.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Mudar para evoluir.



Esta noite, assistindo ao Programa Saia Justa no GNT, senti-me ali, junto com as quatro mulheres, conversando sobre temas interessantes e que eu gostaria muito de debater também. Elas são inteligentes e divertidas, o programa passa rapidamente, mas deixa muito boas mensagens.
O primeiro bloco era sobre Mudanças e como somos tão acomodados na inércia, no medo, na insegurança, questões estas que nos fazem, eventualmente, mudar para melhor muitas vezes, mas alguns de nós resiste e sequer dá uma chance para conhecer novas opções da vida. 
Na política, a mudança é essencial, necessária e um processo evolutivo para o crescimento de um povo e da nação como um todo.

Não costumo compartilhar textos de jornalistas por aqui, mas este de hoje, da Ruth de Aquino na Revista Época, achei de uma lucidez tão grande, é exatamente o que eu tenho visto e convivido de perto com as pessoas que me cercam. Leiam, analisem, reflitam, deem um tempo para esta mudança benéfica que o Brasil tanto necessita para voltar a ser um país nos trilhos.


Revista Época

O porteiro, a empregada, o cabeleireiro e a manicure

Cada um vota de um jeito. Todos querem qualidade de vida e o fim da “roubalheira”

Eles não acham que “é dando que se recebe”. O povo trabalhador, que sobrevive de salário com carteira assinada ou na informalidade, parece ser bem mais crítico do Bolsa Família que eu. É curioso. Pobre que trabalha desconfia de pobre que vive de benefício do Estado.

Entre os que se esfolam para fazer o dinheiro chegar ao fim do mês e dar instrução aos filhos, há a crença de que só o trabalho, duro e honesto, enobrece. Um dos momentos de lazer sagrados, além da ida ao culto ou à missa, é o churrasco com a família. Só que o secretário de Política Econômica de Dilma sugeriu comer frango e ovo, em vez da carne, que subiu mais de 3%. É preciso dizer ao PT que mexer no churrasco de domingo tira votos.

Os pobres também detestam a corja de políticos que roubam. A promiscuidade entre partidos e empreiteiras, o lamaçal que transborda da estatal Petrobras equivalem a assaltar, na surdina, quem se esforça, se espreme em ônibus ou morre na fila da cirurgia. Roubar de quem tem pouco é pecado. Se esse pessoal que desvia bilhões não pagar em vida, não escapará da justiça divina.

Por que falar dos pobres? A maioria da população não é beneficiária do Bolsa Família. A maioria batalha e tem medo da carestia atual, nos alimentos e nas contas, mesmo sem entender o que significam “espiral inflacionária”,  “centro da meta”,  “câmbio flutuante” ou “superavit primário”.

Não podemos esquecer o recado do primeiro turno. Dos quase 143 milhões de eleitores, votaram em Dilma 43.267.668. Brancos, nulos e abstenções foram 38.797.556. Votaram em Aécio 34.897.211. Votaram em Marina 22.176.619. Uma simples soma, que se aprende no ensino fundamental, prova que 96 milhões de brasileiros estão descontentes com o atual governo (sem contar PSOL, PV e outros). Querem eleger outro presidente ou se desiludiram com o exercício da política, a ponto de não apostar em nenhum candidato.

Por que falar dessa notícia velha, agora que a eleição já está polarizada entre Dilma e Aécio, com seus aliados palatáveis ou indigestos, numa disputa que começa tecnicamente empatada? Porque o segundo turno mais uma vez investe no maniqueísmo e nas divisões simplistas. Antes, era elite branca contra miseráveis. Agora, nordestinos contra o resto do país. Isso é miséria intelectual.

Como há várias pesquisas quantitativas rolando, decidi dar uma contribuição bem modesta. Perguntei a quatro pessoas que conheço há cerca de 20 anos – porteiro, empregada doméstica, manicure e cabeleireiro – em quem votaram no primeiro turno e em quem votarão no segundo. E por quê.

O chefe dos porteiros, nascido na Paraíba, mora no prédio no Leblon, votou na Marina e votará no Aécio. Por quê? “Porque o país está muito complicado e difícil, para os pobres e para os ricos.” Por que não votar no “governo novo do PT”? “Porque lá onde nasci, vejo filas de mulheres esperando o dinheiro do Bolsa Família. Elas têm mais filhos para ganhar benefício. Mas trabalho que é bom, nada.”

O cabeleireiro, também nascido na Paraíba, veio aos 14 anos para o Rio, mora no Muzema, bairro da Zona Oeste, votou em Aécio no primeiro turno e repetirá. Por quê? “Não aguento mais tanta corrupção.” Por que não votar em Dilma? “Porque Aécio tem mais preparo para ser presidente. Não sei se vai fazer um bom governo, mas a gente não aguenta essa dificuldade toda em transporte, saúde – depois de tanto tempo de governo do PT, isso só piorou.”

A empregada doméstica, nascida na Bahia, mora em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio.  Votou na Dilma no primeiro turno e repetirá. Por quê? “Minha irmã fez a minha cabeça para votar na Dilma. Nosso irmão é da Bahia e melhorou de vida com o PT. Não foi com Bolsa Família, foi com trabalho mesmo.”

A manicure nasceu em São João de Meriti, município fluminense, de pais migrantes paraibanos, mora na Rocinha, Zona Sul do Rio, votou na Marina e agora votará no Aécio. Por que não na Dilma? “Porque o PT já governa há muito tempo, está na hora de mudar um pouco e, depois de ver a roubalheira que aconteceu na Petrobras, tenho mais certeza ainda.”

Esses quatro depoimentos confirmam que os grandes temas da eleição são a qualidade de vida e a corrupção institucionalizada. Qualquer conclusão marqueteira que defina o voto por classe social ou lugar de nascimento é precipitada e equivocada. Após o pífio desempenho das pesquisas no primeiro turno, tendo a acreditar só na urna. As pesquisas deveriam ser suspensas três dias antes da votação.

Meu voto é que o Brasil melhore, seja com quem for. Que o mau exemplo não venha mais de cima. Que a propina não seja o meio oficial de enriquecer. O povo que trabalha merece mais respeito e menos sacrifício.











12 comentários:

✿ chica disse...

Assistimo ao mesmo programa ontem,Beth! Gostei e também desse artigo do Jornal. Pelo que vemos, temos que ter mudanças mesmo: de atitudes, pensamentos e expectativas!


Queremos mudanças, pena que eu não consigo acreditar em NENHUM dos dois. A que está, já sabemos o como estamos e não gostamos nadica de nada . O que QUER entrar, não me convence de jeito algum!

Sério isso, triste realidade que nos rala! bjs,chica

Ana Paula disse...

Beth, é premente o anseio pela mudança, então que se comece pelas urnas, ou seja, que se vote.
Também concordo com você que as pesquisas deveriam ser suspensas dias antes. Como se viu no primeiro turno, a metodologia usada não retratou os resultados; ou como brinca José Simão: "o povo está enganando as pesquisas ou as pesquisas estão enganando o povo?!"
Beijo!

Maria Célia disse...

Oi Beth, bom dia
Gostei muito das suas palavras e também do texto da jornalista Ruth, interessante, não tinha pensado em politica por este ângulo dela, e gostei principalmente do que ela afirmou..." meu voto é que o Brasil melhore, seja com quem for", é isto que todos almejamos.
Um beijo.

Calu B. disse...

Aplausos entusiasmados com esta brilhante análise da jornalista Ruth de Aquino, uma considerada opinião.
Meu voto coincide com o dela, por uma democracia mais consistente em seus melhores preceitos, por um Estado sério, honesto e competente, por um Brasil melhor.

Obrigada Betinha por esta luminosa partilha.Vc é bamba :)

Abraços patrióticos.
Calu

Dra. Cristiane Marino disse...

Oi Beth, gostei do artigo, também acho que a mudança é mais que necessária, mas além de mudar os governantes, a cultura do jeitinho, da corrupção e de querer que o governo resolva tudo tem que mudar.
Também concordo plenamente que é preciso desconfiar de quem deseja passar a vida recebendo bolsa do governo, conheço aqui em São Paulo mesmo mulheres que engravidam sucessivamente de homens diferentes apenas para receber o benefício do governo. Acho que o benefício deveria ser como o seguro desemprego, com tempo definido e com uma ação para inserir a pessoa no mercado de trabalho.
Esse é um assunto que dá muito pano prá manga…
Bjs

cristiane de paula goiatá goiatá disse...

Ei querida Beth!!
Me chamou, eu vim!! Cheguei chegando lindona e adorei o texto. Ah, também estava assistindo o Saia Justa ontem mas peguei no final quando elas falavam de exposição de gente famosa nas redes sociais. Adoro aquelas 4 mas adoro mais a Astrid e a Mõnica! Sempre são ótimas em seus temas, super atuais! Mas sou daquelas que assistia Saia Justa da época da Maitê, Beth Lago lembra?
Sobre o texto, bem vou assumir aqui que sou contra os dois candidatos, não confio em Aécio por mais argumentos e propostas de mudanças. Desculpa amiga! E na Dilma??? Bem, mesmo sabendo que aconteceram tantas mudanças representativas para as classes menos abastadas e criando muitas universidades e projetos sociais...bem, gostaria sim de
mudança amada, mas alguém novo, diferente que não prometesse sempre as mesmas coisas, que essas coisas todas, básicas para um país evoluir fossem cumpridas de vez mas...enquanto esse salvador não vem, prefiro observar. Pra mim qualquer um que estiver no poder no momento ainda será um erro.
Ah, o The Voice americano é na Sony, canal 49, passa aos domingos e segundas as 22:30. Assista e vai se arrepiar!
Mil beijokas e uma doce sexta!!
Cris

Lúcia Soares disse...

Apesar do medo que me acompanha, votarei contra esse governo medíocre que aí está.
O que foi bem feito, foi obrigação.
O malfeito, entretanto, foi muito maior.
Adorei o texto da jornalista, sou fã dela e concordo demais.
Há que se mudar, dar novos ares ao Brasil.
Mas também sempre falo que vença quem for realmente fazer o bem para o país.
Beijo, Beth.

Beatriz disse...

É isso aí Beth! Mudanças já, em todos os sentidos...
Enfim, estou ansiosa para ver o que vai dar no dia 25 de outubro, e quem vai assumir este país!!! Será que ainda tem jeito? É claro que não somos bobos, não há nenhum santo por aí! Falou em política neste país, sempre vai ter coisa errada por baixo do tapete, infelizmente......
PS: Gosto muito dos artigos de Ruth de Aquino

Beijinhos Beth

Bia Hain disse...

Olá, Beth, como vai?
Também fiquei encucada com essa disparidade dos resultados das pesquisas. Quando uma pessoa tenta convencer a outra sobre o melhor voto geralmente está pensando em seus benefícios, e não no que benefeciaria o bem comum.
O que não adianta é votar sem consciência e ficar reclamando depois.
Um abraço!

manuel marques Arroz disse...

"O sol é novo a cada dia."

Bjos e bom fim de semana

pensandoemfamilia disse...

Gosto deste programa, apesar de não assistir sempre . O tema de extrema importância: mudanças. Mesmo que não queiramos mudar, cada dia é um novo dia e pode sempre nos surpreender com boas ou más situações. Quanto a política, nem quero mais falar... bjs

Camille disse...

Beth adorei o texto. A questão da caristia alias é um dos temas que deveria estar sendo bem debatido-o governo FHC consegiu estabilizar a nossa economia que pode ir para o saco outra vez se achar que apernas medidas asssitencialistas, ainda que urgentes, vao resolver toda a questão.. É preciso gerar riqueza para crescer. Enfim,... Quanto aos debates do Saia Justa, antigamente nos blogs a gente debatia todos os temas que eram postados por X ou Y. Que nos interessasse a leitura. Hoje vejo um afastamento das pessoas dessa possibilidade tao rica. O blog é democatico Deveriamos fazer nossa propria Saia Justa. Bjos querida.Sempre sensivel e inteligente. Isso ai Beth.