.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

domingo, 13 de outubro de 2013

Tá bom demais!


     “Oh! bendito o que semeia
Livros, livros à mancheia
E manda o povo pensar…"
Castro Alves
Por estes dias de descanso, agora um pouco forçados, a busca por leitura foi algo natural, veio como um bálsamo. E quantos livros me chamaram na estante, insistindo que eu os abrisse e retomasse o prazer que há tempos vinha postergando, priorizando a rapidez e diversão do mundo virtual. Em duas semanas, consegui ler mais que nos últimos seis meses. As biografias que estavam me aguardando foram consumidas, falta pouco para terminar uma delas, misturei Graciliano Ramos com Trity Umrigar e terminei ontem a releitura de um livrinho de crônicas delicioso, fácil de ser devorado em poucas horas. O autor, muito conhecido dos cariocas, é o famoso Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo de Sérgio Porto, que morreu jovem, aos 45 anos de idade, mas deixou obras cheias de humor, em críticas alegres e festivas, maliciosas e amenas de nossas posturas individuais e coletivas. Escreveu diálogos e roteiros para filmes e o antológico Samba do Crioulo Doido que satiriza com muito humor, os enredos das Escolas de Samba. Deixo abaixo, uma dessas pequenas e deliciosas crônicas deste bem humorado carioca - Stanislaw Ponte Preta.
Celinha Convite
A mocinha, muito da gostosinha, estava jogando frescobol na beira da praia, sob os olhares cobiçosos da plebe ignara (ala masculina).  Ela era dessas de fazer motorista de coletivo respeitar sinal e muito desinibida nem dava bola para o êxito que seu corpo moreno e quase pelado, apenas coberto por precário biquini (desses que parecem feitos com o pano aproveitado de duas gravatas borboletas), fazia junto à moçada.
Foi quando um dos frequentadores do local explicou para os outros: 
- Essa daí é a Celinha Convite.
- Convite??? - estranhou o filho de Dona Dulce, que também olhava para a anatomia da moça, embora com aquela discrição que é faceta marcante em minha exuberante personalidade.
O informante esclareceu: - Sim, Celinha Convite.
- E Convite é nome de família?
Não, não era.  Celinha ficou sendo Celinha Convite depois do último carnaval.  Antes era Celinha Pereira. Mas acontece que na época do carnaval, Celinha destacou uma jogada que ficou célebre.  E contou a história.
- Nos dias que antecederam o baile do Copacabana-Palace, cujo convite custava uma nota alta, Celinha, talvez com esse mesmo biquini que a despe agora, foi para a piscina do hotel e ficou por ali, onde havia mais paulista rico do que cará no brejo.  De vez em quando um paulista se aproximava e puxava conversa com Celinha.  Como era tempo de carnaval, a conversa acabava invariavelmente com este assunto.  Era a ocasião em que Celinha dizia que adoraria ir ao baile do Copacabana, mas que o convite era tão caro!!!  E deixava umas reticências no ar. Ora, paulista, você sabe como é bonzinho, em época de carnaval.  O grã-fino providenciava logo um convite para Celinha, ali mesmo na piscina, cheio de esperanças de apanhar Celinha no baile.  Para encurtar conversa:  Celinha conseguiu bem uns vinte a trinta convites que depois, mesmo vendidos por preço especial aos seus conhecidos, renderam-lhe mais de 200 contos.
- Interessante.  E Celinha Convite foi ao baile com qual dos grã-finos?
- Com nenhum.  Foi de máscara, com o namorado dela.
- Paulista?
- Não. Baiano.
* * * * *







13 comentários:

✿ chica disse...

rssssss... Essa Celinha era danada e soube se aproveitar dos tarados de plantão! Bem feito pra eles,rs ...

Adorei e boas leituras pra ti nessa pausinha! TE CUIDA!!
As coisas andam tão estranhas, tenho tanta gente com problemas. Uma irão, com sérios problemas cardíacos, outra com a gripe A, que a pegou nessa época e de jeito, outros tantos amigos quebrados. Deve haver uma coisa estranha nos astros,rs beijos,fica bem,chica

pensandoemfamilia disse...

Muito boa crônica, gostei e me diverti com a Celinha convite. bjs

Ives disse...

Olá! Que esperta a Celinha convite hein, mas será que não correu o risto de cair nos braços de um paulista? rs abração

Yasmine Lemos disse...

Livros nos tornam livres , um bálsamo suas leituras . Beth tenha uma semana de paz beijão

Bill de Oliveira disse...

Eu amei ler este texto!!!
E acabo de desbobrir como vou ao baile do Copacabana Palace este ano!
KKKK
Mas não é paulista nem baiano! É argentino! srsrsrs


Eu tenho uma saudade imensa de ler mais Blogs, de vir mais aqui. Mas estou deixando fluir.

Bejus Argentinos!

William Oliveira

Luma Rosa disse...

Oi, Beth!
Uma crônica de uma época bem inocente. Atualmente as coisas aconteceriam bem diferentes! (rs*)
Melhoras pra ti!!
Boa semana!!

*Seu blogue está com algum script malicioso. Quando clicamos nele, abre também uma página de download.

Silvana Haddad disse...

Beth:
Também estou finalizando um livro, rsrsrsr.
E pretendo engatar outro, pra não perder o ritmo.
Aproveito a visita pra agradecer as suas gentis visitas lá no meu blog e te desejo uma esplêndida semana.
Bjs.:
Sil
http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

Márcia Cobar disse...

kkk
Adoro contos assim, me lembram Veríssimo!
Que delícia seu momento de atualizar a leitura, a introspecção, o olhar pra dentro...
Um beijo aí querida!
Ah, já li "A doçura do mundo" da Umgar. Achei lindo! É este o livro dela que você está lendo?
Bjo
Márcia

Heloísa disse...

Beth,
Leitura é muito bom, mas realmente a gente acaba ficando sem tempo para ler, por conta do mundo virtual.
Foi bom você ter aproveitado esses dias para essa atividade gostosa.
Beijo.

Marli Borges disse...

Querida Beth, Sergio Porto foi um cronista notável e fez parte de minhas leituras nos bons tempos de juventude. Legal Beth, uma paradinha assim como essa que tu fizeste, dá uma reviravolta na gente, mexe com nossos miolos. Sei como é, já me aconteceu quando quebrei meu tornozelo e tive que ficar de molho. Parabéns pelas leituras!!! Bjs

Calu B. disse...

Adoro as crônicas do Stasnislaw, são duma ironia elegante que retrata muito bem a época da boemia no Rio.
Pra bom proveito veio este teu descanso, heim amiga?Só não precisava ter sido prescrito pelo médico, mas de tudo fica um ensinamento, acrescido de boas leituras.
Bjos, Betinha.
Calu

PS: obrigada pelos elogios feitos lá na Norma.Assim fico de bochechas vermelhas,rssrss

Elisa T. Campos disse...

Beth

Benza Deus o seu descanso e a sua leitura que rendeu ainda uma deliciosa crônica para nos mostrar.

Dias iluminados para você.
Bjs.

ML disse...

Só consigo ler quando estou na casa da minha mãe, Beth, na minha ligo a TV... que vacilo!

bjnhsssssssssssssssss

PS: muito fofas essas "bolinhas de sabão" (?)na sua "page" - ADORO!