.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Na busca do "melhor"

Lendo a excelente jornalista mineira Leila Ferreira, deparei-me com este texto tão bem escrito e que me fez refletir muito sobre a vida e seus valores.

Transcrevo abaixo para que façam suas próprias avaliações e deixo a Pirâmide de Malow para reforçar o que foi dito por ela:

DO BOM E DO MELHOR

Estamos obcecados com “o melhor”. Não sei quando foi que começou essa mania, mas hoje só queremos saber do “melhor”. Tem que ser o melhor computador, o melhor carro, o melhor emprego, a melhor dieta, a melhor operadora de celular, o melhor tênis, o melhor homem, o melhor vinho.

Bom não basta. O ideal é ter o top de linha, aquele que deixa os outros pra trás e que nos distingue, nos faz sentir importantes, porque, afinal, estamos com “o melhor”. Isso até que outro “melhor” apareça - e é uma questão de dias ou de horas até isso acontecer. Novas marcas surgem a todo instante. Novas possibilidades também. E o que era melhor de repente nos parece superado, modesto, aquém do que podemos ter.

O que acontece, quando só queremos o melhor, é que passamos a viver inquietos, numa espécie de insatisfação permanente, um eterno desassossego. Não desfrutamos do que temos ou conquistamos, porque estamos de olho no que falta conquistar ou ter. Cada comercial na TV nos convence de que merecemos ter mais do que temos. Cada artigo que lemos nos faz imaginar que os outros (ah, os outros!...) estão vivendo melhor, comprando melhor, amando melhor, ganhando melhores salários. Aí a gente não relaxa, porque tem que correr atrás, de preferência com o melhor tênis.

Não que a gente deva se acomodar ou se contentar sempre com menos. Mas o menos, às vezes, é mais do que suficiente. Se não dirijo a 140, preciso realmente de um carro com tanta potência? Se gosto do que faço no meu trabalho, tenho que subir na empresa e assumir o cargo de chefia que vai me matar de estresse porque “é o melhor cargo da empresa”? E aquela TV de não sei quantas polegadas que acabou com o espaço do meu quarto? O restaurante onde sinto saudades da comida de casa e vou porque tem “o melhor chef”? Aquele xampu que eu usei durante anos tem que ser aposentado porque agora existe um melhor e dez vezes mais caro? O cabeleireiro do meu bairro tem mesmo que ser trocado pelo “melhor cabeleireiro”?

Tenho pensado no quanto essa busca permanente do melhor tem nos deixado ansiosos e nos impedido de desfrutar o “bom” que já temos. A casa que é pequena, mas nos acolhe. O emprego que não paga tão bem, mas nos enche de alegria. A TV que está velha, mas nunca deu defeito. O homem que tem defeitos (como nós), mas nos faz mais felizes do que os homens “perfeitos”. As férias que não vão ser na Europa, porque o dinheiro não deu, mas vão me dar a chance de estar perto de quem amo. O rosto que já não é jovem, mas carrega as marcas das histórias que me constituem.O corpo que já não é mais jovem, mas está vivo e sente prazer.

Será que a gente precisa mesmo de mais do que isso? Ou será que isso já é o melhor e, na busca do “melhor”, a gente nem percebeu?...


(fonte: http://www.nosmulheres.globolog.com.br/)



14 comentários:

aminhapele disse...

Sem qualquer ironia,esta é uma belíssima explicação para a actual crise financeira:a criação constante de necessidades,sem qualquer suporte.
São sempre os mesmos a fazer a reciclagem da sua economia.
Isso provoca uma bolha.
Algum dia tinha que estoirar!
Um abraço.

Lilás/Beth disse...

Nossa, nem me fale dessa crise!
Hoje a coisa foi braba tanto pros EUA quanto pro rsto do mundo.
Bovespa caiu em quase 10%.
Loucura!
Deve ser isso mesmo como vc disse "um dia a bolha tinha que estourar"!

..................................

Teresa Soares disse...

Bom dia amiga Lilas
Seu poste é interessante, quando as vezes oiço pessoas a queixarem-se que isto está mau, as vezes revolto-me. As pessoas são cada vez mais exigentes, querendo sempre mais e mais, e nunca estão satisfeitas.Como os tempos mudaram quando nós nos contentavamos com tão pouca coisa e como eramos felizes. Hoje a lilas fez-me ter saudades de Lisboa, quando falou que o marido ia ficar 1 dia e meio em Lisboa, ai como eu o invejo(risos) espero que ele aproveite o máximo da minha terra que é linda. Fiz 2 postes dedicados a Lisboa. Beijinho amiga e uma boa terça feira.

Georgia disse...

Beth, excelente escolha do texto. Todo mundo corre atrás do melhor como se essa fosse a funcao única e primordial. Já tive muitas discussoes com meu esposo, pois para alemao tem que ser sempre tudo do melhor. Hoje em dia ele já vê diferente. Que existem outros caminhos e que o resultado tb é o mesmo. Eu que já estou de saco cheio de tanto perfeccionismo e tudo ser do melhor já tive séria discurssoes com muito por aqui. O mundo está numa loucura com isso.

Grande beijo e de volta conectada;)

Obrigada pela visita mesmo eu nao podendo retribuir;)

Fran disse...

Querida Beth!!!

Quanto tempo!! Tudo bem??
Como sempre vc esta de PARABÉNS com o seu MARAVILHOSO blog! Sou sua fã número 01!!!
Adorei d+ esse texto, realmente as pessoas não observam que os momentos mais marcantes e felizes da vida estão nos simples acontecimentos nosso do dia a dia.
BJS,
FRAN.

Lilás/Beth disse...

Oi, Georgia!
Ah, que bom vc voltou. Sua presença nos faz falta e os comentários inteligentes também.
beijins
....................................

Fran, querida!
Menina, que bom ver você por aqui. O povo de Petrópolis está me abandonando, quase ninguém aprece mais. Fico feliz por ter seus comentários jovens por aqui.
beijins
..................................

Teresa,
Obrigada pela visita sempre.
beijins

..................................

Kálita disse...

Oi Linda!
Vim agradecer pelas palavras de animo que sempre deixa pra mim...Obrigada!

Sobr eo texto, haha, falei um pouco disso no meu blog devido o que tem acontecido comigo, e acho que as pessoas devem procurar serem felizes em vez de serem melhores, felicidade é o que conta, não importa se seja em palacios de ouro ou em uma casinha de sapê, concorda?

Beijos

Andréia disse...

Texto ótimo.
Obrigada e bj

Heloisa disse...

Acho que essa busca desenfreada pelos novos e modernos produtos, está intimamente ligada aos "apelos" insistentes da mídia, principalmente através da TV.
Somos convocados a "ter" e também, o que acho pior, que é o culto á eterna juventude.
Precisamos valorizar os pequenos e preciosos momentos da vida na companhia dos nossos queridos, e por que não assistindo a um bom programa na nossa "velha" TV?

RoCosta disse...

Sem contar no mal exemplo que gera para as gerações vindouras.
Forte abraço sempre.

Lucia Cintra Stevenson disse...

Eu acredito em querer o melhor pra MIM, sem me comparar com ninguem mais. Sou grata e consciente do que tenho no momento e aprecio minha vida, mas quero sim chegar onde sonho em chegar. E acontece desse "lugar" ser melhor do que agora.

E por isso continuo a batalhar pra chegar la, nao acho que necessariamente quero as coisas pq os outros tem, quero o que meu coracao deseja e o que o faz feliz. Quero viver uma vida completa e nunca deixar de valorizar o caminho que esta me levando la e as coisas e pessoas que atualmente fazem parte da minha vida.

A proposito, falando de coisas materiais: a minha TV da sala e' tao velhinha! E' da minha epoca de faculdade, acho que a comprei 11 anos atras, mas ainda funciona direitinho e sem problemas, entao pra que comprar outra? rsrs

Lilás/Beth disse...

Lucinhaaaaa!
Mas você tá começando uma vida e merece mesmo tudibom, principalmente a tão sonhada casa nova que estamos na torcida.

beijão
..................................

Ana disse...

Eu tenho algumas certeza: tenho os melhores filhos, os melhores pais, irmãos e amigos que alguém poderia desejar!
O resto é lucro!

Claro, entendi que não era este o ponto, mas é o que realmente faz diferença pra mim!

Quanto ao resto, nunca me estressei nem corri atrás. Gosto do que é meu. Isso me basta!

As aventuras de uma brasileira no Egito disse...

Sabe Beth,

Eu ja passei por essa fase um dia......tudo bem que de vez em qdo me pego exigindo alguma coisa melhor do que eu ja tenho.....

Mas logo penso e sei que o que esta ali, ao meu alcance, ja eh o melhor......nao preciso correr atras das coisas que nao veem.....elas aparecem pra nos......

Eh claro que nao da pra ficar esperando cair do ceu, tem que lutar, mas com as nossas armas.....

Acabei de te mandar um e-mail a foto......

Beijos e fiquem com Deus

Barbrinha