.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 22 de abril de 2015

O maior Cajueiro do Planeta (em Piragi-RN)


Amigos, no post abaixo eu falo de buscar uma alternativa para nossos dias de stress e correria, uma pequena parada de uma semana já ajuda muito o corpo e a mente. E foi o que fiz.  Parti para o nordeste onde o trópico colabora muito para aliviar tensões e propicia o melhor relaxamento, principalmente se você ficar bem pertinho do mar e poder andar nele algumas vezes, descalça, sentindo a natureza pulsando junto contigo. Fui para Natal, capital do Rio Grande do Norte, cidade que não deixa o sol descansar, todos os dias ele aparece no horizonte, brilha no céu azul e junto com ele vem também uma brisa generosa que não nos faz sentir calor ou ficar cansado.

Gostei demais da cidade, limpa, organizada e já quase totalmente globalizada com tudo o que de melhor há em outras capitais brasileiras. Gostei mais ainda, da generosidade do povo, do comércio que não explora e oferece com simpatia e preços justos nos restaurantes e hotéis. Vale a pena ir à Natal e curtir a cidade e sua cultura!

Fui conhecer então, num desses dias, algo curioso e que havia visto em imagens que algumas amigas nordestinas já colocaram em seus faces, mas ver de perto, foi emocionante e empolgante.
Falo da maior árvore frutífera do mundo, está no Guiness Book, e tem uma área gigantesca na localidade chamada Pirangi do Norte no município de Parnamirim, a mais ou menos 12 km de Natal.
Vejam, abaixo, uma imagem aérea deste enorme Cajueiro que ocupa a extensão de 8.500m2 e encanta a todos os que o visitam, constituindo importante fonte de desenvolvimento sócio-econômico para a população local.
-Google-
A história que contam é que o cajueiro foi plantado em 1888, por um pescador chamado Luiz Inácio de Oliveira que morreu com 93 anos de idade, sob as sombras do cajueiro.
O crescimento da árvore é explicado pela conjunção de duas anomalias genéticas. Primeiro, em vez de crescer para cima, os galhos da árvore crescem para os lados e com o tempo, por causa do próprio peso, os galhos tendem a se curvar para baixo, até alcançar o solo. Observa-se, então, a segunda anomalia: ao tocar o solo, os galhos começam a criar raízes, e daí passam a crescer novamente, como se fossem troncos de uma outra árvore. A repetição desse processo causa a impressão de que existem vários cajueiros, mas na realidade trata-se de uma única árvore.

Ao entrarmos neste emaranhado de galhos grossos e outros mais finos, através de passarelas que não deixam machucar a árvore, sentimos uma energia maravilhosa, traduzida em alegria e agradecimento à Mãe Gaia que nos proporciona tão belos encontros. 
Deixo com vocês imagens que colhi deste lugar místico e inesquecível.




O tronco principal divide-se em cinco galhos; quatro desses galhos sofreram a alteração genética, e criaram raízes e troncos que deram origem ao gigantismo da árvore. Apenas um dos galhos teve comportamento normal, e parou de crescer após alcançar o solo; os habitantes do local apelidaram esse galho de "Salário Mínimo"

As passarelas feitas para as pessoas caminharem e observarem esta incrível árvore, sem danificá-la.
Para passar sob um dos galhos curvados, uma plaquinha sugestiva. 




 Ao final, encostei-me em um de seus troncos e emocionada por este belo passeio, agradeci e pedi a força da natureza para a minha saúde.




A BELEZA É
A FACE
VISÍVEL
DE 
DEUS.

Rubem Alves









15 comentários:

Lení disse...

Beth, querida! Fico feliz com o teu descanso numa cidade linda de sol, vento e mar. O cajueiro é realmente surpreendente! Como não curvar-se diante de tão linda natureza? Fizemos esse passeio em 2013. Registramos tudo na alma e nos nosso corações. Beijo...

Lúcia Soares disse...

Beth, que maravilha! Só vendo de perto mesmo, para sentir tanta beleza. Já tinha lido e visto programas de TV sobre esse cajueiro e é fascinante ver como a natureza e caprichosa e surpreendente.
Beijo e bem-vinda, de volta à rotina.

✿ chica disse...

Beth, que bom que aproveitaste! Férias assim, longe da época das escolares é o melhor presente que nos podemos dar! Natal é linda e esse cajueiro arrepia de tão lindo! Lembro bem dele! Vale muito! bjs, tudo de bom,chica( hoje tem céu teu por lá!Obrigadão!)

Beatriz disse...

Oi Beth!!!
É uma delícia fugir assim de vez em quando, não! Conheci o maior cajueiro do mundo quando morei em Natal em 93, e digo que a sensação é mesmo indescritível! Você vê onde ele nasce mas não onde termina, é uma loucura! Na época eu fazia especialização em biologia marinha....ah, que saudades! A natureza em Pirangi do Norte, assim como sua irmã Pirangi do sul é algo fora do comum do resto do nordeste brasileiro. Acho o RN um estado abençoado, com todo aquele sol e alegria em cada esquina. Foi muito bom lembrar aqui dessa cidade linda que marcou uma parte da minha vida!
Lindas fotos!

Saudades e beijinhos minha amiga!!!

<°))))< Bia

Evellyn Lima disse...

Bom dia! Vim visitar seu espaço lindo através do blog da Chica céus achei lindo o céu daí.Seu post também esta lindo. Vc tem razão quando diz que precisamos de pelo menos de um dia se quer de descanso.Tadinha da minha mãe desde quando eu nasci,ela não tem um dia de descanso kkkkk.Convido vc a conhecer o meu,fique a vontade em me seguir ou não.
Bjss

Maria Célia disse...

Ei Beth
Que post lindo, adorei tudo, suas fotos, a história do cajueiro, que já tive o prazer de conhecer muitos anos atrás, quando estive em Natal.
Espero que você tenha se revigorado debaixo desta árvore fenomenal e voltado com a energia renovada.
Beijo, querida.

Cia. De Teatro Atemporal disse...

Que postagem maravilhosa!

Eu também tive o prazer de conhecer o maior cajueiro do mundo!

Obrigado por compartilhar conosco essa experiência fantástica!

Um Beijo GRANDE da sua Cia. De Teatro Atemporal!

Clemente.





pensandoemfamilia disse...

Passear pelo nordeste em qualquer época é muito bem vindo, mas no verão ou em épocas quentes é excelente.
Já estive em Natal, mas já está na minha agenda retornar.
As fotos ficaram lindas e a sua excepcional, misturou-se a árvore. bjs

Priscila Ferreira disse...

Me encontrei em uma fotinha,rs
Realmente o Cajueiro é lindo! Muito bom ver um pouco dele por aqui!Mas uma vez, muito feliz por ter tido sua companhia nesses dias! Sentirei saudades dinda! amo vc :)

Carmem Grinheiro disse...

Beth!
Me sinto abençoada, só de chegar aqui e deparar com esta beleza, que eu nunca imaginei existir. Linda e magnífica natureza que é capaz de tantos milagres.
Imagino a emoção de estar num local assim, recebendo toda essa energia.

bjn amg

Calu B. disse...

Uma maravilha ´poder desfrutar das belezas do litoral nordestino, Betinha.A vida transcorre em meio a tamanha exuberância natural que somos impregnados por esta atmosfera edificante que nos renova e energiza.Remédio certo pros males do corpo e d'alma.
Ai, bateu uma saudade...
Linda tua foto junto ao cajueiro.Troca de energias positivas.
:)Uma bela semana aí, amiga.
Bjkas,
Calu

Camille disse...

Que beleza, adorei tudo. Como voce descreveu Natal, a história do Cajueiro, as fotografias e sua face, tambem muito bonita.
Beijos e obrigada pela reportagem. Fiquei com vontade de conhecer tb.
Cam

Selma Helena. disse...

Oi Beth!

Natal é uma cidade linda! O Cajueiro é maravilhoso e confesso que achei ter visto mais de um pé de cajú, mas vá eu falar isso pra um potiguar! Kkkk
A verdade é que eu poderia morar debaixo dele, tamanho o prazer é aconchego. E te digo que abracei o tronco e fiquei por um tempo agarrada e fazendo minhas orações.
Beijo enorme pra vc!
😘😘😘😘

Regina Rozenbaum disse...

Que beleza de fotos Bethita! Conheci Aracaju no meu primeiro ano de casada...1985 e depois não voltei mais. Imagino o quanto mudou nessas décadas!
Beijuuss

Teresinha Ferreira disse...

Querida amiga,
Foi uma bela surpresa ver sua postagem sobre o cajueiro.
Amei ter estado contigo nessa semana deliciosa em Natal. Gosto muito de lá. Confesso que foram oito anos maravilhosos que passei por lá.
Concordo quando você fala que as pessoas são receptivas.
Agora, morando em Aracaju estou percebendo, novamente essa receptividade e carinho do povo nordestino.
Eu sou mineiro com o coração nordestino. Isso é fato!
Grande beijo e saudades dos nossos momento de pura descontração e alegria.
Bjs