.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Tanto riso, ó quanta alegria!

Carnaval em Madureira
(Tarsila veio de Paris e passou o carnaval de 1924 no Rio de Janeiro. Ela colocou a famosa Torre Eiffel no meio da favela carioca.)


Olha só minha gente, eu não sou muito fã de carnaval não! Na verdade, sempre saio fora da cidade nesta data e vou para um lugar tranquilo onde não haja barulho e tumulto.
Invariavelmente estarei em Petrópolis, na
minha casinha da serra e vou rever os queridos amigos petropolitanos e minha amada Emmy que está lá, meio caduquinha, fazendo umas coisas esquisitas ultimamente, mas é perdoável pela idade da bichinha.

Quem curte carnaval faz o caminho inverso do meu e vem pro
Rio para cair no samba e ver os desfiles das Escolas de Samba ou vão para a Região dos Lagos atrás das belas praias de nosso litoral, como Búzios, Cabo Frio, Arraial do Cabo, Rio das Ostras, etc... Nesses lugares, tudo 'cheira' a carnaval, batucada, cerveja gelada e mulher pelada! Ooops, quase pelada!

Como eu gosto de guardar a lembrança singela e lírica dos carnavais de outras décadas, principalmente da minha
infância, prefiro me distanciar desse redemoinho de loucuras de sexo, drogas, álcool e nudez, vendo apenas aquilo que me encanta na televisão quando mostram os belos carros alegóricos ou as fantasias e máscaras feitas por artistas excepcionais que estão por trás desse magnífico evento.
Aliás, falando em máscaras, quem bateu o record este ano na procura é o Obama. Dizem que os comerciantes do Saa
ra, no centro do Rio, estão vibrando com as vendas das mesmas e até pensei em comprar uma, pois esse cara já é história e gostaria de guardá-la para um futuro.

As máscaras no meu tempo de criança eram assustadoras e lembro bem de uma que, geralmente quem as usava, eram homens pequeninos e fracotes, mas metiam medo pela cabeça gigantesca, preta e com uns chifres. Acho que eram diabos! Não sei até hoje o que era aquilo, mas eu me pelava de medo e corria para dentro de casa ou atrás de minha mãe. Também, a gente era muito 'sem noção' e bobocas., tinha medo de tudo, ora!
Depois, já nas décadas de 70/80 os grupos de Bate-Bolas ou Clóvis eram o terror da meninada, batendo suas
bolas ou bexigas no chão e correndo em direção das pessoas ou criancinhas distraídas. Eu também morria de medo e prá dizer a verdade, até hoje se me aparecer um grupo assim pela frente, acho que tenho um treco!
Bom mesmo é relembrar as famosas marchinhas que sempre são repetidas todos os anos, mas que ficarão para sempre em nossa memória. Cante aí, sozinho mesmo, recordar é viver!

"O teu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor, mas como a cor não pega, mulata, eu quero o teu amor..."

"Mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar. Me dá chupeta, dá chupeta pro neném não chorar..."

"Se a canoa não virar, olê, olê, olá... eu chego lá..."

"É o Bafo da Onça que acabou de chegar... olha a rapaziada ôba!"

"Olha a cabeleira do Zezé, será que ele é, será que ele é?"

Todo mundo tem uma foto daqueles tempos em que carnaval era fantasia e brincadeira, ao som das marchinhas de Emilinha Borba ou Marlene, correndo nos clubinhos do bairro atrás das serpentinas e confetes jogados.
Olha nós, aí na foto! Minha irmã Rosane de bailarina, eu de índia apache(?) e meu irmão Luis de toureiro. Não riam, éramos três patetas, mas achávamos tudo uma maravilha nesse mundo.

Proponho a quem tiver uma foto assim, bizarra, de sua infância, que mostre em seu blog nesta época carnavalesca.

Vamos lá pessoal, formar o Bloco dos Blogs! Skindô, skindô!!!

Máscara Negra
(Zé Keti)
Tanto riso, ó quanta alegria,
mais de mil palhaços no salão,
arlequim está chorando
pelo amor da colombina,
no meio da multidão.
Foi bom te ver outra vez,
tá fazendo um ano,
foi no carnaval que passou.
Eu sou aquele pierrot,
que te abraçou,
que te beijou meu amor.
A mesma máscara negra,
que esconde o teu rosto,
eu quero matar a saudade...
Vou beijar-te agora
não me leve a mal,
hoje é carnaval...
Também sobre este tema veja o que a Cristiane conta em seu blog.
PS: Este post foi feito com a juda de minha mãe, dona Rita com pé quebrado, que relembrou comigo as várias marchinhas carnavalescas de outrora.

14 comentários:

Kenia Mello disse...

Eu já curti muuuito Carnaval, já me acabei nas ladeiras de Olinda, mas, ano após ano, estou perdendo o pique, não me entusiamo tanto. Mas pelo menos um diazinho eu vou! Hehehe
Beijos.

ML disse...

Há, há, há!
Neste bloco (dos blogs) eu desfilo!
Beth: quanta informação movida a diversão!
Você, "lourinha do cabelo mole", é fera, ;>)

Amei!

bjnhssssssssssssssssss

ML disse...

Oi, Beth: fiz um link "pra cá" acerca dessa postagem.

Espero que goste.

bjnhs

Lucia Cintra disse...

Eu tenho uma foto otima com minhas irmas quando era pequena. Ja coloquei no blog varias vezes, mas eu gosto tanto dela, que vou coloca-la novamente proce.

Adorei ver essa sua, por isso gosto tanto de fotos! Nao te leva direto pra aquele momento no tempo?

Eu me lembro dessas musicas que colocou aqui. Ta vendo? Nao era tao antigamente assim. E sou como voce, gosto exatamente desse carnaval que citou. Nao gosto de muvuca, drogas, bebida, sexo, etc... Como disse antes, parece ser uma desculpa pras pessoas agirem meio loucas.

bjos

Luciana Håland disse...

Ai Beth, eu não tenho foto nenhuma, passei batida. Também preferia o aconchego do que a loucura do carnaval, quando crianca gostava de sacudir o esqueleto nas matinês, mas depois perdeu a graca, muito álcool, eu até bebia, mas quando tá todo mundo caindo pelas tabelas de bêbados não tem graca, então ficava mesmo em casa vendo pela tv.
Ainda arrisquei uma vez ir a Olinda, uma loucura, só fui pras ruas um dia, depois fiquei no conforto do hotel que era mais seguro.
Bom descanso nesse carnaval.
Beijos

Ciça Donner disse...

Mana nao faco mais a menor questao de pular/dancar/correr atrás de trio eletrico e afins... devo tá ficando velha!!! Hoje prefiro ir trabalhar que ganho muito mais!!!!

Ana disse...

Belo post!

E que bom tua mãe estar aí, te ajudando a lembrar coisas alegres!!

Beijão!

Cristiane A. Fetter disse...

Eu já aderi ao BLOCO DO BLOG e já lancei a idéia de no ano que vem sairmos pelo Rio de Janeiro, o que você acha?
Mas você sabe que de 92 até 2005 eu sempre fiquei no Rio de Janeiro durante o carnaval, fugíamos do rebuliço do dentro do Rio e aproveitávamos as praias vazias, os cimenas sem fila, os restaurantes tranquilos, uma beleza.
Enquanto todo mundo se engalfinhava na região dos lagos, ou na Marques de Sapucaí, estávamos tranquilamente nas prais do Recreio dos Bandeirantes.
Bons carnavais.
bjks

Georgia disse...

Beth querida eu tb morria de medo dos Bate-bolas. E hoje em dia nem precisa de máscara mais nao, o pessoal anda metendo medo mesmo sem elas.

Eu tb tenho saudades dessas marchinhas do tempo de crianca onde brincava o carnaval na Sede do bairro.

Minha irma deve estar louca lá em cabo.

Bjus

Georgia disse...

Adorei te ver pequenina na fantasia.

Bjus

olhodopombo disse...

Nossa, legal relembrar estas historias...
na terra que fui criada, Recife, tinha um tal de "bicho-papão", que não tinha criança que não o temesse...mas a minha mãe sempre foi muito apatica e nunca nos fantasiou de nada....em plena terra do frevo, so fui brincar carnaval quando ja era dona do meu nariz...nesta epoca de carnaval, em geral a minha mãe nos levava(6 filhos), para a fazenda da mãe dela, miha avoh no alto cariri da Paraiba, so voltavamos a Recide dois dias antes das aulas começarem.....

BarbieGirl disse...

Nossa que legal, me arrepiei lendo o seu texto... vc se parece comigo nesse ponto... fujo das bagunças q é o carnaval hoje em dia... ainda mais com criança pequena, né?
Fico lá na Barra, tranquilo e no New York city center, tem umas progamações infantis muito boas!
Tá aí a dicaa!!

beijos!
amanhã escreverei algo sobre o carnaval!!

Ana Paula Soldi disse...

Acredite se quiser, euzinha mesmo sendo carioca nao curto muito carnaval.Mais tudo depende aonde, quando e com quem.
beijos

Sonia H. disse...

Poxa,
Ontem eu escrevi um grande comentário, mas parece que não saiu.
Eu adorei o post. Você sempre escreve de uma forma tão criativa e enriquecedora para nós.
Fiquei nostálgica, sabia. Eu adorava pular carnaval na minha infância. Vou ver se encontro uma foto antiga fantasiada para colocar no blog.
Bom descanso!
Beijos,