.....................................................................................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

terça-feira, 23 de junho de 2009

Vamos aproveitar "O ponto da Virada"


Bem, minha gente o assunto é o seguinte, dois pontos: Eu estava lendo semana passada o jornal O Globo, mais precisamente a coluna de Zuenir Ventura que é um dos escritores que mais me atrai desde a época do vestibular e que até hoje, qualquer coisa que ele escreva e que meus olhos caiam em cima, vou logo lendo e, como sempre, gosto muito.
Nesta sua pequena crônica em que ele relata a volta de uma viagem à Europa acompanhado de Luis Fernando Veríssimo e esposa, num determinado momento cita um livro para ilustrar seu texto e fui lá no tio Google pesquisar. Descobri que é no momento um dos livros mais vendidos, um best-seller; O ponto da virada - e que tem como base o seguinte:

Sinopse

O que faz com que um produto, um serviço ou mesmo atitudes virem moda da noite para o dia? Que tipo de mudança faz, por exemplo, com que livros desconhecidos se transformem em best-sellers? Ou o que explica o aumento do consumo de cigarros entre os adolescentes, apesar da campanha antitabagista? Neste livro Malcolm Gladwell mostra como entender fenômenos sociais desse tipo - vê-los como epidemias. O momento decisivo em que essas novidades se alastram - ou se acabam - é o que o autor chama de 'O ponto da virada'.
(site Livraria Cultura)


E aí fiquei super interessada em ler mais sobre o tal autor e seu livro. Entrei em alguns sites e li alguns trechos do mesmo e no final fiquei pensativa a respeito do que as idéias de Gladwell dizem:

"‘Idéias, produtos, mensagens e comportamentos se espalham como vírus’, diz o autor. E o momento decisivo em que essas novidades se alastram − ou se acabam − é o que ele chama de o Ponto da Virada. Esse instante crítico surge com mudanças que, embora pequenas, surtem um efeito extraordinário.”

Ora, muita gente está usando armas de mídia poderosas como blogs, twitter, facebook, e-mails, youtube, podcast e uma infinidade de meios para se fazer alcançar, ouvir, aparecer, manifestar, declarar e porquê não usar destes meios para revolucionar, no bom sentido, claro, e fazer crescer como agora uma manifestação de grandes proporções como no Irã.
Estava ouvindo hoje a jornalista Miriam Leitão na rádio CBN-Rio, falando com o jornalista Sardenberg sobre a crise naquele país e do quanto o uso das ferramentas de mídia ajudou-os agora, já que eles têm simplesmente, cerca de 75 mil blogueiros e que conectados à várias ferramentas dessas de mídia, foram para as ruas quase 1 milhão de pessoas reclamar contra estas eleições fajutas. Aquele Governo esqueceu que as mulheres estudaram muito e hoje tem um índice baixíssimo de analfabetismo, somente 4%, para um país que discrimina as mulheres até hoje. E a mensagem que eles enviaram através dessa mídia é que : "Nós não queremos ser isolados do resto do mundo!"

A morte da linda jovem Neda nisso tudo é a realidade trágica da vida, mas até quem postou o vídeo da morte dela, o jovem iraniano Hamed que vive na Holanda, disse que usou desta ferramenta para mostrar ao mundo o que é o atual momento dentro daquele país e com isso arrebatou milhares de pessoas em solidariedade à vítima em todo o planeta, assim como muitos usuários do Twitter colocaram como imagem de seu perfil a cor verde em solidariedade aos iranianos. (vejam aqui mais notícias sobre este assunto)

E aí, voltando às idéias de Malcolm Gladwell que eu ainda não li totalmente, mas pretendo em breve esmiuçar, vejo que realmente existe um momento decisivo, aquele ponto da virada, onde as novidades aumentam ou se acabam como numa epidemia e é decisivo e importante tal momento, porquê pode influenciar pessoas e quem sabe, mudar o mundo.

E esse blá-blá-blá todo é porquê acho que temos algumas peças valiosas em nossas mãos. todos os dias e a qualquer hora. Não estou falando daquelas correntes que de vez em quando me enviam ou da oração de não sei que santo para arrumar a vida ou coisa e tal, mas sim do que tem valor social e real.
Podemos e devemos usar essas peças para disseminar coisas boas, idéias criativas, usar nossa influência para irradiar bons conteúdos e mensagens que possam contaminar milhares de pessoas para um mundo melhor.

Mais sobre o assunto você pode ler nestes sites abaixo que usei para pesquisa:

  • http://www.fashionbubbles.com/2008/geeks-are-mavens/
  • http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/miriam-leitao/MIRIAM-LEITAO.htm
  • http://especiais.fantastico.globo.com/vemcomtudo/tag/malcolm-gladwell/


12 comentários:

Lucia Cintra disse...

Que interessante, eu tenho esse livro e eh um dos que comecei a ler mas nao terminei no comeco do ano. Vou voltar a ele, pois e' muito bom, eu eh que estava sem tempo. bjos

Heloísa disse...

Beth,
Muito bom!
Devemos, mesmo, aproveitar tudo que possível para disseminar o bem e as boas ideias.
Parabéns.
Beijos.

ML disse...

E o que mais blogueiros (as) sérios (as) almejam do que "aparecer" por causa do conteúdo de seus posts?
Este livro vai para minha lista do que fazer/resolver/ler.

Brigadão pela dica, Beth.

bjnhs

PS: aguardando o "seu" livro que, aí sim, será prioridade "0".

Georgia disse...

Beth, bom dia!

Gostei demias desse seu texto.

Por aqui ontem se falou muito dos blogueiros no Ira e dos problemas tanto políticos como sociais que eles enfrentam no momento.

Acredito como esse seu texto, eles estao no momento da virada.

Um grande beijo e obrigada por tudo nesse momento muito difícil prá mim.

Valeu!

Luciana disse...

Oi Beth, cheguei ao seu blog através do blog da Barbrinha. Achei diferente o nome do blog e lendo as explicacoes pude entender melhor.rsrss. Parabéns pelo blog e tenha um dia maravilhoso.

Flávia Fayet disse...

Oi BEth, mto obrigada pelo carinho e preocupação! Tá "feio" o negócio aqui, os casos de gripe A estão sendo confirmados e todo mundo assustado! Ontem só sai pra rua pra buscar as mascaras e mesmo assim, voando... O Bernardo só dentro d casa, mas o ambiente bem arejado, já que é pior ficar com tudo trancado! Mas se Deus quiser tudo vai passar logo logo! Beijão

BarbieGirl disse...

Sábias palavras, Beth!
Me interessei pelo livro tb!!

bjks

Rosamaria disse...

Gostei demais do teu comentário lá no blog, vou seguir teus conselhos, hehehe.

Este livro deve ser muito interessante, Beth!

Bjim.

luluonthesky disse...

Valeu a dica Beth.
Big Beijos

Ana disse...

É um tema fascinante!

Só agora estamos avaliando o quanto a comunicação via internet poderá influenciar a opinião pública e ser formadora de opinião!

Gostei muito do teu post, Beth! Faz pensar, ajuda a entender esta coisa misteriosa que é o comportamento social e seus modismos!

Mila Viegas disse...

Nossa Beth, que post maravilhoso!!! Fiquei interessada no livro.

Beijossss

Luciana Håland disse...

Quero ler esse livro também.
Quem sabe quando for ao Brasil eu trago.
Beijo