigos para matar um pouco a saudade. Quanto ao retiro dos artistas, já ouvi falar muito e acho um trabalho lindo. Adorei as fotos.
Beijos

rocosta disse...

Adorei! Sempre achei que fosse um lugar triste. Bom saber que não.
Beijos!

Luciana Klopper disse...

Beth, tem problema nenhum em me corrigir, até posso ser sincera...adoro, sempre posto textos escritos na hora sem rascunhos, e muitas vezes leio e releio e vejo muita desordem, sabe q vc vai pensando e escrevendo...e bençãos é uma palavra q pouco escrevo, então vale a dica...não se preocupe, acho muito bom poder receber essas dicas!!

Beth/Lilás disse...

Luciana!
Que bom! Demonstra com isso, humildade para aprender e ser mais e mais feliz na vida.
um beijo grande

gabriela disse...

Que linda a vossa amizade isso sim é o que se chama amigas verdadeiras.
Quanto ao retiro dos artistas é tão bom estar entre amigos, gostei parece uma cidade dentro de outra cá também há a casa do artista mas nada como essa olha sabes que o inverno está agora a chegar mas ainda não está frio todos os dias faz sol, já comecaram as primeiras chuvas.
Amiga um beijo grande com saudades

Luma Rosa disse...

Beth, um dádiva manter as amizades de infância por perto! As que me restaram moram longe, mas sempre que vou à Minas ou São Paulo, as encontro.
Assisti no video show uma entrevista com o Stephan Nercessian e não sei se sabe, se foi falado lá alguma coisa - eles têm um gasto mensal de R$ 75 mil que cobrem com donativos e contribuições de outros artistas que pagam uma espécie de 'aposentadoria' mensal, para no futuro residirem ali. Triste que eles não podem pedir apoio do governo, por causa de uma dívida de R$ 1,5 milhão com o INSS para poder voltar a pleitear este apoio governamental e assim, retornar a projetos de recuperação e manutenção da casa. Bem, Lullinha andou perdoando dívidas de países vizinhos, dando presentinhos e tals, porque não perdoa essa dívida, né? Beijus,

Lúcia Soares disse...

Oi, Beth. Também pensei que o retiro dos Artistas fosse um lugar feio e triste. Triste mesmo, independentemente de serem bem tratados ou não, é pensar que artistas que um dia foram ricos e famosos terminem seus dias sem um tostão e vivendo praticamente da caridade. Penso que a maioria o faz por não ter cuidado bem do que ganhou, mas isso nem interessa, o importante é que têm um abrigo seguro. A velhice desamparada é tão triste quanto a infância.
Mas seu post foi ótimo, boas fotos e tive uma ideia real do que é a vida de um velho artista abandonado pela sorte. Bj

Ivana disse...

Ai Beth, que delícia ter amigos de infancia! Eu só tenho q Veronica (que veio a Floripa outro dia) e nunca perdemos o contato! Temos certeza de que seremos amigas até o fim de nossas vidas...
E só tu pra fazer um post tããããão lindo sobre o Retiro dos Artistas. Não conheço, mas já li a respeito.
Um beijo!

Georgia disse...

Passando para um beijo

Barbie Girl disse...

Oi Beth, saudades daqui!!!

Finalmente estou voltando a minha rotina normal!

O Congresso que fizemos aqui no Rio, foi bem cansativo, mas foi um sucesso!!

Tenho muitas novidades e quero pôr a casa em ordem, mas antes quero agradecer pelo carinho e por não se esquecer do meu blog!!

Obrigada e em breve estarei por aqui diariamente.

beijos

Luciana Klopper disse...

tem selinho pra vc no blog..bjs

ML disse...

Que lindo, Beth! Manter uma amizade verdadeira por tanto tempo, a vida leva cada uma para um lado da cidade e mesmo assim vcs mantem o vínculo porque passar 3 dias na companhia de alguém pode ser o céu ou o caos, né? Gente simpática e feliz, eu tb adorei.
re. Retiro, que maravilha que os senhores lá encontram um lugar digno pra viver. Deve ser duro chegar tão longe na vida e não ter respaldo, propriedade, super bacana o lugar, que sorte a deles.

bjnhs

PS: as fotos estão ótimas, mas eu fiquei mesmo apaixonada pelo gatinho dorminhoco.

Wilma disse...

Beth, estou gostando de ver sua disposição pra conhecer lugares novos. O Retiro dos artistas é um lugar interessante mesmo. Muitas histórias!! gostei da foto dos amigos e a moldura é linda.

Sonia H. disse...

Beth,
Que passeio maravilhoso, que encontro gostoso com amigos de longas datas e que post delicioso de se ler!
Beijos,

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Beth quando morava no Brasil, todos os finais de semana, pegava minha mala e lá iria eu pra Sumaré uma cidade vizinha onde eu estudava, e o final de semana ficava na casa de 2( irmãs) amigas que estudavam comigo, era só alegria. Sinto muita falta disso.
E sobre o retiro, dá um aperto em ver as pessoas lá, é como aqui na Holanda.
bjusss