.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Você compra sapato erótico ou apenas sapato?


Ah, não gente! Tem assuntos que evito falar por aqui para não causar polêmica, respeitando sempre a diversidade e o posicionamento de cada indivíduo neste nosso planeta. É o caso de religião e homossexualidade que cada um tem o seu direcionamento e ponto final, não gosto de discutir.

Masssssss, não suporto quando ficam fazendo apologia a qualquer um desses itens, tentando impor tais idéias como corretas, principalmente quando usam personagens do mundinho de celebridades para influenciar as pessoas.

As empresas de marketing no Brasil são famosas por sua competência e criatividade, ganhando prêmios internacionais e consideradas mundialmente como de excelência em suas campanhas televisivas ou em outros tipos de mídia. De vez em quando escorregam feio com alguma campanha que fere os direitos de cidadãos, animais ou minorias e, quase sempre são tiradas do ar pela imposição do próprio público.
Campanhas como dos jogadores de futebol Ronaldo e Cafú fazendo apologia à cerveja não combinam nem um pouco com o perfil que se espera de um atleta e ainda se intitulam 'brhameiros' de carteirinha, suando a camisa como sua o copo da tal bebida. Ridícula e de muito mau gosto, direcionada mesmo para aqueles que, como eles, agem apaixonada e desbragadamente por vários copos de cerveja. Considero-a politicamente incorreta e incentivando mais e mais jovens a enveredar pelo caminho do vício ou de acharem que logo após uma partida de futebol tem que encher a cara de Brhamas.

Ainda há pouco tempo, quando eu tinha meus 15 anos (lol) , meu sonho era ter uma calça Lee, o primeiro e legítimo jeans americano e isso era coisa difícil de se ver ou ter no país naqueles idos de 60, mas a propaganda já era presente em nossas vidas, e eu, adolescente ou aborrecente, enchi o saco dos meus pais para comprar uma, mas acabei herdando de minha prima que era mais abastada naquele tempo. Vejam que a propaganda desde sempre fez a cabeça de muita gente e, principalmente dos jovens e juvenis. Então, imaginem a cabecinha de uma menina como minha sobrinha, por exemplo, de 12 anos, cheia de sonhos e idéias e sem ter que pensar nas responsabilidades que os mais velhos carregam no seu dia a dia. Eles só querem ser ou ter o que veem na mídia, por isso acho muito perigoso este tipo de abordagem que pode interferir sobre a formação de um jovem.

Hoje mesmo, o amigo Ronaldo da CBN-Maringá direcionou um link para o site da Época Negócios, mostrando a idéia de uma companhia de design inglesa que para melhorar a integração entre funcionários da empresa, um psicólogo sugeriu que todo mundo trabalhasse sem roupas às sextas-feiras. Coisas do mundo do marketing! E todo mundo peladão às sextas. Idéias muiiiiito criativas!

Noutro dia, meu marido abriu o site da Renault para ver um carro desta marca e me chama para ver a ousadia da propaganda, certamente direcionada para um público jovem, garotões como meu filho, mas a 'pelada da vez' era uma sósia da Paris Hilton e a propaganda de muito mau gosto, como podem ver neste site aqui. Como sempre com conteúdo erótico apelativo.

Agora, uma propaganda da maior marca de varejo de calçados femininos fashion da América Latina, com 229 lojas presentes em 90 municípios em todos os Estados brasileiros, possuindo ainda 16 unidades em solo internacional, faturando R$ 400 milhões por ano, precisa deste artifício para aumentar suas vendas?" É a pergunta que Douglas Flinto - Fundador e diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios faz em seu blog sobre Ética nos Negócios.

Foi através desse blog de Ética que vi o "making off" do comercial da Arezzo com as duas atrizes da novela global do momento - Juliana Paes e Cleo Pires. A campanha será colocada no ar até o final deste mês. Fiquei decepcionada com o que vi e digo mesmo que até me antipatizei agora em comprar sapatos ou bolsas na Arezzo. Não vi nexo nenhum em mostrar duas mulheres simulando atitudes lésbicas numa piscina - alguns sapatos e bolsas estão nelas, mas quem observa isso? Repito que não tô nem aí para a opção sexual de cada um, mas assim como religião, sexo não pode ser imposto.

Poxa vida, num país como o Brasil que tem a valorização do sexo já tão exacerbada e que faz com que, nós, mulheres brasileiras, paguemos caro com o preconceito em relação a nossa imagem no exterior, é necessário mais essa?! E a Arezzo também precisa de tanto erotismo para vender seu produto?!






29 comentários:

BarbieGirl disse...

Caraca que ridículo, nada a ver!!

beijos

Lúcia Soares disse...

Detestei! Já usei muito Arezzo, não há como negar a qualidade. Mas em matéria de beleza está deixando a desejar. Atualmnte só tenho 1 par de sapatos e uma bolsa já antiga,da marca. Desde que os donos terceirizaram a produção e agora com a gestão do Birman-filho, ela não é a mesma. Mas o que eles queriam atingir conseguiram: chamar a atenção para a marca. Gostando ou não, Arezzo fica em evidência. E acaba vendendo.Os preços estão risíveis, e as coleções não têm a beleza e leveza de antes. Nem o conforto.

Lu Souza Brito disse...

Nossa Beth, transmisão de pensamento hein. Acabo de postar sobre esta "iniciativa" dos designers americanos de trabalhar nus as sextas feiras. Cada coisa né.
Também acho que algumas campanhas sao de imenso mau gosto e esquecem que querendo ou não, são formadores de opiniões e lançam modas principalmente para os mais jovens!

Adorei o post.
Bjos
Lu

Mila Viegas disse...

Tô chocada!
Parece que agora virou moda mulher agarrando mulher na televisão.
Ontem mesmo eu estava assistindo Tv e acabei zapeando e parando no finalzinho do seriado "The L World", que começa as 9 da noite.
Daí sei que o contexto é lésbico e até acho bacana (embora não assista e não me interesse tanto pelo enredo). Mas tinha momentos, em algumas cenas, que parecia que eu estava assistindo a um filme lésbico/pornô explícito.
Pensa bem: independente da relação homossexual, 9 horas da noite é horário para passar isso? Mesmo que fosse uma relação hetero, 9 horas da noite que o meu filho ainda está acordado, é hora?
Sinceramente, eu não estou entendendo o que essa gente tá tentando fazer com essas exposições baratas.
Sei que tem profissionais talentosos neste mercado e amo alguns comerciais que são produzidos, mas há certos apelos muito desnecessários, fora de contexto, fora de hora.

Essa da Arezzo aí, me deixou realmente chocada!

Luciana Håland disse...

Ai, vi esse comercial de mau gosto, nem abri o vídeo mas sei do que se trata, vou ali dá uma aliviada no calor e volto pra ler o post.
Beijo

blogdoronaldo disse...

Concordo contigo, Beth. Todo tipo de produto artístico e publicitário parece sentir necessidade de um apelo sexual. É lamentável. Falta criatividade e, principalmente, bom-senso. Sinto-me desrespeitado.

Kálita disse...

ai Beth, a midia cada dia em decpciona viu? é muito apelativa, existem ene formas de se fazer campanhas,de se chamar atenção, mas algumas deixama desejar.

Heloísa disse...

Beth,
Concordo inteiramente com você.
Pode ser que me engane, mas acho que essa propaganda não terá condições de se manter.
E esse negócio de propaganda com apelo sexual escancarado fica de muito mau gosto.
Beijos.

Flávia Fayet disse...

Ah Beth, que video repugnante! Cada um faz o q bem entende da sua vida, homossexualismo (sexualidade de um modo geral), religião, politica... mas a mídia anda pegando pesado atualmente! Gosto muito da marca Arezzo, tem boa qualidade, embora cara, mas a campanha de péssimo gosto, já vi algumas fotos das "meninas" por ai... Beijos e um findi lindo!

Lucia Cintra disse...

Assino embaixo do que escreveu. Pra mim isso eh apelacao, mas como disse, pra que, se a compania ja eh bem sucedida com os produtos?

Nao tenho nada contra homosexualismo, tenho alguns amigos muito queridos que sao gays, mas nao tem nada haver usar isso pra vender sapato. Alias, dizem que sexo vende... hummm.

Eu ja acho que uma/um modelo bonita(o) e um comercial mais criativo ja sao o suficientes e muito melhores do que essa apelacao.

Nunca ouvi falar dessa marca, pra falar a verdade e nao eh esse tipo de comercial que vai me atrair como consumidora. Quase nao da pra ver a mercadoria nesse video.

A proposito, trabalhar nua? Nem se triplicassem meu salario. Iria me sentir completamente "desconfortavel" (existe essa palavra?). Pra que? Eu trocaria ir trabalhar nua por mais um dia de folga. Sera que eles topariam? Se eh pra ser algo absurdo e ridiculo assim, quero meu dia de folga extra.

bjos

Georgia disse...

Baixaria, apelacao; e nós que compramos os produtos devemos mesmo boicotar, pois afinal é com o nosso dinheirinho que estamos financiando tais propagandas.

Está certíssima amiga.

E trabalhar as sextas-feiras nús, tá mais que na cara que quem pensou em tal coisa tá querendo ver alguém nú, nao? Eita mundao de pernas pro ar, putz!

Bom fim de semana

Um beijao

Beth/Lilás disse...

Oi, pessoal!
Muito bons todos os seus comentários.
Precisamos mostrar nossa indignação diante dessa irresponsabilidade social que certas agências de marketing empurram goela abaixo do povo.

Aproveito para reproduzir um outro texo do jornalista Ronaldo Nezo há dias em seu blog:
---------------------------------------------------
A Época desta semana traz uma reportagem com o sugestivo título: “Ser bi está na moda”. Nela, a revista revela que mulheres famosas têm anunciado a bissexualidade como estratégia de marketing e promoção pessoal. A Época lista algumas das famosas que nos últimos meses se declararam bissexuais – ou seja, gostam de se relacionar com homens e mulheres.

O grande questionamento feito pela reportagem é “afinal, trata-se da liberação de um desejo feminino ou de estratégia de marketing?”. A própria revista responde: as duas coisas. Vivemos dias em que o preconceito é menor. Por isso, é mais fácil assumir-se homossexual (ou bissexual). Por outro lado, dizer que é bissexual dá mídia – principalmente para quem já tem certa fama. Esse tipo de declaração espontânea também mexe com o imaginário masculino, já que sabidamente se trata de uma das fantasias de muitos homens.

Outra pergunta que a reportagem tenta responder é: o que acontece com a cabeça das milhares de adolescentes anônimas – mulheres em formação – que assistem esse tipo de espetáculo produzido pelas famosas? Difícil responder. A própria Época não apresenta nada muito conclusivo. Apenas lembra que, nessa idade, garotos e garotas são potenciais imitadores.

Cá com meus botões, acho a questão bastante delicada. Tenho visão muito particular sobre o assunto. Entendo que a mídia tem glamourizado a homossexualidade. Não se trata de auxiliar no combate ao preconceito. Há um exagero que beira o desrespeito a heteros e homossexuais. O tratamento da mídia dado ao tema geralmente trabalha os dois extremos: ou ridiculariza a homossexualidade, principalmente através do humor, criando estereótipos; ou a torna modelo de vida.

No caso das declarações dessas celebridades, penso no poder de influência sobre os adolescentes. Os fãs geralmente formam grupo de pessoas passível de serem guiados por seus ídolos. É claro, cada um faz o que quer da vida. Mas o fascínio que exercem sobre garotos e garotas tão imaturos coloca em risco o curso natural da vida – pode estimular uma experiência que não seria vivida se não fosse pela ilusão provocada pela cega necessidade de imitar.
-----------------------------------------------------

Renata Lopes Costa disse...

Estou chocada com estas criaturas peladas em seu ambiente de trabalho. Até onde vamos com essa exagerada preocupação em manter clientes e trazer os novos às organizações?

Tudo tem limite! Criar, inovar, atrair faz parte...agora usar destas artimanhas para melhorar a qualidade nas relações entre os colegas? Achei péssimo.

Bom fim de semana amiga!
Um grande beijo!

Somnia Carvalho disse...

Querida Lilás,

dar opinião aqui é meio uma faca de dois legumes... rs. Difícil falar sem não cair em preconceitos... bom, mas vou tentar...

Eu tinha ficado impressionada como também na Europa tantas e tantas propagandas incluem uma idéia de homossexualidade e no inicio pensei que eles apenas estavam mais liberais que a gente... Com o tempo percebi que era estratégia de marketing para filar outra parte do mercado.

Como muita gente hoje consegue e pode se assumir gay ou bi as empresas tentam a qualquer custo não deixar esse rentoso mercado de lado.

Li inclusive que propaganda de turismo investe pesado para gays porque eles normalmente sao os que mais gastam em hoteis. Sem filhos e sem custos eles podem comer bons pratos e beber bebidas legais etc... Nao e o geral, mas e um file bom para se investir em propaganda.

Acho que nos ainda estamos aprendendo a andar e aceitar as diferenças sexuais e as escolhas. Eu realmente acho que cada um deve cuidar de suas escolhas, mas assim como me incomoda ver um comercial ou essas novelinhas chumbregas que odeio do Brasil explorando sexualidade entre homem e mulher no horario nobre eu odeio esse tipo de propaganda da arezzo. Me incomoda? sim, porque e demais. Eu vejo uma insinuacao de lesbianismo em varias propagandas de marcas famosas em revistas, por exemplo, e entendo o que eles querem. Entendo tambem que o publico gay deva ser incluido nisso tambem... mas usar a sensualidade para vender produto de forma tao escancarada me incomoda e não compro.

Por outro lado eu so creio que a marca queira ter estado na midia de uma forma mais radical... romper com as velhas compradoras talvez ou ganhar novas, nao sei... mas estar na roda da discussao e acho que um comercial definitivamente consegue. Como nao to ai eu nao sei se ta passando na tv ou se e so do youtube. So digo que aqui na Suecia, nao importa se e homo ou hetero, ele jamais passaria em horario nobre. Nunca!
Seria proibido, os pais ligariam e reclamariam. Digo de novo, nao por conta da propaganda gay, mas porque voce nao deve mesmo insinuar sensualidade demais para criancas e adolescentes. Ninguem controla depois e nao da pra ter escolhas se o caminho parece ser sempre o mesmo...

Bom, falei demais e nao sei se realmente ajudei na discussao...

Ahhh... por falar em arezzo ate hoje so tive um sapato de la e me machucava tanto o pe que nunca mais eu quis comprar outro... vai ver foi azar, mas ta dificil de a marca me pegar! rs

Sil disse...

Gente, pera ai..."cada um no seu quadrado né..." Quem não quer ficar nú que pule fora quem quer que fique.
Acho que as pessoas estão mais preocupadas em colocar rótulos uma nas outras do que com seus proprios sentimentos. Deveriam se preocupar mais com seus sentimentos, quem sabe assim, olhando para seu exterior, seriam mais felizes, ao inves de ficarem ditando suas proprias frustrações no outro.
Pensem nisso...sem egoismo, sem rotulos nem classes, sendo apenas NÓS, simples mortais.
Bjs
Sil
www.depoisdodiva.blosgpot.com

Mírian Mondon disse...

Oi Beth seu questionamento é muito válido e importante, temos que questionar mesmo e ter a coragem de nos posicionar, não precisamos ser vitimas da midia, e engolir passivamente seus produtos comerciais e de tendência ideológica.
Na verdade existe uma agenda por traz desse tipo de propaganda. A empresa mostra claramenta que mais do que vender seu produto que é neutro, ela quer vender um conceito. Então me pergunto: Estamos vendendo sapato apenas? Estamos vendendo para todos ou para um segmento da população? Usar o sexo como arma comercial é abusivo e formador de carater. Usar artistas e não modelos também não me parece casual num país, em que artista é quem dita tendências.

A imagem tem poder, e a publicidade manipula as emoções a partir daí. A midia já tem vitimizado tantas mulheres vendendo um conceito de beleza estereotipado e irreal, e quantas mulheres adoecem e até morrem tentando corresponder a um ideal ficticio e puramente comercial.
Mesma coisa para atitudes sexuais reforçadas, o garanhão que bebe, fuma, tem um carro e uma garota bonita com o traseiro de fora. A garota bonita que mostra o corpo e que precisa virar a cabeça dos garotos quando ela passa. E agora, como é bonito ser gay! Qual sera o proximo clamor?

Estamos vivenciando uma inversão do preconceito, ontem ser gay era motivo de piada, hoje querem me convencer que a piada é ser hetero? Até quando o ser humano vai ser tratado com tanto desrespeito? Ou descriminamos um, ou descriminamos o outro?!
Sinto-me desrespeitada pelo conteúdo da televisão de forma geral e com a propaganda da Arezzo em particular com seu apelo pobre e aliciante.

Luciana Håland disse...

Eu nem vi pelo lado de mostrar duas mulheres em cenas onde supostamente seriam lésbicas, vi mais pelo fato de que duas mulheres juntas, heterossexuais, desperta o desejo masculino, uma das fantasias dos brasileiros.
Mas de todo jeito é apelativo~, não gostei também, totalmente desnecessário, mas talvez foi pra chocar e ser muito comentado, mesmo que à base do 'fale mal mas fale de mim'.
Eu gosto dos produtos da Arezzo, se bem que estando aqui não tenho contato, só vi a colecão pela internet, tava doida pra comprar uma sandália, pois mesmo alguém nos comentários ter dito que a beleza e conforto está deixando a desejar, ainda acho mais bonitas do que as que encontro por aqui.

beijo

Kenia Mello disse...

Sapato erótico e as duas, tudo a ver, Beth, se a intenção for essa... Gosto da marca, tenho algumas coisas, mas pra mim não passa de uma marca de sapatos e fim. Povo mais besta esse publicitário. Humpf.

Beijos cansadinhos.

JAMES PIZARRO disse...

1)- Desde 1985, a Medicina e a Psiquiatria consideram o homossexualismo apenas mais uma forma alternativa de comportamento humano. Logo, não é doença e nem desvio de carater. Até 1985, o homossexualismo constava no CID (Código Internacional de Doenças) como uma doença psiquiátrica, uma doença mental. E também constava isso no célebre "Manual-diagnóstico das Doenças Mentais", a bíblia dos psiquiatras. Em 1985, depois de um congresso internacional de milhares de psiquiatras, a Medicina isentou o homossexualismo de qualquer patologia. Tudo que se disser ao contrário é ignorância sobre o tema ou mero preconceito. E olha que já se passaram 30 anos...

2)- Logo, o que parece pertinente discutir na propaganda da AREZZO é a seminudez e o apelo erótico das duas famosas atrizes e o porquê das duas terem aceito a referida peça publicitária. Por necessidade de fama é que não foi. É óbvio que foi por dinheiro. Muito antes de se discutir sobre homessexualismo, seria muito salutar discutir abertamente com os filhos e netos se é ético fazer qualquer coisa por dinheiro, mesmo que de mau gosto. A resposta me parece óbvia.

3)- Quanto às caras e bocas que ambas fazem no filme publicitário, particularmente nada me diz e nada me excita. Sou do tempo antigo, heterossexual convicto, casado há 44 anos com a mesma mulher que, aliás, não usa Arezzo...rsssssss

4)- Sem querer gerar controvérsia, acho muito mais obsceno o comportamento do Sarney e a imoralidade atual do Senado, a impunidade dos ladrões, a cretinice da maioria das novelas da Globo, a pedofilia de sacerdotes e brasileiros fuçando no lixo para comer restos de comida misturados com OB e preservativos usados.

Um beijo respeitoso

James Pizarro

Anônimo disse...

eu era consuidora assidua e fiel da marca ate um tempo atras qdo me decepcionei um pouco com a atitude da empresa. sobre esta campanha eu, como publicitária, ainda acho que dá pra vender sapato... mostrando o produto..me perdoem os super modernos e vanguardistas que nao vêem nada demais apelo. eu...to fora.

bjo querida!!! Obrigada por considerar minha opinião relevante!!

Lu Olhosdemar

Dani dutch disse...

OI Beth, tudo bem?
Sabe que as vezes escuto cada coisa sobre o Brasil e as brasileiras aqui, que fico até chateada, e sempre esclareço para as pessoas, que as coisas não são bem assim. Que essa rotulagem que nos foi colocada é absurda.
E trabalhar nu/nua... que absurdo, concordo com a Lúcia, também iria propor um dia de folga...
Bjusss

Beth/Lilás disse...

Gente querida!
Voltei para dizer que estou adorando ler os comentários de vocês que são pessoas das mais distintas nesta blogosfera e que têm muita importância para mim.

Quero esclarecer, novamente, que o post não é contra o mundo GLS e sua presença marcante e conquistada com esforço em nosso mundo atual e sim sobre as implicações e responsabilidade social da publicidade hoje nos diversos tipos de mídia.

Bom domingo a todos e muitos beijos

-------------------------------------------------------------

Sonia H. disse...

Beth,

Excelente questionamento.
Acho um absurdo os jogadores de futebol fazerem propagandas de cerveja. O foco agora mudou: na década de 70, os jogadores faziam propagandas de cigarros - agora depois de estimularem o câncer dos pulmões indiretamente, os jogadores agora indiretamente estimulam os acidentes de trânsito e todo o mal que o excesso de álcool traz. Tudo em nome do enriquecimento de suas contas bancárias já mais do que recheadas.
Agora esta da Arezzo - estou decepcionada. Como se já não bastasse aquela marca infantil famosa ( Lilica Ripilica) estimular o erotismo precoce das crianças numa propaganda recente espalhada pelas ruas, agora a Arezzo. Qual é a mensagem? Será que eles não vendem sapatos suficientes? Estou mais uma vez decepcionada com essas propagandas.
Beijos,

ML disse...

Beth: volto da serra e nem preciso ler jornal.
Basta vir até o MãeGaia para ficar atualizadíssima!
Não vi nenhum dos comerciais, mas agora estou curiosa.
Nada que me faça comprar bolsas e sapatos tb.
Quanto à idéia de trabalhar sem roupa nas 6as. feiras, nem depois que a dieta funcionar. Que bobeira!

bjnhs e um bom domingo aí.

Mariana Zanatta disse...

Beth, o post foi ótimo, e os comentários tanto quanto! Ótima discussão, pontos de vista dos mais diversos.
Bom, na minha humilde opinião, infelizmente o que eles queriam, conseguiram: chamar a atenção pra marca!
Uma pena que a mídia não se preocupe nem um pouco com quem está do outro lado da tela... e a gente acabe tendo que engolir a seco esse tipo de coisa.
Sobre a nudez no trabalho, sem comentários... com todo respeito, o povo nào tem mais o que inventar não? (não deve ter né, pq se está mais fácil apelar...)

Beijos!!!

Wilma disse...

Beth, obrigada pelo recado no blog, nem tanto sou, rsrsrs Quanto ao post deu assunto. Concordo com quase tudo que disseram. Percebo que em nossa sociedade tudo está sem rumo, sem limites...isto está se refletindo em todas as áreas, as pessoas perderam noção do ridículo, nada mais parece ser, o bom senso não há; creio até que a finalidade é cair mesmo no debate essas idéias "xulas", ainda bem que o clipe é da Arezo, não é tão popular, cara e eu não uso.

Liza Souza disse...

Beth,
achei o comercial apelativo demais. Infelizmente a maioria das empresas nao conseguem achar um caminho melhor para vender seus produtos e apelam usando principalmente o corpo da mulher, que ainda se submete a esse papel de objeto de desejo, como se um corpo bonito fosse essencial. Eu, particularmente, nao acredito nisso e continuo achando que eh possivel fazer uma boa campanha de marketing sem ser apelativo, principalmente se voce oferece um produto de qualidade.Um exemplo disso sao os comerciais da Volkswagen.
Mas, imagino que no Brasil esse comercial vai dar o que falar e nem que seja por curiosidade a loja da Arezzo vai ter bastante visitas, afinal a maioria das pessoas no Brasil sao levadas a consumir manipuladas pela TV e nao tem a menor condicao de discenir o que vale ou nao a pena assistis e comprar, né?
Beijos,
Liza

Sonhar é Preciso disse...

o que tem a ver as cenas quentes com a marca do sapato? Por sinal nao vi sapato nenhum... so vi dois sapatões ridiculos de feios. Ah...sou quadrada e nao gostei ! Se quiser filme porno vou la na banca e compro e nao na loja de sapato...eu hein rosa!!!!! Vetado ! Voce ta coberta de razao...abaixo propagandas apelativas.

Laura disse...

Eu ja tinha lido seu post, mas so agora deu tempo de ver o video e vir comentar.

Eu acho que cada dia que passa a publicidade esta se mostrando muito agressiva, em todos os sentidos. Eu nao vejo necessidade nenhuma nisso e me faz nao querer comprar nada da marca.

Beijosss