.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Rebelião no Mundo Animal


(Panda gigante do Zoo de Washington-foto minha)





O panda Tai Shan , que foi devolvido à China dia 4 de fevereiro,  como parte de um acordo com o governo chinês. O animal fará parte de um programa de preservação da espécie e ficará na província de Sichuan. Crianças mandaram cartões de despedida a Tai Shan.



Se não existissem os fantásticos zoos como este ou grandes aquários como o de Lisboa, onde pudemos ver de perto centenas de espécimes dos maravilhosos oceanos, não poderíamos apreciar tão bem e valorizar tão lindos e raros animais da nossa variada fauna, alguns desses protegidos até da extinção quando em cativeiro.

Ver uma imensa arraia ou este belo e gigante peixe abaixo, com o nariz colado no vidro é um show.  Mas não deixei de ficar pensando naqueles pequenos olhos tristes me olhando do outro lado,sem uma companheira de sua espécie,  realmente é meio estranha a sensação de saber que eles estão ali para nosso deleite e encantamento, mas que ali não é seu verdadeiro universo.

(Peixe Anjo - Oceanário de Lisboa-2009 - foto minha)


Mas, pude observar também que o local é super bem cuidado, um batalhão de gente especializada, biólogos, inclusive, tratam do oceanário com o máximo esmero para que os seres ali expostos não sejam molestados e mantêm tudo num equilíbrio quase como o próprio oceano.

A atitude abrupta da orca que esta semana acarretou na morte da treinadora num parque em Orlando, deixou-me pensativa a respeito,  tanto pela vida ceifada da pobre moça, quanto pela forma que ainda insistem em manter, fazendo de animais como este, que tem suas vidas sociais formadas quase iguais às nossas, com famílias e filhotes, livres no vasto oceano, virarem da noite pro dia em atrações para platéias barulhentas, repetindo truques, quase uma escravidão.

A impressão que passou-me é que esta orca se rebelou, cansou de repetir sempre a mesma coisa, não quer mais continuar neste show. Só que ela não sabe falar e esta foi a forma que ela arranjou para demonstrar sua insatisfação por estar ali, num espaço exíguo para seu tamanho e peso (5 toneladas).

E lendo hoje o G1, soube que vão manter a mesma no parque e rever seus procedimentos de segurança.  Uma especialista disse: “Todos os seus instintos naturais são frustrados por falta de espaço e de liberdade, por um ambiente completamente artificial e por intervenção humana constante” (Joyce)

Sei não, mas acho que algum tribunal no mundo sim é que deveria rever os procedimentos sobre esta escravidão dos animais pelos animais humanos.  Bem, esta é a minha opinião.

(Treinadora Dawn Brancheau - Imagem daqui)







13 comentários:

Fe disse...

É uma pena pela treinadora, uma pena.... Beijos!

Bia Mendonça disse...

Ai Beth, super triste a morte dessa moça. Eu adora esse show quando ia a Disney. Mas concordo com vc, apesar de ser lindo e divertido para gente, coitada a pobre baleia que tem que repetir o show várias vezes durante o dia ou várias vezes na semana (não sei como é o processo).
Disseram que foi um acidente, que as orcas são tranquilas de natureza, mas até a pessoa racional mais tranquila do mundo, perde a cabeça as vezes, pq não um animal tb?

Bom final de semana!

bjs

Paty disse...

Oi, Beth,

Eu estou pasma com esta história da treinadora.
Já estive neste parque e tenho que admitir que achei meio chato, nunca mais quis voltar. Mas as crianças adoram.
Odeio ver animais presos, ainda que tenham o maior conforto possível, pois esta não é a natureza deles.
E falando em natureza, fiquei ainda mais revoltada com as pessoas que "sugeriram" que a baleia devia ser morta porque assassinou a treinadora. Gente!!! Pelo amor de Deus! É um animal, não sabe o que faz. A treinadora estava ciente dos riscos do trabalho que desenvolvia. Sinto muita pena dela e da família, mas o risco sempre esteve ali.
No parque eles sempre diziam que os animais são super dóceis, mas todo mundo sabe que eles podem ter reaçòes imprevisíveis.
As únicas coisas que eu acho que tinham que fazer seriam examinar a baleia e fazer exames pra ver se ela está com algum doença (sei lá, se ficou com algum problema cerebral ou de saúde, pra ter feito isso) e aprender a lição e parar com estes shows. Já perderam a vida desta pobre mulher, a família dela deve estar despedaçada com uma morte tão trágica, então chega de fazer dinheiro às custas de animais, né? É a minha opinião... Bjs.

Georgia disse...

Bethinha querida, penso como você. Aliás quando vimos o documentário eu disse a mesma coisa. Que ela estava cansada de tantas apresentacoes e esse foi o meio que ela encontrou de dizer: BASTA!


Nao sei se você leu A dama das camélias, mas falei dele no meu outro blog.

Tem tempo de deixar um comentario por lá?

http://www.elasestaolendo.blogspot.com/

Bom fim de semana

Luciana Håland disse...

É uma escravidão realmente, säo capturadas e colocadas para trabalharem pro parque, em troca de viverem presas, escravidão total.
Eu vi isso ontem, a primeira coisa que me veio na cabeca foi: parque não é lugar pra baleias, como insistem nisso? Como isso é permitido? Eu não iria a um show desses, mas pagaria pra ir de barco a algum lugar pra ver as baleias no seu habitat natural. Mesma coisa com relacäo aos treinadores, dizem que amam os animais, mas quem ama realmente não sacrifica o outro dessa forma, näo aprisiona. Sinto muito pela vida dessa treinadora, tão jovem e morta de uma forma bárbara, mas a baleia apenas está na sua natureza.
Beijo

Camila Hareide disse...

Bethinha, eu acho bicho em cativeiro uó! MAs como vc disse, existem alguns zoos que se esmeram em trabalho de pesquisa e conservação. Mas os olhos dos bichinhos são muito tristes... Jamais esqueço do tanque dos ursos polares no zoo do Central Park, em NY. Um calor de 35 graus no verão, os ursos sentadinhos em pedras de gelo, e um no tanque nadando em 8, por horas a fio, maior comportamento obsessivo. Muito triste...

No caso da treinadora, pobre moça, me comovo. Mas é preciso lembrar que os animais, por mais domesticados que estejam, são apenas animais. A culpa nunca pode ser jogada neles quando algo assim acontece. Exatamente porque o animal não tinha que ter sido exposto àquela sirtuação na maioria dos casos.

Muito bom levantar essa questão...

beijo

Glorinha L de Lion disse...

Beth, estamos em sintonia mesmo! Eu ia escrever sobre isso hoje de tal maneira essa estória me chocou!
Infelizmente tem que acontecer um fato horrível assim para que as pessoas parem pra pensar nessa barbaridade perpetrada aos animais.
è o fim ainda escravizarem os animais desse jeito...detesto esses shows, jamais iria a um, fui ao Oceanário de Lisboa e realmente é maravilhoso, mas saí de lá morrendo de pena dos pobres animais...pq tem que ser assim?
Pq, como disse a amiga aí em cima, não fazem passeios para vê-los livres na natureza?
As orcas ficam com as barbatanas caídas quando em cativeiro, parecem demonstrar sua tristeza desse jeito...e uma vez vi um documentário sobre uma que era famosa e resolveram colocar em liberdade depois de anos fazendo gracinhas pros seres humanos, e a pobrezinha, não saía de perto dos humanos, não conseguiu se adaptar ao oceano...procurava sempre a companhia de um ser humano...
Isso é de uma maldade sem fim!
Acho zoos, oceanários, tudo isso, um horror! Deveria haver um tratado internacional contra prender e retirar animais de seus habitats. Hoje em dia, que tanto se fala em ecologia e meio ambiente não há mais lugar e nem deveria haver gente que participa de coisas assim.
Sinceramente, tenho mais pena da orca...ela não teve opção.

Beijinhos revoltados.

ML disse...

Pois eu sinto muito é pela vida "besta" que os humanos a forçam a ter.
O escravismo animal tem de acabar, explorar os bichos é jurássico e antiético.
Eu me sinto muito mal quando passo em Petrópolis (ou no C.Park) e vejo aqueles cavalos levando, no meio do trânsito (veículo atual), turistas (alienados) pra dar um "rolé à moda antiga".

Adorei seu post.

bjnhs

Eduardo disse...

Animal preso e confinado em um espaco pequeno diferente do seu habitat acaba ficando paranoico. Esse eh um problema de todos os zoos. Por outro lado a baleia pode ter querido brincar com a treinadora, levando-a para baixo d'agua. Em filmes naturais sobre a orca ja observei que eh comum ela e suas companheiras ficarem "brincando" com uma foca ou pinguim, jogando-o de um lado para outro ate devora-lo. Esta no instinto desses animais.
O risco existe e as pessoas acabam se esquecendo quando vao a circos com domadores de feras e shows como o Sea World. O animal nao tem culpa; sinto pesar pela treinadora e sua familia.
Detalhe: o peixe anjo acima tambem eh conhecido no Brasil como peixe Lua. Engracado, nao eh?
Um abraco
Eduardo

Wilma disse...

Sinto muito pela treinadora, pela familia dela, foi cruel já que ela sempre se dedicou aos animais e deles gostava tanto. Espero que acabe com este tipo de espetáculo, assim como já proibiram em circos, quando estive por lá não quis vê-la preferi fazer outra coisa, não vejo muita graça, é muito adestramento e sabe-se lá como é feito.

Lucia Cintra disse...

Foi horrivel o que aconteceu com essa mulher, mas concordo que nao deviamos escravisar esses animais e achar que eles estao bem ali fazendo os truquinhos que aprenderam. Deviam soltar essa baleia pra onde ela pertence, acho mt triste isso! bjos

Beth/Lilás disse...

Comentário da Revista Veja desta semana:

"Sacudiu-a como as orcas fazem com seu prato predileto – focas –, diante dos olhos horrorizados do público, e não queria largá-la de jeito nenhum. Responsáveis pelo parque tentaram insinuar que a treinadora havia escorregado e caído na água, o que explicaria uma reação agressiva da orca. Todas as testemunhas discordaram. É claro que o caso suscitou uma discussão que pega fundo: é certo manter animais selvagens em cativeiro, para entretenimento dos humanos? Num futuro não muito distante, é provável que sejamos vistos como romanos no Coliseu pelas barbaridades infligidas aos nossos primos genéticos por pura diversão. Mas não é razoável dizer "benfeito", como fizeram certos defensores dos direitos dos animais diante da morte de Dawn. Tilikum, que tem outros dois casos na ficha (um treinador no Canadá e um desavisado que entrou no tanque dele, na Flórida), não será sacrificado nem solto no mar, como aconteceu com Keiko, o protagonista de Free Willy, que não se adaptou à liberdade e morreu de pneumonia. Relembrando: as orcas são as parentes maiores dos golfinhos e desde a Antiguidade levam o epíteto de assassinas por matarem baleias de verdade. Nada que combine com bichinhos de pelúcia."

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ana Tereza Merger disse...

Belo, post, amiga. Concordo com vc. Nunca gostei de circos e outras instituiçoes que usam os animais selvagens como atraçoes. Espero que um dia isso se torne coisa do passado e que eles possam viver onde e como merecem. Beijos pra você.