.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Minha amada dançarina azul (Blogagem Coletiva Minha Idéia é meu Pincel)



Edgar Degas - Les Danseuses Bleues - 1890
Pela primeira vez atrasei-me numa Blogagem Coletiva, mas a justificativa é válida, pois viajei alguns quilômetros para ver minha mãe, ficar com ela, abraçá-la, dar carinho, conversar e lembrá-la que estou sempre em sintonia com ela no meu dia a dia, mesmo morando distante.

Hoje, na volta, pensei por várias vezes neste belo quadro de Degas e na tentativa de senti-lo, visualizei as  bailarinas azuis em saltos e quedas suaves, rodopiando em conjunto, formando beleza e leveza em seus gestos.

Senti então, o toque suave das mãos de minha mãe na despedida, em meu rosto. Seu abraço frágil, delicado, leve como uma dessas bailarinas da tela.

Minha mãe querida, que bailou em toda sua vida com dignidade, leveza de ser e de espírito!

Seus quase 80 anos demonstram mais ainda sua suavidade ao andar, ao falar, ao tocar.

Os velhos perdem em massa e ganham em delicadeza.  Minha mãe está assim, cada vez mais  suave, mais etérea, como se já transcendesse esta vida e com isso, aos poucos, sua fluidez é visível, exala beleza bailando solitária no palco da vida,  que eu, encantada e já saudosa, aplaudo de pé, pedindo a Deus que dê bis, muitos bis ainda a esta tão amada bailarina.






*Este post é minha participação na Blogagem Coletiva "Minha Idéia é meu Pincel" comandada pea amiga Glorinha de Lion do Blog Café com Bolo.




Apenas um lembrete:  Aqui, neste site do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, poderá ver 
o dia e a hora das apresentações dos melhores ballets apresentados na cidade,
inclusive o maravilhoso ballet da China que estará se apresentando agora em novembro.







31 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Ai Beth, terminei com chave de ouro essa linda blogagem de hoje. Me vieram lágrimas aos olhoe te lendo agora. Que lindo seu post, que delicadeza...pude ver e sentir a mão de minha mãe em meu rosto e as lágrimas agora afloram e caem sobre o teclado...que saudade me deu da minha mãe! Que bom que ainda pode sentir o toque da sua mão em seu rosto, beijar-lhe os olhos, os cabelos, abraçá-la. Tua mãe é sim uma bailarina e hoje a imagino, vestida de azul...beijos e boa noite!

Mila Viegas disse...

Que lindo a sua declaração de amor para a sua mãe... tão lindo que fiquei com pingos nos olhos. Essa pintura é realmente muito bonita e inspiradora.

Fico feliz que você tenha gostado do livro. Hoje eu o reli e vi vários erros que tinham passados despercebidos.. rs. Acontece quando somos nós que fazemos tudo. Obrigada pelas lindas palavras em relação a isso.

Beijos, Betita!!!

orvalho do ceu disse...

Oi, estimada Beth
"Perde-se massa e ganha-se delicadeza"...
Menina que inspiração!!!
Delicadeza foi o que não faltou com Degas pela blogosfera no dia de hoje... vc disse muito bem...
Mas pudera... com mãe amiga assim... o coração amolece mesmo...
Tenha muita paz de espírito e nos passou uma aura maravilhosa de explendor e de bondade maternal!!!
Bjs com votos de saúde e de paz.

Nilce disse...

E eu achando que a atrasada era eu em não ter vindo aqui ainda. Também estive com a minha nesse feriado.

Que linda comparação você fez da suavidade, fragilidade e a delicadeza da sua mãe com as bailarinas.
O embalo da vida, o viver dela nos dias de hoje. Como os queremos mais e mais conosco.
Maravilha de texto Beth. Muitos e muitos anos de vida à sua querida mamãe.

Bjs no coração!

Nilce

Suziley disse...

Que lindo, Beth. Ter a mãezinha já com quase 80 anos é mesmo uma benção. Sem dúvida, a mãe é a bailarina principal de nossas vidas!! Linda homenagem, parabéns!! Bela participação! Beijos, boa noite :)

LILIANE disse...

Beth
que gostoso presente de Deus pra você
ter sua mãe viva.
e pelo jeito são muito próximas, né
bacana demais.
um lindo dia pra você

Taia Assunção disse...

Que lindo. Sinto a mamãe também assim, como uma pluma...cada dia mais leve, mais suave. Beijocas, daqui a pouco pego o vôo para o Brasil.

Cucchiaio pieno disse...

Belíssima descrição! Tua mãe é linda, da' vontade de abraça-la!
Um grande abraço e um belo fim de semana pra voce.
Léia

disse...

Lindo e emocionante post Beth! Transbordei de saudades da minha, quero chegar em casa e sentir esse toque. Bjosss

VELOSO disse...

Uma linda e tocante homenagem parabens pelo post carinhoso me emocionei muito fica com Deus!

Chica disse...

Qu linda tua mãe e tua associação dela com essa dança da tela.Brilhante! beijos às duas,chica

Heloísa disse...

Beth,
Que lindo seu post.
Pura poesia, cheia de amor e carinho.
bjs

pensandoemfamilia disse...

Oi querida

Atrasada, mas arrasando.
Figuei muito emocionada, pois a minha bailarina querida já partiu há anos, mas a conservo no meu coração. Vc com suas palavras me fez recordá-la saudosamente com alegria por tê-la tido como mãe.
bjs.

Isadora disse...

Beth, você pode ter se atrasado para a blogagem, mas também ao fazê-la nos emocionou. Uma linda homenagem a sua mãe que me fez lembrar a minha, ainda não tão etérea, mas que com certeza bailou muito como sua mãe nessa palco da vida.
Um beijo

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

mas que graça sua mãe, uma linda!
poxa, Beth, não teve como não se emocionar, foi o post mais lindo da blogagem. Com tanto sentimento, com tanto amor... vc é assim porque teve essa mãe maravilhosa, que gerou uma filha tão especial.

muita saúde e felicidade pra sua mãe querida, minha querida mãe Gaia!
bjs

Astrid Annabelle disse...

Me emocionei e senti saudades da minha mãe Beth! Que linda inspiração amiga!
As Mães vão realmente perdendo massa pois viram anjos!
Lindíssima participação.
Beijos querida...muitos beijos.
Astrid Annabelle

Lúcia Soares disse...

Beth, senti mesmo sua falta. Já lhe falei que fico "órfã" quando não vejo nada seu escrito.
E aí, você me vem, com essa beleza de texto, emocionante.
Minha mãe está, aos 85 anos, desse jeitinho que descreveu: perdendo a massa corpórea, bailando, etérea, pelo palco da vida.
Gostaria, também, de tê-la por muitas valsas ainda.
Beijo em sua mãe.
Beijo em você, que tão bem sabe ser filha.

Carla Farinazzi disse...

ô Beth, esse texto me fez chorar, sabia...
Os velhos perdem em massa e ganham em delicadeza. Estou vivenciando isso, com meus pais. Tornam-se mais doces e ternos a cada dia... Dá uma sensação tão boa ficar perto deles, ouvi-los, ver seus olhos cheios de amor.

Delícia de post, querida

Beijo

Carla

Manuela Freitas disse...

OLá Beth,
Senti a tua falta, mas a ausência pelo motivo indicado é plenamente aceite. Eu que já não tenho pais, sempre me culpo de não ter estado mais vezes com eles!..
Gostei muito da associação que fizeste do quadro à tua mãe, ficou de facto muito emotivo e bonito.
Beijinhos,
Manú

Nika disse...

Que post lindo Beth ,adorei...uma delicia poder abraçar e beijar nossas mães..
Me emocionei ao ler seu post...
O balé da China é lindissímo ..recomendo quem puder ir..vale a pena..
Bjs

manuel marques disse...

Parabéns pelo post e pela homenagem linda a sua mãe.

Beijo.

Georgia disse...

Linda a tua mae, Beth.

Que Deus a conserve muitos anos ainda para te alegrar.

Um grande beijo

Renata disse...

Uma lindíssima homenagem à mãe, bailarina da vida...

E as bailarinas da China,quero vê-las, já garanti meus convites para a apresentação em BH!

Um abraço,
Parabéns pelo post

Malu Machado disse...

Os velhos perdem em massa e ganham em delicadeza.

Beth, que linda leitura do envelhecer. Que ternura. Também fiquei emocionada com seu post. Lindo, delicado, amoroso, respeitoso. um post de amor.

Me faz um favor? Dá um beijão na sua mãe.

Um forte abraço,

lolipop disse...

Beth,
A mais elevada forma de arte é a arte de viver...por isso a carícia de sua mãe é mais leve do que as bailarinas de Degas. A caricia duma mãe é dum azul, doce e profundo que nenhum pintor conseguirá jamais imitar.
Tão azul que dilui o cinzento das nuvens num dia de chuva...mesmo sendo, como é para mim agora...só a memória do seu calor.
Carinhossss

Socorro Melo disse...

Oi, Beth!

Amei a sua interpretação, fiquei emocionada, e lembrei da minha mãezinha, pois, ela tem todos esses atributos que você falou, e é uma bailarina da vida também.
Bela homenagem!

Gd. abraço
Socorro Melo

Gina disse...

Oi, Beth!
Não tenho podido participar da blogagem, está uma correria minha vida no momento.
Muito sentimental sua participação. Deu pra imaginar as bailarinas rodopiando e o envolvimento de sua mãe com você.
Que maravilha chegar quase aos 80 essa leveza...
Bjs.

Dani dutch disse...

Beth, eu as vezes ligo em casa 2X ao dia, quando sinto a saudade apertar mais.
E ainda mais nesta epoca perto do Natal. bjuss

ManDrag disse...

Minha amiga,

Lindo texto, cheio de ternura. É uma benção a tua mãe ter sabido envelhecer com graça e carinho. Muitos há que se tornam velhos mesquinhos e empedernidos de rancor.

Abraço-te no azul da amizade

Ivana disse...

Que lindo Bethinha...
Uma mulher realmente admirável deve ser a sua mãe. E que herança de amor e vida ela deixa no mundo através de ti. Fico admirada. Feliz de quem pode viver e deixar um legado de amor.
Beijos.

Lu Souza Brito disse...

Beth,

Quanta emoção nesse post. Uma linda homenagem a sua mãe. Eu fico alguns meses sem ver a minha, mas quando posso estar com ela meu mundo se alegra de uma maneira. tenho tanto orgulho da sua garra e modo simples de ver a vida.
Ontem (22/11) ela fez 58 anos. Não vejo a hora de encontrá-la e poder abraça-la demoradamente.
Mãe é a melhor coisa do mundo!