.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 30 de março de 2010

De janelas abertas para a vida


Janelas.  Como gosto de observar por elas, principalmente se tem paisagem, muito verde, flores, coisas bonitas para distrair a mente.  Dizem que é ótimo, faz muito bem ao relaxamento profundo quando nossos olhos podem observar uma longa distância e quem tem uma janela onde possa fazer isto de vez em quando, com certeza, é um privilegiado. 

Existem milhões de janelas por este mundo à fora e gente sempre a olhar por elas ou muitas vezes, com o olhar perdido, apenas olhando, mas não vendo nada. O pensamento preso noutro tipo de janela, a da alma inquieta ou vazia. 
Existem também os curiosos, fofoqueiros que estão sempre a observar a vida alheia e o que acontece em cada esquina. E aqueles solitários que precisam observar através da janela o que acontece pelo dia a dia das ruas para encher suas vidas de cor e alegria.


Meu marido trabalha no coração do Rio de Janeiro, bem próximo à Candelária e ele me diz que as manifestações políticas, estudantis e as mais variadas,  ocorrem sempre ali bem debaixo de sua janela e, além dele ver tudo o que acontece, vez em quando ainda escuta o que falam e noutro dia reclamou comigo da poluição sonora que, mesmo nos andares altos daquele centro, ainda assim se faz sentir dentro das salas. Mas eu lembrei a ele que pior é aquela pessoa que tem que trabalhar num local que não tem janelas, como foi noutro dia quando fui a um médico numa clínica aqui na cidade.  Seu consultório era até bonitinho, mas não tinha janelas e eu observei isso meio perturbada, porque não consigo ficar num ambiente que não tenha janelas, sinto-me claustrofóbica, mas a consulta foi rápida, ainda bem!

E ontem à noite, um temporal daqueles caiu na cidade, com raios que só no Brasil tem, ventos fortes, uma pequena tormenta, mas de meter medo e fazer todo mundo ficar calado e olhando pelas janelas ou varandas.  Desliguei o computador e a televisão porque sabia que em breve faltaria energia, pois ventava demais e geralmente falta luz nestas ocasiões. Realmente, a energia se foi, mas olhando pela janela vislumbrei o clarão forte e rosado de um raio belíssimo que atingiu um arbusto na pequena montanha que tem em frente ao meu apartamento aqui em Niterói.  Nunca tinha visto tal coisa, ou melhor, o fogo que fez em poucos segundos de sua caída sobre a árvore.
Por sorte não houve feridos e a chuva forte que caiu em seguida, apagou rapidamente o fogaréu.  E eu, olhando e fotografando da minha varanda.


Janela - abertura para a vida, para o sol, para as estrelas, para a lua, para a chuva, relâmpagos, para árvores, pássaros, vizinhos, vasos com flores, gente que vai e que vem, crianças a correr nos pátios e playgrounds, escolas ... vida!

Há tempos, quando eu frequentava o Orkut com assiduidade e criava posts para agitar uma ou outra comunidade, deixei lá um com a seguinte pergunta: O que você vê pela janela de sua casa?
Hoje, reparei que ele ainda é comentado, ainda tem gente que fica instigada pela pergunta e até dei boas risadas  com uma maluca que sempre aparece e coloca algo meio irreverente e que não devo reproduzir aqui, mas a maioria gosta de ver, espiar por elas, e fazem isso quase todo dia, indo lá e colocando o que veem até mesmo naquele momento.  Um deles disse assim: 

"Eu detesto janelas fechadas. E como não tenho nenhum infeliz por aqui, as que tenho em casa estão sempre abertas.
O que vejo: Uma selva de prédios com dezenas de janelas.
Muitas vezes me sinto dentro do filme "Janela Indiscreta" mesmo sem estar com a perna engessada.
Um dos prédios está a menos de 50 metros da minha janela.
Dai acabei conhecendo melhor os hábitos dos habitantes desses apartamentos do que os que moram aqui no edifício.
Pode uma coisa dessas ?"


e outro disse:

"vejo a ponte Rio_Niterói, o verde das montanhas, o cara levando o carro do outro lá em baixo, o cachorro do predio em frente fazendo pipi na churrasqueira, meu vizinho do outro prédio com essa dorga de churrasco toda vez que o Fla joga..."

e mais outro:

"Se olho para a direita vejo a Lagoa lá longe e o Cristo Redentor(maravilha), se olho pra esquerda vejo o mar(maravilha), agora é que pega se olho pra frente vejo um prédio que só mora politico!!!!!
Isso é que enfraquece!!!!!!"

A indagação rende muitos comentários interessantes e faz a gente visualizar direitinho o que aquela pessoa vê pelo seu pedacinho de janela aberta, com isso, abrimos uma outra janela ... a de dentro de nosso cérebro, a nossa imaginação.


Então, deixo aqui a pergunta para você também:   O que você vê pela janela de sua casa?


Estatutos do Homem
(Ato Institucional Permanente)
Artigo III

Fica declarado que, a partir deste instante,
Haverá girassóis em todas as janelas,
Que os girassóis terão direito
A abrir-se dentro da sombra;
E que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança

Thiago de Mello





18 comentários:

Silvia Masc disse...

Me sinto privilegiada, tenho uma paisagem linda na minha janela,por de sóis deslumbrantes, muito verde, muitas árvores. Tenho certeza que a venda do meu partamento foi muito valorizada pela paisagem, a compradora veio e se encantou. O que me conforta é saber que o sol pode nascer na moldura de outras janelas.
beijinho

manuel marques disse...

"Descobri uma lei sublime, a lei da equivalência das janelas, e estabeleci que o modo de compensar uma janela fechada é abrir outra, a fim de que a moral possa arejar continuamente a consciência ."

(Machado de Assis.)

beijo.

Lu Souza Brito disse...

Ola Beth,

Da janela da minha casa eu vejo ao fundo a mata, e ouço muitos pássaros cantando. Mais a frente, a casa dos meus vizinhos e ali de cima fico observando: uma que acorda muito cedo e põe o lixo pra fora, outra que lava roupa sempre aos sábados, a criançada saindo para a escola antes das 06:30h. (esta é a janela do meu quarto que fica no segundo andar).
Da sala, vejo o vai e vem de carros que passam pela estrada, cortando pedágio.

Agora, vc falou em claustrofobia...eu trabalho em um prédio e o meu escritório fica no fundo. Não tenho uma janelinha sequer. É terrível mesmo.
Ontem mesmo o mundo estava desabando com a chuva e eu só percebi quando fui almoçar.
Totalmente isolada.

Beijooos

Glorinha L de Lion disse...

Beth, como falamos ainda há pouco e eu te disse que fiz um post sobre portas e janelas...tenho verdadeira atração por janelas "alheias" mas não para fofocar, mas para imaginar o que há lé dentro, como seria a vida de quem mora lá...construo na minha cabeça uma estorinha, imagino, crio...MAS, FIQUEI PENSANDO EM OUTRA COISA: O que são os blogs se não janelas?? Janelas para dentro das pessoas...onde cada um mostra o que quer...permite que vejamos um lado, ou tudo ou nada? Blogs saõ janelas...o meu é uma janela com ligação direta pra minha alma...
Mas, voltando para a sua pergunta mais objetivamente: das minhas janelas, vejo verde, montanhas, micos, pássaros, quase nenhuma gente (thanks god!), natureza em estado bruto e agradeço a cada manhã por esse privilégio!
Beijos! Ótimo post!

Luciana Håland disse...

Oi Beth!
Da janela da minha sala eu vejo o jardim e os gatinhos que por ele circulam sempre. Da janela da cozinha e do quarto onde eu coloquei uma escrivaninha bem de frente pra janela, eu vejo um playground pequeno e as casas da vizinhanca, a rua é pequena e do lado do playground é fechada para carros, então tem sempre criancas brincando, isso quando o tempo está bom, gosto de ficar vendo as peripécias delas, e muitas vezes me impressiono, como ano passado que dois meninos de apenas três anos já dominavam a bicicleta, andavam sem as rodinhas de apoio e um deles até arriscava umas piruetas. Também vejo eles aprontarem de vez em quando, tocam as campainhas e correm, acho muito engracado, até porque as vezes eles fazem isso aqui, aí correm e eu vendo tudo, mas daí voou lá na frente, abro a porta, faco cara de boba e entro, e eles rindo e eu vendo e eu rindo mais ainda dentro de casa.
No inverno via os escorregões da galera no gelo.
Minha rua é pequena mas as janelas proporcionam movimento.

Beijo

Anônimo disse...

Minha linda, fiquei encantada com o seu texto. Gostoso de ler.
Um texto que nos remete ao nosso interior para descobrir o que há através de muitas janelas.
Janelas que se abrem para um novo horizonte, janelas que se fecham. Temos que abrir as janelas dos nossos corações e sentir a brisa de uma vida melhor. Sentir que o mundo, lá fora, está caminhando...Que está dando passos para novas conquistas. Fique bem e um grande beijo. Te

Bia Mendonça disse...

Já eu gosto de telhados, principalmente os daqui da Suiça!

A resposta pra sua pergunta deixada lá no blog é: certíssima! Apaixonada, talvez mais do que devia, mas dificil de controlar! :) mas estou curtindo cada momento até a hora que tiver que ir embora!

bjs

Heloísa disse...

Beth,
Lindo post.
Ter uma janela que se abre para a beleza, é um privilégio. E é assim que me sinto, com o mar à minha frente.
Mas acho que, ainda que não tenhamos uma beleza natural à frente da nossa janela, temos que descobrir outros tipos de beleza. Mas o céu, sempre estará diante de uma janela aberta, assim como o sol, a lua e as estrelas (quando podem ser vistas).
E esse Artigo III, do Estatuto do Homem (do Thiago de Mello) é fantástico.
Beijos.

rocosta disse...

Da minha janela vejo um lago :-)
Beijos, muitos!

Ana Paula Soldi disse...

Beth por favor nao tem nada que agradecer, você merece.
Quanto ao post te conto das minhas janelas eu vejo o mar, e muito natureza.
Beijos

Lu Olhosde Mar disse...

Thiago de Mello para presidente!!!

da miha janela eu vejo a minha rua, q é uma rua sem saída, calma... casas na frente, e como moro em um prédio, entao vejo além... vejo as montanhas no horizonte e um por do sol de respeito, nelas. e se subir as escadas para o terraço do edifício, onde ter churrasqueira, varanda e um lavabo, entao eu vejo uma grande parte da cidade, as montanhas e tb o mar. ontem a lua estava cheia, maravilhosa, um espetáculo!

mônica lidizzia disse...

Pois eu vejo outros prédios... Mas não me canso de olhar pra cima e ver o céu, pro lado e ver o horizonte.
Re. chuva, ela derrubou um transformador lá em Petrópolis.
Fiquei com pena da "sua" árvore, tadinha!

bjnhs

PS: hoje, não consegui postar os comentários no blog: erro nº sei lá o que. "Tente mais tarde". Tentarei!

Ivana disse...

Bethinha, olha eu por aqui, a olhar pela janela do seu blog para dentro do seu coração. E daqui, te digo que o que vejo é lindo!

Já da minha janela daqui de casa, há pouco mais de 2 meses, eu vejo o mar. Absolutamente todas as janelas aqui do nosso apto dão para o mar (até a janelinha do banheiro). É lindo e não me canso de admirar e de agradecer.

Um beijo, saudades.

Mila Viegas disse...

Aqui em casa eu tenho em torno de 11 janelas (não tinha feito esta conta ainda... rs). Das duas janelas da minha de uma das minhas duas salas eu vejo o meu quintal, árvores e duas lindas montanhas. O mesmo eu vejo da janela do meu quarto. As duas outras janelas da minha outra sala dão para um corredor no quintal que eu adoro... daí posso ver a cerca viva de caliandras. Da janela do ateliê vejo outra montanha que circunda o vale. Da janela do quarto do meu filho e do quarto de hóspedes eu vejo a minha varanda da frente e a cerca viva lateral, tb com caliandras. A janela da cozinha tb dá para a varanda e vejo o mesmo cenário, e em breve verei a minha horta crescendo lá fora. Tenho mais duas janelas na cozinha que não abrem.. são tipo um aquário que dá para a cerca viva e minha futura horta.

Minha casa tem muitas janelas... e eu adoro demais isso! Fica tudo iluminado mesmo quando estão fechadas, pois são de vidro e possuem cortinas leves (na sala e na cozinha), então claridade é o que não falta aqui.

Adoro olhar pelas janelas e ver a paisagem, mesmo quando o tempo está fechado. Adoro quando tem neblina ou quando o céu está azul e as montanhas exibem ainda mais o verde e colorido das árvores. Aqui eu nem tenho como me sentir claustrofóbia (impossível!). Amo as minhas janelas e tudo o que elas mostram pra mim!

beijosssss

Richie disse...

Oi Beth!
Vim retribuir a sua visita, e vou te contar: to na casa dos meus avós, e da janela do meu quarto aqui eu consigo ver a cidadezinha toda que eles moram, a torre da igreja, pontuda, se destacando no meio das árvores e telhadinhos vermelhos, e lá no horizonte as montanhas da serra da mantiqueira. Fala se não é uma visão privilegiada? Bem melhor q a da minha casa, que a janela dá pro muro :S

Tentei seguir vc mas não achei o link de seguir.. mas volto aqui, ta? bjo

Gisley Scott disse...

Muito legal essa analogia da janela.No inverno[que graças à Deus já passou por aqui], somos "obrigados a mantê-las fechadas por causa do frio,ô mais que é uma depressão só, viu?

Realmente não se pode ver além do cubículo sem uma janela.Elas são a ponte entre o que está ocorrendo dentro de um lugar e fora dele.

E na gente a janela são os olhos.Quantas vezes a gente fecha os nossos olhos pra tanta coisa,não é mesmo? Pra beleza, pra vida, para as flores, para um sorriso de uma criança...Ficamos acostumados que para abrir essas "janelas", precisamos ter algo bombante acontecendo lá fora.

Que limpemo-as e deixamos a luz entrar :)!

Bjos!

Lúcia Soares disse...

Oi, Beth. Da minha janela da frente, vejo a rua, movimentada, jogando pó de asfalto pra dentro da minha casa, que é baixa, bem no nível.
Mas das janelas dos fundos, dos quartos que foram "dos meninos", tenho uma paisagem linda, embora seja da cidade, poucas árvores, mas um panorama muito bom de se apreciar.
E a analogia do blog ser uma janela que abrimos pro mundo, foi ótima, viu, Glorinha?
E realmente as janelas nos revelam muitas vezes até o que não queremos ver.
Achei lindo seu texto, você está a cada dia se superando.
Bom voltar.
Bom poder escrever de novo.
Bj

Dani dutch disse...

OI Beth, por aqui muito verde, hj está uma calmaria só, e estou ouvindo os passarinhos cantar, que presente divino, não? bjuss