.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Porque não agem como os tapeceiros do Casaquistão?


Quando lemos ou ouvimos falar de casos estrambólicos, cheirando a super faturamento de prefeituras corruptas e ineptas como as que ocuparam (ou ainda ocupam?) este pobre e belo estado do Rio de Janeiro, 
haja vista a demolição do Velódromo do Rio que custou aos cofres públicos 14 milhões (é isso mesmo!) e 
não atende às exigências do Comitê Organizador das Olimpíadas para 2016,  passa então uma sensação de 
pouco caso com a gente deste estado, pois tanta coisa poderia ser feita com um dinheirão desses! 
Fazem, gastam e demolem.

O político que age assim, não pensa no amanhã, não pensa no povo e seu bem estar, no que ficará para sua posteridade, para seus próprios filhos ou netos. Só pensam no aqui e agora, ganhar, enfiar a mão no erário público, enriquecer às custas de dinheiro alheio.

O contrário disso é bem sintetizado na historinha sufi abaixo:

Um homem visitava uma aldeia do Casaquistão, onde se teciam famosos tapetes de padrões tão intrincados e complexos que alguns levavam várias décadas para serem tecidos.
O homem, ouvia as explicações do guia e, ao passar por um dos tecelões, um velho de longas barbas, debruçado sobre um imenso tapete de fundo vermelho, perguntou: “Você não tem medo de não conseguir terminar sua obra antes de morrer?”. Ao que o velho, placidamente, respondeu: “Não. Também não fui eu quem começou…”
Moral da história: que belas coisas a gente não faz para jogar no futuro, nas mãos dos nossos filhos e dos filhos dos nossos filhos…


12 comentários:

manuel marques Arroz disse...

É um fartar vilanagem...

Por cá passa-se o mesmo.

Beijo.

ML disse...

Beth, cada dia mais leu menos sobre "politicanagem", o Br me enjoa!

bjnhs e ótima semana!

Regina Rozenbaum disse...

Indignação não basta mais. É assim há tanto tempo que todos nós, brasileiros que pagam milhões em impostos, já se "acostumou". Meu filho postou hoje no face quantos meses trabalhamos por ano para encher os cofres públicos com impostos...O5 meses, Beth!!! Enquanto isso a saúde agoniza, a educação capenga e a segurança...bem, deve estar de férias eternas. Quando ouvi essa notícia do velódromo não acreditei... ficarão impunes???! E somos nós a pagar!
Beijuuss n.a.

Maria Célia disse...

Oi Bety
Olha quando lemos ou ouvimos estas coisas estapafúrdias, bate uma indignação, uma revolta.
O poder público perdeu há muito a vergonha na cara.
Belíssima lição do tapaceiro do Casaquistão.
Beijo.

✿ chica disse...

Essas coisas dão cócegas na barriga..Vontade de vomitar por aqui...beijos praianos,chica

Márcia Cobar disse...

Que bela história, Beth!
Lindo exemplo de sabedoria, desapego, honestidade.
Fiquei embasbacada com a notícia do Velódromo... que vergonha!
Bjim
Márcia

Beth/Lilás disse...

Pois é, minha gente, é tanto dinheiro que essa gente mexe e remexe, por isso temos certeza de que o país é muito rico, tem muito dinheiro pra escoar por entre os dedos da nação
e cair nos bolsos de políticos, empreiteiros, gente que fica colada nesta gente nojenta e que também lucra um pouquinho.
Uma rede de corrupção difícil de ser exterminada.

======================================================================

Vivian disse...

Olá,Beth/Lilás!

Sempre me impressiono com o descaso com o dinheiro público!Acontece tanto que nem era para ficar impressionada,mas é muita falta de ética,honra,justiça e amor ao próximo, que ainda choca!

Vergonhoso.
Beijos, querida!
Tudo de bom!

Calu disse...

Mais uma ação revoltante nos impacta.Esse ranço colonialista e maquiador se estenderá até quando?Como não temos a medida de tempo nas mãos faremos como tua maravilhosa referência nos diz, Betinha. Teceremos nossas indignações de muitas maneiras, para que ressoem por nós, por nossos filhos, pelos filhos de nossos filhos... e faremos saber que poderemos mudar este status quo.
Um cuidado é preciso ter-se: não confundir o BR com alguns elementos aqui nascidos e criados.
È mais que hora de reciclarmos este resíduo político.
Bjinhos ,
Calu

pensandoemfamilia disse...

E assim se vão os "barões", muito triste de se ver.
bjs

Pitanga Doce disse...

É ano de eleição e hoje na Praça Saens Pena já havia gente distribuindo "santinhos". Votar é obrigatório, mas vamos dizer NÃO??? Um NÃO bem redondo nas trombas dessa cambada toda!

Clecia disse...

É revoltante ver como jogam no lixo o dinheiro público neste país! Quando não desperdiçam, simplesmente desviam para o próprio bolso. E assim segue o Brasil para o fundo do poço.

Fiquei feliz com a sua visita, beth! Andei meio sumida do blog. Postava esporadicamente, mas o fazia.

Bjos!