.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O aprender pode e deve ser constante.


O professor Evanildo Bechara, ilustríssimo gramático e um dos membros da Academia Brasileira de Letras, vive por este país à fora dando palestras e enfatizando que o conhecimento é algo que deve estar sempre latente e presente em nossas vidas, pois ter terminado um determinado curso não significa que a pessoa não tenha mais nada a aprender, pelo contrário, sempre terá algo a descobrir,aprender e acrescentar. E hoje ouvi que ele considera como elemento fundamental na educação, justamente o interesse para aprender mais.


Este ponto de vista foi por mim ratificado numa conversa breve que tive com um rapaz simpático, ótimo profissional e que expressou-me justamente esta vontade que havia nele em aprender e ampliar seus horizontes em diversos e novos conhecimentos, já que estava se sentindo em pleno momento de enxergar o quanto isto poderá lhe ajudar inclusive na carreira que abraçou no mundo fashion. Ele tem sede de aprender, coisa boa demais!
Embora ele reconheça que veio de um meio simples e ainda mantenha contatos com seus amigos de origem, sente que evoluiu justamente porque não quer viver na mesmice, quer um crescimento cultural mais amplo, onde possa reconhecer uma obra de arte, um filme que marcou época, uma ou outra expressão artística e que reflita em seu trabalho diário.


Eu acho que é assim que as pessoas deveriam agir se pretendem uma ascensão social ou simplesmente quando sentem necessidade em buscar conhecimentos diversos que os completem mais em suas vidas. Nunca é tarde para se aprender mais um pouco.


E falando em aprendizado, conhecimento, lembrei-me de um dos  homens, talvez o mais brilhante que já tivemos em nosso cenário cultural,  Ruy Barbosa, que aos cinco anos fez seu professor exclamar:  "Este menino de cinco anos de idade é o maior talento que eu já vi. (…) Em quinze dias aprendeu análise gramatical, a distinguir orações e a conjugar todos os verbos regulares." 
Um assombro! Tanto nos padrões daquela época como nos dias de hoje seria considerado um ser super dotado intelectualmente, coisa pouca neste vasto mundo.  Mas, cito Ruy Barbosa aqui para mostrar-lhes um texto incrível que li dias atrás pela rede e  que confirma a genialidade e fluência em nossa língua daquele grande homem, fundador da Academia Brasileira de Letras, jurista, político, diplomata, escritor, filólogo, tradutor e orador.
(Se possível, leia em voz alta para sentir a força deste breve e interessante texto)

Reza a lenda que Ruy Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um barulho estranho vindo do quintal. Pé ante pé, foi averiguar e constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os patos, disse-lhe:
― Oh, bucéfalo acropedestre! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se o fazes por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência a que o vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, diz:
― Dotô Ruy, só pra entendê: eu levo ou dexo os pato?

“Sempre se vai para a escola para se ascender a posição melhor. A própria palavra educar, que é formada pelo prefixo latino edu, quer dizer conduzir. O papel da educação é justamente tirar a pessoa do ambiente estreito em que vive para alcançar uma situação melhor na sociedade”
(Prof. Evanildo Bechara)

 









8 comentários:

✿ chica disse...

Essa sede de aprender deve ser constante. Temos que manter isso, pois as crianças a tem e muito.Não pode ser deixado de lado!! beijos praianos,chica

Dulce disse...

Pois, minha amiga... para o pobre rapaz Rui Barbosa falava mesmo era grego... rs...

Beijos e bom final de semana

Luciana disse...

Beth, concordo demais com tudo que você escreveu. Aprender e aprender sempre. Estudar eh preciso. Eu não sou estudiosa, nunca fui muito dedicada, mas sei o valor que tem e de vez em quando dou um gas e sei que nunca devemos parar de estudar, de aprender, se não para melhorar na profissão, então melhorar como pessoa. Tudo que aprendemos nessa vida nos eh util e importante, bom, as coisas positivas que aprendemos.

Beijo

Lúcia Soares disse...

Claro que para aprender não há tempo nem idade. E "saber não ocupa lugar", já disse alguém.
Quanto à fala de Rui Barbosa, entendi por "intuição", mas o coitado do ladrão se lascou duas vezes: por ter sido flagrado e por ouvir alguém falando com tal pedantismo! rsrs

pensandoemfamilia disse...

Oi Beth
Eu gosto de estudar e eu estou sempre fazendo algum curso, mas por vezes percebo que o método de ensino precisaria ser outro para poder, realmente, impulsionar os estudantes na busca de ampliação do horizonte.
Há mensagem do amigo para vc no meu espaço.
bjs

Palavras Vagabundas disse...

"Nunca é tarde para se aprender mais um pouco." Pauto minha vida nisso, agora aposentada vou cada dia atrás de mais saber.
Amei a piadinha do Rui, coitado do ladrão!
bjs e bom fim de semana
Jussara

Calu disse...

Betinha,
quantas alegrias vc reuniu aqui neste importante post.Tua sensibilidade captou a preciosidade que vai n'alma deste rapaz: a vontade de aprender;que no contexto educacional é componente primordial para o crescimento pessoal e profissional de cada pessoa.Como enfatizava Freinet:"podemos levar o cavalo até o cocho,mas não podemos forçá-lo a beber.
A busca pelo conhecimento é sempre benéfica.
Adorei os apartes do grande Ruy!Coitado o ladrão que não tinha nem um dicionário a mão( rsrs...)
Bjkas alegres,
Calu

Luma Rosa disse...

Hahaha adorei a conversa do Ruy Barbosa. Só não sei se funcionaria nos dias atuais :) Concordo com o professor Evanildo Bechara; fazer uma faculdade pode ser nada se depender apenas do que a faculdade apresenta ao aluno. Por mais que a faculdade seja boa, ali está somente a parte teórica e toda a parte técnica nem sempre um estágio alcança. Aprender depende de cada um de nós, por isso existem pessoas tão diferentes no saber e no modo de conduzir a própria vida, pois até nisso precisamos de uma certa sabedoria. Bom fim de semana!! Beijus,