.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Dignidade e Coragem.

Feliz Páscoa!

A nossa história contemporânea já tem muitos cemitérios repletos com monumentos marcando a lembrança de quem se foi em guerras absurdas e sangrentas como a de Sarajevo há 19 anos, por exemplo, com recordações de sofrimento de um povo e a vida que seguiu para ser contada e relembrada com honra e glória, como é o caso desta mulher corajosa e marcante da história abaixo que deixo pra vocês neste final de semana.
 Cemitério Alifakovac em Sarajevo, Imagem daqui
Em 1993, durante o cerco de Sarajevo, quando a maioria das pessoas estava frustrada e temia caminhar através das ruas para evitar balas ou os olhares intimidadores dos soldados, Meliha Varesanovic, caminhou lentamente e de cabeça erguida. Cada dia ela saia de casa, maquiada, com sapatos de saltos altos e vestida elegantemente. O fotógrafo Tom Stoddart da Getty Imagens que estava lá cobrindo o conflito, capturou uma imagem icônica de Meliha e que fez dela um símbolo do espírito da cidade.

Quase vinte anos após o conflito terminado, a empresa de cosméticos Inglot pediu a Tom e a própria Meliha, permissão para usar esta imagem em um anúncio recente para uma campanha em outdoors, em torno de Sarajevo. Apresentam a imagem de Meliha sob o título "Uvijek Lijepa!" — "Sempre Bonita."  A Inglot diz que a campanha é em louvor a todas as mulheres em Sarajevo que, independentemente da idade e de plano de fundo, usam todas as oportunidades para provar que a beleza é eterna.

Em 2012, Tom foi para Sarajevo conversar com Meliha sobre a imagem.

"Toda vez que passei naquele beco perto de um franco-atirador com sucesso me perguntava se cruzaria e voltaria sã e salva, porque muita gente não voltou, disse Meliha. Eu sempre usei sapatos de saltos altos e nunca corri. Apesar de tudo o que tinha acontecido eu queria mostrar dignidade e coragem." 

Em 2012, Tom fotografou Meliha no mesmo local, no bairro de Dobrinja, onde agora há uma loja de roupas. Para o seu projeto "The women of Sarajevo Revisited,".  Tom também se reuniu com muitas outras mulheres que ele fotografou durante esses anos, algumas das quais mudaram-se para outros países da Europa.





Imagens Tumblr.
Fonte: reportagegettyimages
Miss Sarajevo






11 comentários:

Calu B. disse...

A atitude desta ousada e vitoriosa mulher selou a veracidade da força feminina perante os desafios e perigos, marcou com elegância o direito à vida plena.Um deslumbre só.
Amei a postagem, Betinha.
Valeu\o/, amiga!

Uma Páscoa cheia de doces momentos e muitas bençãos.
Bjos,
Calu

Maria Célia disse...

Ei Beth
Puxa, que bacana a história da Meliha, elegante e destemida há vinte anos, continua com um porte distinto e altiva.
Beijo

Célia Rangel disse...

..."dignidade e coragem"... é o que falta hoje, para muitas de nós - mulheres - que se envergam por bem menos... Exemplo lindo!
Abraço.

Luma Rosa disse...

Oi, Beth!
Vi a foto e me lembrei de "O Segredo de Berlim". Enquanto assistia, me questionava como as pessoas podiam se vestir tão bem em tempo de guerra, sem lavanderia, sem água, fugindo de um lugar para o outro... Olhando essa foto, parece uma produção. Louvável e corajaosa essa mulher!
Feliz Páscoa!!
Beijus,

Camille disse...

Super bacana essa história. Adorei. Maravilhosas são as mulheres do mundo inteiro.
Bjos,
Cam

Regina Rozenbaum disse...

Que guirlanda mais linda! Não conhecia a história dessa mulher. Manter a elegância em meio à guerra é de tirar o chapéu. Obriagada por mais essa partilha Bethita! Aprendo muito com você.
Beijuuss e mais uma vez obriagada por seu carinho solidário.

Lúcia Soares disse...

fico motivada em ver como há pessoas que podem ser corajosas, em meio a conflitos tão fortes.
Bonita e elegante mulher.
Mais bonita ainda, hoje.
Beijo, Beth.

Bia Jubiart disse...

Que bela história! Até esqueci da Páscoa rsrsrsrsrs.
A postura, o olhar reflete muita coragem e dignidade, é uma língua universal, e que percepção/sensibilidade do fotógrafo.
A guerra versus a paz, através da religião continuam num embate politico até hoje. Que a páscoa sempre traga esperança e fé nos corações dos homens.
Bjosssss tocantinenses.

Bia Jubiart disse...

Que bela história! Até esqueci da Páscoa rsrsrsrsrs.
A postura, o olhar reflete muita coragem e dignidade, é uma língua universal, e que percepção/sensibilidade do fotógrafo.
A guerra versus a paz, através da religião continuam num embate politico até hoje. Que a páscoa sempre traga esperança e fé nos corações dos homens.
Bjosssss tocantinenses.

✿ chica disse...

Que linda essa história .Mulher altiva, forte essa!Adorei! Obrigadão pelo carinho! bjs, tuuuudo de bom,chica

Carmem Grinheiro disse...

Belíssima postagem de força e esperança, Beth.
As pessoas tendem a associar guerra a miséria. Mas, quando nos aprofundamos um pouco mais sobre o assunto, nos apercebemos que em muitos cenários de guerra as cidades são idênticas às nossas: há comércio como o nosso, há edifícios, ruas e até avenidas idênticas e pessoas que fazem uma vida também idêntica à nossa: estudam e trabalham.
Muitas, quando a guerra chega, continuam fazendo suas vidas, como habitualmente: para subsistir e para tentar manterem-se vivas emocionalmente - há até quem vá ao cinema e teatro, imagine-se! Tudo parece estranho a nós, que não passamos pela experiência, mas "há vida na guerra" - ouvia eu da boca de um, há uns anos, que acabou por vir parar aqui, a Portugal, vindo da Ucrânia. Talvez tenha um pouco a ver com a sua postagem sobre a "depressão" - é a maneira de tentar não sucumbir (?).

bj amg