.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Também falo de coisas tristes



Dia nublado, friozinho, boto minha roupa de ginástica e vou pra Academia que é logo aqui pertinho, vou correr atrás do prejuízo, já que ontem não fui aos exercícios e mesmo não perdendo uma graminha, acho necessário esse esforço para não deixar enferrujar o esqueleto. E lá vou eu, a pé, claro!

Na esquina da minha rua vejo um sujeito alto com uma câmera gigantesca nas mãos, filmando na minha direção a rua, seus prédios altos e novos e eu devo ter entrado nessa filmagem, atravesso em outra direção para que a câmera não me alcance, mas vejo logo uma porção de carros de rádios, um de tv e alguns repórteres com microfone nas mãos. Vejo que a empregada de uma das casas da esquina está do lado de dentro do muro baixo falando, contando alguma coisa e aí eu fui me informar do que houve. Nesta noite passada entraram naquela casa onde mora uma velhinha de 90 e poucos anos com sua empregada e o pior, atiraram na velha de raspão, machucando a pobrezinha. Fiquei estarrecida! Como pode essas coisas acontecerem tão perto da gente e não ouvirmos nada, não imaginarmos que o mal está tão próximo de nós e faz vítimas indefesas.

Comentei com alguns repórteres que não via mesmo policiamento ostensivo nas ruas desse bairro que só cresce pra cima, toda hora tem uma casa derrubada e novos empreendimentos sendo lançados, mas segurança é coisa difícil por aqui e aí mostrei as copas das árvores que se fecham naquele local, bem em frente à casa da velhinha e saí dali sentindo que a minha pressão havia subido. Que raiva dessas prefeituras que só aprovam projetos imobiliários, dão espaço a estes mega empresários, facilitam tudo para eles, mas benfeitorias em termos de vias, limpeza e conservação de ruas, segurança e tudo o que cidadão precisa para morar tranquilo e feliz nestes lindos condomínios está longe de acontecer. Fico até pensando se uma pobre velhinha que insiste em morar e morrer na casa que ela adora está certa. Não quer vender sua velha casa, recusa-se a obedecer às 'regras' por julgar que são ilegítimas e está sofrendo por esta decisão. Afinal, todo mundo sabe que ali mora uma pessoa idosa e com pouca proteção e os "lobos" estão à solta por aí.

A pressão e algumas intervenções que fazem do outro lado da Baía de Guanabara para deter a criminalidade, tem sido sentida do lado de cá, parece que a bandidagem começa a se mover neste outro sentido. E o Rio sonha com uma Olimpíada!

Ainda hoje, depois que retornei da rua, li o excelente texto que o amigo James Pizarro deixou lá em seu blog, palavras muito bem ditas pelo grande intelectual Rubem Alves, fazendo sua preleção e dicas sobre Saúde Mental. Não deixem de conferir a beleza do texto lá no blog amigo. Gosto demais desse autor, psicanalista, educador e teólogo.

Aí, lembrei-me que Rubem Alves foi um dos últimos autores que li e fui buscar estas palavras de seu livro "O sapo que queria ser príncipe", e que tem algo a ver com o fato desta manhã na esquina da minha rua:

"A sociologia classifica os homens por suas profissões. Eles são aquilo que fazem. O rol das profissões é muito longo; médicos, dentistas, marceneiros, amoladores de facas, mendigos, detetives, políticos... A lista parece não ter fim.

Mas a alma é mais simples. Ela classifica os homens por meio de imagens poéticas. Vistos através da poética da alma, os homens podem ser classificados em três grupos:
  • Há os lobos que comem as ovelhas. É o poder sem amor.
  • Há as ovelhas que são comidas pelos lobos. É o amor sem poder.
  • E há os pastores, que defendem as ovelhas dos dentes dos lobos. "



10 comentários:

ML disse...

Beth, quando a violência além de estar nos noticiários invade a nossa vizinhança pavor fica maior e mais real.
Outro dia aqui no bairro (Copacabana) tb assaltaram uma creperia com granada e tudo: eu nunca fui lá, e nem vou! E quem ia não vai mais! Se adianta eu não sei, mas o medo aumenta. Eu evito o quanto posso dirigir à noite, tenho trauma.
Que Deus nos proteja!

bjnhs

PS: a faixa dos blogs ficou linda! Parabéns! Quando tiver um tempinho (pós provas) vou ver o que consigo fazer no meu.

As aventuras de uma brasileira no Egito disse...

Web-Mamys querida,

Vc acredita que depois que Bebejinhi nasceu tenho medo de andar na rua???

Depois daquele assalto, com oito meses de gestacao, eu piorei, nao gosto de entrar em lugares com poucas pessoas e com a gripe tenho que evitar multidoes, entao o negocio e ficar em casa e rezar pra que seja seguro.

Pq nem em casa estamos mais seguros.

Que Deus olhe por todos nos.

Beijos enormes, saudades

Fiquem com Deus

Barbrinha e Bebejinho

Lúcia Soares disse...

Pois é, Beth. A criminalidade está chegando a todos os grandes centros e está bem pertinho! Mas ainda assim ando "defendendo" o Brasil de tanto pessimismo que às vezes aparece por aqui. Sei que são pessoas que passaram por algum acontecimento, mas daí a achar que aqui é bandido a cada passo que se dê, já vai um exagero. Ainda acredito no Brasil. Ainda acho que há muitos "pastores" aqui. Mais dia,menos dia teremos que ter uma solução.Uma grande parte depende de nós, mobilizarmo-nos e obrigar esse governo a ser mais efetivo quanto às penalidades que inibam ações desses marginais.
Lamento pela velhinha, espero que esteja bem. Bj

gabriela disse...

Meu Deus quanta insegurança, aqui a violência aumentou bastante de á 2 anos para cá, não é propriamente o português mas sim os estrangeiros que vivem cá dos paises de leste isto está minado de Ucranianos Moldavos, muitos Brasileiros aqui onde moro tem havido vários assassinatos onde envolve grande parte de brasileiros.
Desculpa amiga não me leve a mal eu sei como em todo o mundo á gente boa e gente má, não estou a dizer com isto que os brasileiros são piores que os outros de maneira nenhuma nós portugueses somos iguais á bons e maus.
Espero que a velhinha esteja bem, bom fim de semana beijo amiga do coração

Camila Hareide disse...

Fala sério, sobreviver por 90 e poucos anos pra passar por uma situação dessas no fim da vida? É de cortar o coração mesmo. E na vizinhança da gente, dá um medão... Quando eu ainda estava em São Paulo, tava na moda os arrastões nos edifícios do meu bairro. Sou maníaca com portas trancadas até hoje... Que chato, Beth, chato mesmo! Tomara que a vovozinha esteja bem.

Ah, se você ousar me dizer que vai ver o a-ha na Alemanha ou Londres, te mato! Que nada, vou é achar ótimo. O show que eu vou é dia 7 de novembro... Vai me contar logo a novidade? Conta! Conta! Conta!

a-ha beijos

Lucia Cintra disse...

Absurdo isso!!! Eu amava onde morava (bem pertinho de voce) e nao tinha nenhum predio por ali. Comentei com voce quando voltei ao Brasil como era incrivel so ter predios agora. Ela tem o direito de ter sua casinha, eu nao teria vendido a minha tb de jeito nenhum!!! Cade o respeito pelo ser humano?

E Olimpiada no Rio? Quando ouvi isso pela primeira vez, ate achei que fosse piada...

bjos

Luciana Håland disse...

Muito triste o que aconteceu com a velhinha, espero que ela resista bravamente por mais algum tempo.
Mas muito bonito o texto do final, vou aproveitar e visitar esse blog que você mencionou, até já visitei antes, mas faz tempo.
Beijo

Ana disse...

Uma pena ter de falar sobre coisas tristes...

Quem sabe vai chegar o dia que o notíciário só vai trazer boas notícias? Que só teremos coisas boas para contar?

mas enquanto esse dia não chega, vamos dividindo as mazelas, tentando entender e digerir tanta coisa ruim que acontece por aí.

Fé em deus e pé na tábua!

Lu Souza disse...

É terrivel né Beth. E o pior é que "os lobos" sabe da fragilidade destas pessoas, em sua maioria conhecem o dia a dia do bairro, da rua, quem mora com quem. E a policia, ainda assim, nao se dispõe a oferecer aquilo que é o minimo exigido deles: segurança. É um pouco caso com os cidadãos realmente revoltante.
Aqui pertinho onde moro, em um condominio de luxo houve uma tentativa de assalto/sequestro não se sabe bem a poucos dias. Um terror. Na casa onde morou o traficante colombiano Juan Carlos Abadia já foi assasinada uma familia inteira...terrível. Coisas que nao se via por aqui também.

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Nossa uma senhora de 90 anos, e até os idosos eles não perdoam, confesso que fiquei muito chateada, qunado será que isso vai mudar ?
Bjusss