.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 17 de maio de 2013

"Escuta o trem de ferro alegre a cantar..."

(Pode clicar, são apenas 4 segundos)

Em dias como hoje, friozinho, chuvoso e calmo, propício para rever fotos antigas, encontro-me aqui, perdida olhando as belezas da nossa terra, quase sentindo o cheirinho do bolo de fubá da pousada em Tiradentes nas Minas Gerais, dos caminhos de pedras, dos artesanatos e do trenzinho que sempre me aguarda nos trilhos quando eu lá vou. 

Ahh o trem de ferro, a Maria Fumaça! Aposto que muita gente ainda não andou num trem de ferro, as crianças e jovens então, talvez nem saibam o que vem a ser tal máquina!
Aquele apito estridente, jogando fumaça branca no ar, algo tão antigo, mas que toca os corações daqueles que o veem, sentem-se na alegria,  transportados para aquilo que inspirou poetas, fotógrafos, compositores. "Com o compositor Villa-Lobos virou música de orquestra: "O trenzinho do caipirira".  Com Adélia Prado virou poema: "Um trem de ferro é uma coisa mecânica, mas atravessa a noite, a madrugada, o dia, atravessou minha vida, virou só sentimento."  E, com Milton Nascimento virou canção: "Maria-fumaça não canta mais para moças, flores, janelas e quintais. . .".

E o que é um 'Trem de Ferro"?  Ninguém melhor do que um bom mineiro, nascido na Serra da Boa Esperança, sul de Minas Gerais, nosso querido Rubem Alves para dizer-nos. Vejam a descrição de forma quase infantil que ele fez sobre o trem de ferro, numa coletânea de suas memórias dedicadas às suas netas, mas que nos faz visualizar perfeitamente uma Maria Fumaça em pleno funcionamento:

". . . Meu pai não respondeu. Foi até a prateleira onde se encontrava a enciclopédia . . . Aí ele me mostrou fotografias de locomotivas. Mostrou e explicou.  Disse que eram feitas de ferro. Que eram muito pesadas.
Que suas rodas eram enormes.  De tão pesadas não podiam andar nas estradas comuns, de terra:  afundariam.  Andavam sobre trilhos de aço presos no chão.  Dentro delas havia uma fornalha com fogo aceso.  O fogo aquecia a água, presa dentro de uma caldeira.  Me explicou o que era uma caldeira. . . Uma caldeira era uma chaleira enorme que não deixava o vapor escapar.  O vapor preso ficava muito poderoso.  Tão poderoso que fazia girar as rodas da locomotiva. . . . Disse que o vapor, passando por um cano, fazia a locomotiva apitar.  O maquinista puxava uma corda para fazer a locomotiva apitar.  O apito era a buzina da locomotiva.  Quem estivesse sobre os trilhos que fugisse, pois a locomotiva não podia desviar.  Na cabina ficavam o maquinista, encarregado de controlar a locomotiva, fazê-la andar, frear, apitar.  E o foguista, que jogava lenha na fornalha, para que o fogo estivesse sempre aceso..  Engatados na locomotiva vinham os vagões onde ficavam os passageiros.  Da chaminé da locomotiva saíam brasas aos milhares, em virtude do fogaréu que havia lá dentro.  De noite era uma beleza!  Era como se dentro da barriga da locomotiva saíssem milhares de estrelas!  Mas era preciso ter cuidado.  Vez por outra uma dessas brasas entrava pela janela do vagão onde estavam os passageiros e ou fazia um buraco no terno de um homem ou iniciava um pequeno incêndio na cabeleira de uma mulher . . .   Por isso aqueles que viajavam de trem se protegiam com casacos chamados "guarda-pó", vestidos sobre os ternos, e usando chapéus ou bonés . . ."

E para terminar este post nesta tarde de agradáveis lembranças, uma música desse grande mineiro que ficará para sempre em nossas memórias e corações.  - Milton Nascimento e Boca Livre - Toada -.



Ô trem bão!





27 comentários:

✿ chica disse...

Beth, que magia nesse teu post.Lindo ,me transportei no tempo. Que beleza ouvir o apito forte do trem. Sabes que me bate uma coisa estranha dentro de mim ao ouví-lo? E a música? Linda , o texto, nem se fala! Belas tuas recordações que te fizeram nos mostrar tais belezas.Adorei tudo, a foto, tudo, tudiiinho! beijos,um lindo e feliz fds! chica

Ana Paula disse...

Beth, hoje você está mais mineira do que nunca!
Andei recentemente de Maria Fumaça com as crianças só para sentir o gostinho. Uma voltinha rápida, mas tudo original, os bancos, a primeira classe, o apito.
A descrição de Rubem Alves é encantadora e eu não sabia dessa história de fagulhas voando e fazendo buraquinhos nos ternos. Aprendi sobre guarda-pó e adorei!
Beijo

Priscila Ferreira disse...

Nunca andei de trem dinda, já fui no museu ferroviário daqui!
seu post me lembrou aquele poema:
"Café com pão
Café com pão
Café com pão

Virgem Maria que foi isto maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Café com pão

Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força

Oô..
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pato
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
De ingazeira
Debruçada
Que vontade
De cantar!

Oô...
Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficia
Ôo...
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matá minha sede
Ôo...
Vou mimbora voou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Ôo...

Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente..."

beijos

Wanderley Elian Lima disse...

Ê trem bão sô!!! Ir de maria fumaça de Tiradentes a São João é tudo de bom.
Bjux

Calu disse...

Ô trem bão, sô, esta viagem mágica que vc nos levou, Betinha.
Todo encantamento despertado pelo velho trem de ferro, inspirador dos poetas, escritores e compositores de todos os tempos que eternizaram a calma beleza duma viagem a bordo duma Maria-Fumaça; piuiuiui(!)...olha a dama elegante na janelinha__ Vai partir!

Que delicinha viajar contigo neste post doce e lindo, amiga.
Bjkas,
Calu

ONG ALERTA disse...

Nos fez voltar ao tempo, beijo Lisett.

JAN disse...

Eu já viajei de trem "maria fumaça"... eu tinha medo de ver as rodas da locomotiva... mas lá dentro era bom!
Eram momentos mágicos, como este em que leio este post...

Abração
Jan

CamomilaRosaeAlecrim disse...

Menina Beth, que maravilha! escutei várias vezes, adoro trem, trilhos, apitos e adoraria ser maquinista!
Aqui pertinho em Jaguariuna tem passeio de Maria Fumaça e claro que já fiz...e em Campos do Jordão vejo sempre ela...adoro mesmo!
Me passa bons sentimentos e só de ficar na estação olhando ao longe esperando a emoção de ver a fumaça primeiro e a locomotiva lá na curva chegando!
Agora estou escutando a Toada!
Parabéns pelo belo texto!
Beijos saudosos e cheios de simplicidade!
Ótimo final de semana!

CamomilaRosa

Somnia Carvalho disse...

Ah! eu também adoro Maria Fumaça Lilas!
E de fato me sinto também transportada para outra dimensão no tempo, parece um portal aberto...

que post gostoso e viajante!!!

Sonho Meu disse...

Aqui tem um trezinho que faz uma viagem mais ou menos ao passado. to doida pra viajar nele tambem. Muito lindinho o seu post!

Lúcia Soares disse...

Já andei de trem, vindo da minha terra para BH e vice-versa. Ainda há um trem que sai de BH e vai para Vitória, ES.
Uma longa viagem (13h). E lá vamos nós...
Muito lindo seu post, Beth. Ô trem bão essas MG!
Beijo!

Toninho disse...

Quem viveu sabe a magia do apito do amigo trem.A fumaça que nos anunciava sua chegada ou partida lá na curva da estação que de cima da serra eu namorava com o sonho de um dia pilotar o amigo trem. Sua postagem me coloca na serra, me faz ouvir o apito.Viajar nos trilhos em equilibrio.Lindissima postagem Beth, hoje temos um outro circuito da Maria Fumaça,que passa por Ouro Preto e Mariana.
Grato minha amiga,foi melhor que viajar de taxi com todas as modernides,rsrs.
Belo fim de semana a voce.
Meu terno abraço mineiro de flor.
Bjo

Ives disse...

Pude anda em um trem de ferro lendo o seu post, por que me transportou a poesia de dias tão maravilhosos! ahh bolo de fuba é maravilhoso! abraços

Mariana disse...

Delícia a ruralidade do seu post! Combina tanto com Minas, lembra o poder do imaginário porque eu nunca vi uma Maria Fumaça mas suspiro lembrando do que nunca experimentei, cantando "ói, ói o trem,..." Bjs

Lulú disse...

Olá Beth

Lulú disse...


Olá Beth.
Também tenho saudades do trem, da Maria Fumaça. Aqui em Pernambuco ainda tem uma reminiscência. Sai de Recife e viaja até Caruaru, somente no São João. Chamam o Trem do Forró.
Na minha infância viajei várias vezes de trem. Era muito bom.
E onde eu nasci, o trem era usado para transportar cana de açúcar , dos engênhos para a usina.
Viagei no sonho!

Misturação - Ana Karla disse...

Pense num trem arretado de bom!
Beth, viajar com você foi um prazer.
Aqui existe ainda, o trem do forró que anda no período das festas juninas.
Bom final de semana
Xeros

Pitanga Doce disse...

Lindo demais, Beth! O post , as lembranças de outros trens, as plataformas ao cair da tarde, o apito que parece que entra no coração e nunca mais sai...sendo Maria Fumaça ou não.

"O trem que chega
é o mesmo trem da partida
Me dê um abraço
Venha me apertar
TÔ CHEGANDO!"

Ah! Isso num sábado, assim, chuvoso!

Beatriz disse...

Que delícia Beth!!!
Já andei de Maria Fumaça também há algum tempo e quero mais! Esse de Tiradentes ainda não fui, mas já ajudei o maquinista no trem de Ouro Preto a Mariana e me sujei toda com a lenha do trem que vai de São Lourenço a Soledade, no sul de Minas. Bons tempos......

beijinho e um ótimo fim de semana!

Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

ML disse...

Eu nunca andei nesse trem, Beth, mas se a paisagem é linda deve ser muito bom!
Não sabia também a história do casaco "guarda pó" - muito legal!

bjnhs, ótimo final de semana

PS: engraçadíssima sua frase no filmesinho ("pode clicar, só 4 seg")
; > )

Maria Célia disse...

Olá Beth
Que encanto de texto, como boa mineira adoro um trem de todas as maneiras.
Sua foto ficou espetacular, e a música do Milton é bárbara.
Beijo.

Anne Lieri disse...

Beth,fechou com chave de ouro esse lindo post!Estava já indo embora mas tinha que vir passear nesse trem e ouvir essa toada!Adorei!bjs,

She disse...

Que post gostoso, Beth! Estava com saudades daqui e hoje a minha vinda foi especial por aqui porque eu adoro esse barulho de trem. Não sei o porquê, mas ele me remete a uma saudade do que ainda não vivi, mas em breve viverei, só não me pergunte o que é porque também não sei, é apenas uma sensação muito forte. ;)
E adorei o recadinho dizendo que podia clicar que eram apenas 4 segundos.... kkkkk eu ri aqui.
Beijo, beijooooooo e tenha uma excelente semana!
She

Regina Rozenbaum disse...

Êita que minha Bethita_maaada mineirou de veiz! Êita trem danadu de baum essa postagem...Ontem, assistindo a Paula Fernandes de frente com Gabi, escuto a declaração da entrevistadora: ...e a culinária mineira não tem igual! E a gente daqui se orgulha que só!!!
Beijuuss minerins

pensandoemfamilia disse...

Uma viagem ao tunel do tempo, Andei há muito na Maria fumaça, não o fiz quando estive em Minas.
belas recordações vc nos encaminhou.
bjs

Teresinha disse...

Puiiiiiiiiiiiiiiiii....
Que delícia essa postagem!!! viajei lendo...Recordar é viver!
Beijos mil

Márcia Cobar disse...

Betinha querida,
Como boa filha de mineiro, o trem está no meu vocabulário... E o trem de ferro na minha imaginação... Acho pitoresca demais a cena do trem de ferro apitando! Que graciosa lembrança!
A última vez que estive num trem de fumaça foi em Ushuaia... um belo passeio!
Beijos querida!
Ah, perdi o domínio do meu blog... esquci de renovar e acabei perdendo muito do conteúdo... O novo endereço é: www.apaisagemdosdias.blogspot.com.br
Salve na sua lista de leitura, querida... pois o antigo se foi :( Trem triste kkkk.
Bjim Betinha!
Márcia