.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Jabuticabas e eu


(Jabuticabeira em Petrópolis)

"Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. 



Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. 

Já não tenho tempo para projetos megalômanos. Já não tenho tempo para conversas intermináveis para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que, apesar da idade cronológica, são imaturas. 



Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral. Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: 'as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa... 



Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente ser feliz. 



Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo. 



O essencial faz a vida valer a pena ! 





Basta o essencial !" 



Texto de Ricardo Godim
Jabuticabas 










(Veja aqui sobre Jabuticabas ou Jaboticabas)

















24 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Que lindo esse texto! O essencial passa e a gente nem percebe...e assim vamos seguindo. É bom quando a gente lê um texto desses, cheio de sabedoria e percebe, se dá conta, de que gasta um tempo precioso da vida com bobagens, futilidades, infantilidades. E fiquei com muita inveja dessa jabuticabeira! cada uma que mais parece bola de gude! As flores da minha, não sei se caíram, se as formigas comeram ou se os micos derrubaram. Adorei essa mensagem..agora vou mimir...ô vida essa de escritora insone...bjs Fui...

Nilce disse...

Maravilha de texto, Beth

Também quero muito viver assim.
Sem as mediocridades, falsidades e tudo mais que estragam a pureza das almas.
"...quero a essência, minha alma tem pressa..."
E muita!

Bjs no coração!

Nilce

Liza Souza disse...

Beth,
esse texto é maravilhoso! Que bom seria se a gente percebesse a essencia dele na juventude e nao perdesse tempo com tanta coisa inutil.
Beijos

Mari disse...

Eu adorei o texto,Beth. É profundo e nos aponta um sentido maior pra vida.

Às vezes nos preocupamos demais com coisas sem importância e isso só desgasta nossas jabuticabas.

Aliás, que saudades de comer umas...

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Eu tb adorei esse texto. O autor foi perfeito! eu queria ter escrito algo assim na vida, pois é um retrato do que sinto.

Ah... não tenho mais paciência pra briga e pose de candidato de gerente de loja!

bjs e bom dia!

Misturação - Ana Karla disse...

Maravilha Beth!
A felicidade anda sempre ao nosso lado com apenas o essencial.

Bom dia

Xeros!

Françoise disse...

U-a-u!!!!!! Perfeito!
Viver no "essencial" é viver intensamente e com sabedoria. Fugir dos rótulos é um desafio diário para que possamos ser felizes né. É preciso metas , focar em objetivos , e assim também vou eu....em busca de tudo isso....

Lindo texto!
Abraço apertado ,
Fran

Catarina disse...

É verdade, cada vez mais o mundo se importa com coisas sem importância e esquece o que realmente importa.
Todo mundo vive para a Imagem, para o Ego em vez de viver para a Verdade.
Será que as pessoas agora são só cascas vazias sem sentimentos e essência?
O seu blog (q eu ainda ñ conhecia, infelizmente) é cheio de sentimentos e nada vazio, é muito carinhoso e dá vontade de voltar.
Beijos,

Catarina
http://ecologicaquem.blogspot.com/

Vivi disse...

Oi Bethinha...
A palavra que me veio após ler seu texto...foi MATURIDADE!!!! e gostei tanto!!!!
Concordo com tudinho q vc escreveu!!!!
bjs paulistas
rs

Lu Souza Brito disse...

OLá Beth, tudo bem?

Eu adoro também este texto. Chega de perder tempo com bobagens né?
Eu gosto dessas reflexões e gosto mais ainda de jabuticabas, ahahha.
Tenho paixão por estas pretinhas.
Tenho um vizinho aqui que tem uma chácara pertinho de casa e quando é época ele me presenteia com sacolas de jabuticabas, lichias e seriguelas. Amoooooooo!

AC disse...

Excelente texto!
Às vezes gastamos tanto tempo em coisas acessórias (ainda não aprendemos o verdadeiro valor das coisas) que passamos ao lado do que é verdadeiramente importante. Mas isso aprende-se, não nos é dado de forma gratuita. Ah, a vida...!

Beijo :)

Lucia Cintra disse...

Tive que rir, pois mesmo somente na casa dos 30 eu ja me sinto assim. Nao gosto de perder tempo com coisas inuteis, sabe? bjos

Astrid Annabelle disse...

Beth querida!
Sem títulos nem rótulos, apenas compartilhando o ser...é assim que eu me propus a viver faz algum tempo! Perfeitamente em sintonia com o autor desse maravilhoso texto. Eu já o conhecia mas foi muito bom reler.
E por falar em coisa boa...que jabuticabas mais lindas! Deu mesmo água na boca.
Parabéns por este post..está lindo e apetitoso!!!!rsss
Beijo grande
Astrid Annabelle

Macá disse...

Beth
Esse texto é muito lindo e verdadeiro. Tão verdadeiro, que tive um trimilique aqui. Ah!!!! porque vocês foram me lembrar que também tenho MENOS tempo do que o que já vivi? Agora que conheci vocês? rsrsrrs
um beijo

Ana disse...

Texto lindo!

(Eu nunca provei jabuticaba!)

pensandoemfamilia disse...

Olá querida

Gosto muito deste texto e sinto-me nesta etapa da vida, prezando o essencial.
Sua foto esta LINDA.
Interessante que eu tenho constatado que estou gostando de participar deste contexto (blogosfera) e que procuro tempo entre os meus tempos para estar aqui presente. Penso que o essencial na minha vida é este estar presente entre pessoas e situações que acrescentam meu saber, meu afeto, minhas trocas,...
bjs,

Lúcia Soares disse...

Beth, são textos assim que nos dão um "soco no estômago" e nos fazem perceber as bobagens que cultivamos na vida, em vez de realmente apenas viver e deixar que vivam.
Desapego de coisas materiasi sempre tive, mas ainda me pego pensando numa ou noutra coisa que me incomoda e mais e melhor viveria se as esquecesse.
Beijos!

Ah! adoro jabu(o)ticabas. Uma pretinha verdadeiramente básica para o paladar. Pena que a safra dure tão pouco!

Mônica disse...

Voce fez da frutinha mais simples, pequenina, docinha, pretinha a mais linda poesia em forma de aprendizagem.
Parabens por ser amiga de Alexandre pois só assim pude vim aqui.
com carinho Monica

Deusa disse...

Tão lindo este texto,tão verdadeiro,talvez por isto o Alexandre tenha recomendado...maravilhoso.
Acho que com a maturidade a gente começa a perceber que o que importa e o conteudo,não que o rotulo deva ser desprezado,mas o conteudo e imprescidivel.Com a maturidade começei a me sentir mais impaciente,já não faço tantas amizades como antes,já me preocupo com isto...não desprezo ninguém...aceito bem praticamente todo mundo,mas não tento fazer amizade quando a pessoa começa a falar sobre seu alto padrão de vida,viagens que faz todo ano,o emprego que tem,as joias,os presentes....me inquieta...aqui isso tem sido normal,ouvir primeiro a pessoa quer mostrar o quão elevado e seu padrão de vida e tal....o que importa,a verdade a gente só sabe se aprofundando,mas infelizmente não tenho tempo a perder.Sou imperfeita,mas que posso ser melhor.
Beijinhos
Deusa
vasinhos coloridos

Flor de Lótus disse...

Oi,Passando para conhecer seu blog!E achei esse texto muito familiar e pelo que eu bem me lembro ele é da Lya Luft, posso estar equivocada,mas acho pouco provável porque sou uma leitora assídua de seus textos.
Beijoss

Wilma disse...

Esse texto está no meu perfil do Orkut, nem lembro onde o achei, mas não sabia quem era o autor. Agora posso ir lá e colocá-lo. Apesar das aspas, já teve quem achasse que era de minha autoria, hahahaha bem gostaria, porque é assim mesmo que me sinto, concordo com todos os parágrafos!!!

Rosamaria disse...

Lindo, Beth! Como Lúcia disse, me deu um "soco no estômago" quando li a primeira frase, embora já conhecesse o texto.
E as jabuticabas...ah...babei!
Bjim.

Ivana disse...

Nossa, Beth! Perfeito!

Heloísa disse...

Beth,
Post maravilhoso.
Esse é um texto que deveria estar na nossa cabeceira, para ser sempre lembrado.
Beijos.